Por que não temos insulina em comprimidos ou gotas?

30 outubro, 2018    tags: insulina tratamento

A insulina é um hormônio, ou seja, uma proteína, que é produzida pelo pâncreas, uma glândula endócrina. A função da insulina é controlar a entrada de glicose para dentro da célula, garantindo energia para o seu funcionamento adequado. Quando o pâncreas não produz o hormônio insulina (como no caso de diabetes mellitus tipo 1) ou produz de forma insuficiente (como no diabetes mellitus tipo 2), se faz necessário obter esse hormônio através de injeções de insulina para controlar os níveis de glicose no sangue.
A insulina sendo uma proteína, quando administrada pela via oral, tende a ser digerida durante sua passagem pelo estômago e intestino. Como qualquer outra proteína, a insulina é destruída pelas enzimas do sistema gastrointestinal, perdendo a sua função de hormônio no organismo. Quando a insulina é injetada no tecido subcutâneo, abaixo da pele, não ocorre a degradação e a insulina consegue chegar na corrente sanguínea na sua forma intacta e controlar os níveis de glicose no sangue.
A área farmacêutica tem investigado modificar a molécula de insulina para que ela possa ser administrada pela via oral e impedir que ela seja destruída pelas enzimas do sistema digestivo e consiga ser absorvida pela corrente sanguínea. Como mostra o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy Society (PNAS) em junho deste ano, pesquisadores estão trabalhando para criar uma forma farmacêutica de insulina alternativa para o tratamento do diabetes.   Os resultados são promissores, no entanto, as pesquisas ainda estão em fase de testes e existe um longo caminho a percorrer até que estejam aprovadas para uso.