Olhem só esse editorial publicado na revista Journal of Molecular Microbiology and Biotechnology…

A segurança local, nacional e internacional é promovida por meio da aplicação de conhecimentos científicos confiáveis. Essa informação pode ser usada na saúde pública, sendo essencial o conhecimento detalhado de microbiologia (por exemplo, para produção de vacinas, segurança alimentar, produção agrícola, tratamento de esgoto, etc). A Ciência tenta remover a subjetividade da informação, minimizando a chance de conclusões incorretas.

Atualmente nós temos um conhecimento básico do processo evolutivo dos organismos no qual células procariontes simples formaram simbioses e comunidades cooperativas, finalmente gerando organismos mais complexos, como animais e plantas. Esse conhecimento nos diz que não foi apenas a sobrevivência do mais apto que guiou a nossa evolução; talvez mais importante tenha sido a cooperação entre células e organismos. Nós não somos apenas organismos competitivos, mas seres simbiontes. Nós cooperamos com o nosso microbioma (conjunto de microrganismos) para criar um consórcio orgânico.

Agora nós sabemos que não podemos viver sem os produtos da fotossíntese, o que requer que sejam implementados programas de sustentabilidade. Um futuro sustentável depende da Ciência, do pensamento crítico, da inovação e suas aplicações, assim como de uma legislação correta.

Nossa espécie se defronta com inúmeras ameaças, muitas das quais são resultado de nossas próprias ações. Essas ameaças incluem microrganismos resistentes a antimicrobianos, doenças infecciosas emergentes e desabastecimento de água, comida e energia. Isso irá requerer que as sociedades reconheçam e apoiem as Ciências básicas e aplicadas.

Não podemos nos dar ao luxo de suprimir informações testadas cientificamente. Por outro lado, devemos reconhecer e descartar informações não documentadas e não testadas. Fatos e princípios científicos devem ser o nosso guia para o desenvolvimento de um futuro construtivo.

FAZ A GENTE PENSAR NA NOSSA RESPONSABILIDADE, NÃO É?

FONTE: Science, Innovation and the Future of Humanity. Milton H. Saier Jr. and J.T. Trevors. J Mol Microbiol Biotechnol. 2017; 27(2): 128–132. doi:10.1159/000467401.