Por quanto tempo um vírus pode permanecer em um corpo morto? Parte 1.

As pessoas podem ficar doentes por desenterrar corpos com décadas de idade? Ou poderiam os futuros cientistas obter mais informações sobre COVID-19 examinando restos mortais de um século a partir de agora? Para responder perguntas como estas, preparamos uma série de posts baseados em uma entrevista concedida pelo virologista americano Matthew Koci, professor do Departamento de Ciência Avícola da Universidade Estadual da Carolina do Norte, EUA. A entrevista completa pode ser vista aqui.

Pergunta: Por quanto tempo os vírus em um corpo morto representam um perigo biológico? Por exemplo, os restos desenterrados de um animal ou humano representariam uma ameaça biológica (por causa de um vírus) após uma semana? Um mês? Um ano? Um século? Isso varia de vírus para vírus?

Matt Koci: Infelizmente a resposta depende de muitos fatores. Provavelmente, o maior fator é o tipo de vírus. De que é feito o seu vírion? Para que um vírus mova seu genoma de uma célula para outra, ele precisa de proteção ambiental. Uma maneira de obter essa proteção é o vírus envolver seu genoma com uma membrana de bicamada lipídica. Esses vírus são chamados de vírus envelopados, porque estão nesses “envelopes” de membrana. As partículas virais dos vírus envelopados tendem a ser menos capazes de sobreviver no ambiente em comparação com os vírus não envelopados. Os vírus envelopados são mais propensos a secar e são sensíveis a muito mais desinfetantes do que os vírus não envelopados. É por isso que lavar as mãos com sabão simples é eficaz contra vírus como o vírus da gripe e coronavírus (que são vírus envelopados), mas o sabão não funciona com vírus não envelopados.

A composição do vírus é, provavelmente, o maior problema que afeta por quanto tempo ele pode durar e ainda ser um perigo para outras pessoas. Mas não é o único fator. A temperatura e a umidade de onde o corpo está, onde o vírus está localizado no corpo, a quantidade de vírus que existe quando a pessoa morreu, o processo de sepultamento e a profundidade de sepultamento do corpo influenciam por quanto tempo o vírus está associado ao corpo pode representar um risco.

A boa notícia para nós é que, ao contrário das bactérias que podem crescer sozinhas, os vírus precisam estar dentro das células vivas para se replicar. Portanto, quando o corpo morre, o vírus não consegue mais se replicar; é apenas uma questão de quanto tempo levará para que todos os vírus existentes não sejam mais infecciosos.

CURIOSO PARA SABER MAIS? NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO AMANHÃ…

FONTE: Quanto tempo os vírus podem sobreviver em um corpo morto? Matt Shipman, North Carolina State University. https://medicalxpress.com/news/2020-05-viruses-survive-dead-body.html. 21 DE MAIO DE 2020.