Diagnósticos errôneos na era da COVID-19: atenção, porque nem tudo é COVID-19.

Um homem de 56 anos foi admitido a um hospital com dificuldade respiratória, tosse e dor no peito, além de fadiga, mialgia e febre. Após questionamento, ele mencionou episódios similares no passado. A radiografia pulmonar mostrou opacidades difusas ao longo dos pulmões. Houve suspeita de COVID-19 e o paciente foi intubado. O RT-PCR para o SARS-CoV-2 foi negativo em duas amostras.

Antes da era da COVID-19, muito provavelmente o paciente iria ser avaliado mais amplamente de forma imediata porque tinha fatores de risco significativos para doença cardíaca, com história sugestiva de angina. Na era da COVID-19, a hesitação dos pacientes em ir a um hospital para evitar exposição ao vírus e a limitação de recursos criaram barreiras significativas para a avaliação. No caso de pacientes que já hospitalizados, quando a suspeita de COVID-19 é levantada, ela pode fazer com que outros diagnósticos sejam negligenciados ou atrasar procedimentos por conta de evitar a exposição ao vírus.

Recentemente, neurologistas lançaram um pedido à comunidade para não ignorar os sintomas de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Os autores do artigo lançam, também, um alerta para a comunidade médica ficar vigilante em relação ao diagnóstico de doenças cardíacas comuns que possam estar sofrendo erro de diagnóstico na era da COVID-19. É necessário que os médicos estejam vigilantes para diagnosticar pacientes de COVID-19, mas não devem esquecer o diagnóstico de doenças comuns.

FONTE: Misdiagnosis in the COVID-19 Era. When Zebras Are Everywhere, Don’t Forget the Horses. Rayan Yousefzai, Arvind Bhimaraj. JACC: CASE REPORTS, VOL. 2 , NO. 10 , 2020. https://doi.org/10.1016/j.jaccas.2020.04.018.