O repertório de sonatas e sonatinas produzidas nos países europeus, na Rússia e mais recentemente nos Estados Unidos, tem sido o objeto de estudo e valorização de um número crescente de publicações. Verbetes em dicionários, como na edição do New Grove (2000), ignoram toda e qualquer produção latino-americana ao comentar sobre a sonata tanto como gênero de composição instrumental quanto como forma preferencial adotada por um número significativo de compositores. Enquanto a produção de sonatas em várias combinações instrumentais de compositores da Rússia soviética e de Béla Bartók da Hungria recebem amplo espaço para comentário, os quartetos de cordas de Villa-Lobos, obras de inquestionável relevância, são ignoradas. 

Qual a razão deste silêncio? Preconceito arraigado, dificuldade de acesso? À exceção da Sonata nº 1 de Ginastera (1952), detentora de um número significativo de gravações, as sonatas para piano têm divulgação restrita, não são incluídas em antologias e as gravações são raras. Hinson (1989), em seu livro sobre repertório pianístico, menciona o nível de habilidade demonstrado nas sonatas para piano de Roque Cordero do Panamá, de Carlos Chavez do México, Campos-Parsi de Porto Rico e de Guarnieri do Brasil. No entanto, estas obras ainda não receberam divulgação adequada. Este projeto visa contribuir no preenchimento desta lacuna. 

No repertório escrito no século XX na América Latina, sonatas e sonatinas são veículo de expressão musical inseridas na tradição instrumental e boa parte dos compositores deste período, procurando resgatar o significado original derivado do italiano suonare, empreendeu uma busca de como conciliar a adoção ou a rejeição de uma forma academicizada e seu próprio posicionamento estético. Na América Latina, constata-se uma considerável produção de sonatas para piano sendo que estas apresentam um grau variado de relevância composicional e instrumental. Um elevado número destas reflete o uso de sofisticado aparato composicional e a escrita pianística é gratificante para o intérprete. Estas obras permanecem desconhecidas fora do seu entorno imediato, são pouco tocadas e raramente gravadas. Seu desconhecimento espelha uma política ainda prevalente de desvalorização desta produção em favor da manutenção do repertório europeu tradicional. Entendemos que a autonomia ideológica e política de um povo advém da valorização do seu legado cultural e do seu patrimônio artístico. Os textos aqui contidos refletem o cotejamento de escritos de cunho musicológicos e analíticos pertinentes ao repertório selecionado oferecendo descrições de tendências estéticas, dos procedimentos composicionais e das técnicas instrumentais manifestas no acervo de obras compostas na América Latina no século XX. 

Os textos aqui publicados a partir de 2001 (comentários) foram elaborados durante a bolsa de Iniciação Científica por Daiane Raatz dos Santos, Sandra Mohr, Karin Engel, Daniela Carrijo Franco da Cunha, Liliana Michelsen de Andrade, Carolina Avellar de Muniagurria, Fernando Rauber Gonçalves, Rodolfo Faistauer, Paula Bujes, Eduardo Galiano Knob, Davi Silveira dos Santos  e bolsista voluntário Daniel Benitz, com a orientação da Professora Doutora Cristina Capparelli Gerling. Vários textos foram compilados de dissertações de mestrado e de doutorado com a concordância dos autores.