Temos ouvido falar em distanciamento social e cuidados pessoais durante a pandemia de COVID-19. Mas o que significam essas medidas?

A COVID-19 foi declarada como uma emergência de saúde pública no Brasil. Como não há tratamento nem vacina disponíveis, as intervenções não farmacêuticas são indicadas com o objetivo de diminuir a disseminação da doença.

As medidas não farmacêuticas possuem âmbito pessoal, ambiental ou comunitário. As medidas pessoais incluem higiene das mãos, etiqueta respiratória, uso de máscaras e distanciamento social. Por sua vez, o distanciamento social envolve isolamento dos doentes, quarentena dos contatos e prática voluntária de não frequentar lugares com aglomeração de pessoas.

As medidas ambientais se referem à ventilação dos ambientes, exposição ao sol e limpeza de ambientes internos na casa. Atenção especial deve ser dada aos botões dos elevadores, corrimões, maçanetas de portas, telefones celulares e quaisquer outras superfícies que possam ser contaminadas com o vírus.

Medidas comunitárias são ações tomadas pelos governantes, empregadores e líderes comunitários para proteger a população. Elas incluem a restrição do acesso às escolas, igrejas, locais de lazer comunitários, transporte público, eventos esportivos, teatros, cinemas e estabelecimentos comerciais, mantendo apenas os serviços essenciais.

O tempo de início e a duração das medidas não farmacêuticas comunitárias irão influenciar no seu impacto. Essas medidas devem começar cedo o suficiente para impedir um aumento agudo do número de casos e permanecer por tempo suficiente para cobrir o pico da curva epidêmica.

As condições de vulnerabilidade de alguns grupos deve ser levada em consideração para implementação de algumas das medidas comunitárias. Entre esses grupos estão os moradores de rua, presidiários, idosos, pessoas que morem em casas superlotadas, sem ventilação adequada ou água corrente, imigrantes e pessoas com necessidades especiais.

A proteção da saúde pública deve guiar as autoridades governantes. É fundamental que as decisões sejam comunicadas de maneira transparente, de forma a ganhar a confiança da população.

VAMOS FAZER A NOSSA PARTE: VAMOS CUIDAR DAS MEDIDAS PESSOAIS E EVITAR, VOLUNTARIAMENTE, IR A LOCAIS COM AGLOMERAÇÃO DE PESSOAS.

FONTE: Nonpharmaceutical interventions for tackling the COVID-19 epidemic in Brazil. Garcia LP, Duarte E. Epidemiol Serv Saude. 2020 Apr 9;29(2):e2020222. doi: 10.5123/S1679-49742020000200009.