Grandes obras latino-americanas sem preservação

Grandes obras latino-americanas sem preservação

O valor das grandes obras arquitetônicas resiste ao tempo, permanecendo como legados históricos que nos trazem informações valiosas sobre o passado. Porém as construções que representam tais obras, não o são. Abaixo, são listados alguns bem culturais notáveis da América Latina que merecem atenção especial visando a sua preservação, visto as más condições nas quais se encontram.

Restaurante Los Manantiales de Félix Candela – Cidade do México, México
1. Localizado em Xochimilico e construído em 1957, este local tem grande valor cultural devido a suas raízes pré-hispânicas. A estrutura proposta por Candela assemelha-se a uma flor de lótus e se conecta aos jardins a sua volta. A ação do tempo e a umidade corroem o interior do prédio que hoje em dia é um restaurante e espaço para apresentações de um grupo de dança.

2. Parador Ariston de Marcel Breuer – Mar Del Plata, Argentina
Projeto pelo arquiteto húngaro Marcelo Breuer e construído em 1948. O objetivo primário de Breuer era construir um local para reuniões sociais, festas, coquetéis, sendo assim, a estrutura, curvilínea e parecida com um trevo, é elevada e envidraçada, para garantir o máximo aproveitamento da luz solar.
Os cidadãos do bairro La Serena, onde está localizado, vem tentando recuperar o local, porém o edifício segue fechado, com seus muros pichados e suas vidraças substituídas por pedaços de madeira. O Parador não está na lista de patrimônios históricos da cidade, o que dificulta os cuidados.

3. Casa Robles Castillo de Luis Barragán – Guadalajara, México
Construído em 1926. Primeira obra residencial encarregada ao jovem arquiteto Luis Barragán.
O bonito sobrado branco de 2 andares, desde então, já foi alugado por inúmeras franquias e comércios e, entre aluguéis, sofre com pichações e falta de cuidado.

4. Edifício Copelec de Juan Borchers, Jesús Bermejo e Isidro Suárez – Chillán, Chile
De 1962, o imponente edifício foi projeto do escritório de arquitetura Juan Borchers. Foi declarado Monumento Histórico em 2007 e cinco anos depois correram rumores de que viraria um Centro Cultural, mas o espaço segue até hoje como estacionamento e armazém.

5. Santa Paula Iate Clube- São Paulo, Brasil
Construído em 1961. Cobertura retangular em laje tripartida, com oito pilares dispostos simetricamente em ambos lados, apoiados diretamente nos blocos de fundação sobre muros revestidos em pedra.
Apesar de seu valor para a arquitetura brasileira moderna, o desuso o levou à deterioração.

6. Ladeira da Misericórdia de Lina Bo Bardi – Pelourinho, Brasil
Construído em 1987, por uma das arquitetas brasileiras mais importantes e expressivas do século XX, o edifício pode ser definido como um conjunto de cilindros em argamassa armada que abriga um restaurante com uma grande árvore crescendo em seu centro e fazendo uso da luz solar.
O local é uma união harmoniosa entre a arquitetura colonial e as características modernistas. Porém, o edifício segue abandonado.
7. Estufa do Parque Quinta Normal – Santiago, Chile
Monumento Nacional de Santiago, o local guarda 150 anos de história.
Sua data de construção é inexata, mas estudos indicam que a estufa tenha sido construída em 1866 e instalada no parque em 1880, como um observatório de plantas. A partir de 1995 seu uso ficou indefinido e o local permaneceu abandonado.
Em 2016 um projeto de restauração para o espaço foi aprovado.

 

Foto: Ladeira da Misericórdia, © Flickr Adalberto Vilela