Testes sorológicos sugerem transmissão do SARS-CoV-2 entre uma professora infectada e alunos nos EUA.

Em fevereiro de 2020, uma professora apresentou dor de cabeça, dor de garganta, mialgia e fadiga enquanto fazia uma viagem à Europa, onde a transmissão comunitária da COVID-19 estava ocorrendo. Após voltar aos EUA, a professora retornou às aulas (de 24 a 27 de fevereiro). Um suabe de orofaringe coletado em 01 de março foi positivo para o SARS-CoV-2.

Todos os estudantes que tiveram aulas com a professora foram instruídos a ficar em quarentena em casa. Após a quarentena, foram convidados a participar de um estudo sorológico para avaliar o potencial de transmissão do SARS-CoV-2 em uma sala de aula.

Entre os dias 24 e 27 de fevereiro, a professora ministrou 16 aulas, todas na mesma sala e com menos do que 30 estudantes. Das 16 aulas, 10 eram baseadas em discussão de tópicos, sendo que a professora relatou ter andando pela sala e conversado diretamente com os estudantes (aula interativa).  Nas demais aulas, a professora permaneceu em uma posição da sala e a interação com os estudantes foi limitada (aulas não interativas).

Vinte e um estudantes concordaram em participar do estudo sorológico. A média de idade foi 17 anos. Cinco dos participantes tiveram aula interativa, com duração média de 108 minutos, enquanto os 16 participantes restantes tiveram aulas não interativas, com duração média de 50 minutos.

Dos cinco alunos com contato em aula interativa, os resultados para dois (alunos A e B) foram sugestivos de infecção prévia com o SARS-CoV-2. Apesar de não terem encontrado evidência sorológica de infecção prévia nos participantes com classes não interativas, sete deles relataram sintomas. Os sintomas mais comuns foram dor de garganta, dor de cabeça, rinorreia e mialgia.

Apesar da transmissão do SARS-CoV-2 entre pessoas sintomáticas e contatos próximos estar bem estabelecida, os riscos associados com o contato em sala de aula não são conhecidos. Os resultados deste trabalho sugerem que a interação entre uma professora infectada e os estudantes dentro da sala de aula pode resultar em transmissão do vírus.

FONTE: Antibody Responses after Classroom Exposure to Teacher with Coronavirus Disease, March 2020. Nicole E. Brown, Jonathan Bryant-Genevier, Uptala Bandy, Carol A. Browning, Abby L. Berns, Mary Dott, Michael Gosciminski, Sandra N. Lester, Ruth Link-Gelles, Daniela N. Quilliam, James Sejvar, Natalie J. Thornburg, Bernard J. Wolff, John Watson. Emerging Infectious Diseases Vol. 26, No. 9, September 2020. DOI: https://doi.org/10.3201/eid2609.201802