Exposição “O Barão no Paço”, que celebra o legado de Manuel de Araújo Porto-Alegre, o Barão de Santo Ângelo, permanece até 13/3 na Pinacoteca Aldo Locatelli. Entrada franca.



Evento: exposição O Barão no Paço
Curador: Paulo Gomes, professor do Instituto de Artes da UFRGS
Realização: Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do IA/UFRGS, Pinacoteca Barão de Santo Ângelo do IA/UFRGS — Setor Acervo, Associação dos Amigos das Pinacotecas de Porto Alegre (AAPIPA) e Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre
Visitação: até 13 de março, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h (último acesso às 17h30)
Local: Pinacoteca Aldo Locatelli (Praça Montevidéu, 10 — Centro Histórico, Porto Alegre)
Informações: e-mail acervo@portoalegre.rs.gov.br, fone 51 32893735
Ingresso: entrada franca

Imagem: obra Croqui para um cenário, de Manuel de Araújo Porto-Alegre, pertencente ao Acervo do MARGS e fotografada por Fábio del Re e Carlos Stein

A Pinacoteca Aldo Locatelli, museu instalado no Paço Municipal (Praça Montevidéu, 10), abre a exposição O Barão no Paço, que marca os 140 anos da morte de um dos mais importantes artistas brasileiros do século XIX, Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806 – 1879), o Barão de Santo Ângelo. A mostra reúne desenhos e pinturas originais de diversas coleções sediadas em Porto Alegre para recuperar o legado do gaúcho considerado fundamental no desenvolvimento das artes plásticas e da literatura no Brasil Imperial.

Manuel de Araújo Porto-Alegre foi um homem da Renascença: escritor, político, jornalista, pintor, caricaturista, arquiteto, professor e diplomata. O imperador Dom Pedro II concedeu a ele o título nobiliárquico Barão de Santo Ângelo no ano de 1874. Nas palavras do professor do Instituto de Artes da UFRGS Paulo Gomes, curador da mostra, O Barão no Paço é “uma exposição perfil, marcante, instigante e rica de possibilidades, memória viva de sua trajetória, lida agora à luz de sua biografia artística e literária. Estas obras notáveis, dentre as quais contamos os retratos, as paisagens, os estudos decorativos, os cenários, os estudos para pinturas e os estudos de vegetação dão para delinear um retrato do intelectual do Segundo Império brasileiro… Temos novamente o Barão no mesmo Paço de 90 anos atrás, uma rara oportunidade de conhecer e resgatar sua personalidade de gigantescas proporções na história da cultura brasileira do século XIX”.

A exposição O Barão no Paço pode ser visitada até o dia 13 de março, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h (último acesso às 17h30). A entrada é franca.

 


Comments are closed.