Pesquisadores brasileiros publicaram estimativa de subnotificação de COVID-19 no Brasil.

O número de casos confirmados de COVID-19 é o dado mais importante para que se possa compreender a evolução dessa doença. Contudo, a rápida disseminação da pandemia e o pequeno número de testes realizados tornam difícil estimar o número real de casos e provocam subnotificação em diferentes países.

Neste trabalho, os pesquisadores estimaram que o número real de casos no Brasil foi cerca de 11 vezes maior do que o informado no período avaliado. Igualmente, ocorreu grande variabilidade na taxa de notificação de casos de COVID-19 entre os estados. A diferença entre a taxa mais alta (31,7% em Roraima) e a mais baixa (3,4% na Paraíba) sugere que estão em vigência políticas distintas para a realização de testes e notificação. Entretanto, foi observado que todos os estados apresentavam altos níveis de subnotificação, o que é uma preocupação para aqueles responsáveis por tomar decisões, já que esses dados podem levar a análises equivocadas sobre o controle da doença e medidas de isolamento.

A subnotificação observada no Brasil pode estar relacionada a alguns fatores, como dificuldades operacionais para realização de testes na população, o que leva a um aumento da demora entre a realização e os resultados dos exames, falta de novos exames e as orientações para só realizar testes em casos mais graves.

FONTE: Analysis of COVID-19 under-reporting in Brazil. Marcelo Freitas do Prado, Bianca Brandão de Paula Antunes, Leonardo Dos Santos Lourenço Bastos, Igor Tona Peres, Amanda de Araújo Batista da Silva, Leila Figueiredo Dantas, Fernanda Araújo Baião, Paula Maçaira, Silvio Hamacher, Fernando Augusto Bozza. Rev Bras Ter Intensiva. 2020 Jun;32(2):224-228. doi: 10.5935/0103-507x.20200030.