Nelson Coelho de Castro é o convidado para audição comentada no Núcleo de Estudos da Canção

Música | Em encontro virtual, cantor e compositor gaúcho apresenta seu novo disco “Umbigos Modernos”, com gravações dos anos 1980

*Foto de capa: Claunara Mendonça

A edição do mês de julho do Núcleo de Estudos da Canção recebe como convidado o cantor e compositor gaúcho Nelson Coelho de Castro. A audição comentada apresenta seu novo disco Umbigos Modernos, que conta com composições inéditas feitas nos anos 1980. O encontro, mediado pelo professor Luís Augusto Fischer, acontecerá no dia 27 de julho, às 19h, e será transmitido pelo canal do DDC-UFRGS, no YouTube. Nelson é uma figura marcante na história da música popular, além de ser um dos nomes mais importantes da música moderna popular do Rio Grande do Sul. O cantor é dono de sucessos como “Vim Vadiá”, “Verniz da Madrugada” e “Armadilha”.

Após ficar mais de 10 anos sem lançar disco, Umbigos Modernos chega com oito faixas escritas entre 1985 e 1988, e que vieram de uma varredura que o cantor fez em seu acervo durante a pandemia. Nelson vê no encontro com o Núcleo a possibilidade de entrar em contato com os jovens universitários e, assim, ter um diálogo sobre a importância da cultura nos dias atuais. “A UFRGS, pelo menos nesse período todo, sempre abriu as portas, sempre abriu os muros, fazendo com que a Universidade respirasse o mesmo hálito da cidade. Porque quando a cidade está dentro da Universidade, e vice versa, todas as manifestações culturais ficam transparentes”, acrescenta.

O cantor ainda expressa como a cultura sempre esteve próxima à UFRGS de alguma forma, já que a Universidade pensa há muito tempo em projetos culturais que vão além da vida acadêmica. “A gente sabe que a narrativa é sempre uma narrativa acadêmica dos alunos, ou seja, entrar na universidade, se formar e aparentemente ficar de costas para o que está acontecendo, em todos os sentidos, principalmente na cultura. Proporcionar essa interação com os alunos dá, então, a ideia de que a Universidade não está intramuros”, comenta, lembrando da importância da UFRGS nas manifestações culturais nos anos 1980 na cidade.

“Às vezes parece que Porto Alegre tem um monte de aquários, todos lindeiros, sabe? Imagina um monte de aquários com seus vidros justapostos, um ao lado do outro, e quando a gente se conhece eu abano pra ti, mas as nossas águas não se visitam. A universidade trinca esse vidro, tira fora e mantém esse contato”

Nelson Coelho de Castro

Relembrando sua carreira, Nelson diz que ficou muito tempo fora da vitrine da música por não ter sua discografia disponível nas plataformas digitais. Em meio à pandemia, o cantor mudou essa situação, e agora é possível encontrar todas suas obras online para novos e velhos ouvintes. Para ele, foi como se só agora tivesse chegado ao século 21: “Foi uma revolução na minha cabeça. Tu entra no Spotify e abre tudo que quiser sobre e a pessoa. Isso era impossível, improvável. Agora eu mesmo posso me curtir, posso ouvir uma música que há tempos não ouvia, é muito maluco isso. Então, muito prazer século 21!”.

A atividade é promovida pelo Núcleo de Estudos da Canção da UFRGS, que, desde 2008, faz encontros com o objetivo de estimular a reflexão interdisciplinar sobre a canção – forma artística fundamental na cultura brasileira. O projeto, organizado pelo Departamento de Difusão Cultural em parceria com o Instituto de Letras e o Instituto de Artes, tem diversas atividades que envolvem apresentações de pesquisas, palestras e debates, além de audições comentadas da produção de diversos artistas.