Projetos da UFRGS oferecem experiência prática aos alunos em campanhas de vacinação

Saúde | Ações capacitam alunos para participarem ativamente da vacinação contra a covid-19, oferecendo experiência e aprendizado para além da sala de aula

*Foto: Flávio Dutra/Arquivo JU 17 jun. 2021

Com a pandemia – e a necessidade de se vacinar o maior número de pessoas da maneira mais rápida possível –, o tema da vacinação se tornou ainda mais presente no debate público, o que resultou em campanhas de incentivo à imunização pelo país inteiro. Esse cenário fortaleceu a participação de alunos de graduação em campanhas de vacinação, ainda que essa prática já existisse antes da covid-19.

Anualmente, professores da Escola de Enfermagem e da Faculdade de Medicina da UFRGS realizam um projeto de extensão no qual estudantes da área da saúde e do curso de Políticas Públicas da Universidade têm a oportunidade de trabalhar de forma voluntária na Campanha Nacional de Imunização contra a Influenza. Em 2021, o projeto passou a capacitar alunos para vacinar também contra covid-19. Segundo Deise Riquinho, coordenadora da ação e professora da Escola de Enfermagem, é papel fundamental da Universidade estar vinculada a questões de relevância para a sociedade. 

Durante as campanhas realizadas no ano passado, o projeto atuou nas Unidades Básicas de Saúde de Porto Alegre, no Câmpus Saúde, no Hospital de Clínicas e em drive-thrus, com cerca de mil doses aplicadas por edição. Mesmo destacando que essa é uma forma de retorno para a comunidade, Deise relata que, com melhorias na comunicação entre Universidade e poder público municipal, a contribuição da UFRGS poderia ter sido ainda maior: “A gente inúmeras vezes ofereceu o espaço da UFRGS para ofertar a nossa capacidade técnica e intelectual para essa atividade, mas não foi possível por questões burocráticas”, conta.

O projeto, realizado em conjunto com a Secretaria de Saúde de Porto Alegre, ofereceu uma oportunidade para que os estudantes tivessem uma experiência prática durante uma campanha de vacinação. Uma dessas estudantes é Poliana Medeiros, aluna do 9.º semestre de Enfermagem e que esteve envolvida na ação desde o início como monitora. Poliana participou de toda a organização, fazendo contato entre alunos, unidades de saúde e hospital, produzindo escalas, captando novos alunos para a ação, dando suporte diário aos estudantes e auxiliando os locais de saúde a suprirem as demandas de vacinação.

Para a estudante, a participação no projeto foi uma experiência única. Poliana acredita que a atividade, além de possibilitar a vivência prática aos alunos, é um caminho para a valorização do trabalho dos profissionais de saúde, que tiveram um aumento da carga de trabalho durante a pandemia. “É uma forma que a UFRGS tem de mostrar para a comunidade o que é feito na Universidade e também de a comunidade acadêmica poder contribuir ativamente para a sociedade”, acrescenta.

“Participar do início da vacinação era um sentimento de oferecer esperança, ver o olhar de alívio das pessoas por estarem tomando a sua primeira dose, o olhar de um filho que levou seus pais para se vacinarem. Estar presente na campanha de vacinação naquele momento foi uma experiência que me trouxe diversas emoções”

Poliana Medeiros

Luísa Barreto, estudante do sétimo período de Políticas Públicas, teve uma experiência parecida ao participar do projeto. Ela realizou atividades em planilhas, organizando e registrando a quantidade de pessoas que eram vacinadas. Segundo Luísa, o curso de Políticas Públicas é bastante teórico e muitas vezes não há a oportunidade de ir a campo colocar em prática os conhecimentos aprendidos em sala de aula. A ação foi uma oportunidade para a estudante vivenciar uma campanha de saúde na prática, com todas as dificuldades e desafios inerentes à atividade: “Você começa a pensar a política pública na prática, a partir daquilo que se lê e estuda. Essa vivência faz a gente produzir artigos e trabalhos com um olhar mais realista”.

Outro aspecto destacado por Luísa é a multidisciplinaridade. Para ela, essa relação entre profissionais diferentes é importante, porque ações como essa só são efetivas quando há um trabalho feito em grupo.

“Podemos aprender com os estudantes da saúde, e eles também poderem identificar e valorizar o nosso trabalho, que também é importante. Nós também produzimos e realizamos avaliações de impacto de políticas públicas para que eles possam trabalhar cada vez melhor. Os profissionais precisam dessa troca, precisamos estar juntos nesse combate”

Luísa Barreto
Para além dos muros da Universidade

Outro projeto nesse sentido é o “Campanha de Vacinação Extramuros”, uma parceria entre a UFRGS e a Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre que surgiu da grande demanda por uma participação mais ativa da Universidade na campanha de vacinação. Com a inclusão de novas faixas etárias na campanha e o início da imunização do público infantil, a UFRGS precisou se mobilizar ainda mais para oferecer apoio aos postos de saúde e à comunidade.

Renatha Goulart, estudante do 4.º semestre de Odontologia, relata que, mesmo não se aproximando tanto das atividades profissionais do seu curso, a participação no projeto foi de extrema importância para a sua formação enquanto profissional da saúde. Ela teve experiência no contato com e no atendimento de pacientes, além de poder realizar atividades práticas para além da Universidade. Para ela, a ação foi uma forma de se preparar para os estágios e outras atividades práticas que irão acontecer no final da graduação, além de servir como uma base para o seu desenvolvimento profissional.

Além de estudantes da Odontologia, alunos da Enfermagem, Medicina, Serviço Social, Psicologia, entre outros, puderam participar da organização, do registro, da triagem e da orientação à população vacinada. Durante toda a participação, os voluntários tiveram orientação direta dos professores responsáveis pela organização da ação, o que possibilitou que estudantes do primeiro semestre pudessem participar e ter o primeiro contato com os colegas e a Universidade.

A professora Vanessa Panozzo Brandão, uma das coordenadoras do projeto, destaca a importância da participação dos alunos nas ações de imunização para além da experiência acadêmica. Segundo ela, os estudantes tiveram a oportunidade de entender a realidade que diferentes públicos enfrentaram durante a pandemia, assim como a atual situação do país em meio a uma crise sanitária, econômica e social. 

Acho que é fundamental pros alunos, porque eles acabam também reconhecendo e diversificando os olhares em relação àquilo que acontece no contexto social, ou seja, a realidade da população no contexto da pandemia. Isso traz ao aluno a possibilidade de reconhecer as necessidades e diversidades dessa população nos diferentes segmentos sociais.

Vanessa Panozzo Brandão