Um exemplo louvável de educação midiática

#OmbudsmanHumanista destaca narrativa interativa que orienta usuário na tarefa de identificar o que é verdadeiro em meio à profusão de informações no ambiente digital.

*Clóvis Malta

O livre acesso à informação é um dos preceitos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Cabe aos cidadãos e, mais ainda, a quem atua na área de comunicação, como profissional ou estudante, lutar permanentemente para que os conteúdos levados ao público sejam de qualidade – e confiáveis. Por isso, é muito bom constatar que os alunos de jornalismo da Fabico/UFRGS estão comprometidos não só na teoria mas também na prática com princípios de media literacy. Alfabetização para a mídia é o caminho mais eficaz para quem se preocupa em separar o que é verdadeiro e o que é falso no oceano de notícias movimentado cotidianamente por diferentes meios.

É fato? É boato?

Que oportuna a escolha do tema fake news para a largada das narrativas interativas desenvolvidas com arte, técnica e esmero pela disciplina Sistemas de Produção Multimídia. O resultado final do esforço conjunto de estudantes de Design Visual, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Jornalismo surpreende pela elevada qualidade. E foi muito criativa a opção por apresentá-lo como um quiz. Quem se dispõe a interagir, vai recebendo, de maneira lúdica, orientações sobre a tarefa nada fácil de discernir o que corresponde a um esforço de traduzir a realidade e o que é simplesmente mentira.

O conteúdo publicado com a hashtag #NarrativaHumanista inova também na abordagem de outros temas, todos ligados à questão direitos humanos. E há ainda muitos trabalhos notáveis na produção de agosto, a maioria deles já comentados pela colega jornalista e também ombudsman Carla Dutra. Um deles é o corajoso #EnsaioHumanista na área fotográfica sobre um tema sempre de difícil abordagem, pelas sutilezas envolvidas: depressão.

Depressão e outras questões associadas à área da saúde, como o atendimento médico a mulheres, estão também na pauta dos telejornais O Centro e Jornal do Campus, disponíveis no Humanista. Notícias nessa área incluem-se comumente entre as que mais se prestam para inverdades. Ao apostarem em reportagens precisas sobre essa e outras questões, os alunos da Fabico/UFRGS prestam uma contribuição importante contra as boatarias e a desinformação. Certamente, a edição e a apresentação dos telejornais, mais do que as reportagens, ainda podem avançar muito em qualidade. Ainda assim, o simples fato de os futuros profissionais estarem se exercitando no estúdio e na rua em busca do que possa se aproximar o mais próximo possível da verdade significa um esforço louvável em favor do bom jornalismo.

É por aí, pessoal. Até a próxima.

 


Mais #OmbudsmanHumanista

A importância de surpreender o usuário

Inovação permanente e a busca do equilíbrio

Jornalismo hiperlocal, um serviço para a comunidade

O limite nem sempre preciso sobre notícia e opinião

Direitos Humanos da arte ao esporte

Da sílaba ao texto ou aos descaminhos

No caminho certo

Os direitos humanos e o caminho do meio


 

*Clóvis Malta é jornalista formado pela Fabico/UFRGS e tem 45 anos de atuação, com passagens em redações de veículos como Diário de Notícias, Folha da Manhã, Revista Amanhã e Zero Hora (onde atuava como editorialista). Ombudsman do portal Humanista em 2019. Contato: clovismalta@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *