Exposição Salta D’Água: dimensões críticas da paisagem, que aproxima artes e crítica ambiental, permanece até 30/11 na Pinacoteca do IA/UFRGS. Entrada franca.



Evento: exposição Salta D’Água: dimensões críticas da paisagem
Curadoria: Eduardo Veras e Diego Hasse
Promoção: Departamento de Artes Visuais do IA/UFRGS — Curso de História da Arte, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do IA/UFRGS, Pró-Reitoria de Extensão e Pró-Reitoria de Pesquisa da UFRGS
Visitação: até 30 de novembro, de segunda a sexta, das 10 às 18h
Local: Pinacoteca Barão de Santo Ângelo do IA/UFRGS (Rua Senhor dos Passos, 248, segundo andar — Centro Histórico, Porto Alegre)
Ingresso: entrada franca

Atividades paralelas à exposição Salta D’Água: dimensões críticas da paisagem:
09 de novembro, quinta, às 19h: ação Sucos específicos (Porto Alegre), com Jorge Menna Barreto, na Pinacoteca do IA/UFRGS
10 de novembro, sexta, às 14h: palestra com Jorge Menna Barreto, na Pinacoteca do IA/UFRGS
17 de novembro, sexta, às 14h: palestra com Ana Flávia Baldisserotto, na Pinacoteca do IA/UFRGS

Imagens: obra de Maria Graham — cedida pelo curador Eduardo Veras; obra de Ana Flávia Baldisserotto — cedida pela artista

A Pinacoteca Barão de Santo Ângelo do Instituto de Artes da UFRGS recebe até o dia 30 de novembro a exposição Salta d’água: dimensões críticas da paisagem. A mostra, com curadoria de Eduardo Veras, professor do Bacharelado em História da Arte, e de Diego Hasse, formando do curso, é resultado de pesquisas que os dois vêm desenvolvendo há quase três anos. O trabalho identifica representações e outras formas de abordagem da paisagem e de elementos da natureza por parte de diferentes artistas. A ênfase está na crítica de teor ecológico e político que por ventura se percebe em gravuras, desenhos, mapas, fotografias, vídeos e performances.

O ponto de partida de Salta d’água: dimensões críticas da paisagem é a gravura que empresta título à exposição, uma água-forte de 1824, concebida por Maria Graham (1785 – 1842), viajante britânica que, no Rio de Janeiro do Primeiro Reinado, foi preceptora da então jovem princesa Maria da Glória, filha de Dom Pedro I e Dona Leopoldina. Nessa imagem, gravada na Europa por Edward Finden a partir de um desenho original de Lady Graham, desponta em primeiro plano um registro inicial da devastação da Mata Atlântica: o toco de uma grande árvore que, imagina-se, havia sido imponente (a queda d’água do título surge apenas ao fundo).

Segundo a proposta curatorial, essa gravura aparece na companhia de obras recentes, de artistas visuais contemporâneos: mapas de Hélio Fervenza; aquarelas de Ana Flávia Baldisserotto, em que ela desenha apenas inços; desenhos de grandes dimensões em que Claudia Hamerski reproduz as plantinhas quase imperceptíveis que irrompem em meio às frestas de concreto da vida urbana; fotografias de Mariana Silva da Silva sobre o Guaíba e seus adjacentes; fotografias de Maria Ivone dos Santos; desenhos de Emanuel Monteiro e um registro de paisagem de Marcelo Chardosim. A mostra inclui ainda desenhos de Lilian Maus feitos no Morro da Borússia, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, evocando os artistas viajantes do passado. Lara Menna Barreto apresenta em vídeo uma série de paralelismos entre elementos da natureza e o próprio corpo da artista.

Por fim, a exposição inclui desenhos e cadernos de anotações de velhos mestres do Instituto de Artes, atuantes na escola na primeira metade do século XX. São representações de paisagem e desenhos de observação da natureza assinados por Benito Castañeda (1885 – 1955), Luis Maristany de Trias (1885 – 1964) e Francis Pelichek (1896 – 1937).

No dia 9 de novembro, uma quinta-feira, às 19h, ainda na Pinacoteca Barão de Santo Ângelo do IA/UFRGS, Jorge Menna Barreto realiza a ação Sucos específicos (Porto Alegre). O artista, que foi um dos destaques da última Bienal Internacional de São Paulo com o projeto Restauro, vai oferecer ao público sucos que combinam frutas e verduras de cultivo orgânico com capim e outros plantas alimentícias não-convencionais, todos recolhidos na cidade em que se opera a performance; no caso, Porto Alegre.

Nos dias 10 e 17 de novembro, a partir das 14h, no mesmo local, serão realizadas palestras de Jorge Menna Barreto (10/11) e Ana Flávia Baldisserotto (17/11), também com entrada franca.

O horário de visitação da mostra Salta d’água: dimensões críticas da paisagem é de segundas a sextas, das 10h às 18h, sempre com entrada franca. A Pinacoteca Barão de Santo Ângelo funciona no segundo andar do Instituto de Artes da UFRGS (Rua Senhor dos Passos, 248), no Centro de Porto Alegre.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *