“É um desafio de sobrevivência em meio à tanta informação”, afirma diretor do HuffPost Brasil

Humanista aproveitou a recente visita de Diego Iraheta para conversar sobre jornalismo digital

Andrielle Prates / #EntrevistaHumanista

Na última quinta-feira, dia 21, o Humanista realizou o primeiro “#ConversaHumanista convida, uma versão presencial e dialogada do podcast produzido quinzenalmente pelo portal. A atividade foi aberta ao público da Fabico/UFRGS e aconteceu com o objetivo de proporcionar troca de experiências e conhecimentos com a comunidade universitária. 

Diego Iraheta, jornalista e atual diretor editorial do HuffPost Brasil – site especializado em conteúdo digital – foi o primeiro convidado da iniciativa. Na ocasião, Diego falou sobre sua trajetória profissional e os desafios do jornalismo nativo digital em tempos de desinformação, destacando as mudanças que ocorreram após o rompimento da Editora Abril com o veículo. 

Pensar em um veículo totalmente online ainda é algo novo, pois o público segue acostumado com os veículos tradicionais, como jornais impressos e a televisão. O modo de financiamento dessa modalidade ainda está sendo explorado, tendo em vista que o portal deu continuidade aos trabalhos de forma independente, realizando parcerias com marcas.

Segundo o jornalista, atualmente o HuffPost aposta na interação entre a criação de conteúdos e marcas que se interessam pelas pautas, como forma de ascender o futuro da profissão no meio digital. Como exemplo desse trabalho, Diego trouxe o projeto “Todo dia delas”, patrocinado pela Lojas C&A, que teve como objetivo celebrar a vida de mulheres precursoras do Brasil inteiro, com entrevistas e ensaios fotográficos durante os 365 dias do ano, em 2018. 

O Humanista aproveitou a visita do jornalista para realizar também um #EntrevistaHumanista, para que os leitores que não puderam comparecer ao evento confiram o que foi discutido na palestra  “Desafios do jornalismo nativo digital em tempos de desinformação”. Ouça! 


O que você destacaria como principal diferença entre o trabalho do jornalista em veículos legados e nativo digitais?


A oferta de conteúdos – jornalísticos ou não – na internet impõe a veículos que prezam por um jornalismo ético e responsável uma série de desafios. Quais você aponta como principais nessa disputa pela atenção do público?


A partir de uma experiência bem sucedida em jornalismo nativo digital, como pode ser considerado o caso do Huffpost Brasil, como você avalia as diferenças de modelo de negócio antes e depois da consolidação das redes digitais?


As eleições de Donald Trump nos EUA, em 2016, e de Jair Bolsonaro no Brasil, em 2018, viraram signos da “Era da desinformação”, amplamente potencializada pelas “fake news” no ambiente digital. Qual é, na sua avaliação, o papel do jornalismo nesse processo – tanto para evitar desinformação quanto para, eventualmente, contribuir para que ela se dissemine?


Nesse contexto todo, qual seria a sua dica para estudantes de jornalismo às vésperas de ingressar no mercado e, ao mesmo tempo, para quem tem interesse em começar uma formação na área?


FOTO DE CAPA: Raíssa de Avila/Humanista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *