Uso de probióticos na COVID-19?

Os sintomas associados à infecção por COVID-19 são variados, como febre, tosse, letargia e sintomas gastrointestinais (GI), incluindo diarreia e colite. Os sintomas podem estar associados à disbiose microbiana (desequilíbrio do microbioma intestinal), tendo sido encontrado um declínio nos microrganismos benéficos Lactobacillus e Bifidobacterium.

O cenário atual exige uma investigação detalhada de novas abordagens terapêuticas para a disbiose do microbioma intestinal, aumentando o sistema imunológico associado a esse microbioma, diminuindo os sintomas relacionados e a progressão da infecção viral.

Os probióticos (produtos alimentares que contêm microrganismos vivos cuja ingestão traz benefícios à saúde) podem atuar como moduladores da disbiose causada por infecção viral, especialmente na atenuação dos sintomas GI. Os probióticos podem diminuir a extensão da gravidade da doença ao equilibrar o microbioma intestinal, que pode ter resultados valiosos devido ao seu papel na comunicação do eixo intestino-pulmão e regulação da vitamina A.

Os probióticos desempenham seu papel no combate a várias doenças em termos de aumento da função de barreira epitelial, como anti-inflamatórios, melhorando a diversidade microbiana intestinal, como antagonistas para várias cepas bacterianas prejudiciais, entre outros. A patogênese da COVID-19 inclui a ruptura da barreira epitelial, inflamação e disbiose, que podem ser aliviadas com a suplementação de probióticos.

Até o momento, não existem ou são poucos os ensaios clínicos com resultados conclusivos para preparar o caminho para o uso de cepas probióticas específicas na infecção por SARS-CoV-2. Há necessidade de estudos imediatos e ensaios para uso de probióticos no COVID-19.

FONTE: SARS-CoV-2 microbiome dysbiosis linked disorders and possible probiotics role. Ahmad Ud Din, Maryam Mazhar, Muhammad Wasim, Waqar Ahmad, Asma Bibi, Adil Hassan, Niaz Ali, Wang Gang, Gao Qian, Razi Ullah, Tariq Shah, Mehraj  Ullah, Israr Khan, Muhammad Farrukh Nisar, Jianbo Wu. Biomedicine & Pharmacotherapy Volume 133, January 2021, 110947.