Clube de pães promove reparação social

Iniciativa promove o desenvolvimento da autonomia para reverter a situação de vulnerabilidade pessoas que estão vivendo na rua

Por Állisson Santiago e Andressa Machado

A Amada Massa é um clube de pães que funciona em um sistema de assinatura. Toda semana, os assinantes encomendam um ou dois pães para receberem semanalmente e a produção acompanha esta demanda. Poderia ser apenas mais uma empresa com uma proposta moderna, que explora um nicho de mercado carente, entretanto o projeto tem uma intenção maior que apenas atender a um público consumidor. Na verdade, o público alvo são os moradores de rua.

A iniciativa funciona da seguinte maneira: a cada dois pães feitos sob encomenda, mais um é feito para que quem está morando na rua possa vender e gerar renda para si. A assinatura mensal, que viabiliza que até dez pessoas em situação de rua participem do projeto, custa R$ 60. Os pães são produzidos durante a semana e distribuídos nas quintas-feiras em alguns pontos de Porto Alegre. Até a data desta publicação, o projeto contava com 76 assinantes, mas as assinaturas continuam abertas.

Após o processo de distribuição, ocorre, geralmente no início da tarde, uma reunião com o pessoal em situação de rua que está vinculado ao projeto. Esse é o processo mais importante da iniciativa, pois esses encontros de acolhimento são um espaço importante, o qual os participantes usam para falar das suas vidas, discutem o projeto juntamente aos organizadores e recebem a quantidade de pães que eles mesmos, em decisão conjunta, avaliam ser justa para cada integrante.

Essa dinâmica foi escolhida porque a ideia do Amada Massa não é ser um projeto assistencialista. A intenção é promover, aos poucos, condições para que as pessoas que se viram em algum momento da vida desabrigadas e desamparadas consigam mudar a própria realidade, em um processo que promove o desenvolvimento de uma consciência de responsabilidade pessoal.

 

Experiências que contribuem para desenvolver autonomia

João*, um dos colaboradores do Amada Massa, explicou à equipe do Humanista que a forma de organização de quem vive na rua é diferente. Ele é um homem que morou na rua durante um longo período e, de acordo com a sua experiência, relatou que não é nem um pouco simples fazer um planejamento econômico, por exemplo, e este é um fator relevante na manutenção desta condição de vida. “Hoje eu tenho uma poupança. Guardo minhas reservas, faço planos para o dinheiro que eu ganho junto com a minha companheira e esse orçamento é seguido à risca”, relata.

As necessidades quem está na rua são sempre imediatas, como tentar arranjar comida, roupas ou um abrigo para se proteger. João conseguiu mudar a sua condição, frequentou o ensino superior e, a partir da experiência que viveu, foi pensando a iniciativa da Amada Massa para ajudar mais gente a ter algum tipo de incentivo para mudar as condições que estão enfrentando na rua.

Só que o desenvolvimento da responsabilidade individual precisa ser construído passo a passo. Daniel Silva, outro colaborador do projeto, participa de movimentos ligados a pessoas em situação de rua e explica que, se não for um processo gradual, a probabilidade de a pessoa não conseguir criar a consciência de que precisa para mudar sua condição é muito maior. “Imagina se é contigo. Tu não tens absolutamente nada e, de uma hora para a outra, tu passas a ter R$ 100. Tu vais comprar alguma coisa para comer, ir dormir em um lugar decente, e, daqui a pouco, tu já vais te ver sem nada de novo, se tu não conseguires pensar a longo prazo, por mais difícil que seja fazer isso na situação da rua. Isso é uma coisa que a gente conversa muito nas reuniões.”

*João pediu para ter a sua identidade preservada nesta reportagem

Pães com a galera! amadamassa.com.br

Uma publicação compartilhada por Amada Massa (@amadamassa) em

Projeto de um crescimento compartilhado

Os pães são produzidos artesanalmente por Madalena Silva. Dona Madá, como é chamada pelos demais colaboradores, prepara as massas nos primeiros dias da semana e deixa fermentando, de forma natural, até a quarta-feira, quando os pães são assados. Os ingredientes são farinha orgânica, óleo de arroz, água e sal. Cada unidade pesa 500 gramas. Há também o pão da semana, que é feito com algum outro ingrediente. Na semana em que a reportagem acompanhou o processo de embalagem e parte da distribuição, a opção era o pão de milho.

A expectativa dos colaboradores é que a Amada Massa cresça. O projeto ainda é recente, tendo menos de três meses de existência. O primeiro passo para esse crescimento é a conquista de um lugar maior e aumentar a mão de obra, com o pessoal da rua participando ativamente deste processo.

A intenção de dona Madá é passar os conhecimentos que ela tem adiante, ensinando mais pessoas o processo de produção dos pães: “Eu já não tenho muita força para fazer sozinha. Faço tudo com muito amor mas o que eu quero mesmo é passar o que eu sei adiante, o conhecimento tem que ser compartilhado.”

Dona Madá durante a embalagem dos pães da semana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *