Calcitonina (CT)

A calcitonina (CT) é um hormônio proteico sintetizado pelas células parafoliculares da tireoide. A calcitonina diminui os níveis sanguíneos de cálcio e de fosfato inorgânico por ação sobre os ossos fundamentalmente, embora tenha também alguma ação sobre a função renal. No osso, a calcitonina inibe a desmineralização óssea, enquanto no rim, diminui a reabsorção de cálcio e fósforo nos túbulos. A calcitonina não tem efeito sobre a absorção de cálcio em relação ao intestino. Os receptores para CT, no rim, estão localizados na porção ascendente da alça de Henle e no túbulo contornado distal. A CT favorece a excreção renal não somente de Ca2+ e de Pi, mas também de Na+ e de Cl. Sobre o fosfato inorgânico, a calcitonina tem efeito sinérgico com o PTH, isto é, aumenta sua excreção em nível renal. Sobre a desmineralização óssea, os dois hormônios têm ação antagônica. A ação da CT não depende da vitamina D, já que atua em animais com deficiência desta vitamina.

A CT parece funcionar como um hormônio de emergência para: (a) evitar hipercalcemia durante a rápida absorção pós-prandial de cálcio; e (b) proteger contra a perda excessiva de cálcio e fósforo no esqueleto materno durante a gestação. Alguns hormônios gastrointestinais, como a gastrina, a colecistoquinina (CCK) e o glucagon, estimulam a secreção de calcitonina como mecanismo protetor da hipercalcemia diante de uma alimentação rica em cálcio. A secreção de CT parece ser contínua a concentrações fisiológicas de cálcio plasmático, porém, diante de uma elevação do cálcio, aumenta sua secreção, e diante de uma diminuição de cálcio, diminui sua secreção, ou seja, o controle secretor é por feedback positivo, oposto ao do PTH.

A somatostatina tem sido encontrada na tireoide, sendo possível que atue como controle parácrino para inibir a secreção de CT. Apesar das ações biológicas estabelecidas para a CT, a tireoidectomia não provoca maiores anormalidades na homeostase do cálcio, diferentemente do que ocorre com a paratireoidectomia.