Roteiro pouco conhecido do centro de Porto Alegre

Roteiro pouco conhecido do centro de Porto Alegre

Uma antiga prisão que agora guarda obras de arte, uma escadaria colorida, a residência mais antiga do estado do Rio Grande do Sul, um casarão que abriga obras de um artista holandês, um observatório para ver as estrelas ao lado do Parque da Redenção. Todas interligadas por uma rápida caminhada, essas atrações seguem desconhecidas e pouco exploradas até mesmo pelos porto-alegrenses, que escolhem roteiros mais tradicionais.

Foi a vontade de introduzir estes locais menos conhecidos no circuito turístico da cidade que levou o professor doutor em história da arte José Francisco Alves, membro do Atelier Livre, projeto vinculado a prefeitura, a realizar passeios esporádicos a pé, uma visita guiada, na qual locais menos convencionais são apresentados ao público. São explorados pontos arquitetônicos, culturais e históricos menos conhecidos desses espaços.

A insegurança e o desconhecimento são os dois principais motivos para esse afastamento dos espaços da cidade que vem criando um ciclo vicioso: quanto menos frequentados, mais inseguros e abandonados, fatores que desmotivam visitas futuras. “Ocupar” estes locais é um meio de garantir seu cuidado e segurança.

Abaixo, uma lista de sete locais que formam um roteiro diferente da região central de Porto Alegre:

1.Observatório Astronômico da UFRGS

Encontra-se no Campus centro da Universidade e é um dos mais antigos do Brasil. Antigamente, era seu antigo relógio que dava a hora correta da cidade. Agora, abriga um museu e mantém alguns instrumentos de astronomia. É aberto à visitação durante a semana, oferecendo a observação diurna e noturna do céu, além de outras atividades educativas. No UFRGS Portas abertas o SPH realizou Visitas Guiadas Teatralizadas no interior do prédio, recebendo inúmeros estudantes.

2. Escadaria da Rua 24 de Maio

Coloridos e cheios de mensagens poéticas em pequenos azulejos, a escadaria que liga as ruas Duque de Caxias e André da Rocha atrai olhares. Inspirada na escadaria da Lapa, bairro do Rio de Janeiro, a obra é produto da artista Clarissa Motta Nunes, que realizou o trabalho em 2011. O local vinha sendo restaurado desde 2007, mas ainda sofre com pichações e pouca visitação, principalmente à noite.

3. Escadaria da João Manoel

Liga as ruas General João Manoel e Coronel Fernando Machado. Quando foi construída, há cerca de 90 anos, o alto de seus degraus permitia ao visitante observar o lago Guaíba. Atualmente, mesmo deteriorada, a imponente obra de Christiano de la Paix Gelbert ainda vale a visita.

4. Pinacoteca Ruben Berta

Este casarão restaurado do século 19 na Rua Duque de Caxias abriga um invejável acervo. Doado ao Município em 1971, abriga, desde 2013, a Pinacoteca Ruben Berta. O local soma 125 obras de arte, entre elas Rejalma, de 1673, do holandês Jeronimus Van Diest, pintura mais antiga em acervo público no estado. O acervo foi organizado por Assis Chateaubriand, magnata das comunicações, que aspirava criar museus regionais em vários pontos do país.

As visitações ocorrem de segundas a sextas, das 10h até às 18h.

5. Solar dos Câmara

É construção residencial mais antiga da capital gaúcha. O casarão da Rua Duque de Caxias, ao lado da Assembleia Legislativa, foi tombado nos anos 1960 e foi cenário de encontros políticos que marcaram nosso estado. A casa que foi moradia de José Feliciano Fernandes Pinheiro, primeiro presidente da Província de São Pedro, pelo Marechal José Antônio Corrêa da Câmara, e por Armando Pereira da Câmara, neto do Marechal, passou a ser propriedade da Assembleia em 1981 e sua restauração teve inicio na década de 90. É aberto ao público e gratuito, abrigando diversas exposições e artefatos históricos.

 

6. Pinacoteca Aldo Locatelli

Atualmente, sedia exposições e eventos culturais, abrigando, desde 2008, um acervo de obras aberto ao público. Antigamente, Era a cadeia do Município, estando suas celas conservadas até hoje. Seu teto, após as obras de restauração, mostra os trilhos dos bondinhos do inicio do século 20. Já em seu acervo, está a maquete da obra Monumento aos Açorianos, projeto do escultor Carlos Tenius. Caso tenha ficado curioso para conhecer a Pinacoteca, os dias e horários para visitação são: segunda a sexta, das 9h ao meio-dia e das 14h às 18h, e aos sábados, das 13h às 17h. A entrada é gratuita.

7. Casario da Rua Fernando Machado

Construídos há quase 100 anos, os nove sobrados e suas telhas são parte de nosso patrimônio histórico. Localizados entre os números 464 e 514 da Rua Fernando Machado, Antonio Chaves Barcellos Filho, o dono original, os vendeu logo após sua construção, e desde lá os pequenos sobrados tiveram diferentes proprietários.

Foto: Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS