Hipoglicemia noturna

2 julho, 2021    tags:

A hipoglicemia noturna é caracterizada pelo índice glicêmico menor do que 70mg/dL (estado de alerta) durante o período de sono, podendo ser chamada de hipoglicemia clinicamente importante caso o nível esteja abaixo de 54 mg/dL. Embora seja mais comum para pessoas em tratamento com insulina, a hipoglicemia noturna também pode ocorrer com quem faz o uso apenas de medicamentos antidiabéticos orais.

Quando dormimos, há o que chamamos de jejum noturno, ou seja, neste período não há consumo de alimentos e mesmo assim o nosso corpo continua necessitando de glicose para manter os órgãos em funcionamento, e com isso a glicemia reduz. No caso de pacientes com diabetes tipo 1 ou tipo 2, o equilíbrio da glicemia não consegue ser mantido, causando a hipoglicemia. E caso as doses das medicações estejam em excesso, isso pode se acentuar.

Muitas vezes a hipoglicemia é assintomática e os pacientes continuam dormindo, independente do nível de glicose sanguínea, podendo levar a pessoa a ter convulsões, desmaios e ao que se conhece como Síndrome da Morte Súbita no Leito, que ocorre quando a pessoa é encontrada morta no outro dia por conta da hipoglicemia severa. Uma revisão publicada em 2017, publicada na revista Diabetes Research and Clinical Practice, traz que 50% dos casos de hipoglicemia severa ocorrem por conta da hipoglicemia noturna.

Apesar de muitas vezes assintomático, alguns sintomas sentidos na manhã seguinte podem indicar que houve hipoglicemia noturna. Estes sintomas são:

Irritabilidade, dores de cabeça e/ou confusão mental ao acordar;

Fadiga e/ou letargia;

Depressão;

Acordar em roupas e lençóis úmidos de suor.

Se você ou alguém que você conhece tem diabetes e apresentou algum desses sintomas, é recomendado que seja consultado o médico para que a terapia seja modificada de modo a prevenir a incidência da hipoglicemia.

É importante que quem convive com uma pessoa com diabetes saiba reconhecer um caso de hipoglicemia noturna, para que seja possível reverter a baixa concentração de glicose sanguínea. Abaixo estão listados sinais e sintomas de uma hipoglicemia severa que podem ser observadas por quem convive com uma pessoa com diabetes ou, mais incomumente, pelo próprio paciente:

Sonhos vívidos ou pesadelos;

Suor intenso ou aumento da umidade e calor da pele;

Ritmo cardíaco acelerado (taquicardia);

Respiração anormalmente lenta (bradipneia);

Tremores ou sacudidas;

Convulsão.

Nestes casos, deve-se administrar glicose que possa ser facilmente absorvida, como açúcar, suco natural ou balas. Caso a pessoa esteja dormindo, é importante que ela seja acordada e esteja sentada para consumir o alimento. Depois de totalmente acordada, ela deve consumir uma refeição e medir sua glicemia. Caso a pessoa não consiga ser acordada, deve ser injetado no paciente o kit de glucagon, para que a pessoa acorde e faça a alimentação. Caso você não tenha sido preparado para isto, ou não tenha o kit de glucagon, você deve chamar a emergência (Ligue 192 caso queira acionar a SAMU).

Como principal prevenção, portanto, é seguir o acompanhamento com a equipe médica, manter a terapia corretamente e medir a glicemia antes de dormir (Resultado inferior a 120 mg/dL é indício que seja necessário ser feito um lanche).

Daiana Daniele Boeff

Betina Nemetz

Mateus Augusto dos Reis

Beatriz D. Schaan

Graveling, A. J., & Frier, B. M. (2017). The risks of nocturnal hypoglycaemia in insulin-treated diabetes. Diabetes Research and Clinical Practice, 133, 30–39.doi:10.1016/j.diabres.2017.08.012

Allen KV, Frier BM. Nocturnal hypoglycemia: clinical manifestations and therapeutic strategies toward prevention. Endocr Pract. 2003 Nov-Dec;9(6):530-43. doi: 10.4158/EP.9.6.530. PMID: 14715482.

Diabetes.co.uk – the global diabetes community – 2003 – 2021 – Diabetes Digital Media Ltd Disponivel em: https://www.diabetes.co.uk/nocturnal-hypoglycemia.htmlb