Estudantes contam como está o período de isolamento social no Litoral Norte

Quarentena | Restrições impostas pela pandemia exigem formas alternativas de desenvolver atividades profissionais e preocupam os alunos

Julia Eduarda Lucas ingressou no curso de Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BICT) no ano passado. Natural de Tramandaí, é professora de balé infantil, atividade com que geralmente se ocupa segundas, terças e quartas-feiras – no restante da semana envolve-se com a faculdade. Nestes dias, porém, a rotina da estudante está bem diferente.

Na Universidade, a realização de aulas a distância é uma decisão do professor de cada disciplina, já que nem todos os alunos têm acesso a computadores e redes de internet de qualidade para acompanhar as aulas virtuais. Julia não tem tido nenhuma atividade nesse formato, o que é um pouco diferente do que tem feito com seus alunos de balé: a dançarina grava aulas e encaminha para as alunas ensaiarem em casa e não perderem o ritmo da dança durante o isolamento social.

A estudante também aproveita as vantagens do mundo digital para complementar seus estudos. Conta que participa de cursos online do portal Lúmina, da UFRGS, para não pensar no período de reclusão como tempo perdido. Julia se interessa por cursos de Neurociência Integrativa.

A estudante é beneficiária PRAE e, como os Restaurantes Universitários (RUs) não estão funcionando normalmente por risco de contaminação, ela teria direito a marmitas. No Câmpus Litoral Norte, a distribuição das refeições é feita na Colônia de Férias da Universidade, no centro de Tramandaí. Na rotina de Julia, entretanto, a distância até o local é um problema. Ela mora com a avó, que pertence ao grupo de risco da Covid-19. Portanto, ir e voltar, pegando dois ônibus, não seria o mais aconselhável. Além do mais, os horários de transportes públicos foram reduzidos, o que dificulta ainda mais o deslocamento. 

Julia, que além de estudante é professora de balé, prepara vídeos para que suas alunas sigam praticando durante o isolamento social em Tramandaí (Foto: Arquivo pessoal)

As mudanças do dia a dia

A rotina de Jonathan Wittizorecki Duarte também mudou bastante após o período de isolamento social imposto em função do surto de coronavírus. Assim como Julia, ele é aluno do BICT e, além da faculdade, é guarda-vidas civil na praia de Tramandaí. Antes da quarentena, seu dia a dia consistia em trabalhar pela manhã, almoçar no local de trabalho e à tarde ir para a faculdade. Ao final do dia, Jonathan ainda conciliava exercícios físicos, como corrida ou natação. Quando o turno de guarda-vidas era pela tarde, a rotina se invertia.

Hoje, o cotidiano do acadêmico se resume a passar os dias em casa, saindo só para ir ao mercado. O início do período de quarentena coincidiu com o término da alta temporada para as cidades litorâneas. Assim, Jonathan não precisa mais trabalhar como guarda-vidas. Além disso, a prefeitura da cidade decidiu restringir a circulação de pessoas na avenida beira-mar, fiscalizando e orientando quem frequenta o local a ficar em casa.

O guarda-vidas e estudante Jonathan Wittizorecki Duarte tem restringido suas saídas de casa durante a quarentena (Foto: Arquivo pessoal)

Essa foi uma medida pensada também pela singular situação de uma cidade praiana durante o isolamento social: muitas pessoas que têm casa de verão no litoral vieram passar as semanas de reclusão ali. E muitos ainda estão em ritmo de férias. Julia, como moradora de longa data de Tramandaí, lembra que a cidade é pequena e tem estrutura de saúde limitada – não teria condições de atender os moradores locais e mais quem veraneia no município. 

Mesmo com as condições da cidade, Julia e Jonathan são otimistas quanto à resposta de Tramandaí à pandemia da Covid-19. Contam que os supermercados têm colaborado com os limites de distância social e com os horários de funcionamento. Também a população, de uma maneira geral, tem feito sua parte e respeitado a quarentena. Por parte da Universidade, Jonathan ressalta que a disseminação de informações e orientações por e-mail sobre a pandemia é muito importante e cumpre seu papel de ajudar a comunidade acadêmica.