Tempo de Futuro | Edição 220

Mais uma vez, encerramos um ano com uma ótima notícia para a UFRGS: a Universidade é a melhor instituição federal de ensino superior do Brasil. E pelo sétimo ano consecutivo. É motivo para comemorar e iniciar 2019 cheios de alegria.

Neste mês, acontece o Concurso Vestibular da UFRGS. Sei exatamente o que significa essa frase para o estudante, para a família e para a sociedade: expectativa, medo, decisão, superação. Todos sentimentos muito fortes. Para o jovem, uma semana de janeiro decisiva para a vida. Uma semana que significa a caminhada para o futuro e que, por sua vez, pode concretizar o sonho da sua própria escolha, do que decidiu profissionalmente ser. Basta que se olhe para os olhos atrás da pintura colorida do rosto para perceber que eles se confundem com felicidade. E, se não há o rosto pintado e se há a tristeza, há, também, uma força de recomeço, de persistência, porque também disso a vida é feita. 

Não tenho a menor dúvida de que somos uma Universidade plural e democrática, voltada para o respeito à diferença e à solidariedade. O Art. 2.° do nosso Estatuto está lá a atestar. Muito antes da Lei de Cotas, já em 2007, o Conselho Universitário aprovava a reserva de vagas. Fomos uma das primeiras universidades a adotar o nome social. Como todas as instituições federais de ensino, temos uma reserva de 50% das vagas para cotas raciais, sociais e, em 2018, abrimos as cotas para as pessoas com deficiência. Isso significa alterações na própria sistemática de ingresso e posso dizer com tranquilidade que esta Universidade de 84 anos vem estudando, vem buscando melhorar o sistema a cada ano.

O processo de ingresso não é fácil. A heteroidentificação das cotas raciais exige um método claro, absolutamente transparente e objetivo dentro de sua complexidade. A análise dos documentos exigidos dos estudantes vulneráveis, do ponto de vista socioeconômico, tem sido problemática.

A morosidade do processo, que tanto inquieta os estudantes, nos inquieta também. Pensando em soluções, criamos a chamada matrícula precária, um sistema paliativo que tem se mostrado pouco eficiente. Era e é, portanto, preciso mudar, buscar soluções mais definitivas. Pensando nisso, criamos uma Comissão Permanente de Ingresso, formada por profissionais das diferentes pró-reitorias para debruçar-se sobre o tema. Decidimos, também, pela antecipação do Concurso Vestibular 2020, a exemplo do Enem. Ele será realizado nos dois últimos finais de semana de novembro deste ano. Buscamos, com isso, terminar com a matrícula provisória, uma vez que a heteroidentificação e a análise documental iniciarão antes, e o grande objetivo é termos, no início do ano letivo, condições de realização da matrícula efetiva dos aprovados no vestibular. Trata-se de uma decisão que visa melhorar os procedimentos de ingresso e atender a uma antiga demanda da sociedade. 

A Administração Central deseja a todos um 2019 pleno do que melhor existe. Aos vestibulandos, sucesso, muito sucesso. Queremos recebê-los de braços abertos em março e vê-los transitarem pelos diferentes câmpus da UFRGS, uma vez que, da Universidade, os alunos são princípio e fim, a verdadeira alma. É isso que nos torna uma universidade de destaque no cenário nacional.

Publicado na edição impressa de Janeiro/Fevereiro de 2019 (Edição 220)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *