GPIT lança site Cartografias da Ditadura

GPIT lança site Cartografias da Ditadura

O ato de recordar sempre nos remete a uma imagem, na qual subsiste um contexto espacial. Portanto podemos dizer que não há memória sem lugar, um pano de fundo, um cenário no qual esta memória se sustente.

A ditadura no Brasil, como em tantos outros países latinoamericanos, foi de uma violência atroz para quem a sofreu de modo direto através de perseguições, torturas, desaparecimentos e mortes. Relembrar estes acontecimentos para estas pessoas é, seguramente, uma tarefa complexa e dolorosa, muitas vezes inatingível.

Por outro lado, a repressão ocorrida durante os anos do regime atingiu outras tantas pessoas e grupos sociais, de modo menos intenso e indireto, causando marcas profundas sobre as quais se organiza a estrutura e dinâmica social dos brasileiros. O que somos hoje, enquanto cidadãos, com certeza está ligado ao que passamos durante este período.

Neste sentido, o Grupo de Pesquisa Identidade e Território – GPIT, busca descodificar estas marcas da ditadura, através de uma coletânea aberta de narrativas, as quais se inscreverão na cartografia de Porto Alegre, de modo a registrar, de outra maneira, os lugares e acontecimentos que marcaram este período na cidade.