Freya Costa: praticar a Psicologia presencialmente

Câmpus Saúde | Estudante de Psicologia na UFRGS, Freya teve o estágio em Avaliação Psicológica interrompido pela pandemia e torce para voltar a atender pacientes presencialmente em breve

*Foto de capa: Freya Costa, sugerida por Flávio Dutra

Apesar dos esforços para manter o ensino durante o período de isolamento social, existem alguns aprendizados de difícil adaptação ao formato remoto. É o caso do estágio no Centro de Avaliação Psicológica, iniciado por Freya no ano passado e interrompido no começo da pandemia. A maior expectativa da estudante no curso é poder voltar às atividades presenciais junto aos pacientes atendidos pelo Instituto de Psicologia.

Natural de Santa Cruz do Sul, a aluna mantinha uma rotina como a de muitos estudantes da Universidade: ocupava uma vaga na casa do estudante, caminhava até o câmpus para assistir às aulas, estagiava no prédio do anexo da saúde e fazia suas refeições no restaurante universitário. 

Primeira experiência de estágio

Foi pelo interesse em Neuropsicologia que Freya começou a trabalhar no Centro de Avaliação Psicológica da UFRGS (CAP). Após duas semanas de atendimento presencial, o estágio teve de ser interrompido por conta da pandemia. Quando as aulas retornaram no ensino remoto, o estágio também retornou, mas com novos desafios quanto ao aprendizado prático. “No início da pandemia nós só tínhamos quatro testes com normas para serem aplicados de forma online, então era muito inviável”, conta. 

“A área de avaliação psicológica tem várias técnicas, observações e entrevistas e aplicação de instrumentos, de testes psicológicos. Esses testes são feitos de uma determinada maneira que, para que a gente consiga considerar os resultados, eles precisam ser aplicados de maneira específica. Ou seja, se o teste foi feito para ser aplicado presencialmente, eu não posso aplicar de forma online”

Freya Costa

A estudante estagiou no CAP por um ano em formato remoto. Agora ela faz parte do Programa de Orientação de Práticas Parentais (PROPAP), no qual trabalha com Análise do Comportamento.

Além dos desafios na vida acadêmica, a crise sanitária prejudicou as visitas à cidade natal para ver sua família. Freya conta que sempre foi muito próxima de sua irmã mais nova, mas o medo de transmitir o vírus, pelo maior número de infecções na capital, fez com que ela decidisse não ir a Santa Cruz do Sul por um bom tempo. 

Como a pandemia durou mais tempo do que o esperado, após a vacinação de seus avós e o retorno dos seus pais ao trabalho, Freya voltou a visitá-los algumas vezes no ano. Uma grande saudade da estudante é poder encontrar seus pais com maior frequência e acompanhar o crescimento de sua irmã pequena.

Interessada pelas áreas de Neurociências e Análise do Comportamento, Freya lembra que nunca quis ser psicoterapeuta. Mas, como pessoa trans, identifica uma escassez de profissionais da Psicologia que conseguem fornecer um serviço de psicoterapia de qualidade a esse público.

“Por isso eu imagino que em algum momento eu gostaria de trabalhar com psicoterapia, principalmente para atender algumas pessoas trans que acabam não conseguindo encontrar algum psicoterapeuta com que tenha uma relação boa”

Freya Costa

A série Minha Saudade na UFRGS é um projeto conjunto entre o JU e a UFRGS TV. Confira abaixo a reportagem em vídeo: