Pesquisadores brasileiros também estão no encalço das células T.

Cientistas da FIOCRUZ publicaram um artigo na revista Cellular Immunology levantando questões de imunidade relacionadas à COVID-19: 1) Por que algumas pessoas infectadas apenas têm sintomas leves ou são assintomáticas?; 2) Por que a resposta fraca de anticorpos está associada com uma pior evolução da doença?; 3) Por que a positividade nos testes moleculares não representa presença de anticorpos protetores?

Já se descobriu que o SARS-CoV-2 induz um retardo na via de ativação das células T durante os primeiros dias da infecção, mas após duas semanas de sintomas, células T de memória aparecem na circulação sanguínea.

Os testes de resposta celular, como os que possuem as células T como alvo, têm custo similar aos testes para detecção de anticorpos, além de possuir alta especificidade e sensibilidade. Esses testes poderiam ajudar na estimativa da imunidade da população.

Estudos sobre a célula T podem ser úteis para o desenvolvimento de vacinas, terapias e testes diagnósticos para a COVID-19.

COMO ESSE VÍRUS NOS ENSINA COISAS…

FONTE: Melgaço JG, Azamor T, Ano Bom APD. Protective immunity after COVID-19 has been questioned: What can we do without SARS-CoV-2-IgG detection? Cell Immunol. 2020 Apr 28;353:104114. doi: 10.1016/j.cellimm.2020.104114.