Prédios Históricos

SÉRIES PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – FACULDADE DE DIREITO

A Faculdade Livre de Direito de Porto Alegre nasceu, em 17 de fevereiro de 1900, por iniciativa de um grupo de magistrados inspirados nas ideias reformistas que se introduziram com a República. Para consolidação definitiva como instituição de ensino, era necessário constituir um sólido patrimônio imobiliário para abrigar o curso.

Assim, construir o prédio exigiu, por parte de seus fundadores, grande empenho na captação de recursos financeiros. Verbas foram conseguidas com quermesses, bailes e doações diversas, inclusive de outras cidades, destacando-se as ações realizadas em Pelotas.

Entre os anos de 1908 e 1910, a edificação foi construída e finalizada. O Desembargador Manoel André da Rocha teve atuação decisiva para a construção do imponente prédio e, durante 32 anos, foi Diretor da Faculdade.

Em 1909, a Faculdade de Direito criou a Escola de Comércio, origem das atuais Faculdade de Ciências Econômicas e Escola Técnica de Comércio. Em suas dependências também se iniciaram vários cursos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

O Centro Acadêmico, fundado em 1917, pioneiro na implantação do Serviço de Assistência Judiciária Gratuita no Brasil, destacou-se com decisivas ações de política estudantil, preocupando-se com questões legais de interesse da comunidade.

A Reitoria, base jurídico-administrativa da Universidade de Porto Alegre, criada em 1934, ocupou parte do prédio entre 1936 e 1954.

Formadora de gerações de grandes doutrinadores e operadores do Direito, a centenária instituição continua sendo vanguarda do pensamento jurídico nacional.

O acesso principal do prédio apresenta um portão de ferro, ricamente trabalhado, que se abre para o saguão do edifício. O saguão introduz à escadaria interna, de mármore, com corrimão em estuque veneziano, exemplar raro na arquitetura de Porto Alegre e em cujo patamar sobressaem os vitrais, de José Wollmann, representando a Justiça, a Doutrina e a Ciência.

O prédio causa grande impacto às pessoas que circulam pelo seu interior, em razão da diversidade de seus elementos decorativos. Belíssimos afrescos revestem suas paredes.

Integrados perfeitamente ao projeto original, os espaços da biblioteca e do auditório, chamado Salão Nobre, resultaram de uma ampliação realizada em 1951. Neste último, destaca-se uma magnífica pintura mural de Ado Malagoli. Por sua vez, o artista veneziano Frederico Pellarin realizou as esculturas figurativas da cúpula.

Notícias

Sala Redenção tem programação especial nesta semana

Após reinauguração, o Cinema Universitário da UFRGS apresenta mostra de filmes gaúchos.

 

Hoje, dia 02 de abril, a partir das 19h, inicia, na Sala Redenção, a 2º Mostra Sesc de Cinema – Etapa Estadual, com a apresentação dos filmes Bandidos Desalmados, do diretor Paulo Alcaraz; Mãe dos Monstros, de Julia Zanin de Paula; e Redenção, de Marcel Kunzler.

 

A mostra vai até esta sexta-feira, 06 de abril, e trará uma seleção de 20 filmes gaúchos nas modalidades curta e longa-metragem. Além das exibições, serão realizados debates com os diretores dos filmes a fim de explanarem sobre a produção, seu processo criativo e discussões que suscitam a obra. A entrada é franca.

 

A Sala Redenção, o Cinema Universitário da UFRGS, foi reinaugurada, na semana passada, no dia 28 de março. A reinauguração foi marcada por novidades, como o hall de entrada da sala com o painel “Arte da Memória” e a manifestação artística na fachada, a pintura da Lua George Méliès. Além da restauração visual, a reabertura teve a exibição de um curta e dois longas-metragens da diretora Eliza Capai.

 

O Cinema Universitário se propõe a resgatar os grandes clássicos do cinema mundial, além de reservar um espaço significativo para as produções nacionais.

 

Confira a programação completa: http://www.ufrgs.br/difusaocultural/projeto.php?id=470

 

Confira o evento na página do Facebook:

https://www.facebook.com/events/597216920620010/?active_tab=about

Notícias

PONTO UFRGS: VALORIZANDO O QUE É NOSSO

Para quem ainda não conhece, aproveite e dê uma passada na Ponto UFRGS, que está com algumas novidades nos seus produtos. A loja, que foi inaugurada em novembro de 2017, trabalha com produtos Institucionais confeccionados e comercializados visando à gestão da marca promocional e a união da comunidade interna e externa da Universidade.

Buscando valorizar a identidade da UFRGS, a Ponto UFRGS inova no seu conceito com diferentes linhas de produtos, como a Feito UFRGS, que são os produtos institucionais elaborados com a participação da comunidade da UFRGS; a UFRGS Convida, que é um espaço dedicado à valorização das atividades culturais da Universidade e a linha Mostra UFRGS, que é inspirada nos ícones mais marcantes de nossa Universidade – ícones ligados à memória e ao sentimento de pertencimento da instituição com base em seu PATRIMÔNIO MATERIAL e IMATERIAL.

Além desses produtos, a loja ainda traz a Mostra Cultural, que consiste em exposições de artistas convidados, dessa forma, aproximando a arte do dia-a-dia da Universidade e desenvolvendo produtos especiais, que integram a categoria Mostra UFRGS.

A Ponto UFRGS não tem fins lucrativos; todo o lucro obtido com a comercialização de produtos é revertido à comunidade acadêmica por meio da oferta de atividades culturais.

 

Ponto UFRGS
Av. Paulo Gama, 110 – Anexo 1 da Reitoria/Térreo

Horário de funcionamento: das 9h às 17h
Contato: (51) 3308 3398

E-mail: pontoufrgs@ufrgs.br

 

Prédios Históricos

SÉRIES PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – CASTELINHO

Foto: Acervo SPH

Na virada do século XIX para o XX, o Instituto Técnico Profissional da Escola de Engenharia necessitava de prédios para abrigar as áreas onde seriam realizadas suas atividades. Deste modo, o prédio Castelinho foi construído em conjunto com o Instituto Astronômico e Meteorológico (hoje Observatório Astronômico) e com o Château – sendo o último também vinculado à Escola de Engenharia.

O Castelinho foi erguido no intuito de receber a seção de Mecânica, assim como um gabinete para o Diretor do Instituto. As seções de Marcenaria, Carpintaria, Serralheria, almoxarifado e ambulatório foram instaladas no Château. O terreno – o qual tangencia a atual avenida Osvaldo Aranha (na época, rua Bom Fim) e situa-se ao lado esquerdo da Escola de Engenharia – fora designado para tais construções em 1857, ano que inseria-se também no contexto de urbanização do local. A construção de ambos os prédios aconteceu entre 1906 e 1908.

A história do Castelinho, neste sentido, realmente remonta ao início da própria história da Universidade e do estabelecimento e expansão do Campus da Redenção, o qual até então sempre havia sido uma zona plana e alagadiça, antiga várzea da cidade. No lado oposto da rua, porém, já havia casas construídas na grande área pertencente à Santa Casa de Misericórdia. Existia também a então denominada Praça Independência – somente no ano de 1921 passa a ser chamada Praça Argentina.

Em 1993, é realizado um primeiro projeto de reconstrução que vislumbra a subdivisão do avantajado pé-direito em dois pavimentos e a inserção de uma laje de concreto, engastada na alvenaria original, alterando as relações internas formais, funcionais e de proporção dos ambientes.

O segundo projeto foi realizado pelo SPH, entre os anos de 2004 e 2006 O projeto do Setor buscou manter a estrutura original do prédio. A fachada, bem ornamentada, conta com uma forte presença de elementos florais. Sua concepção, de linguagem historicista e repleta de elementos decorativos, assemelha-se à do Château, sendo a arquitetura de ambos os prédios inspiradas pelo estilo Art Nouveau.

Notícias

Faculdade de Arquitetura da UFRGS está entre as 200…

 

A consultoria global Quacquarelli Symonds (QS) apontou as melhores instituições para estudar arquitetura em 2018

Foto: Vitória Cristofolli

Um ranking com as melhores universidades do mundo foi divulgado pela consultoria global Quacquarelli Symonds (QS) e apontou as melhores instituições para estudar arquitetura em 2018. Entre todas as instituições, há apenas quatro brasileiras: Universidade de São Paulo (USP), na 28º. posição; Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entre a 51º e 100º posição; além da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ambas entre o 101º e 150º posição.  A USP é também a melhor latino-americana do ranking.

A consultoria internacional Quacquarelli Symonds (QS) apontou uma lista com as duzentas melhores instituições para estudar arquitetura em 2018. Entre elas está a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), uma das quatro universidades brasileiras presentes na lista juntamente com a Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A UFRGS ficou entre a 101ª e 150ª posição. Os critérios classificatórios incluem a reputação acadêmica, citações em trabalhos de pesquisa e inserção no mercado de trabalho

Essa é a oitava edição do ranking que comparou 2.122 instituições de ensino de todo o mundo que oferecem cursos de arquitetura.

 

O site da consultoria permite aplicar filtros por regiões e promover comparações entre as instituições para avaliar em que uma se destaca perante a outra, além de disponibilizar gráficos e out4ras informações de cada universidade.

 

Confira o ranking completo da Quacquarelli Symonds (https://www.topuniversities.com/university-rankings/university-subject-rankings/2018/architecture)

 

Sobre a UFRGS o portal do Quacquarelli Symonds diz:

“A qualificação da faculdade, composta principalmente por titulares com mestrado e doutorado, a atualização contínua da infraestrutura dos laboratórios e das bibliotecas, o crescimento da assistência aos estudantes, bem como a prioridade no seu envolvimento nacional e internacional são políticas em constante desenvolvimento. Mais de 30 mil pessoas circulam por sua instalação em busca de uma das dez mais qualificadas educações do Brasil. Isso, combinado com a liderança nos programas de pesquisa e divulgação expressiva da comunidade, garante à UFRGS estar ranqueada entre as melhores universidades do país. Como instituição pública dedicada a servir à comunidade e construir seu futuro com consciência crítica, a UFRGS respeita a diversidade, prioriza a inovação e, acima de tudo, reafirma o seu comprometimento com a educação e a divulgação do conhecimento, inspirada nos ideais de liberdade e solidariedade.”

 

 

Prédios Históricos

SÉRIES PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – CHÂTEAU

Reinaugurado em 2004, após a realização de obras durante um período de 2 anos, o Château foi um dos primeiros prédios a ser reconstruído por meio de nosso Projeto Resgate do Patrimônio Histórico e Cultural da UFRGS. A construção, localizada no denominado Quarteirão 1 do Campus Centro da Universidade,  faz parte de um harmonioso conjunto arquitetônico, formado também pelo prédio Castelinho e pelo Observatório Astronômico.
Os primórdios de sua história dialogam com o contexto educacional no qual se inseria o Brasil, no início do século XX. Havia, então, um forte movimento visando à especialização dos trabalhadores, a fim de que esses fossem capacitados e pudessem melhor contribuir para o desenvolvimento nacional. Nesse sentido, a implementação de políticas direcionadas ao ensino técnico-profissional, como a criação de escolas e institutos vinculados, foi um dos principais focos dos primeiros governos da República Velha. Read more “SÉRIES PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – CHÂTEAU”

Notícias

População poderá opinar sobre Política de Patrimônio Material

Desde quinta-feira (1º), está disponível no site do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) consulta pública sobre a Política de Patrimônio Material, que consolida princípios, premissas, objetivos, procedimentos e conceitos para a preservação do patrimônio brasileiro de natureza material.

A consulta estará aberta no site do Iphan (www.iphan.gov.br) até 1º de maio de 2018 e as contribuições podem ser feitas pelo e-mail ppm@iphan.gov.br. O objetivo da ação é contar com a participação da sociedade na construção de política tão importante para a cultura do País. Read more “População poderá opinar sobre Política de Patrimônio Material”

Notícias

Inscrições para a Semana de Museus 2018 seguem até…

Entre os dias 14 e 20 de maio de 2018 ocorre a 16ª Semana de Museus  promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos é o tema definido pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), e adotado neste ano pelo Ibram, para celebrar o Dia Internacional de Museus (18 de maio).

Read more “Inscrições para a Semana de Museus 2018 seguem até 12 de março”

Notícias

Ibram abre seleção para diretor de museus com vencimento…

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) abriu chamamento público destinado à seleção de diretor, em caráter de cargo comissionado, de três museus em Goiás: o Museu das Bandeiras, o Museu de Arte Sacra da Boa Morte (ambos no município de Goiás) e o Museu Casa da Princesa (em Pilar de Goiás).
O salário bruto corresponde a R$ 5.440,72 e a seleção será realizada mediante critérios técnicos e objetivos de qualificação baseados em análise de Currículo, Declaração de Interesse e Plano de Trabalho. O processo contará com três etapas, que incluem entrevista oral.
Podem se candidatar ao cargo servidores públicos ou não, com formação acadêmica em nível superior; experiência comprovada em gestão envolvendo atividades de relacionamento com organizações de governo ou entidades da sociedade em geral; e conhecimento das políticas públicas do setor museológico e da área de atuação dos museus em foco.
As inscrições podem ser feitas até o dia 5 de abril através do endereço eletrônico selecao@museus.gov.br, para o qual devem ser enviados os documentos exigidos pelo edital, além de plano de trabalho. Acesse o chamamento público, a ficha de inscrição e outros documentos na seção Chamadas Públicas.

Prédios Históricos

SÉRIE PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

“O mais antigo remanescente das construções planejadas para observação astronômica no território brasileiro”. [1]

O Observatório Astronômico é um dos dois prédios do conjunto edificado da UFRGS tombados pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) juntamente com o prédio do Direito.  A construção teve início em 1906 – tendo sido concluída dois anos depois – e assistiu a uma série de transformações em sua vizinhança ao longo do século XX.

Read more “SÉRIE PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO”

Notícias

Ponte Internacional Barão de Mauá é o primeiro bem…

A Ponte Internacional Barão de Mauá, localizada na região fronteiriça entre Brasil e Uruguai, tombada pelo Iphan em 2011, foi reconhecida pelo Mercosul Cultural e recebeu Certificado de Patrimônio Cultural das autoridades brasileiras e uruguaias, em maio de 2015, em Jaguarão (RS).

O monumento está sob responsabilidade da Comissão Binacional para Gestão da Ponte Barão de Mauá, na Prefeitura de Jaguarão, conforme acordo firmado entre o Iphan e a Comissão de Patrimônio Cultural do Uruguai.

A ponte liga as cidades de Jaguarão, no Rio Grande do Sul, e Rio Branco, no Uruguai, e foi declarada Monumento Histórico Nacional pelo país vizinho em 1977.

O patrimônio possui valor associado a processos históricos que remontam disputas e batalhas entre as coroas de Portugal e Espanha durante o período conhecido como União Ibérica (1580-1640). Esse também foi o período de descobertas das primeiras minas de prata na região andina e de um grande movimento de viajantes na região.

Apesar das disputas, a população sempre transitou entre os dois lados do rio Jaguarão. A Ponte foi financiada pelo Uruguai em decorrência de uma dívida de guerra com o Brasil e construída entre 1927 e 1930.

Naquela época, era a maior obra de infraestrutura em concreto armado sendo erguida na América do Sul e a primeira, deste tipo, construída entre os países da região para aproximá-los política, econômica e culturalmente. Na sua parte central, existe uma via férrea  entre duas faixas para veículos e possui calçada para pedestres ao longo do seu comprimento.

Saiba mais

Dossiê do Tombamento da Ponte Internacional Barão de Mauá

Crédito: Foto: LiadePaula/MinC

Notícias

Estão abertas as inscrições para I edição do Diálogos…

No dia 26 de fevereiro, o Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da UFRGS realiza a I edição do Diálogos em Economia Criativa de 2018 no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade a partir das 19h.

O evento é composto pela conferência Empreendedorismo em Indústrias Criativas e pelo painel Experiências de Internacionalização nas Artes Cênicas e Visuais.

A palestrante internacional Morag Shiach, professora de História Cultural da Queen Mary University of London e diretora do Creativeworks London, apresentará suas pesquisas recentes sobre intercâmbio de conhecimento e economia criativa, bem como as relações entre práticas criativas e transformação social.

Os debatedores Carlos Carvalho, fotógrafo documentarista e produtor cultural; Alexandre Vargas, diretor de teatro e empreendedor cultural; e Ana Letícia Fialho, ‎Diretora de Estratégia Produtiva da Secretaria de Economia da Cultura do ‎Ministério da Cultura, apresentarão as redes locais e internacionais de arte a partir de suas distintas experiências com o tema.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site ufrgs.br/obec/dialogos/2018.

 

O Diálogos

O projeto de extensão Diálogos em Economia Criativa vem promovendo, desde 2016, diversas discussões-debate sobre a compreensão da cultura e da criatividade como motores do desenvolvimento econômico.

Nesse sentido, o Diálogos traz, em cada edição, especialistas nacionais e internacionais com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das agendas de pesquisa nas áreas de Economia Criativa e da Cultura.

Serviço:
Diálogos em Economia Criativa
Data: 26/02/2018
Horário: 19h
Local: Auditório da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (Av. João Pessoa, 52)

Mais detalhes em https://goo.gl/bKJ1Vy

Notícias

Campanha mobiliza foliões a preservar o patrimônio cultural de…

 Todos os anos, por todo o Brasil, milhões de foliões enchem as ruas para celebrar o carnaval. Mas será que todas essas pessoas estão se lembrando de cuidar do patrimônio das cidades?

  Com isso em mente, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG) lançou uma campanha interessante para este carnaval. A ideia é conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação do patrimônio cultural durante os carnavais de rua.  De uma maneira divertida, através de frases engraçadas, como: “Bandeira Branca, amor! Neste carnaval não se esqueça de proteger nossos bens culturais” ou  “Mamãe, eu quero! Aproveitar o carnaval, mas sem deixar de proteger o patrimônio cultural”, a mobilização vem se disseminando pelas redes sociais.

 Mas a ideia foi além das mídias. Onze cidades que anualmente são visitadas por um significativo número de foliões receberam um documento com instruções relativas a esforços na preservação dos bens materiais de importância cultural. O Iepha-MG instruiu que a instalação de barracas, palcos, arquibancadas, caixas de som, telões e equipamentos em geral seja feita a uma distância segura dos bens culturais e da rede elétrica; os banheiros públicos devem ser instalados em locais adequados e afastados das fachadas dos imóveis e monumentos culturais; as prefeituras devem orientar os trajetos de trios elétricos e carros alegóricos para que não provoquem danos ao patrimônio; as prefeituras devem realizar campanhas educativas para a preservação do patrimônio cultural.

Um  projeto do evento – satisfazendo requerimentos mínimos de segurança para as construções consideradas como sendo patrimônio cultural de Minas Gerais –  deve ser apresentado pelos agentes públicos ao Instituto.

Créditos da foto: Riotur 

Prédios Históricos

SÉRIE PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – MUSEU

O prédio do Museu da UFRGS ocupa, sem dúvidas, um lugar especial na história do SPH.  Localizado na esquina da Av. Osvaldo Aranha com a Av. Paulo Gama, a edificação ainda mantém sua arquitetura e estrutura originais, que datam de sua construção entre 1910 e 1913.

Inicialmente criado como um laboratório da Escolade Engenharia, a construção já foi órgãode projeção na pesquisa de novas tecnologias no início do século. Foi ampliada em 1919, tendo sido adicionados um segundo e terceiro volumes de, respectivamente, dois e um pavimentos. Na década de 40, passou a abrigar o Instituto Tecnológico do Rio Grande do Sul (ITERS). Read more “SÉRIE PRÉDIOS HISTÓRICOS DA UFRGS – MUSEU”

Notícias

Renovação de Espaços culturais em Salvador (BA)

Neste carnaval, a capital baiana contará com dois novos espaços culturais: a Igreja do Passo e a Casa de Carnaval. A data de entrega das atrações será na próxima segunda-feira (5), marcada por uma cerimônia que contará com a presença do ministro da Cultura, com a presidente do Iphan e com o Prefeito de Salvador.

A igreja do Passo, cujo nome oficial é Igreja do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, permaneceu fechada por quase duas décadas em função de seu mau estado de conservação. O Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural – Iphan iniciou as intervenções em outubro de 2014. O custo das obras ultrapassou 11,3 milhões, advindos do Governo Federal por meio do programa Avançar.

Os bens integrados foram restaurados, assim como toda a estrutura. Além disso, obras relacionadas à acessibilidade universal foram realizadas, como a implantação de um elevador, rampa e plataforma. Outros reparos, como a restauração da escadaria e a reconstituição de imagens sacras, foram incluídos nas intervenções.

A Casa do Carnaval, instalada no edifício do antigo 18º Batalhão da Polícia Militar da Bahia, é a outra novidade para a cultura local. Para que o projeto se tornasse possível, o edifício foi completamente restaurado – também através de recursos do Governo Federal repassados ao programa Avançar. O prédio está localizado no tradicional Plano Inclinado Gonçalves, onde milhares de turistas apreciam, todos os anos, a Cidade Baixa e a Baía de Todos os Santos. A ideia da Casa é manter uma exposição fixa de peças relacionadas à história do Carnaval da Bahia. O local contará também com um café, um acervo digital interativo e com áreas para convivência e visualização da Baía.