Sandra Reimão recebe Prêmio Jabuti por obra sobre censura

Capa Repressão e ResistênciaSandra Reimão, professora e associada da Intercom, teve sua obra Resistência e Repressão – censura a livros na Ditadura Militar (Edusp) classificada em segundo lugar na categoria “Comunicação” do Prêmio Jabuti, distinção literária referência no Brasil. A entrega será no dia 28 de novembro, na Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16).

Na mesma categoria, O Império dos livros: instituições e práticas de leitura na São Paulo oitocentista (Edusp), de Marisa Nidori Deaecto, conquistou o 1º Lugar, e Linha do tempo do design gráfico no Brasil (Cosac & Naify), de Chico Homem de Melo e Elaine Ramos Coimbra, ficou classificado em 3º.

O livro Repressão e resistência – censura a livros na ditadura militar traça um painel e discute, a partir de documentos, a censura oficial à cultura e às artes e, especificamente, a livros de ficção de autores brasileiros durante a ditadura militar brasileira (1964-1985), informa a autora.

Sandra descreve os caminhos das proibições com base nos pareceres dos censores e analisa diferentes casos ocorridos no período, entre eles o veto a livros como Feliz Ano Novo, de Rubem Fonseca, e Zero, de Ignácio de Loyola Brandão; o veto a obras de não ficção, como A revolução brasileira, de Caio Prado Jr.; a contos, como Mister Curitiba, de Dalton Trevisan, e também a romances considerados pornográficos.

Sandra é professora da Universidade de São Paulo (USP) e integrante do Grupo de Pesquisa em Produção Editorial da Intercom desde 1994. Ela atuou como coordenadora deste GP de 2001 a 2006.

Em 2012, o Prêmio Jabuti recebeu 2.203 inscrições em 29 categorias, segundo a Câmara Brasileira do Livro.

Reproduzido do Jornal quinzenal da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação | Ano 8, nº. 221, São Paulo – SP – Brasil, 05 de novembro de 2012. | ISSN 1982-372X