Cetose

A cetose é um transtorno metabólico comum que ocorre em vacas e cabras leiteiras em função da enorme drenagem de glicose sanguínea para a glândula mamária com o objetivo de sintetizar lactose. O transtorno ocorre geralmente nas primeiras semanas da lactação, em animais que não conseguem adaptar seu metabolismo à nova situação fisiológica. Os eventos metabólicos mais importantes que ocorrem na cetose são manifestados no perfil metabólico por hipoglicemia e por cetonemia (elevação dos corpos cetônicos). A glicemia pode cair a valores menores de 40 mg/dL, sendo que níveis menores que 35 mg/dL em vacas leiteiras com 2 a 4 semanas de lactação, constituem um sinal de alarme. Os corpos cetônicos encontram-se aumentados tanto no sangue, quanto no leite e na urina. A severidade do transtorno é proporcional ao grau de hipoglicemia e de cetonemia e o BHB pode aumentar a valores superiores a 2,0 mmol/L, chegando em casos graves até 10 mmol/L. Os corpos cetônicos na urina, presentes normalmente até 7,0 mmol/L, podem atingir níveis de até 130 mmol/L. No leite, os corpos cetônicos podem passar do normal de 0,3 mmol/L para 4,0 mmol/L. Além da dosagem de BHB no sangue com aparelho eletrônico portátil nos primeiros dias após o parto, é útil e prático fazer testes para a detecção semi-quantitativa de corpos cetônicos na urina ou no leite, por meio de fitas reagentes a partir da 2ª semana de gestação.

O nível de NEFA e de colesterol também se eleva e o fígado pode sofrer infiltração lipídica. Uma informação importante para avaliar a evolução da doença é a atividade plasmática das enzimas hepatoespecíficas, tais como aspartato transaminase (AST), gama-glutamiltransferase (GGT) e fosfatase alcalina (FA). Os níveis de albumina e de colesterol e, em menor grau, de glicose também podem sofrer diminuição indicando comprometimento do funcionamento do fígado.

Em todos os tipos de cetose ocorre acidose metabólica, e o bicarbonato do sangue pode cair para níveis menores que 12 mM (referência: 17-25 mM) e o pH para menos de 7,2 (referência: 7,35-7,45). Embora não sendo parte dos componentes do perfil metabólico, a condição corporal é um indicador muito usado para efeitos de prevenção, devido a sua praticidade. A recomendação é que a vaca leiteira deve chegar ao parto em condição corporal equivalente a um escore de 3,0 na escala de 1 a 5. Isto implica na observação da condição corporal no início do período seco, para tomar nas providências necessárias com relação ao manejo alimentar até o parto.