Amônia

A amônia é produzida por praticamente todas as células do organismo, mas principalmente pelas bactérias do trato gastrointestinal, como resultado da degradação de compostos nitrogenados. A amônia é uma substância tóxica que afeta principalmente o sistema nervoso central. A amônia que se encontra no plasma é proveniente principalmente da absorção no intestino, sobretudo no cólon, e, em animais ruminantes, a principal fonte é o rúmen. Uma pequena parte deriva do metabolismo periférico, em especial do músculo esquelético. A amônia intestinal é derivada da degradação bacteriana dos aminoácidos da dieta no intestino, e da ureia endógena que se excreta no intestino e no rúmen. Também pode ser produzida pelo fígado a partir do catabolismo dos aminoácidos teciduais e da dieta, mas, neste caso, imediatamente é convertida em ureia. Em geral, a amônia transportada do trato gastrointestinal é convertida em ureia quando alcança o fígado e, portanto, seu nível no sangue tende a ser baixo; entretanto, altos níveis de amônia podem ser encontrados quando há uma inadequada função hepática ou quando o sangue portal é desviado sem passar antes pelo fígado (desvio ou shunt portossistêmico). Níveis altos de amônia circulante, especialmente em situação pós-prandial, podem afetar o encéfalo, podendo provocar apatia ou uma série de sinais neurológicos (confusão, convulsão, andar em círculo). Esta condição é conhecida como encefalopatia hepática. Os níveis de amônia também podem estar aumentados na ocorrência de uma infecção, de uma dieta com altos teores de proteína, em desequilíbrio ácido-básico (insuficiência renal principalmente) e em obstrução do trato gastrointestinal.