Enem começa neste domingo; entenda as mudanças da edição 2019

Humanista conversou com a jornalista Angela Chagas para entender as mudanças no Exame e o que esperar das provas

Vitória Pinzon / #EntrevistaHumanista

No próximo domingo (3), acontece o primeiro dia do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Neste ano, são cerca de cinco milhões de estudantes inscritos para a realização das provas, que começam com português, ciências humanas e redação. Em função das diversas mudanças promovidas no exame pelo Ministério da Educação – como a criação de uma comissão verificadora para as questões, além das alterações na gestão do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) – a edição deste ano promete ser bem diferente das anteriores. 

Pensando nisso, o Humanista conversou com quem entende do assunto: Angela Both Chagas é jornalista e possui mais de 10 anos de experiência em jornalismo de educação, em especial na cobertura das provas do Enem. Atualmente, também é doutoranda em Educação pela UFRGS e pesquisadora de políticas públicas para o Ensino Médio. 

Angela conta quais as melhores maneiras de utilizar a nota do Enem para entrar na universidade;
prevê quais mudanças podem aparecer nesta edição da prova e comenta sobre a reforma do Exame prevista para entrar em vigor a partir de 2021.
Confira!


Angela Both Chagas*

1) Quais as melhores maneiras de se preparar e controlar a ansiedade?
Em quase 10 anos de cobertura do Enem, acompanhando a preparação dos estudantes para as provas, pude perceber que o fator emocional é muito importante nesse processo. O Enem é um exame longo, cansativo e que cada vez tem um peso maior na vida dos estudantes – é porta de entrada para universidades públicas e privadas. É normal que os candidatos fiquem ansiosos, mas nesta reta final é importante descansar, se alimentar bem e tentar controlar o nervosismo para dar conta de resolver todas as questões.

2) Quais os caminhos para conseguir ingressar na universidade utilizando a nota do Enem? Existe alguma nova oportunidade para qual os estudantes deveriam estar atentos?
O Enem cresceu muito em importância nos últimos anos. É porta de entrada para todas as universidades federais, por meio do Sistema de Seleção Unificada, o Sisu. São pouquíssimas as instituições que ainda mantêm seus vestibulares. No Rio Grande do Sul apenas a UFRGS aplica uma prova própria, mas preenche 30% pelo Exame Nacional. O Enem também é utilizado para selecionar alunos para bolsas de estudo em instituições privadas, por meio do Programa Universidade para Todos, o Prouni. E ainda tem o Fies, que, embora tenha sofrido cortes por parte do governo federal nos últimos anos, ainda é utilizado para financiar cursos de graduação.

Também é interessante que o Enem cresceu em importância não só no Brasil, mas também no Exterior. Hoje já são mais de 40 instituições de Ensino Superior de Portugal que aceitam o exame como critério de seleção de alunos. Então para quem tem interesse em fazer um curso no país europeu, o Enem pode ser uma importante porta de entrada.

3) Segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pelo Exame, o Enem 2019 conta com pouco mais de cinco milhões de pessoas inscritas confirmadas, menor índice desde 2010. Que fatores você acredita que possam ter contribuído para a queda desses números?
Tem uma política adotada pelo Inep que pode ajudar a explicar esta queda, que são as mudanças em relação aos candidatos com direito à isenção de taxa de inscrição. Antes, muita gente se inscrevia para o Exame, mas acabava não comparecendo nos dias de prova. E isso gera um custo ao governo porque é preciso imprimir os cadernos de questão e organizar a logística para o total de inscritos. Para mudar isso, agora quem falta em um ano não tem direito à isenção no ano seguinte sem justificativa de ausência. Então, menos pessoas se inscrevem, mas a taxa de quem comparece, aumenta.

Além disso, outra hipótese para a redução do número de candidatos pode estar associada à falta de perspectivas da população para ingresso no Ensino Superior, tendo em vista a crise financeira das famílias e a redução das oportunidades em programas como o Fies.

4) O governo já anunciou que pretende implementar uma série de alterações estruturais ao Enem a partir de 2021. Mas e quanto a esta edição do Exame, podemos esperar alguma mudança no que se refere às abordagens das questões?
O Presidente da República já fez inúmeras críticas ao conteúdo das questões do Enem, que ele chama de ideológico. O Inep inclusive criou uma comissão que ficou responsável por avaliar o banco de questões do Exame. O resultado do trabalho dessa comissão não foi divulgado porque o governo alega que a preparação para o Exame envolve sigilo. Pelas declarações do Presidente da República, do Ministro da Educação e do próprio Presidente do Inep, avalio que o Enem deste ano será mais conteudista e sem questões que tragam temas relacionados a problemas sociais ou ligados aos direitos humanos, como era uma tradição.

5) No ano passado, uma das principais mudanças do Exame foi a suspensão da norma que previa a anulação da redação dos candidatos que atentassem contra os direitos humanos na prova. Como você vê essa decisão da Justiça Federal, que deve se manter nesta edição do Enem?
Eu entendo que respeitar os direitos humanos é uma questão de cidadania, importante para a formação da nossa juventude. Tenho uma postura crítica em relação a essa decisão da Justiça, mas é fundamental que os estudantes tenham consciência que os direitos humanos seguem entre as cinco competências da prova de redação. Cada uma dessas competências vale 200 pontos, totalizando os mil pontos, que é a nota máxima. Assim, ferir esses direitos não leva mais ao zero, porém pode significar a perda de, pelo menos, 200 pontos.

6) Dentre as alterações divulgadas pelo Ministério da Educação (MEC) para o Enem 2021 está a divisão do exame em duas etapas – a primeira de conteúdos mais gerais e a segunda focada nas áreas de interesse do candidato. Além disso, também está prevista a diminuição do número de questões das provas. Na sua opinião, qual o impacto que essas medidas irão trazer para a educação brasileira?
Essas alterações previstas no Enem integram as mudanças com a reforma do Ensino Médio, tema que tenho pesquisado no Doutorado na UFRGS. A reforma prevê a flexibilização dos conteúdos, assim os estudantes não terão mais a mesma grade de disciplinas ao longo dos três anos do Ensino Médio. Isso impacta o Enem na medida em que hoje a prova é a mesma para todos os candidatos. A expectativa é de que o estudante possa indicar no momento da inscrição qual foi a área em que aprofundou os conhecimentos no Ensino Médio – se foi em linguagens, matemática ou em uma formação técnica, por exemplo – e ter uma prova adaptada para esses conteúdos. Não sabemos ainda como isso será estruturado, mas a preocupação que eu compartilho é de que ocorra uma precarização na formação dos jovens das escolas públicas, aumentando ainda mais a lacuna de acesso ao Ensino Superior em relação àqueles que têm condições de estudar nas escolas privadas de elite.


SERVIÇO

As provas do Enem serão realizadas nos próximos dias 3 (Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação, Ciências Humanas e suas Tecnologias) e 10 de novembro (Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias) em todo o Brasil. Os portões fecham às 13h pelo Horário de Brasília. 

O Humanista preparou algumas dicas para os estudantes.

  1. ATENÇÃO AO HORÁRIO! Atrasos não serão tolerados!
  2. IDENTIFICAÇÃO! Lembre de levar um documento original com foto (não serão aceitas versões eletrônicas ou cópias autenticadas)!
  3. DESLIGUE O CELULAR! Barulhos emitidos pelo aparelho resultarão na exclusão do estudante!
  4. CANETAS PRETAS! Caso o gabarito seja preenchido com outra cor, o leitor que corrige a prova não reconhecerá as respostas!
  5. ATENÇÃO AO TEMPO DE PROVA! Lembrem que não será fornecido tempo adicional para passar as respostas do caderno para o gabarito!
  6. ALIMENTAÇÃO! É permitido levar uma garrafa de água (com embalagem transparente) e algum alimento leve!

FOTO DE CAPA: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

*IMAGEM: Alice Vergueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *