Instrumentos da orquestra

Breve histórico

Combinações instrumentais

O projeto Orquestra Virtual UFRGS tem por objetivo apresentar alguns elementos fundamentais de instrumentação e orquestração para os diferentes grupos instrumentais utilizados na orquestra sinfônica: cordas, madeiras, metais, percussão e outros instrumentos, assim como coro, com apresentação de partituras e links para arquivos de som. Apesar de não constituir-se de um manual de orquestração, há o propósito de ajudar estudantes de música a compreender melhor o funcionamento da orquestra de uma forma prática, através da audição. Esses recursos possibilitarão comparar, em diferentes contextos, a utilização de um recurso orquestral, ou de diferentes recursos orquestrais em um mesmo contexto musical. O site estará em permanente construção, em constante aperfeiçoamento e ampliação, apoiado por uma equipe de pesquisadores e web designers, com coordenação do Prof. Dr. Felipe Kirst Adami.

Os naipes e instrumentos da orquestra serão apresentados de forma sucinta, e todas as informações possíveis serão dispostas em forma de tabelas, evitando longas explicações textuais. O tempo que seria utilizado para a leitura poderá, dessa forma, ser utilizado para audição e reflexão sobre exemplos, visto que, apesar de podermos falar nos sons dos instrumentos por analogia, como “doce”, “brilhante” ou “quente”, eles não são sabores ou formas físicas, mas ondas sonoras que são sentidas e traduzidas em sensações, as quais são diferentes para cada ouvinte. Podemos falar em som longo ou curto, forte ou fraco, agudo ou grave, utilizando medidas físicas, mas os timbres são muito mais complexos do que durações, intensidades e alturas, sendo antes uma combinação destes três outros parâmetros. Falar de sobreposições de ondas e espectros sonoros também está distante demais da vivência cotidiana para que se crie alguma significação que permita rapidamente ser utilizada em um contexto musical. Como afirma Kennan (1970, p. 1-2):

“O ponto aqui é que timbres não podem realmente ser descritos em palavras. É muito bom ler em um livro de orquestração que o clarinete é ‘escuro’ no seu registro grave, mas até que se tenha realmente escutado o som em questão e tido impressões em seu ‘ouvido da mente’, não se terá uma concepção real da cor particular daquele som para propósitos de orquestração”.

A melhor saída, portanto, é a experiência da audição musical, e a associação com as diversas experiências pessoais, que permitem ao orquestrador imaginar as sonoridades e traduzi-las na escolha instrumental de cada trecho imaginado.

Grande parte deste site será dedicada às combinações instrumentais, com recursos que permitem ouvir inúmeras possibilidades de associações entre os instrumentos. Inicialmente serão apresentadas combinações dentro de um mesmo naipe. No final, serão apresentados recursos orquestrais para o tutti da orquestra sinfônica, com a combinação dos diferentes naipes.



Para citar este texto, utilize: ADAMI, Felipe K. Orquestra Virtual UFRGS Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em https://www.ufrgs.br/napead/repositorio/objetos/orquestra-virtual/index.php