Hormônio da paratireoide (PTH)

O PTH é um hormônio proteico secretado pelas glândulas paratireoides, sendo o principal hormônio que atua na regulação do cálcio sanguíneo. Os órgãos-alvo do PTH são os túbulos renais e o osso. O efeito biológico imediato do PTH é elevar o nível de cálcio e diminuir o nível de fósforo no sangue.

No rim, o PTH causa incremento da excreção de fósforo devido à diminuição de sua reabsorção nos túbulos proximais. Simultaneamente, aumenta a reabsorção de cálcio nos túbulos distais. O PTH também aumenta a excreção urinária de K+, HCO3, Na+, cAMP e de aminoácidos, ao tempo que diminui a excreção de H+, Mg+ e NH3. O PTH também atua aumentando a formação de 1,25-diidroxi-colecalciferol (1,25-DHCC) no rim mediante a estimulação da enzima 1α-hidroxilase, localizada nas mitocôndrias das células epiteliais dos túbulos contornados proximais. Esta enzima hidroxila o 25-hidroxi-colecalciferol (25-HCC) para formar o metabólito ativo 1,25-DHCC, o qual aumenta a mobilização de cálcio do osso e a absorção de cálcio e fósforo em nível gastrointestinal.

Sobre o osso, o PTH exerce 4 ações principais: (a) inibe a síntese de colágeno nos osteoblastos; (b) aumenta a desmineralização óssea pelos osteócitos (osteólise osteocítica); (c) aumenta a osteólise osteoclástica; e (d) aumenta a taxa de maturação das células precursoras para dar osteoblastos e osteoclastos. Como consequência de todos esses efeitos, há uma diminuição na capacidade do osso para captar cálcio e uma desmineralização (ressorção) dos ossos, aumentando a liberação de cálcio do osso com perda dos proteoglicanos da matriz óssea devido a uma alta atividade colagenolítica.

O efeito do PTH sobre o controle do cálcio sanguíneo é exercido em dois níveis: (a) um primeiro nível de resposta rápida implica o “bombeamento” de cálcio osteócito-osteoblasto, que resulta no fluxo incrementado de cálcio do mais profundo do osso para a superfície óssea, mediante a ação coordenada de osteócitos e osteoblastos inativos; este primeiro nível também inclui a resposta sobre a reabsorção de cálcio nos túbulos renais; (b) no segundo nível, mais lento, porém de maior potencial, ocorre osteólise osteoclástica e indiretamente, através do incremento do 1,25-DHCC, aumento da absorção intestinal de cálcio. O controle da secreção do PTH está regulado pelos níveis plasmáticos de cálcio mediante feedback negativo, ou seja, um aumento na concentração de cálcio sanguíneo inibe a adenilciclase na membrana da célula paratireoidiana, o que diminui a secreção de PTH, enquanto que uma diminuição nos níveis de cálcio sanguíneo está associada com elevação da concentração de cAMP nessas células, o que promove a liberação de PTH. Altos níveis de 1,25-DHCC também exercem um efeito inibitório sobre a secreção de PTH.

A concentração de fósforo sanguíneo não tem influência reguladora direta sobre a síntese e secreção de PTH. Entretanto, uma hiperfosfatemia pode estimular indiretamente a paratireoide devido a seu efeito redutor do cálcio sanguíneo. O íon Mg+ tem um efeito similar ao do Ca2+ sobre a secreção de PTH, embora de forma muito menos potente, pelo qual se considera que o magnésio tem uma função secundária no controle paratireoidiano.