Cães que farejam COVID-19?

Transcrevemos abaixo alguns trechos da matéria publicada na revista Nature. Leia o original aqui.

Em todo o mundo, cães estão sendo treinados para detectar o cheiro de infecções por COVID-19. Cientistas envolvidos nos esforços sugerem que os caninos podem ajudar a controlar a pandemia, porque eles podem rastrear centenas de pessoas por hora em locais movimentados, como aeroportos ou estádios esportivos, e são mais baratos de operar do que os métodos de teste convencionais.

Os humanos têm aproveitado o olfato superior dos caninos há décadas. O nariz dos cães carrega 300 milhões de receptores de cheiro, em comparação com 5 milhões ou 6 milhões de humanos. Isso os permite detectar pequenas concentrações de odores que as pessoas não conseguem. Os cães farejadores já são uma visão familiar nos aeroportos, onde detectam armas de fogo, explosivos e drogas.

Os cientistas também treinaram cães para detectar alguns tipos de câncer e malária, mas os animais não são usados ​​rotineiramente para essa finalidade. Os pesquisadores não sabem ao certo o que os cães estão cheirando, mas muitos suspeitam que essas doenças fazem com que o corpo humano liberte um padrão distinto de compostos orgânicos voláteis (VOCs). Essas moléculas evaporam prontamente para criar um cheiro que os cães podem sentir. Trabalhos anteriores com vírus não-COVID sugeriram que infecções virais também podem fazer com que o corpo produza VOCs característicos.

Muitos cientistas de cães farejadores voltaram sua atenção para COVID-19 no início da pandemia. Eles treinaram seus caninos para cheirar amostras, na maioria das vezes de suor, em recipientes estéreis, e para sentar ou dar patadas no chão ao detectar sinais de infecção. Testes em aeroportos nos Emirados Árabes Unidos, Finlândia e Líbano estão usando cães para detectar COVID-19 em amostras de suor de passageiros; estes são então verificados com uso de testes convencionais. Cães na Finlândia e no Líbano identificaram casos dias antes dos testes convencionais detectarem o vírus, sugerindo que eles podem detectar a infecção antes do início dos sintomas.

Nos testes no aeroporto do Líbano, os cães rastrearam 1.680 passageiros e encontraram 158 casos de COVID-19 que foram confirmados por testes de PCR. Os animais identificaram corretamente os resultados negativos com 100% de precisão e detectaram corretamente 92% dos casos positivos, de acordo com resultados não publicados.

PROMISSOR, NÃO É?

FONTE: Can dogs smell COVID? Here’s what the science says. Holly Else. Nature News 23 novembro 2020. https://doi.org/10.1038/d41586-020-03149-9.