Albumina

A albumina é a proteína mais abundante no plasma, perfazendo cerca de 50% do total de proteínas. Tem um peso molecular aproximado de 66 kDa. É sintetizada no fígado e contribui em 80% da osmolaridade do plasma sanguíneo, constituindo também uma importante reserva proteica, bem como um transportador de ácidos graxos livres, aminoácidos, metais, cálcio, hormônios e bilirrubina. A albumina também tem função importante na regulação do pH sanguíneo, atuando como ânion. A concentração de albumina é afetada pelo funcionamento hepático, pela disponibilidade de proteínas na dieta, pelo equilíbrio hidro-eletrolítico e por perdas da proteína em algumas doenças.

A única causa de aumento da albumina plasmática (hiperalbuminemia) é a desidratação.

Hipoalbuminemia

Pode ocorrer nas seguintes situações:

(a) Diminuição da sua síntese, devida a dano hepático crônico ou a déficit alimentar de fontes proteicas. O nível de albumina pode ser indicador do conteúdo de proteína na dieta, muito embora as mudanças ocorram lentamente. Para a detecção de mudanças significativas na concentração de albumina sérica, é necessário um período de pelo menos um mês, devido à baixa velocidade de síntese e de degradação. A meia-vida da albumina é de aproximadamente vinte dias. Níveis de albumina diminuídos, juntamente com diminuição de ureia, indicam deficiência proteica. Níveis de albumina diminuídos com níveis de ureia normais ou elevados acompanhados de níveis altos de enzimas são indicadores de falha/lesão hepática. No processo de fígado gorduroso, como consequência de excessiva mobilização de lipídeos, evento comum no início da lactação devido ao desequilíbrio energético, pode ocorrer hipoalbuminemia em vacas leiteiras.

(b) Perda de albumina em parasitismos, causada pela saída de proteínas pelo intestino, ou em doença renal (síndrome nefrótico, glomerulonefrite crônica, diabetes mellitus).

(c) Em casos de síndrome de má absorção.

(d) Catabolismo aumentado da albumina como consequência de déficit energético, o que estimula a mobilização de reservas de aminoácidos para entrar na via da gliconeogênese.

(e) Vazamento do sistema vascular (hemorragias).

A hipoalbuminemia pode afetar o metabolismo de outras substâncias devido ao papel da albumina como transportador, além de causar queda da pressão osmótica do plasma e levar à ascite, geralmente quando a concentração de albumina cai para menos de 20 g/L.