Exposição “Curucu no parquet” abre no dia 29/6, quinta, às 19h, e permanece aberta de 03 a 28/7 na Pinacoteca do IA/UFRGS. Entrada franca.



Evento: Exposição “Curucu no parquet”
Promoção: Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do IA/UFRGS
Abertura: 29 de junho, quinta, às 19h (com apresentação de intervenções sonoras feitas por Fernando Bakos)
Visitação: de 03 a 28 de julho, das 10 às 18h, de segunda a sexta
Local: Pinacoteca Barão de Santo Ângelo do IA/UFRGS (Rua Senhor dos Passos, 248, segundo andar — Centro Histórico, Porto Alegre)
Ingresso: entrada franca

Imagens: cedidas pelos artistas
Site da exposição: https://fbakos.wixsite.com/curucunoparquet

Na quinta-feira, 29 de junho, abre na Pinacoteca do Instituto de Artes da UFRGS a exposição “Curucu no Parquet”, que reúne obras de quatorze artistas. Proposta pela professora do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do IA/UFRGS Elaine Tedesco, essa mostra apresenta trabalhos envolvendo contaminações da audiovisualidade na memória coletiva, presentes nas propostas dos artistas em objetos, fotografias, vídeos, desenhos, instalações e performances. São processos que indicam a presença dos sujeitos e uma forma de apreender a passagem do tempo na obsolescência das coisas — o que, de certo modo, revisita o descenso da cultura sinalizado pelos dadaístas.

A abertura da exposição terá intervenções sonoras colaborativas criadas pelo artista e professor Fernando Bakos.

Artistas que participam da exposição “Curucu no parquet”: Andressa Cantergiani, Carla Borba, Daiana Schropel, Denis Rodriguez, Elcio Rossini, Fernando Bakos, João Paulo Vicentini Franz, Leo Caobeli, Luciane Bucksdricker, Marco Antônio Filho, Samy Sfoggia, Tula Anagnostopoulos, Vivian Lockmann e Viviane Gueller

“De uma hora para outra, nos encontramos sentados em roda naquela sala vazia. ( ) Passamos a nos imaginar entre catálogos e manuais inutilizados, procurando a frase com uma lanterna, passando ao lado de longas tranças, filmes bordados e costurados, escadas, brinquedos queimados. Uma vontade de cobrir o corpo com argila e entrar no mar. ( ) Projeções: olhamos outros acionando centenas de imagens provindas de HDs recuperados, borboletas, a lavagem de uma escadaria, uma conversa que não escutamos durante a aterrissagem do avião, num relance, o olho que passeia pela ferrugem, colheres enfiadas no muro, retratos alterados, desenhos de outras naturezas, máquinas de escrever e ovos empilhados. ( )Isso num intervalo, nesta quinta-feira, antes do caça-palavras pra escolher entre desencapado e o curucu no parquet.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *