Uréia

A ureia é sintetizada no fígado a partir da amônia proveniente do catabolismo dos aminoácidos e da reciclagem de amônia do rúmen. Os níveis de ureia são analisados em relação ao nível de proteína na dieta e ao funcionamento renal. A ureia é excretada principalmente pela urina e, em menor grau, pelo intestino e o leite. Na maioria dos animais (exceto em aves, que secretam ácido úrico), o nível de ureia é indicador de funcionamento renal. Na insuficiência renal, pode ser observada azotemia (aumento nos níveis sanguíneos de ureia e creatinina). Também pode ocorrer azotemia por causas pré-renais, que incluem desidratação, choque hipovolêmico e hipotensão, bem como por causas pós-renais, principalmente obstrução do trato urinário. Os níveis de ureia sanguínea também estão afetados pelo nível nutricional, particularmente em ruminantes. De modo geral, a ureia é um indicador sensível e imediato da ingestão de proteína, enquanto a albumina é indicador a longo prazo do estado proteico. Por outra parte, uma dieta baixa em proteínas afeta pouco a concentração de globulinas.

A concentração de ureia pode estar aumentada em alimentação com excesso de proteína ou de fontes de nitrogênio não proteico, como a própria ureia, que é usada em ruminantes em até 3% da dieta. No entanto, também são encontrados níveis aumentados de ureia quando ocorre deficiência de energia, devido à diminuição da capacidade da microflora ruminal em utilizar os compostos nitrogenados para a síntese de proteínas, aumentando a quantidade de amônia absorvida no rúmen. O adequado fornecimento de glicídeos na dieta, quando há suplementação de compostos nitrogenados, evita o aumento excessivo dos níveis de ureia sanguínea, devido à utilização pelas bactérias do rúmen da ureia e dos glicídeos para sintetizar aminoácidos e proteína. O jejum prolongado pode causar aumento da proteólise endógena para utilizar aminoácidos como fonte energética, o que causa aumento na concentração de ureia. Isso é frequente em bezerros com diarreia, quando o consumo de alimento chega a ser nulo. Nesses casos, o quadro é exacerbado pela desidratação, pois o fluxo de urina diminui e inibe a excreção renal de ureia, podendo causar uremia.

Em ruminantes, ocorre diminuição dos níveis de ureia sanguínea, por dietas deficientes em compostos nitrogenados. O balanço nitrogenado nessas espécies pode ser estudado com base nos níveis de ureia tanto no sangue quanto no leite. Os valores de ureia sanguínea diminuem pouco antes e após o parto, inclusive em vacas com adequados níveis de proteína na dieta.

É importante considerar, quando se expressa um resultado em ureia ou em nitrogênio ureico (BUN), que o valor de ureia é 2,14 vezes maior do que o valor de nitrogênio ureico. Também deve ser observada a unidade em que é expresso o resultado, pois o sistema internacional de unidades utiliza mmol/L, enquanto a maioria dos laboratórios entregam o resultado no sistema convencional de medida (mg/dL). Facilmente é possível converter as unidades de um sistema para outro usando o fator 0,167 (1 mg/dL = 0,167 mmol/L).

Deixe um comentário