A importância de surpreender o usuário

Coluna #OmbudsmanHumanista destaca importância da visibilidade para temas que envolvem direitos humanos e são pouco pautados pelo jornalismo tradicional.

Carla Dutra*

É fundamental que um veículo como o Humanista, que se propõe a tratar de jornalismo e direitos humanos, traga às rodas de conversa assuntos que não costumam ser tratados na grande mídia. E o portal faz isso muito bem, surpreendendo o leitor ao abordar temas como o casamento infantil no Brasil. Enquanto a maioria de nós (me incluo nessa análise) tende a pensar que este é um problema distante, o #ConversaHumanista de 14 de agosto mostra que o nosso país é o quarto no mundo em um ranking de casamentos envolvendo crianças e adolescentes. O podcast se aprofunda ao debater por que esse assunto é tão pouco abordado no nosso país.

Muito interessantes também são as narrativas interativas que o Humanista disponibiliza aos internautas. As escolhas dos usuários determinam o caminho do conteúdo, possibilitando uma experiência nova de leitura (ao menos para esta leitora aqui). O material, explica o portal, é produzido na disciplina de Sistemas Sistemas de Produção Multimídia. Duas narrativas já estão disponíveis (Permita-se e É fake ou é news?), vale a pena conferir.

Já em reportagem especial publicada no dia 8 de agosto, o Humanista trouxe à tona um assunto no qual precisa continuar prestando atenção. A matéria de Yuri Correa explica como o que alguns chamam de “cura gay” polarizou as eleições do Conselho Federal de Psicologia. O pleito será realizado no final deste mês e certamente terá o resultado acompanhado de perto pelo portal. Se o assunto “cura gay” já foi tratado em outros veículos, para mim foi uma surpresa saber que isso está na pauta de uma chapa que disputa o comando de uma entidade como o Conselho. Mais uma vez, o Humanista traz tema relevante e pouco tratado pelos veículos brasileiros.

 


Mais #OmbudsmanHumanista

Inovação permanente e a busca do equilíbrio

Jornalismo hiperlocal, um serviço para a comunidade

O limite nem sempre preciso sobre notícia e opinião

Direitos Humanos da arte ao esporte

Da sílaba ao texto ou aos descaminhos

No caminho certo

Os direitos humanos e o caminho do meio


 

*Carla Dutra é jornalista formada pela UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e tem mais de 15 anos de atuação, com passagens em redações de veículos como jornal A Razão, Jornal NH e Zero Hora; experiência também em assessoria de imprensa. Ombudsman do portal Humanista em 2019. Contato: carladutrasilveira@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *