Resumos - 2007 a 2008
Início
Assuntos
Autores
Orientadores
Títulos
Universidades
7988
Ano 2008
IES UNIP
Programa COMUNICAÇÃO

Titulo

Mulheres do Filme As Horas - tessituras do âmbito feminino no processo de recepção, As.
Resumo “As mulheres do filme ‘As Horas’ – tessituras do âmbito feminino no processo de recepção” é uma dissertação que visa demonstrar a influência decisiva da obra-prima “Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf (1925), na adaptação do romance “As Horas”, de Michael Cunningham (1998), e no filme de Stephen Daldry que leva o mesmo nome, sendo esta obra cinematográfica o principal suporte metodológico na caracterização de três personagens femininas e sua projeção no processo receptivo do gênero. A problematização relaciona-se com o percurso da obra literária até chegar ao dispositivo fílmico no qual são representados os desejos e as angústias de três mulheres – uma real e as outras duas ficcionais. A primeira é a própria autora do livro que se transforma no tempo de “As Horas” em personagem. A segunda, uma produção literária da primeira, que vive no eixo temporal da trama os conflitos do amor e do abandono. A terceira, uma criação contemporânea, debate-se o tempo todo com o passado, com os “restos” que ficaram da segunda, assumindo assim o papel de amante fiel, objeto de desejo masculino. Embora a complexidade das personagens apareça no filme de modo indicial, o problema está na decifração e na interpretação da subjetividade feminina, a partir da qual a mulher determina seus comportamentos na vida real, embora na trama ficcional nem sempre esses modelos identificatórios que se oferecem correspondem às expectativas das espectadoras, em função de si mesmas ou do gênero ao qual pertencem. Por esta razão, considera-se relevante, como justificativa deste trabalho, oferecer a leitura pormenorizada da versão original do livro “Mrs. Dalloway” e “As Horas”, assim como a decupagem narrativa do filme, seguindo as pautas da produção e da linguagem cinematográficas. A partir deste quesito de enunciação, desenvolve-se a caracterização de cada uma das protagonistas e seus traços distintivos, aqueles que as projetam na tela, adquirindo personalidade ou caráter, conforme o mérito de suas ações. São sugeridas possibilidades identificatórias das espectadoras com as personagens, suas ações e responsabilidades sociais na construção de uma cultura receptiva para com o gênero. Os procedimentos metodológicos que pautaram esta pesquisa teórico-bibliográfica, como fundamentação literária, partiram justamente da leitura, da análise e da interpretação da obra original e de sua adaptação. O lado prático da pesquisa consistiu na aplicação das categorias estéticas da recepção: poíesis ou techné, aisthesis e catarse em cenas escolhidas do filme “As Horas”, nas quais o protagonismo das três mulheres resulta crucial para entender a origem sensível de suas ações, na seqüência narrativa em que se define o caráter de cada uma delas, e o desenlace no qual se projeta o destino das representações do gênero. Em relação ao referencial teórico, buscou-se apoio em fontes primárias que incluíram as obras literárias já mencionadas. Procurou-se destacar no trabalho os episódios que envolviam a sociedade inglesa no contexto literário do modernismo, assim como do pós-modernismo da adaptação à luz da obra de Anthony Burgess, “A Literatura Inglesa” (2006), e a de David Harvey, “Condição Pós-moderna” (2005). A obra de Marcel Martin, “A Linguagem Cinematográfica” (2003), serviu para fundamentar os aspectos da produção que reforçam os efeitos receptivos do filme em geral, e de cada uma das cenas em particular. Do ponto de vista temático, foram consultadas as obras de Gilles Deleuze, “A Imagem–Movimento” (2005), “A Imagem–Tempo” (2005), e a de Andrei Tarkovski, “Esculpir o Tempo” (2002), na qual tempo e espaço se fusionam a favor do surgimento de uma poética da imagem. Para tratar das mulheres e do universo social feminino, buscou-se especialmente Maud Mannoni em “Elas não sabem o que dizem – Virginia Woolf, as mulheres e a psicanálise” (1999), com o intuito de se saber como elas amam e se comportam de acordo com as características típicas de seu gênero. A dissertação contempla, no primeiro capítulo, o modernismo inglês, no qual surge a obra literária “Mrs. Dalloway”, que influencia o romance “As Horas”, de Cunningham, e a posterior adaptação para o cinema do filme homônimo de Stephen Daldry. O segundo capítulo aborda a linguagem audiovisual para ilustrar as cenas mais relevantes do filme e a aplicação das categorias da estética receptiva a fim de se estabelecer a imagem das três mulheres protagonistas. O terceiro capítulo apresenta uma interpretação dos principais motivos das mulheres para se identificar, no filme “As Horas”, com as situações nele vividas ou com as projeções que este suscita quanto às reivindicações sociais do gênero. Pretendeu-se salientar nessa pesquisa as mediações audiovisuais da linguagem cinematográfica que interferem no processo de recepção, tanto pelo viés da crítica, quanto pelo viés da identificação dos gêneros. O fim, neste caso, consiste em reconhecer a imagem da mulher artista e criadora, esposa e mãe, amiga e amante, de qualquer ponto de vista sexual, para a projeção do gênero feminino no contexto de suas ações na sociedade contemporânea.
Autor ZOMIGNANI, Rosana Fulvia
Orientador BALOGH, Anna Maria
Nivel M
Palavra chave Cinema Americano,  Adaptação,  Literatura
Texto Completo