Avaliação do pâncreas endócrino

O pâncreas é uma glândula com funções exócrinas e endócrinas. A função exócrina do pâncreas está representada pelas enzimas digestivas, produzidas pela maior parte do tecido. A função endócrina é realizada pelas ilhotas de Langerhans, as quais estão difusamente distribuídas no tecido pancreático, representando somente 2% do peso do pâncreas. As ilhotas são cordões e aglomerados irregulares de células e capilares que secretam hormônios relacionados com o controle do metabolismo energético: insulina, glucagon e somatostatina. Cada hormônio é secretado por grupos diferentes de células. As células A (α), constituindo 25% das ilhotas, secretam o glucagon. As células B (β), que compõem 60% das ilhotas, secretam a insulina, e as células D (δ), correspondendo a 10% das ilhotas, secretam a somatostatina. Um hormônio adicional, cuja função parece ser a regulação da secreção das enzimas pancreáticas, é conhecido como peptídeo pancreático, sendo secretado por células pouco numerosas chamadas células F (5 % das ilhotas).

A insulina e o glucagon mantêm a concentração de glicose no sangue. A insulina facilita o ingresso e a utilização de glicose nas células, reduzindo a quantidade de glicose sanguínea (ação hipoglicemiante). O glucagon, ao contrário, aumenta a concentração de glicose no sangue, mediante o estímulo da glicogenólise e da gliconeogênese hepáticas. A somatostatina inibe a liberação de insulina e de glucagon.

Na avaliação do pâncreas endócrino não são usualmente determinados os níveis dos hormônios pancreáticos e sim os metabólitos afetados pela ação hormonal, como são a glicose e seus derivados, fructosamina e hemoglobina glicosilada.