Docentes


Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Adriana da Silva Thomaasthoma@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/6828229463519199

Tem graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 1994), mestrado (1997) e doutorado em Educação (2002) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora Associada I da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando no Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação (DEE/FACED) e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU). Coordenadora do Grupo de Pesquisas SINAIS: Sujeitos, Inclusão, Narrativas, Identidades e Subjetividades. Integrante do Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade (NECCSO/UFRGS) e do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES). Coordenou o Programa Incluir da UFRGS, de 2008 a julho de 2014. Tem sido parecerista de revistas da área da Educação, entre as quais: Revista Brasileira de Educação (RBE), Revista Pro-Posições da Unicamp; Currículo sem Fronteiras; Revista de Educação Especial da UFSM; e Revista Linhas da UDESC. Desenvolve e orienta pesquisas no campo dos Estudos Culturais, Estudos Foucaultianos e Estudos Surdos em Educação, principalmente nos seguintes temas: educação de surdos, inclusão escolar, subjetividades, identidades e diferença e avaliação na educação de surdos.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

1 – INCLUSÃO, SUBJETIVAÇÃO E GOVERNO DAS DIFERENÇAS NA EDUCAÇÃO

2-  Spread the Sign Brasil

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

1 ) 2016 – Atual

2 ) 2016 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Como a inclusão se constitui enquanto uma estratégia para o governo das diferenças na educação e como a escola atua na produção de subjetividades inclusivas? Tendo essa pergunta como central, a pesquisa Inclusão, subjetivação e governo das diferenças na educação ? desenvolvida pelo grupo de pesquisa SINAIS: Sujeitos, Inclusão, Narrativas, Alteridade, Identidades e Subjetividades ? tem como objetivo geral investigar como a inclusão, entendida como um direito e um imperativo de Estado, se constitui como uma estratégia para o governo das diferenças através de processos de subjetivação que se dão a partir da educação e, como objetivos específicos, 1) analisar e problematizar as estratégias que são utilizadas para a inclusão, subjetivação e governamento de sujeitos que compõem os chamados grupos em situação de exclusão, risco ou vulnerabilidade social 2) compreender os movimentos de in/exclusão desses sujeitos no âmbito da educação; 3) analisar discursos sobre as diferenças em textos/documentos de políticas e de programas educacionais e 4) conhecer e analisar narrativas sobre a diferença e sobre os processos de in/exclusão produzidas por alunos e professores que atuam em instituições educacionais com experiências inclusivas. Os dados serão produzidos através do mapeamento e análise de políticas educacionais para a inclusão e de entrevistas narrativas com sujeitos que fazem parte dos grupos mencionados e com professores que atuam com eles. Para as análises serão utilizadas noções desenvolvidas por Michel Foucault (como governamentalidade/governamento, discurso, subjetivação e in/exclusão) e por Zygmunt Bauman (modernidade sólida e modernidade líquida, ordem e ambivalência, in/exclusão dos estranhos na era do consumo)..
  2. O Spread the Sign (Espalhando Sinais) é um dicionário internacional que torna acessíveis línguas de sinais de diversos países para investigação e consulta a uma grande quantidade de sinais. É uma ferramenta de uso livre e ilimitado, disponível online (www.spreadthesign.com) e em smartphones, sob o nome de Spread Signs. O Spread the Sign disponibiliza sinais das línguas de sinais alemã, americana, brasileira, espanhola, estoniana, finlandesa, francesa, inglesa, islandesa, japonesa, letã, lituana, polonesa, portuguesa, russa, sueca, tcheca, turca, entre outras, utilizadas nos respectivos países. O projeto é coordenado internacionalmente pelo European Sign Language Centre (Centro Europeu de Línguas de Sinais), por Thomas Lydell-Olsen (Suécia). Cada país colaborador tem uma equipe que se responsabiliza pelas informações sobre sua língua de sinais. No Brasil, desde 2016, o projeto Spread the Sign ? Brasil tem sido desenvolvido pelo Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES – DGP/CNPq), que conta com uma equipe de colaboradores e pesquisadores surdos e ouvintes bilíngues (Libras/Língua Portuguesa/Inglês). O objetivo geral do Spread the Sign ? Brasil é realizar o mapeamento e registro de sinais, inserindo a Libras no Spread the Sign (STS). Os objetivos específicos são: (a) promover investigações no âmbito da educação e da linguística sobre as contribuições e os desafios do projeto Spread the Sign no Brasil; (b) investigar os sinais dicionarizados no Brasil, de modo online ou impresso; (c) estabelecer uma rede de colaboradores, usuários da Libras, com representantes regionais e (d) registrar as potencialidades e desafios do STS no Brasil. A equipe brasileira (UFRGS, UFPel, UFSM, UNISINOS e UFF) segue as orientações metodológicas do protocolo internacional, a partir de procedimentos gerais que são construídos e definidos por todas as equipes participantes, viabilizando o fomento e construção do dicionário na Língua Brasileira de Sinais online, no ambiente virtual do Spread the Sign..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Pesquisa SINAIS: Sujeitos, Identidades, Narrativas, Alteridades, Inclusão e Subjetividades

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3079025401567038

 

Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7026622368618023

 

IDENTIDADE E DIFERENÇA NA EDUCAÇÃO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2607906012161191

Alfredo José da Veiga-Netoalfredoveiganeto@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/8520385995088505

Graduação em História Natural (1967) e em Música (1963) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; mestrado em Genética (1975) e doutorado em Educação (1996) pela mesma Universidade. Professor Titular da Faculdade de Educação da UFRGS. Professor Convidado Permanente do PPG-Educação/UFRGS. Foi Professor Visitante na Universidade de Barcelona. Foi Vice-Presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), por duas vezes. Coordenador do Grupo de Pesquisa em Currículo e Contemporaneidade (GPCC/UFRGS) e integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão (GEPI/UNISINOS/CNPq). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, estudos foucaultianos, crítica pós-estruturalista e interdisciplinaridade.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Dispositivos de governamento em educação

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2016 – atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

O presente projeto constitui-se num ?levar adiante? os resultados da pesquisa Dispositivos disciplinares e de controle em Educação. Isso significa que, incorporando o conceito de governamento (de si mesmo e dos outros), amplia-se o escopo das investigações antes realizadas no âmbito das instituições disciplinares, valendo-me principalmente dos conceitos de governo, governamento, biopoder, biopolítica e neoliberalismo, conforme os desenvolvimentos que lhes deu Michel Foucault nos cursos que ministrou no Collège de France, a partir de meados da década de 1970. Objetiva-se olhar para as transformações que hoje acontecem na passagem do moderno para o pós-moderno, mais especificamente olhar para as práticas políticas e educacionais tentando capturar as emergências de algumas práticas e correlatas teorizações que sirvam de indí-cios, bem pontuais e específicos, dos deslocamentos que estão ou podem estar ocorrendo no que concerne ao governamento de si e dos outros, com especial destaque às práticas de disciplinamento, controle e vigilância contemporâneos. Para tanto, serão analisados no grupo de pesquisa os seguintes materiais: políticas educacionais, de inclusão e de assistência social; entrevistas com professores e alunos de escolas, bem como serão analisados materias que são produzidos com a finalidade de capacitar professores para trabalharem com as novas demandas sociais e de aprendizagem dos alunos..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão – GEPI

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0342178689862349

Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e In/Exclusão

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8181140838996080

Analice Dutra Pillaranalicedpillar@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/0033345213407184

É Professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq e Editora-Chefe da Revista GEARTE. Possui graduação em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1983), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (1990) e doutorado em Artes pela Universidade de São Paulo (1994). Realizou Estágio de Pós-Doutorado em Artes na Facultad de Bellas Artes da Universidad Complutense de Madrid, Espanha. Atua como professora na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFRGS, orientando Mestrado e Doutorado na área de Educação e Artes Visuais. Tem experiência nas áreas de Educação e de Artes, com ênfase no Ensino de Artes Visuais, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, artes visuais, leitura da imagem, produções audiovisuais, mídia televisiva e infância. Foi membro da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS (1995-1998, 2011-2012 e 2013-2014). Coordena o Grupo de Pesquisa em Educação e Arte (GEARTE/UFRGS/CNPq). É sócia da International Society of Education Through Art (INSEA), da Associação Brasileira de Estudos Semióticos (ABES) e da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) tendo atuado como representante do Comitê Educação em Artes Visuais da ANPAP (2006-2012). Integra o Conselho Editorial do International Journal of Education Through Art (IJETA); da Revista da Matéria-Prima, da Revista Art&, da Revista Palíndromo. Desenvolve atividades como avaliadora e consultora para periódicos e agências de fomento internacionais, nacionais e regionais. Participou de vários Comitês Científicos. Organizou e publicou artigos e livros na área do Ensino de Artes Visuais.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Leituras da visualidade: análise de macro e micronarrativas audiovisuais em contextos educativos

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2015 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Este projeto visa contribuir para a consolidação do campo da leitura de imagens enfocando uma discussão teórica sobre leitura de macro e micronarrativas audiovisuais da mídia e da arte contemporânea; e uma proposta metodológica de análise comparativa de tais produções a ser realizada em espaços de formação de professores. Na análise das produções audiovisuais o foco estará nos efeitos de sentido que as estratégias de montagem criam ao instaurar o discurso audiovisual. Os referenciais da semiótica discursiva (Landowski, Fechine, Médola, Hernandes,Teixeira), da cultura visual (Freedman, Walker e Chaplin, Hernández) e do ensino da arte (Barbosa, Acaso, Efland) possibilitarão problematizar essas produções e desenvolver uma proposta de leitura comparativa de macro e micronarrativas. A investigação consistirá em estudos teóricos, mapeamento, seleção e análise de macro e micronarrativas audiovisuais da mídia e da arte contemporânea, que articulam imagens e sons de modo diferenciado. A análise objetiva descrever e comparar essas criações quanto aos efeitos de sentido que as estratégias de montagem instauram. A pesquisa envolverá um estudo focal com estudantes de um curso de formação de professores para conhecer as leituras que as produções suscitam e como as significam. Pretende-se, assim, fornecer subsídios teóricos e metodológicos a futuros professores para a realização de leituras comparativas de criações audiovisuais da mídia e da arte em contextos educativos..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Pesquisa em Educação e Arte – GEARTE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1642039272989833

Beatriz Vargas Dornelesbeatriz.dorneles@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/0485494661213898

Professora Titular do Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Programa de Pós-graduação em Educação da mesma universidade. Editora Associada da Revista Educação e Realidade da Faculdade de Educação. Cursou graduação em Pedagogia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1980), mestrado em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano na Universidade de São Paulo (1996) e realizou Estágio Pós-Doutoral na Universidade de Oxford-UK (2009 e 2014). Atualmente é consultora de várias revistas nacionais e internacionais e revisora de agências de fomento regionais, nacionais e internacionais. Os interesses de pesquisa incluem formação de professores, diversidade na aprendizagem de diferentes sistemas simbólicos, aprendizagem da leitura, escrita e aritmética e suas dificuldades, aprendizagem em crianças com TDAH, aprendizagem da capacidade de realizar estimativas numéricas e relações entre inteligência e aprendizagem.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Diversidade na aprendizagem da matemática inicial: a compreensão da estimativa numérica

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Produzir uma estimativa não é uma tarefa fácil para as crianças, apesar de estar presente desde os primórdios da contagem. Com efeito, estimar certa quantidade até quatro é uma capacidade que temos e que, para alguns pesquisadores, é inata. (DEVLIN, 2004). As bases cognitivas da estimativa podem ser encontradas no que se tem chamado de senso numérico (CORSO & DORNELES, 2010). No entanto, há evidências de que a capacidade de estimar quantidades vai além do senso numérico e se desenvolve com a idade e a experiência educacional e cultural (HALBERDA AND FEIGENSON, 2008).O objetivo geral do estudo é definir como a habilidade de estabelecer estimativas evolui no decorrer do desenvolvimento infantil, mais exatamente dos 5 aos 14 anos, e definir o quanto tal habilidade está ligada à memória de trabalho e se é passível de estimulação; Os objetivos específicos da pesquisa são: a) descrever a evolução da habilidade de estabelecer estimativas e estabelecer de que forma a habilidade está ligada (ou não) à capacidade de memória de trabalho; b) compreender se tal habilidade de estabelecer estimativas pode ser desenvolvida pela estimulação da memória de trabalho; c) descrever como se caracteriza a diversidade no desenvolvimento da estimativa, especialmente considerando crianças de diferentes níveis socioeconômicos e crianças surdas;.

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0978869099358308

Cláudia Rodrigues de Freitasfreitascrd@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/5266827280052272

É doutora em Educação pelo PPGEDU/UFRGS, na Linha de pesquisa ?Educação Especial e Processos Inclusivos?. Mestre em Educação (UNISINOS/RS. Possui Formação em Psicopedagogia pela Escuela Psicopedagógica de Buenos Aires ? EPsiBA em Curso de Formación En Psicopedagogia Clínica. Possui Pós-doutoramento no campo da Educação Especial-UFRGS. Foi professora na Rede Municipal de Porto Alegre até julho de 2010, atuando no Atendimento Educacional Especializado (AEE) com crianças de zero a seis anos. Professora na FACED/PPGEdu/UFRGS. É integrante do Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar ? NEPIE/FACED/UFRGS.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. ARCA: Alfabetização com Recursos abertos de Comunicação Alternativa a partir de métodos e tecnologias inovadores aplicados à crianças com deficiência intelectual e/ou TEA
  2. Medicalização e escolarização de alunos-adolescentes referidos com o suposto diagnóstico de TDAH: estado da arte
  3. Games e saúde mental: um ambiente para favorecer processos comunicativos – 1ª etapa
  4. (Des)construindo diagnósticos: o olhar do direito buscando uma política do cuidado em saúde mental

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2014 – Atual
  3. 2014 – Atual
  4. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

 

  1. O presente projeto tem por objetivo aliar o know-how de grupos de pesquisa que se complementam nas áreas de tecnologia assistiva e educação especial na perspectiva inclusiva para investigar, propor e avalar métodos e tecnologias inovadores em comunicação aumentativa e alternativa (CA). Para realizar este propósito, formou-se um consórcio composto de três universidades, UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), UFPE (Universidade Federal do Pernambuco) e UFCE (Universidade Federal do Ceará), por meio dos seus núcleos de tecnologias assistiva..
  2. A presente pesquisa tem por foco analisar a escolarização de alunos-adolescentes referidos com o suposto TDAH. Quais as racionalidades/supostos saberes sustentam a identificação e o diagnóstico destes alunos? Como se organizam tais processos? Como tal diagnóstico é construído e atua nas formas organizativas do trabalho pedagógico? Atua/altera o quadro pedagógico? Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, realizada a partir da produção acadêmico-científica brasileira – teses, dissertações, livros e revistas científicas-, no período de 2005 a 2015. Como operadores de leituras têm-se as proposições da educação especial em diálogo com os construtos foucaltianos. Busca-se captar, por um lado, a heterogeneidade dos estudos, dos sujeitos e dos contextos e, por outro, identificar as homogeneidades que podem revelar os eixos constitutivos de uma possível agenda de formação para professores..
  3. Com o advento e a popularização de tecnologias digitais, estudos investigam como elas afetam a vida dos usuários. A tecnologia digital utiliza ferramentas que são aplicadas em diversas áreas. No âmbito da saúde mental, a utilização de jogos e mídias digitais vem ganhando espaço, pois profissionais e pesquisadores entendem que os games ajudam a produzir formas de divertimento, de potencialização da capacidade inventiva dos usuários que passam a construir diferentes modos de interação. Grande parte da aplicação destas ferramentas tecnológicas é influenciada pelo alto poder computacional das tecnologias mais recentes. Cenários são construídos para compor uma realidade baseada na vivência do usuário e elementos inseridos nos ambientes virtuais convidam para o estabelecimento de modos de conexão consigo mesmo e com as diversas dimensões do que designamos como realidade. A produção de modos de estar com o outro é essencial na configuração da vida humana. Tendo em vista a potencialidade dessas tecnologias, este projeto propõe desenvolver um ambiente tridimensional contendo um sistema de recomendação de ferramentas que visam estimular processos interativos, partindo da experiência em andamento que envolve crianças e jovens do CAPSi (Centro de Apoio Psicossocial da Infância e da Adolescência de Mossoró) e de escritos de diários de campo relacionados a um grupo de usuários que apontam para modos diferenciados de interação através de jogos digitais, diário virtual, pintura digital, fotografias e vídeos. Como resultado do projeto, esperamos finalizar uma plataforma digital capaz de favorecer modos de interação de jovens que vivem em circunstâncias diferenciadas de transtorno no desenvolvimento..
  4. A ação diagnóstica nos ambientes de saúde mental e de educação se definem a partir de conceitos sobre o sujeito e sua aprendizagem, construções que se fazem em meio a um conjunto de redes sociotécnicas e políticas da saúde e da educação. As lutas pela inclusão educativa e por novas formas de atendimento de sujeitos em circunstâncias de transtorno de desenvolvimento produziram mudanças nos espaços sociais. Os conceitos sobre o diagnóstico em saúde mental, quando acontece de modo a rotular ou a cristalizar os sujeitos em um lugar definido, produzem efeitos em suas vidas, fortalecendo, muitas vezes, formas de exclusão social. Tem-se, portanto, a perda de alguns direitos fundamentais, garantidos constitucionalmente, como o direito à aprendizagem e à convivência social. É necessária uma averiguação mais complexa e interdisciplinar sobre a temática do diagnóstico, abrangendo não apenas a unilateralidade médica, mas também as dimensões biológica e social que configuram a vida humana. O diagnóstico, portanto, ganha um impacto ainda maior, sendo legitimado por ações públicas e se fazendo presente na legislação. Assim, a pesquisa analisa os mecanismos legitimados em nosso país que interferem nos percursos de atendimento de crianças e jovens em um ambiente de saúde mental, uma análise que considera conceitos inovadores sobre como acontece a aprendizagem e depoimentos coletados em oficinas com familiares de jovens atendidos durante um período de seis meses. A metodologia envolve análise documental de textos da legislação e dos documentos que orientam as políticas da saúde e da educação e uma experiência que cria as condições para uma análise qualitativa dos depoimentos coletados em rodas de conversa com familiares de crianças e jovens. Procuramos mapear concepções sobre o diagnóstico e seus efeitos na experiência dos sujeitos para, assim, discutir a pertinência das diretrizes legais e das políticas públicas como dispositivos que garantam o cuidado e a atenção psicossocial necessárias para o processo de inclusão social de sujeitos com transtornos de desenvolvimento..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

 

Linguagens, Cognição e Tecnologias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3519179934567171

 

NEPIE-Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1652197271061893

 

Pesquisa, Ação e Colaboração em Educação e Ensino da Saúde – EducaSaúde

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1665076511892913

Carla Beatriz Meinerzcarlameinerz@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9741624321390195

Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1991 e 1995), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Atualmente é professora adjunta do Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, como professora e pesquisadora, com ênfase em Ensino de História, atuando principalmente nos seguintes temas: processos de escolarização, juventudes, ensino de história e educação, educação das relações étnico-raciais.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

 

  1. Trajetórias das relações étnico-raciais no Rio Grande do Sul: Ensino de História e recepção das Leis 10.639/03 e 11.645/08
  2. Diversidade cultural e políticas do estado brasileiro junto ao sistema de escolarização

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

 

RESUMO:

  1. O projeto de pesquisa objetiva investigar a recepção das leis 10.639/03 e 11.645/08 no ensino de História, através da imersão nas trajetórias de alguns discursos e de algumas práticas educativas, coletivas ou individuais, de professores dos municípios gaúchos de Cachoeirinha e de Palmares do Sul. A partir desse recorte espacial, aliado ao levantamento de dados com mais amplitude e generalização junto às gestões do estado e demais municípios, busca-se inferir e refletir sobre as especificidades da educação das relações étnico-raciais no Rio Grande do Sul. Tal reflexão será amparada numa revisão bibliográfica sobre a temática, realizada através da busca por produções acadêmicas (TCC, dissertação, tese, artigo), assim como produções dos movimentos sociais, desenvolvidas nos últimos dez anos em nosso estado. Alguns autores que inspiram essa busca, ao tratar do ensino de História na perspectiva da educação das relações étnico-raciais, são: Pereira: 2011, 2012; Bergamaschi: 2010. Finalmente, serão analisados os currículos de alguns cursos de Licenciatura em História das Instituições de Ensino Superior (UFRGS, PUC, UNISINOS, FAPA) da Região Metropolitana de Porto Alegre, buscando suas possíveis interfaces com a legislação em destaque. A metodologia de pesquisa combina análise documental, entrevistas abertas e grupos de discussão, técnicas próprias da pesquisa qualitativa..
  2. A pesquisa propõe o estudo das políticas estatais brasileiras formuladas em torno do tema da diversidade cultural e na relação com instituições do sistema de escolarização e suas práticas. Quais as concepções e interesses que sustentam a formulação das políticas estatais sobre diversidade cultural no Brasil? Como se apresentam os interesses dos movimentos sociais nesse processo de formulação de políticas? Qual o estado da arte dos conhecimentos acadêmicos sobre o tema da diversidade cultural na relação com políticas estatais? Trata-se de uma investigação bibliográfica, realizada a partir da produção acadêmico-científica brasileira – teses, dissertações, livros e revistas científicas -, além de documentos oficiais no período de dez anos, desde o ano 2000. O objetivo é interpretar políticas, mas também abordagens e pontos de vista que as constituem, tendo em vista o esforço pelo fortalecimento de espaços e relações de caráter público no sistema de escolarização no Brasil..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

 

Estudos afro-brasileiros, indígenas e africanos da UFRGS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5328020963036692

Grupo de pesquisa do LHISTE UFRGS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6385374017365262

Carla Karnoppi Vasquesk.recuero@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/4302719300846333

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Luterana do Brasil (1992), mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação/UFRGS. Desenvolve estudos nas áreas da educação especial, em diálogo com a psicanálise. Atua principalmente nos seguintes temas: inclusão escolar; sujeitos da educação especial; educação especial e processos de subjetivação; formação de professores; autismo e psicoses infantis; alteridade e educação especial. Pesquisadora do NUPPEC (Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura)-UFRGS/Cnpq.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

 

  1. LEITURA E RASURA: a construcão do caso na formação continuada de professores implicados na escolarização de alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento
  2. SOCIOEDUCACAO, EDUCACAO ESPECIAL E PSICANALISE: DIALOGOS (IM)POSSIVEIS

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

 

  1. 2017 – Atual
  2. 2016 – Atual

 

 

FINANCIAMENTO:

 

RESUMO:

  1. O presente projeto de pesquisa ? do tipo integrado/guarda-chuva ? produz uma interface entre os campos da educação especial, psicanálise e a pesquisa acadêmica. Trata-se de uma pesquisa teórica que tem por objetivo estudar [aprofundando, resgatando e relacionando] as possíveis articulações entre a leitura [como tradução e transcrição do que se escreve] e a rasura [como transliteração daquilo que escreve] na construção do caso [dispositivo formativo considerado capaz de produzir, via narrativa escrita, uma leitura da singularidade e a responsabilização pelo agir pedagógico].
  2. O presente projeto – vinculado à Linha de Pesquisa Educação Especial e Processos Inclusivos/PPGEdu e ao Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura (NUPPEC), ambos da UFRGS – tem por objetivo produzir uma interface entre os campos da educação especial, psicanálise, socioeducação e a pesquisa acadêmica, oportunizando, de um lado, a investigação acerca da escolarização de adolescentes acautelados na Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul (FASE/RS) e, de outro lado, a reflexão aprofundada sobre a escolarização para àqueles com deficiência, especialmente os que apresentam impasses em sua estruturação psíquica. Como se configura a escolarização de adolescentes que cometem atos infracionais e cumprem uma medida socioeducativa de internação na FASE? Dentre os acautelados há adolescentes considerados da educação especial? Dentre estes, há sujeitos que apresentam impasses em sua estruturação psíquica? Como se estabelecem as relações entre a educação especial e a socioeducação? Trata-se de uma pesquisa exploratória que se alimenta da experiência, mas não exclusivamente. Por operadores conceituais, têm-se o diálogo entre a socioeducação, a educação especial e a psicanálise freudo-lacaniana. Seguindo os preceitos freudianos, os pressupostos ético-metodológicos incluem o pesquisador na experiência que pretende analisar, o que implica considerar a transferência como ferramenta metodológica privilegiada. Sobre as formas de proceder é recorrente nas instituições e nas pesquisas uma tendência a desconsiderar a voz do outro mediante um saber geral, científico e preexistente ao encontro. A construção do caso, metodologia privilegiada no presente estudo, tenta marcar uma subversão nessa lógica ao acolher a alteridade, a impossibilidade de tradução do outro e o cuidado ético com suas falas e ações. Desses fios-sentidos sublinhamos a possibilidade do ser/estar aluno em detrimento ao ser infrator. Ao deslocarmos o foco, apostamos que os impasses relativos ao acolhimento à alteridade podem ganhar novos sentidos, produzindo também efeitos subjetivos e institucionais.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

NEPIE-Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1652197271061893

Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura – NUPPEC

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0646341266113155

Célia Elizabete Caregnatocelia.caregnato@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/7312156411933886

Célia Elizabete Caregnato possui Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986/1987), Mestrado em Ciência Política pela UFRGS (1992) e Doutorado em Educação pela UFRGS (2004). Realizou estágio pós-doutoral na University of Wisconsin com o grupo de pesquisa do Professor Michael Apple (2013).Exerceu a função de Pró-reitora de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação (2004/2008) no UniRitter. É professora associada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, membro do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma Universidade, sendo também membro da Comissão Coordenadora do Programa (2017-2019). Pesquisa e orienta pesquisas, a partir da Sociologia da Educação, sobre temas da educação superior e da educação de nível médio. Também trabalha com aspectos sociológicos e educacionais no âmbito do ensino de Sociologia. É membro do grupo de pesquisa sobre universidade e educação superior, INOVAVAL.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

 

  1. Desigualdade, diversidade e reconhecimento na Educação: novos públicos da escolarização média e superior
  2. Conhecimento Acadêmico-Científico em Redes de Colaboração II: produção de conhecimento, afinidades e habitus no campo da Educação

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

 

  1. 2017 – Atual
  2. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

 

RESUMO:

  1. A pesquisa visa analisar aspectos da desigualdade e da diversidade sociocultural nos processos de escolarização de nível médio e superior, tendo por base o estudo de disposições sociais de agentes, de processos de reconhecimento e/ou de legitimação identificados nos casos concretos. A finalidade é a de problematizar práticas sociais, institucionalizadas ou não, que disputam continuidades e/ou mudanças no âmbito das diferenciações sociais no campo da educação..
  2. Este projeto de pesquisa dá continuidade à investigação anterior, fase I com o mesmo título, que analisa o campo científico da Educação, grupos de pesquisa e redes de colaboração, tendo os pesquisadores de 1A como sujeitos estudados. Trabalhamos com a análise da produção dos pesquisadores identificados a partir dos dados acessíveis, inicialmente, na rede mundial de computadores pelo Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq, CV Lattes e, posteriormente, com base no conteúdo das entrevistas com pesquisadores selecionados. Identificamos características da produção de conhecimento, bem como sobre condições a partir das quais se efetiva a liderança das redes de pesquisa, com variado capital político na relação com seu incontestável capital científico. Vimos características da área de Educação mais especialmente quanto à sua dinâmica de produção, bem como sobre possibilidades de criação de novos indicadores de avaliação (Leite et al., 2014a e 2014b) e de aspectos da distribuição regional desses líderes com suas redes de produção (Caregnato et al., 2012 e 2014). A proposta atual objetiva ampliar a análise por meio das fontes já coletadas (2000 e 2010) e também atualizar as informações para os anos subsequentes até 2015, a fim de verificar diferenças de ênfases em período recente na relação com período passado, tendo em vista as transformações da área/campo de conhecimento, as quais se intensificam. Este projeto de pesquisa, da mesma forma que o anterior está vinculado ao projeto de pesquisa de espectro mais amplo que articula atividades do Grupo de Pesquisa Inovação e Avaliação na Universidade (Inovaval) e se vincula com outras pesquisas (Leite, 2014a). Palavras-chave: Produção científica, Sociologia da ciência, Educação, Universidade, Pesquisa..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

 

Grupo de Estudos Inovação e Avaliação na Universidade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8632044554453935

Laboratório Virtual e Interativo de Ensino de Ciências Sociais – LAVIECS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2174484859069476

Clarice Salete Traversiniclarice.traversini@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/9440472028266688

Realizou doutorado (2003) e mestrado (1998) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, especialização em Administração Pública (1993), Alfabetização (1991) e graduação em Pedagogia (1990) pela Universidade do Oeste de Santa Catarina. É Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atua na Linha de Pesquisa Estudos Culturais em Educação.As temáticas de pesquisa se concentram em estudar as práticas pedagógicas, currículos e processos de inclusão escolar e a formação docente. A partir dos estudos foucaultianos analisa a implementação das políticas inclusivas problematizando os efeitos nos currículos e na constituição dos sujeitos escolares. Integra o Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade (NECCSO/Cnpq). Participa do comitê consultivo de revistas na área da Educação e do GT 13- Ensino Fundamental da ANPED. Têm experiência em gestão da educação pública e docência nas Séries Iniciais, Ensino Fundamental e Ensino Superior. Atualmente exerce a função de Diretora do Departamento de Cursos e Políticas de Graduação da UFRGS.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

A inclusão escolar e as avaliações em larga escala: efeitos sobre o currículo e o trabalho docente na Educação Básica

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2013 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A presente pesquisa tem como objetivo geral analisar as relações estabelecidas entre as avaliações em larga escala, em especial a Prova Brasil, e os processos de inclusão em escolas de Educação Básica no Rio Grande do Sul, problematizando os efeitos sobre o currículo e o trabalho docente. Inscreve-se no campo de Estudos de Currículo utilizando alguns conceitos desenvolvidos por Michel Foucault, tais como o de governamentalidade. A pesquisa vincula-se ao Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade ? NECCSO-FACED-UFRGS. A investigação é orientada pela seguinte questão: Como as avaliações em larga escala visibilizam o desempenho dos alunos incluídos nas escolas de Educação Básica, no Rio Grande do Sul, e quais efeitos as referidas avaliações estão provocando no currículo e no trabalho docente? A questão desdobra-se nos seguintes objetivos específicos: a) aprofundar o conceito de biopolítica e de saber estatístico e seus usos na contemporaneidade como operadores analíticos para estudos sobre políticas inclusivas, curriculares e de avaliação; b) compreender a forma técnica de execução das avaliações em larga escala, identificando as práticas que entram em jogo para a elaboração das provas, sua correção e a divulgação dos resultados; c) conhecer como as escolas realizam as provas com alunos incluídos e como os resultados são visibilizados nas avaliações em larga escala; d) analisar os efeitos das avaliações em larga escala sobre o currículo e trabalho docente nas escolas que estão implementando políticas inclusivas. A metodologia será dividida em duas etapas, na primeira haverá pesquisa documental dos dados estatísticos referentes ao desempenho das escolas inclusivas com melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica em três municípios gaúchos (Porto Alegre, Rio Grande e Nova Prata). A segunda etapa será a seleção das escolas para a pesquisa de campo, com previsão de ações investigativas tais como: estudos dos documentos das escolas, entrevistas e/ ou grupos focais com professores e alunos e observações nas escolas. Com os resultados da pesquisa pretende-se obter: a) conhecimento técnico sobre a produção e execução das avaliações em larga escala para os grupos de pesquisa participantes deste projeto poderem realizar estudos e análises com competência e profundidade; b) elementos para refletir sobre a pertinência e adequação das avaliações em larga escola, em especial da Prova Brasil, para visibilizar o desempenho dos alunos incluídos, e; c) qualificação do processo de formação de professores na Graduação e Pós-Graduação..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e In/Exclusão

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8181140838996080

 

Grupo de Pesquisa sobre Educação e Disciplinamento – GPED

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3909587452815602

 

Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1673844229666121

 

Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5639919727701293

Cláudia Rodrigues de Freitasfreitascrd@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/5266827280052272

É doutora em Educação pelo PPGEDU/UFRGS, na Linha de pesquisa ?Educação Especial e Processos Inclusivos?. Mestre em Educação (UNISINOS/RS. Possui Formação em Psicopedagogia pela Escuela Psicopedagógica de Buenos Aires ? EPsiBA em Curso de Formación En Psicopedagogia Clínica. Possui Pós-doutoramento no campo da Educação Especial-UFRGS. Foi professora na Rede Municipal de Porto Alegre até julho de 2010, atuando no Atendimento Educacional Especializado (AEE) com crianças de zero a seis anos. Professora na FACED/PPGEdu/UFRGS. É integrante do Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar ? NEPIE/FACED/UFRGS.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. ARCA: Alfabetização com Recursos abertos de Comunicação Alternativa a partir de métodos e tecnologias inovadores aplicados à crianças com deficiência intelectual e/ou TEA
  2. Medicalização e escolarização de alunos-adolescentes referidos com o suposto diagnóstico de TDAH: estado da arte
  3. Games e saúde mental: um ambiente para favorecer processos comunicativos – 1ª etapa
  4. (Des)construindo diagnósticos: o olhar do direito buscando uma política do cuidado em saúde mental

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2014 – Atual
  3. 2014 – Atual
  4. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O presente projeto tem por objetivo aliar o know-how de grupos de pesquisa que se complementam nas áreas de tecnologia assistiva e educação especial na perspectiva inclusiva para investigar, propor e avalar métodos e tecnologias inovadores em comunicação aumentativa e alternativa (CA). Para realizar este propósito, formou-se um consórcio composto de três universidades, UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), UFPE (Universidade Federal do Pernambuco) e UFCE (Universidade Federal do Ceará), por meio dos seus núcleos de tecnologias assistiva..
  2. A presente pesquisa tem por foco analisar a escolarização de alunos-adolescentes referidos com o suposto TDAH. Quais as racionalidades/supostos saberes sustentam a identificação e o diagnóstico destes alunos? Como se organizam tais processos? Como tal diagnóstico é construído e atua nas formas organizativas do trabalho pedagógico? Atua/altera o quadro pedagógico? Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, realizada a partir da produção acadêmico-científica brasileira – teses, dissertações, livros e revistas científicas-, no período de 2005 a 2015. Como operadores de leituras têm-se as proposições da educação especial em diálogo com os construtos foucaltianos. Busca-se captar, por um lado, a heterogeneidade dos estudos, dos sujeitos e dos contextos e, por outro, identificar as homogeneidades que podem revelar os eixos constitutivos de uma possível agenda de formação para professores..
  3. Com o advento e a popularização de tecnologias digitais, estudos investigam como elas afetam a vida dos usuários. A tecnologia digital utiliza ferramentas que são aplicadas em diversas áreas. No âmbito da saúde mental, a utilização de jogos e mídias digitais vem ganhando espaço, pois profissionais e pesquisadores entendem que os games ajudam a produzir formas de divertimento, de potencialização da capacidade inventiva dos usuários que passam a construir diferentes modos de interação. Grande parte da aplicação destas ferramentas tecnológicas é influenciada pelo alto poder computacional das tecnologias mais recentes. Cenários são construídos para compor uma realidade baseada na vivência do usuário e elementos inseridos nos ambientes virtuais convidam para o estabelecimento de modos de conexão consigo mesmo e com as diversas dimensões do que designamos como realidade. A produção de modos de estar com o outro é essencial na configuração da vida humana. Tendo em vista a potencialidade dessas tecnologias, este projeto propõe desenvolver um ambiente tridimensional contendo um sistema de recomendação de ferramentas que visam estimular processos interativos, partindo da experiência em andamento que envolve crianças e jovens do CAPSi (Centro de Apoio Psicossocial da Infância e da Adolescência de Mossoró) e de escritos de diários de campo relacionados a um grupo de usuários que apontam para modos diferenciados de interação através de jogos digitais, diário virtual, pintura digital, fotografias e vídeos. Como resultado do projeto, esperamos finalizar uma plataforma digital capaz de favorecer modos de interação de jovens que vivem em circunstâncias diferenciadas de transtorno no desenvolvimento..
    • A ação diagnóstica nos ambientes de saúde mental e de educação se definem a partir de conceitos sobre o sujeito e sua aprendizagem, construções que se fazem em meio a um conjunto de redes sociotécnicas e políticas da saúde e da educação. As lutas pela inclusão educativa e por novas formas de atendimento de sujeitos em circunstâncias de transtorno de desenvolvimento produziram mudanças nos espaços sociais. Os conceitos sobre o diagnóstico em saúde mental, quando acontece de modo a rotular ou a cristalizar os sujeitos em um lugar definido, produzem efeitos em suas vidas, fortalecendo, muitas vezes, formas de exclusão social. Tem-se, portanto, a perda de alguns direitos fundamentais, garantidos constitucionalmente, como o direito à aprendizagem e à convivência social. É necessária uma averiguação mais complexa e interdisciplinar sobre a temática do diagnóstico, abrangendo não apenas a unilateralidade médica, mas também as dimensões biológica e social que configuram a vida humana. O diagnóstico, portanto, ganha um impacto ainda maior, sendo legitimado por ações públicas e se fazendo presente na legislação. Assim, a pesquisa analisa os mecanismos legitimados em nosso país que interferem nos percursos de atendimento de crianças e jovens em um ambiente de saúde mental, uma análise que considera conceitos inovadores sobre como acontece a aprendizagem e depoimentos coletados em oficinas com familiares de jovens atendidos durante um período de seis meses. A metodologia envolve análise documental de textos da legislação e dos documentos que orientam as políticas da saúde e da educação e uma experiência que cria as condições para uma análise qualitativa dos depoimentos coletados em rodas de conversa com familiares de crianças e jovens. Procuramos mapear concepções sobre o diagnóstico e seus efeitos na experiência dos sujeitos para, assim, discutir a pertinência das diretrizes legais e das políticas públicas como dispositivos que garantam o cuidado e a atenção psicossocial necessárias para o processo de inclusão social de sujeitos com transtornos de desenvolvimento..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Linguagens, Cognição e Tecnologias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3519179934567171

 

NEPIE-Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1652197271061893

 

Pesquisa, Ação e Colaboração em Educação e Ensino da Saúde – EducaSaúde

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1665076511892913

Claudio Roberto Baptistabaptistacaronti@yahoo.com.br

http://lattes.cnpq.br/3335193926784100

Possui graduação em Psicologia pela Universidade de São Paulo (1983), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988), doutorado em Educação – Universita degli Studi di Bologna (1996) e Pos-doutorado pela Università di Roma ‘Foro Italico’ (2015). Atualmente é Professor Titular na área de Educação Especial, no Departamento de Estudos Básicos, na Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Coordena o NEPIE (Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar) na UFRGS. No âmbito desse Núcleo, coordena o Projeto de Pesquisa: Políticas de educação especial e inclusão escolar do Programa Observatório da Educação CAPES/INEP. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS entre 2004 e 2008. Coordenou o Projeto Doutorado Interinstitucional e Educação UFRGS-UNEMAT (Dinter), entre 2010 e 2014. Integrou a Câmara de Pós-Graduação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da UFRGS entre 2011 e 2014. Membro do Comitê de Avaliação da CAPES desde 2010.Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial, inclusão escolar, políticas de inclusão, além das relações entre pensamento sistêmico e educação.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

 

  1. Políticas de inclusão escolar: o atendimento educacional especializado em municípios do Rio Grande do Sul
  2. Políticas de Inclusão Escolar no Rio Grande do Sul: contextos e perspectivas

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

 

  1. 2013 – Atual
  2. 2005 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

 

RESUMO:

  1. Projeto vinculado ao Programa Observatório da Educação (CAPES/INEP) do Edital de 2012. A presente proposta configura-se como um ?plano articulado de trabalho em pesquisa e formação? que congrega diferentes iniciativas de investigação. O objetivo geral é analisar a gestão das políticas de inclusão escolar em municípios do Rio Grande do Sul, com ênfase na identificação do espaço institucional da educação especial, nas configurações que evidenciam a ação pública para garantia da escolarização dos alunos com deficiência, na oferta de serviços especializados em educação especial e nas trajetórias escolares dos alunos com deficiência, altas habilidades e transtornos globais de desenvolvimento..
  2. A presente investigação tem como objetivo geral: analisar a implementação de políticas de inclusão escolar no Estado do Rio Grande do Sul. Os objetivos específicos são: -Analisar a abrangência e as singularidades das políticas de inclusão escolar no Rio Grande do Sul; -Identificar experiências de escolarização que valorizem o atendimento dos alunos com necessidades educativas especiais no ensino comum; -Investigar as possíveis conexões entre a inclusão e as políticas municipais de atendimento educacional. -Analisar o avanço de experiências inclusivas por meio da identificação de redes de ensino que apresentam políticas de inclusão escolar. -Discutir as características do atendimento educacional oferecido aos alunos com necessidades educativas especiais, considerando-se os contextos prioritários de análise e os dispositivos que dão suporte ao trabalho educacional: serviços de apoio, formação continuada, organização curricular, etc. -Divulgar o conhecimento produzido com relação à temática em pauta, com vistas à ampliação de um debate que possa subsidiar a qualificação do atendimento educacional. Palavras-Chave: educação, educação especial, inclusão, necessidades educativas especiais, políticas de inclusão, políticas educacionais..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

NEPIE-Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1652197271061893

Conceição Paludoc.paludo@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/1484551689017803

Possui graduação em Pedagogia, especialização em Educação Psicomotora e em Orientação Educacional, mestrado em Educação (1988) e doutorado em Educação (2000), ambos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é docente no curso de Licenciatura em Educação do Campo e pesquisadora na UFRGS, na Faculdade de Educação – Departamento de Estudos Básicos – e na Linha de Pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação (TRAMSE). Tem trabalhado, ao longo dos anos, com processos formais ? em todos os níveis de ensino – e não formais de educação. Temas centrais trabalhados: Fundamentos da Educação; Educação Popular e Educação do Campo; Educação e Movimentos Sociais; Planejamento, Avaliação e Metodologia de Processos Formativos e Organizativos; Metodologia da Pesquisa em Educação.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Contribuições à análise da produção científica da ANPED sobre organização do trabalho pedagógico, política pública e Educação do Campo

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2017 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A pesquisa proposta pretende realizar o Estado da Questão da relação entre organização do trabalho pedagógico, política pública e Educação do Campo, presente nos trabalhos apresentados nos Grupos de Trabalho da Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação (ANPED), a partir da 34ª Reunião Anual, realizada em 2011, até a 37ª, de 2015. O projeto caracteriza-se, de um lado, como continuidade de outra investigação já realizada e, de outro, como um projeto ponte. Enquanto projeto ponte, desenvolve pesquisa necessária para posterior estudo de autores clássicos da América Latina e suas contribuições para o entendimento das relações entre organização do trabalho pedagógico, política pública e o desenvolvimento de experiências práticas escolas e não escolares, ditas alternativas, com povos que vivem no campo, em diferentes países da América latina, por meio de estudos comparativos..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Formação de Professores no Mercosul/Cone Sul

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6487620898571887

MovSE: Movimentos Sociais, Escola Pública e Educação Popular

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5058235379007486

Trabalho, Movimentos Sociais, Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1002188834293937

Dagmar Elisabeth Estermann Meyerdagmaremeyer@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/5235330228253476

É graduada em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979), mestre em Educação (1991) e doutora em Educação (1999) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com doutorado sanduíche no exterior – Universität Bielefeld (1997) – e pós-doutorado no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é professora colaboradora convidada, com credenciamento ativo, nos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde atua nas Linhas de Pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero e Educação e Cultura da Saúde, respectivamente. Nos últimos dez anos publicou 33 artigos em periódicos qualificados nas áreas da educação e da saúde e integrou o conselho editorial de várias revistas nessas áreas. Integrou o Comitê Científico da ANPED, representando o GT 23 (Gênero, sexualidade e educação) no período de 2006-2008. Exerceu a função de coordenadora adjunta do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul por dois mandatos consecutivos (janeiro de 2005 a dezembro de 2006 e janeiro de 2007 a dezembro de 2008) e foi representante da área de Ciências Sociais e Humanas na Câmara de Pós-Graduação da UFRGS, de março de 2010 a abril de 2011. Integrou o CA Educação do CNPq no período de novembro de 2008 a novembro de 2012. Atualmente exerce o cargo de Editora de Área ad hoc na Revista Interface. Como pesquisadora, integra o GEERGE – (Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero, vinculado à UFRGS) – desde sua criação, em 1990, e o GICS – (Grupo de Investigación Crítica em Salud: prácticas, políticas e ciudadanía, vinculado à Universidade das Ilhas Baleares) ? desde 2012. Seus interesses de pesquisa majoritários estão vinculados ao estudo e análise de Políticas Públicas de Inclusão Social, no âmbito das quais vem investindo na discussão da politização contemporânea do feminino e da maternidade.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Políticas públicas de inclusão social e transversalidade de gênero: ênfases, tensões e desafios atuais

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A pesquisa proposta, a ser desenvolvida no período de março de 2014 a março de 2018, envolve uma equipe de 09 pesquisadoras (doutoras, pós-doutorandas e mestrandas) e pretende dar sequência a uma agenda de investigação em que vimos problematizando as interfaces entre gênero e políticas públicas de inclusão social, no Brasil, na perspectiva dos Estudos de Gênero e Culturais pós-estruturalistas. Essa agenda nos permitiu descrever e problematizar, até aqui, duas formas distintas e complementares de responsabilização no âmbito dessa articulação: a das mulheres-mães que integram os segmentos sociais aos quais as políticas se dirigem, e a dos/as profissionais que as implementam, num processo que nomeamos como ?generificação da inclusão social?. A análise desse processo nos coloca, agora, diante de uma importante questão: a forma que essa generificação tem assumido nas políticas públicas de inclusão social poderia ser entendida como um efeito ? não esperado e não desejado ? da proposta estratégico-política da transversalidade de gênero nas políticas públicas? Ou, em outra direção, como a forma que a proposta da transversalidade de gênero tem assumido (de reforço e/ou de correção de papéis e funções de gênero naturalizadas) se articula com essa generificação? Para avançar nessa discussão a pesquisa aqui proposta prevê a reunião e análise de 3 conjuntos distintos de textos: 1) Documentos normativos das seguintes políticas e programas: Saúde na escola; Plano nacional de políticas para as mulheres (2013-2015); Gênero e diversidade na escola; Rede Cegonha; Atenção integral à saúde das mulheres; Atenção Integral à saúde dos homens; 2) Publicações e pesquisas que tematizam a transversalidade de gênero nessas políticas, disponíveis em: Observatório Brasil de igualdade de gênero; Biblioteca virtual de saúde; publicações da SECADI/ME; Portal de gênero; Banco de teses e dissertações da CAPES e no site do Grupo de Investigación Crítica em Salud: prácticas, políticas e ciudadanía (GICS) que eu integro; 3) pesquisas de mestrado, de doutorado e de pós-doutorado, elaboradas sob minha supervisão e/ou pesquisas realizadas sob minha coordenação que dialogam com essa produção. Tal material será analisado na perspectiva da análise cultural ancorada na teorização foucaultiana, para responder a 3 questões: 1) como ? do ponto de vista das ênfases, tensões e desafios ? a proposição governamental da transversalidade de gênero tem sido apresentada e proposta nos textos programáticos das políticas de inclusão social que temos analisado no grupo?; 2) quais tem sido as ênfases, tensões e desafios apontados por outros estudos que têm discutido e analisado essa proposição de transversalidade de gênero em políticas públicas (no Brasil e fora dele) na confluência das áreas da educação e da saúde, e como têm se posicionado diante de tais questões?; 3) como as pesquisas que temos realizado, em nosso grupo de pesquisa, dialogam com essa produção?.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

CENTRO DE ESTUDOS INTERNACIONAIS SOBRE GOVERNO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2688922645786353

Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero – GEERGE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9314885976157971

Pesquisa, Ação e Colaboração em Educação e Ensino da Saúde – EducaSaúde

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1665076511892913

Denise Balarine Cavalheiro Leitedenise.leite@hotmail.com.br

http://lattes.cnpq.br/0827507109236372

DENISE LEITE cursou mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, estágio Pós-Doutoral pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e estágios de aperfeiçoamento pela University of Exeter e pela University of Edinburgh, UK. Graduou-se em Ciências Domésticas pela Universidade Rural do Sul. É professora convidada do PPGEDU Unemat e pesquisadora Ufrgs, Professora Titular aposentada Ufrgs, pesquisadora 1 A CNPq. Desenvolve atividades como consultora ad hoc de agências nacionais e internacionais de investigação.Atualmente é Secretária Regional para América Latina e Caribe de GUNI/Unesco. Seus temas de interesse em pesquisa e docência são Educação Superior e Universidade, sub-temas Inovação Pedagógica, Avaliação Institucional, Avaliação Participativa, Avaliação de Redes de Pesquisa e Colaboração.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Educação superior e contextos emergentes
  2. AVALIAÇÃO e REDES DE COLABORAÇÃO II: Produção científica na área de Educação e o controle internacional da ciência

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Este é um projeto de Núcleos de Excelência /FAPERGS/CNPq envolvendo grupos de pesquisa das seguintes instituições: PUCRS, UFRGS, UNISINOS e UFSM.. A parceria entre grupos de pesquisa consolidados é um locus promissor para a construção de novos conhecimentos que atentem ao desenvolvimento cientifico e tecnológico, e, também, aos inúmeros problemas que incidem na universidade enquanto reflexo da sociedade. Esta pesquisa visa compreender as estratégias que a educação superior aciona frente a cinco dimensões caracterizadoras dos contextos emergentes: políticas e gestão; práticas pedagógicas; desenvolvimento profissional e formação docente; avaliação e redes de colaboração e internacionalização da educação superior. As principais questões que direcionam esta proposta de investigação são: Que movimentos/estratégias são produzidos nas IES frente às políticas de expansão, considerando-se o acesso, a persistência e o sucesso na educação superior? Que movimentos/estratégias as IES implementam para o enfrentamento da sua expansão? Que movimentos/estratégias os novos professores produzem para a constituição da profissionalidade docente na educação superior? Que movimentos/estratégias os novos estudantes, no contexto da expansão, produzem para o acesso, a persistência e o sucesso na educação superior? Que movimentos de produção do conhecimento estão sendo constituídos nas novas modalidades acadêmico organizativas das IES? A pesquisa será realizada no âmbito da parceria da rede RIES – Rede Sul Brasileira de Investigadores da Educação Superior, criada em 1999. A rede RIES tem por objetivo configurar a Educação Superior como campo de produção de pesquisa nas Instituições de Ensino Superior através de duas ordens de objetivos específicos: a ordem de clarificar a produção no campo de conhecimento; e a ordem de desenvolver condições de produção, ou seja, de consolidar a rede de pesquisadores na área..
  2. Realizada em parceria com pesquisadores de Canadá, Colômbia, Uruguai e Portugal, esta pesquisa busca responder ao quão real, produtiva, colaborativa e fonte de aprendizagens, é a arte de produzir conhecimento em redes, e quão necessária se torna a avaliação para o avanço da ciência. Para fazê-lo, destaca pesquisadores que marcam a área do conhecimento em Educação, seus grupos de pesquisa e redes de colaboração científica, os processos interativos e aprendizagens que ocorrem nessas redes e, quem usa o conhecimento que produzem. Vai enfocar avaliação (Know Who, Know Whom, Know Why, Know How, Know What) de processo e construir marcadores para a área de conhecimento educacional testando sua validade nacional e internacionalmente. Temas-chave das pesquisas e publicações serão comparados com perspectivas internacionais. A revisão de literatura enfoca internacionalização da produção científica (Fiorin: 2007; Kreimer:2011; Alperin: 2011), estruturas e avaliação de redes (Newman: 2003; Vanz & Stumpf:2010; Van Raan: 2008, 2012), ARS, Análise de Redes Sociais, como teoria e método (Carolan: 2014). Propõe três ordens de procedimentos metodológicos? continuidade, interconexão e avaliação – integrando ARS, técnicas de cienciometria, de entrevista, elaboração de casos e tecnologias de construção de marcadores de avaliação. Como resultados visa obter: conjunto de marcadores de avaliação para redes de pesquisa e colaboração testados e validados internacionalmente; casos de sucesso que relatem processos inovadores, nacionais e internacionais; conjunto de palavras-chave definidoras da área de Educação. COLLABORATIVE NETWORKS EVALUATION II: Scientific production in the field of Education and the international science control This study conducted in partnership with researchers from Canada, Colombia, Uruguay and Portugal, seeks to answer how real, productive, collaborative and source of learnings can be the art of producing knowledge in research networks, and how necessary it makes the evaluation of networks for the advancement of Science. To do so, it will highlight researchers that mark the area of knowledge in Social and Human Sciences, Education and Health, their research groups and scientific collaboration networks, and the interactive and learning processes that occur in these networks and, who uses knowledge from the research they produce. Will focus on evaluation (Who Know, Know Whom, Know Why, Know How, Know What) processes to engage with proper and adequate markers for the area of educational knowledge and their validity will be nationally and internationally tested. The research also aims to detect the key themes of research and publications that mark education as a field of knowledge and compare them with international perspectives. Reviews the literature on internationalization of scientific production (Fiorin: 2007; Kreimer: 2011; Alperin: 2011) on structures and evaluation of networks (Newman 2003; Vanz & Stumpf: 2010; Van Raan: 2008, 2012), supported by ARS, Social Network Analysis as theory and method (Carolan: 2014). Proposes three methodological orders – continuity procedures, interconnection and evaluating ? integrating ARS, scientometrics techniques, interview techniques and the formulation of case studies and markers evaluation. Expected results: set of internationally tested and validated assessment markers; successful case studies of groups and networks of research collaboration, national and international; set of keywords defining the area of Education. The study will provide elements for a reflection on scientific knowledge produced in Education, the scope of this production and possible influences of international science on this production..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional (GEPAVE)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7005601544268815

Grupo de Estudos Inovação e Avaliação na Universidade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8632044554453935

Dóris Bittencourt Almeidaalmeida.doris@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/5715085520250456

Graduada em História pela PUCRS, Mestre em Educação (2001) e Doutorado em Educação (2007) pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Membro da Associação Brasileira de História da Educação/SBHE, da Associação Sul-Riograndense de História da Educação/ASPHE e da Associação Nacional de História/ANPUH. Coordena o Grupo de Trabalho em História da Educação (GTHE) da Associação Nacional de História (ANPUH/ Seção Regional – RS). É professora adjunta IV de História da Educação da Faculdade de Educação, atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência nas áreas de História da Educação, Fundamentos da Educação e Ensino de História. Pesquisa os seguintes temas relacionados à História da Educação: Memória e História Oral, História da Cultura Escrita, Cultura Escolar, Imprensa de Educação e de Ensino.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. MEMÓRIAS DA CIDADE: AS MUITAS FACES DA EDUCAÇÃO NA HISTÓRIA DE PORTO ALEGRE E SEU ENTORNO (SEC. XIX E XX)
  2. NOS RASTROS DE NARRATIVAS DE MEMÓRIA DO POVO JUDEU: O ACERVO DE HISTÓRIA ORAL DO INSTITUTO MARC CHAGALL (PORTO ALEGRE/RS ? 1985 ? 1995)
  3. Instituições escolares na região metropolitana de Porto Alegre e Vale dos Sinos: acervos, memórias e cultura escolar – sec. XIX E XX.
  4. Entre Memórias e Histórias da escola no Rio Grande do Sul: do DEUTSCHER HILFSVEREIN AO COLÉGIO FARROUPILHA(1858-2008)

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2015 – Atual
  3. 2012 – Atual
  4. 2008 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A pesquisa faz parte das ações desenvolvidas pelo grupo de pesquisa ?Educação no Brasil: memória, instituições e Cultura Escolar? (CNPQ). O foco está em investigar as relações que se estabelecem entre educação e expansão urbana de Porto Alegre, a partir de análises desenvolvidas no campo da História da Educação. Assim, o projeto elege Porto Alegre e região metropolitana como lócus de investigações, analisa as imbricadas relações que se estabelecem entre processo de urbanização e educação, elegendo como temporalidade os séculos XIX e XX. Teorizar e conferir dinamicidade e legitimidade às pesquisas inscritas em História da Educação possibilita a produção de estudos historiográficos que investiguem memórias da educação, produzidas no interior de escolas ou fora delas, valorizando as relações entre urbanização e escola..
  2. A pesquisa faz parte das ações desenvolvidas pelo grupo de pesquisa ?Educação no Brasil: memória, instituições e Cultura Escolar?. Elege-se como objeto de análise as narrativas de memória de imigrantes judeus e seus descendentes, salvaguardadas no Acervo de História Oral do Instituto Marc Chagall, localizado em Porto Alegre/RS. O Instituto Marc Chagall foi criado em 1985 com o objetivo de promover o reconhecimento da cultura judaica no Rio Grande do Sul. Aqui interessa investigar um de seus acervos, o de História Oral, composto por quase 500 entrevistas desenvolvidas com imigrantes judeus e seus descendentes, todas elas transcritas e disponíveis para consulta local. Este Acervo começou a ser constituído em 1986 com o projeto ?Preservação da Memória Judaica?. Naquela ocasião, escutaram-se 428 narrativas desta comunidade, tanto de Porto Alegre, quanto de cidades do interior do Estado. Na década de 1990, o Instituto Marc Chagall promoveu um novo projeto intitulado ?Identidade Judaica?, cuja proposta era produzir documentos para elaboração de um censo da comunidade judaica no Rio Grande do Sul. Assim, complementou-se o Acervo de História Oral com outras entrevistas. A pesquisa situa-se no campo da História da Educação, em suas interfaces com as discussões acerca da constituição de Acervos, Memória e História Oral. Teorizar e conferir dinamicidade e legitimidade às investigações que tenham a História Oral como opção metodológica é uma forma de desenvolver pesquisas que envolvam movimentos realizados em comunidades de memória anteriormente organizados por outros. Neste sentido, valoriza-se aqui esse Acervo de História Oral do Instituto Marc Chagall, entendendo-se que as narrativas produzidas nas entrevistas são portadoras de informações preciosas que nos permitem um maior entendimento das histórias vividas pelo povo judeu desde seu processo de emigração da Europa até a chegada ao Brasil. Em um primeiro momento, a pesquisa busca analisar como se deu a constituição desse Acervo, quem eram as pessoas responsáveis pelas entrevistas, como elas aconteceram, como se deu a escolha dos narradores, quais as questões disparadoras, quais os evocadores de memória, entre outros aspectos. Importa para a pesquisa analisar nesses depoimentos indícios da história da educação desses sujeitos, incluindo aí processos de escolarização e atravessamentos na questão de gênero. Para além deste Acervo,pretende-se produzir outras entrevistas com algumas mulheres que já foram escutadas na década de 1990, com o objetivo de aprofundar os temas relacionados à história de sua educação. Trabalhar com essas memórias por meio da utilização de um Acervo Oral já existente é uma legítima possibilidade historiográfica que promove a produção de outras histórias tendo como fonte vozes de mulheres e homens, de certo modo imortalizadas, preservadas no Instituto Marc Chagall..
  3. A investigação tem como objeto a análise de documentos pertencentes a acervos escolares de insituições localizadas na Região Metropolitana de Porto Alegre e Vale Dos Sinos, bem como às memórias de ex professores da escola básica da mesma região. O recorte temporal engloba os séculos XIX E XX, a pesquisa preocupa-se em inventerariar os acervos escolares que foram organizados e se constituem em espaço de memória na referida Região. Ainda, problematizar documentos orais, escritos e iconográficos com o propósito de analisar os vestígios da Cultura escolar e da Cultura material desses acervos em distintos tempos e espaços de escolarização. Esse processo implicará na análise de diferentes categorias quais sejam: laicidade da educação, o currículo desenvolvido, as relações de gênero estabelecidas, a composição das aulas, as políticas de nacionalismo, as políticas de preparação para o trabalho, entre outras que possam emergir no decorrer da investigação. Os procedimentos analíticos estão fundamentados basicamente em Roger Chartier e Michel de Certeau, no que se refere à sustentação teórica relacionada a perspectiva da História Cultural, Agustín Esclano Benito e Vinão Frago, respectivamente, no que diz respeito aos aspectos relativos a Cultura Material e Cultura Escolar. Enteder os processos pelos quais passou a educação em tempos pretéritos não implica necessariamente em uma ação mais eficaz, mas estimula uma atitude crítica e reflexiva, fornecendo uma visão extrema das instituições escolares do passado produzido na sua relação com a coletividade, se constituindo, assim, em uma construção social que permite um alargamento do repertório dos educadores e legisladores. Palavras chave: Instituições de ensino, Cultura escolar, cultura material da escola, memória.
  4. Todo projeto pedagógico está inscrito em uma situação sócio-histórica determinada, isto é, as instituições, as práticas e os métodos escolares inserem-se naturalmente na história política, social e cultural do país. Isso não quer dizer que a educação seja um mero reflexo da sociedade maior; ela tem seu modus operandi, orientado geralmente por concepções filosóficas, políticas, sociais, culturais da sociedade de referência. A elaboração de um corpus de saberes e de saber-fazeres, por meio do estudo do acervo de memórias de uma escola, busca dar status ao saber pedagógico como campo de conhecimento científico e, ao mesmo tempo, dar uma dimensão técnica e instrumental ao cotidiano escolar. Para os historiadores da educação, esse estudo oferece múltiplas possibilidades de leitura da cultura escolar como discurso pedagógico..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Educação no Brasil: memória, instituições e cultura escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1084535144258301

Entre Memórias e Histórias da escola no Rio Grande do Sul: do DEUTSCHER HILFSVEREIN AO COLÉGIO FARROUPILHA(1858-2008)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9104165842501158

Histórias e Memórias da Educação Brasileira e da Cultura

Escolardgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7443468155609521

Dóris Maria Luzzardi Fissfiss.doris@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/1206324784455009

Possui Graduação (Licenciatura Plena) em Letras Português/Inglês e respectivas Literaturas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991), Mestrado (1996-1998) e Doutorado (1999-2003) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É Professora Adjunta IV no Departamento de Ensino e Currículo (Área: Didática) da Faculdade de Educação (FACED) e Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Linha de Pesquisa: Arte, Linguagem, Currículo / Área Temática: Docência e Discurso. É líder do “Grupo de Pesquisa em Educação e Análise de Discurso” (GPEAD) do PPGEDU/UFRGS/CNPq e integrante do Grupo de Pesquisa “Núcleo de Estudos sobre Acesso e Permanência na Educação” (Instituto Federal Fluminense/CNPq). Parecerista ad hoc das revistas: Educação e Realidade (UFRGS – A1), Currículo sem Fronteiras (A2), Arquivos Analíticos sobre Práticas Educativas (Universidade do Arizona/EUA, A2), Educação (PUCRS – A2), Reflexão e Ação (UNISC – B2), Ciência, Educação e Cultura (UNILASALLE – B5) e Eventos Pedagógicos (UNEMAT – B5). Membro do Conselho Editorial da Revista Reflexão e Ação. Membro do Conselho Consultivo Nacional da Revista Eventos Pedagógicos (UNEMAT). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em currículo, práticas pedagógicas e formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: análise de discurso, currículo, culturas juvenis, identidades docentes, planejamento e formação de professores. Pesquisadora no campo da formação de professores e da análise de discurso, tem constituído interfaces entre educação e estudos da linguagem e, também, tem atuado na formação de licenciandos e de novos pesquisadores – mestrandos. Desenvolve a pesquisa “Formação de professores, Tecnologias de Informação e Comunicação e Autoria” de que se desdobraram quatro ações de iniciação científica associadas à coordenação das seguintes investigações: “A construção compartilhada dos saberes – o fazer-se professor na Formação Docente Inicial Presencial” (2012-2013) “Formação de professores e autoria nas vozes dos licenciandos: da expectativa de docência à docência-autora” (2013-2014), Escola e juventude: o que dizem os professores?” (2014-2015) e “”Narrativas docentes, culturas juvenis e o ser/estar na escola” (2015-2016). Tem publicado artigos em revistas e capítulos de livros nas áreas de pesquisa nas quais atua e, também, organizado Dossiês – “Língua, Discurso e Sujeito na Educação” (2011, Revista Educação & Realidade – A1), “Educação, pesquisa e linguagem: encontros e atravessamentos” (2014, Revista Educação PUCRS – A2), “Formação de professores e práticas culturais: descobertas, enlaces, experimentações” (2013, Revista Arquivos Analíticos sobre Políticas Educativas – A2), “Educação, arte e linguagem” (2015, Revista Reflexão e Ação UNISC, B2), “Formação de professores e desafios da escola na século XXI” (2016, Revista Eventos Pedagógicos, 2016, B5) e “Formação de professores: campos de (investig)ação, concepções e caminhos” (2017, Revistas perspectivas, A2).

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. O que aconteceu com a escola cidadã?
  2. Ciclo de vida dos professores em atividade nas escolas públicas: o discurso docente e as movências de sentidos
  3. O ser/estar na escola: efeitos de sentidos de permanência e autoria
  4. Estágio supervisionado como acontecimento: ressonâncias na constituição das identidades docentes
  5. Sobre a autonomia manifesta nos discursos dos estudantes de iniciativas populares
  6. Discurso e docência: efeitos de sentidos de permanência na escola
  7. Formação de Professores, Tecnologias de Informação e Comunicação e Autoria

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2016 – Atual
  3. 2016 – Atual
  4. 2015 – Atual
  5. 2015 – Atual
  6. 2015 – Atual
  7. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Projeto de Pesquisa desenvolvido por aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob a orientação da Profa. Dra. Dóris Maria Luzzardi Fiss..
    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
  2. Projeto de Pesquisa desenvolvido por aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob a orientação da Profa. Dra. Dóris Maria Luzzardi Fiss. Período: agosto de 2016 a agosto de 2018..
  3. Projeto de pesquisa desenvolvido por bolsista de iniciação científica e associado a outro projeto maior – “Formação de professores, tecnologias de informação e comunicação e autoria”.
  4. Projeto de Pesquisa desenvolvido por aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob a orientação da Profa. Dra. Dóris Maria Luzzardi Fiss. Período: agosto de 2015 a agosto de 2017..
  5. Projeto de pesquisa desenvolvido por aluno do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob orientação da Profa. Dra. Dóris Maria Luzzardi Fiss. Período: agosto de 2015 a agosto de 2017..
  6. Projeto de Pesquisa desenvolvido por aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob a orientação da Profa. Dra. Dóris Maria Luzzardi Fiss. Período: agosto de 2015 a agosto de 2017..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

GRUPO DE PESQUISAS SOBRE EDUCAÇÃO E ANÁLISE DE DISCURSO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8939621547068422

NIEPE-EJA Núcleo Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação de Jovens e Adultos

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4082821492901574

Núcleo de Estudos sobre Acesso e Permanência na Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8625284108745394

Fabiana de Amorim Marcellofamarcello@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/3635060565287453

Possui doutorado em Educação pela UFRGS (com período de estudos na Universidade Paris III – Sorbonne Nouvelle, doutorado-sanduíche), mestrado em Educação e graduação em Pedagogia pela mesma Universidade. É professora do Departamento de Estudos Especializados, na área de educação infantil, e do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É vice-coordenadora do PPGEDU/UFRGS (2017-2019) e coordenadora do Dinter com a Universidade do Estado do Alagoas (UNEAL) (2016-2020). Fabiana de Amorim Marcello é membro do Núcleo de Estudos em Mídia, Educação e Subjetividade (NEMES/UFRGS) e do Grupo de Estudos em Educação Infantil e Infâncias (GEIN/UFRGS). É membro do Comitê Científico do GT de Educação e Comunicação da ANPEd (2014-Atual), onde atuou também como Coordenadora (2012-2013). Atualmente, é Editora Associada da Revista Estudos da Presença. Desenvolve pesquisas e orienta teses e dissertações tendo como foco os conceitos de infância e/ou imagem, em seus múltiplos desdobramentos (cinema, artes visuais, mídia).

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Pesquisar com crianças, pesquisar com imagens: práticas do olhar na constituição ética dos sujeitos

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2016 – atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Esta pesquisa emerge de algumas problematizações teórico-metodológicas, derivadas de minha atuação como docente no curso de pedagogia, bem como de pesquisadora sobre a temática da infância e da imagem: a) Inicialmente, uma problematização sobre o lugar de enunciação da criança na cultura; b) Sobre as formas pelas quais somos convocados a pensar sobre nosso lugar num tempo de imagens. c) Sobre os modos de construção de sujeitos partindo do arcabouço teórico foucaultiano. Assim, considerando o panorama da pesquisa, tenho como OBJETIVO GERAL analisar as falas produzidas por dois grupos crianças de 5-6 anos, frequentadoras de uma escola infantil (creche da UFRGS), e dinamizadas a partir de 20 encontros – os quais têm como foco o debate sobre as noções de infância, tal como expressas em imagens de artistas visuais que elegem esta experiência como mote de suas produções – no cotejo de outro processo, qual seja, aquele da análise de tais imagens, na condição de elementos da cultura que, do modo como elaboradas, colocam em circulação questionamentos urgentes acerca de outros modos de ser sujeito-infantil (por exemplo, implicados em noções completamente distintas daquelas que vemos circular nos meios de comunicação ou mesmo aquelas, no senso comum, da infância como lugar ausente de conflitos e cuja estratégia de proteção radica-se numa espécie de silenciamento). A justificativa para a escolha da temática está apoiada na possibilidade investigativa de seleção e análise de um tipo de produção cultural implicado com um tipo específico de formação estética, no caso, ligada à abertura e pluralidade de sentidos, ao desafio, ao tensionamento dos nossos modos já tão conformados de ver – algo só possível mediante um investimento na potência da imagem como linguagem criadora..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

GEIN – Grupo de Estudos de Educação Infantil e Infâncias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4964865837366739

Núcleo de Estudos de Mídia, Educação e Subjetividade (NEMES)]

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5162882727309871

Fernanda Wandererfernandawanderer@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9250845249062534

Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, integrando a Linha de Pesquisa Estudos Culturais em Educação. É doutora (2007) e mestre (2001) em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), especialista (1999) em Formação do Professor de Matemática pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e graduada (1997) em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação Matemática e Sociedade (GIPEMS), que integra o Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPQ. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, educação matemática, etnomatemática, cultura e práticas pedagógicas.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Educação Matemática e Educação do campo: uma análise sobre jogos de linguagem e processos de subjetivação
  2. Educação matemática e dispositivo de tecnocientificidade

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  • 2016 – Atual
  • 2015 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O Projeto tem por propósito analisar enunciações produzidas por estudantes do Curso de Licenciatura em Educação do Campo enfocando, em especial, aquelas vinculadas aos processos de ensinar e aprender matemática e tornar-se educador. Seu referencial teórico é a perspectiva etnomatemática, conformada pela articulação do pensamento de Foucault e da obra de maturidade de Wittgenstein, como definida por Knijnik el al (2013). As autoras destacam que com esse entendimento a Etnomatemática passa a ser tomada como uma caixa de ferramentas que possibilita: ?analisar os discursos que instituem as Matemáticas Acadêmica e Escolar e seus efeitos de verdade e examinar os jogos de linguagem que constituem cada uma das diferentes Matemáticas, analisando suas semelhanças de família? (IBIDEM, p. 28). O material de pesquisa é conformado por documentos e materiais do Curso de Licenciatura do Campo ? Ciências da Natureza desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e narrativas de estudantes do referido Curso, produzidas em entrevistas, sobre questões vinculadas aos processos de ensinar e aprender matemática nas escolas do campo..
  2. O projeto tem como objetivo geral analisar como, em diferentes formas de vida escolares, opera o discurso da educação matemática, em suas articulações com o dispositivo da tecnocientificidade. É parte de um projeto mais amplo, de âmbito internacional, envolvendo instituições de quatro países: Dinamarca (Aalborg University), Suécia (Malmo University), Colômbia (Universidad Nacional Pedagógica)) e Brasil (Unisinos). Seu referencial teórico tem como eixo principal noções advindas do pensamento de Michel Foucault e das ideias de Ludwig Wittgenstein que correspondem ao que é conhecido como período tardio de sua obra. O material de pesquisa do projeto está estruturado em duas instâncias. A primeira, constituída por documentos oficiais (nacionais e internacionais) que tratam de políticas públicas e diretrizes de órgãos como a OECD e Unesco no que concerne à tecnociência e à educação, em especial à educação matemática. A segunda instância consiste em entrevistas a serem realizadas com professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, professores de Matemática, de Ciências Físicas e Biológicas dos Anos Finais do Ensino Fundamental e com professores licenciados em Matemática, Química, Biologia e Física que atuam no Ensino Médio, docentes em exercício em diferentes formas de vida escolares da capital do Estado do Rio Grande do Sul e das regiões do Vale do Rio dos Sinos e do Vale do Taquari, pertencentes a esse Estado..
    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação Matemática e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3927763371283388

Fernando Beckerfbeckerufrgs@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9203444027084182

É graduado em Filosofia Licenciatura – Faculdades Anchieta (1971), mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1976) e doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1984). É professor titular (1995) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Publicou 43 artigos em periódicos especializados e 37 trabalhos em anais de eventos. Tem 23 capítulos de livros, 12 livros publicados e 61 itens de produção técnica. Participou de 54 eventos no Brasil. Orientou 42 dissertações de mestrado e 21 teses de doutorado. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Epistemologia, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia genética, conhecimento, educação, aprendizagem, ensino-aprendizagem e epistemologia do professor. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Núcleo de Estudos em Epistemologia Genética e Educação

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

1) 2002 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

1) Linha de pesquisa: Sujeito da educação: conhecimento, linguagem e contextos Sub-linha: Educação e construção do conhecimento ? Prof. Fernando Becker (líder) Profª Tania Beatriz Iwaszko Marques (sub-líder) Estudos em epistemologia genética piagetiana e pedagogia freireana, abordando o desenvolvimento do sujeito cognoscente não apenas em suas interações com o objeto (físico, simbólico, social, cultural, histórico), mas também contextualizando-as no amplo ambiente pedagógico em que as ações do professor e do aluno constituem sentido somente na medida em que constroem o novo por sucessivos patamares de abstração reflexionante..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos em Epistemologia Genética e Educação – NEEGE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6965565156976154

Fernando Seffnerfernando.seffner@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/2541553433398672

Graduado em Geologia e em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Mestrado em Sociologia e Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação UFRGS (2003), com período de estudos junto ao Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS UERJ). Professor Associado III da Faculdade de Educação da UFRGS Departamento de Ensino e Currículo. Docente e orientador junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) na linha de pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero, com ênfase temática nas pedagogias de construção das masculinidades. Docente e orientador no Mestrado Profissional em Ensino de História – PROFHISTÓRIA, polo UFRGS. Atua em pesquisas e orientações investigando situações de vulnerabilidade a AIDS; conexões entre direitos humanos e políticas públicas de gênero e sexualidade, teorizações queer, interseccionalidade e marcadores da diferença. No nível de graduação dedica-se a disciplinas que envolvem o ensino de História e pesquisa as conexões entre experiência e aprendizagem da História, especialmente a partir da etnografia de cenas de sala de aula. É líder do Grupo de Estudos em Educação e Relações de Gênero GEERGE PPGEDU UFRGS e integrante da equipe do LISTHE Laboratório de Ensino de História e Educação FACED IFCH CAP UFRGS e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em AIDS NEPAIDS USP, todos registrados no DGP CNPQ. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 2 – CA ED – Educação 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Processos Culturais e Pedagógicos de Produção, Manutenção e Modificação das Masculinidades: reiterações e transgressões da norma
  2. Investigação das aprendizagens de estagiários na produção de atividades didáticas e na relação com as culturas juvenis a partir dos relatórios de estágio docente em Ensino de História
  3. Gênero, sexualidade e envelhecimento: um estudo multimétodos sobre políticas públicas em educação, saúde e direitos humanos

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2015 – Atual
  3. 2015 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Referenciando-se de modo amplo na perspectiva teórica pós-estruturalista e nos estudos de gênero, sexualidade e educação, este projeto de pesquisa está estruturado em três momentos. O primeiro momento apresenta a trajetória do pesquisador com foco nas pedagogias de produção das masculinidades, ancorado em três conjuntos de informações: 1) as disciplinas ofertadas por mim no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS no período 2004/2014; 2) o conjunto de pesquisas sobre masculinidades em que estive/estou envolvido no mesmo período, como pesquisador principal, orientador ou integrante da equipe; 3) as leituras que desenvolvo neste momento, ao cursar temporada de estudos de pós-doutorado junto à Columbia University, New York, Estados Unidos (fevereiro 2015 a janeiro 2016). Traçado este panorama, ao modo de um ?diagnóstico? do meu percurso acadêmico até aqui, proponho então, no segundo momento, a ?realocação? desta trajetória de pesquisa, situando minha ?vontade de saber? acerca dos processos culturais e pedagógicos de produção, manutenção e modificação das masculinidades em estreita conexão com o estudo da norma e com os movimentos de reiteração e transgressão a ela. Estou focando em leituras de Judith Butler, Michel Foucault, Guacira Lopes Louro, dentre outros(as) autores. Por fim, no terceiro momento, para dar conta da ?vontade de saber? agora realocada, apresento um projeto de pesquisa para etnografia e análise de cenas escolares, no qual situações de reiteração e transgressão da heteronormatividade se apresentam e são negociadas. Em paralelo a isso, apresento um programa de leitura para o triênio, de bibliografia em língua inglesa, que opera com a noção de reiterações e transgressões da norma e que foca três situações de negociação: masculinidades negras nos Estados Unidos; masculinidades islâmicas em países do oriente e na diáspora para o ocidente e, finalmente, masculinidades latinas nos Estados Unidos..
  2. : A área de ensino de história da UFRGS conta hoje com extensa base de dados formada pelos relatórios de estágios docentes de seus alunos, indexados desde o ano 2000, em forma digital, na biblioteca setorial da Faculdade de Educação, e disponíveis para consulta. Esta base de dados é atualmente objeto de uma pesquisa (projeto cadastrado no sistema de pesquisa da UFRGS sob nº 26032, sob coordenação de Fernando Seffner, em fase final de execução), da qual se originou a publicação de alguns artigos em revistas científicas. O que se deseja com o atual projeto de pesquisa é redirecionar a investigação para dois temas específicos: o que os estagiários declaram ter sido seus aprendizados mais relevantes em termos de história quando produziram atividades didáticas para uso em sala de aula, e como se deu sua relação com as culturas juvenis. O acervo de relatórios digitais dos estagiários de ensino de história permite uma visão dos principais enfrentamentos no processo de produzir, em sala de aula, atividades didáticas criativas, bem como permite conhecer os modos pelos quais eles se relacionaram com as culturas juvenis, uma vez que estes são tópicos exigidos na feitura dos ditos relatórios. É sobre estas duas questões que o presente projeto se debruça, organizando os elementos em dois eixos. O primeiro deles é aquele em que se integram o planejamento das atividades didáticas e os impactos que isso traz para os conhecimentos em história (ou seja, que impactos traz o ensinar história nos conhecimentos já sabidos de história que estes estagiários têm). O segundo eixo agrega os saberes da docência (ou seja, os aprendizados fruto da experiência de vida mobilizados para dar aulas) e a relação com as culturas juvenis dos alunos. Vale lembrar sobre o segundo eixo que em geral os estagiários de ensino de história da UFRGS são jovens, e não estão tão distantes das culturas juvenis dos alunos para os quais estão lecionando. A experiência de estágio docente envolve um criterioso planejamento anterior de cada aula, ainda mais que em geral os alunos estão estreando na posição de professores, e no caso da UFRGS tem idade em torno de 23 anos na média. Temos então uma lógica que domina o planejamento, onde se expressam ideologias acerca do ensino de história, propostas, tarefas que se imagina a história deve desempenhar na produção de uma consciência crítica, gostos pessoais de cada estagiário a depender de temas e referenciais teóricos adotados, preocupações ligadas à metodologia da história, preocupações ligadas às culturas juvenis e sua expressão na sala de aula, preocupação em seguir o caminho que já vem sendo trilhado pelo professor regente da turma, pois ao final do estágio é a ele que a turma será ?devolvida?. Este acervo de ações planejadas pode ruir dentro da sala de aula, ao sabor de muitos imprevistos e dos gostos da turma, ou mesmo da constatação da ineficácia do que foi planejado, manifestada em geral pelo desinteresse dos alunos. Entra em ação então a capacidade de improvisar e propor atividades pedagógicas, na articulação entre o planejado e as questões emergentes, e atendendo a aspectos das culturas juvenis. Todos estes elementos constam dos relatórios de estágio, organizados em capítulos específicos. No sentido de dispor de ferramentas conceituais para dar conta da investigação aqui proposta, o projeto se ampara no estudo dos saberes da docência e aos saberes da disciplina, e toma o professor como situado num duplo campo, enquanto indivíduo que tem expertise em uma área do conhecimento, e enquanto adulto de referência capaz de se relacionar com as culturas juvenis. O movimento de pesquisa envolve analisar relatórios já arquivados na base de dados e relatórios que nela vão ingressar até 2019..
  3. Este Projeto de Pesquisa tem como objetivo analisar formas de regulação do gênero e da sexualidade em sua articulação com a produção discursiva do envelhecimento, como forma de compreensão dos processos de vulnerabilidade social da população autodeclarada LGBT e outras minorias sexuais e de gênero. Buscamos com esta pesquisa analisar os discursos que se encontram em negociação nas experimentações da cidadania de pessoas em idade igual ou superior a 60 anos. Neste estudo tomamos como problema principal os modos como as politicas e discursos movimentam as práticas sociais e culturais e quais posições de sujeito emergem na intersecção entre geração, gênero e sexualidade. Os resultados desta proposta objetivam oferecer indicadores sobre os processos de vulnerabilidade social, bem como as possíveis formas de enfrentamento ao hetero/sexismo, particularmente na direção dos seus efeitos na produção de agravos em saúde e processos sociais precarizados a partir da violência heteronormativa, LGBTfóbica e etarista. Como resultado amplo, entendemos que este estudo permite maior adensamento sobre as interseccionalidades na regulação das relações de gênero e exercício da sexualidade, entendendo a educação enquanto prática de significação movimentada/ acionada a partir de redes educativas, cotidianos e processos culturais, como plano privilegiado para a promoção da igualdade de gênero e da democracia sexual. O estudo abrange ao menos uma capital em cada uma das cinco regiões que congregam os 27 estados da federação. Para maior aporte no acesso e acompanhamento das demandas de cidadania das pessoas autodeclaradas LGBT e outras minorias sexuais e de gênero, estamos movimentando nossos esforços para articulações junto a associações de representação LGBT nos devidos estados e núcleos de pesquisa sediados nas cidades chave para a pesquisa..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

  • Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero – GEERGE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9314885976157971

  • Grupo de pesquisa do LHISTE UFRGS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6385374017365262

  • Núcleo de Estudos para Prevenção da AIDS – NEPAIDS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7324578743391687

  • Preconceito, vulnerabilidade e processos psicossociais

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3402441247136148

Gilberto Icle – gilbertoicle@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/2227456713763579

Possui graduação em Artes Cênicas (1992), mestrado em Educação (2000) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professor associado no Departamento de Ensino e Currículo e professor permanente no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professor colaborador no Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade de Brasília. Foi criador e editor da Revista da Fundarte. Foi criador e coordenador dos cursos de graduação em Artes (teatro, dança, música, artes visuais) da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul-UERGS/Fundação Municipal de Artes de Montenegro-FUNDARTE. É editor associado da Revista Educação & Realidade e editor-chefe da Revista Brasileira de Estudos da Presença (www.seer.ufrgs.br/presenca). Tem experiência na área de Artes (Teatro e Dança), com ênfase em Pedagogia Teatral e Pedagogia do Ator, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro, educação, trabalho do ator, pedagogia teatral, discurso, antropologia, performance, etnocenologia. Possui artigos e livros publicados sobre teatro e educação e produção artística como ator e diretor de teatro. É coordenador do GETEPE-Grupo de estudos em educação, teatro e performance (www.ufrgs.br/getepe), no qual dirige e atua a UTA-Usina do Trabalho do Ator (www.utateatro.com.br), grupo de criação e investigação teatral. Foi coordenador do GT-Etnocenologia da ABRACE (2011-2013). É coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação da UFRGS no mandato 2015-2016. Bolsista de Produtividade nível 1-D do CNPq.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

  • Floema – núcleo de estudos em estética e educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6162562002770066

  • Grupo de Estudos em Educação, Teatro e Performance-GETEPE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7112076971596876

Jaime José Zitoskijaime.jose@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/4765559144115241

Possui Graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Imaculada Conceição (1988). É Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1992) e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999). É professor Associado II efetivo na UFRGS, atuando junto ao Departamento de Estudos Básicos na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul nos cursos de Licenciaturas na área de Filosofia da Educação e no Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) com ênfase em Educação Popular e estudos sobre Universidade, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Popular, Paulo Freire e os desafios da Universidade na perspectiva da Emancipação Social na América Latina. Concluiu em 2011 o Estágio de Pós Doutorado no PPFH da UERJ sob orientação do Prof. Dr. Pablo Gentili.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Universidade, Formação Política e Bem Viver: Estudo dos Projetos de Universidades Emergentes no Brasil.
  2. Educação Superior e Educação Básica no Brasil: vinculações necessárias

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2017 – Atual
  2. 2012 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A pesquisa busca analisar e discutir o papel social da Instituição Universitária no atual contexto brasileiro, que ainda é marcado por profundas desigualdades sociais e elitização do acesso à educação superior. As Universidades que foram implantadas em nosso país tardiamente e apenas em alguns centros mais populosos, visavam atender as elites e transplantar a cultura européia para as colonias. No atual contexto do Brasil, apesar de uma herança colonial que deixou marcas profundas de desigualdades e exclusão social, estamos experienciando movimentos alternativos de democratização política e social e de mudanças significativas nas instituições republicanas, dentre elas a Universidade. Nessa direção, o objetivo da presente pesqusa é evidenciar as alternativas que emergem de modelos inovadores na forma de projetar e desenvolver a Universidade. Despontaram na última década algumas experiências promissoras de novas universidades , que se organizam desde princípios e filosofias que rompem com a arquitetura clássica das universidades aqui implantadas desde a colonização européia. Destacamos nosso interesse mais específico em aprofundar a análise sobre a UNILA (Universidade da Integração Latino Americana), a UFSB ( Iniversidade Federal do Sul da Bahia), UFFS (Universidade Federal da fronteira Sul) e UNIVASF (Universidade Federal do Vale do São Francisco)..
  2. A presente proposta de pesquisa intenciona construir espaços e dinâmicas de estudo nas interfaces da Educação Superior com a Educação Básica a partir de abordagens articuladoras de ações entre graduação e pós-graduação. A ênfase da pesquisa recai sobre a temática da formação de professores, propiciando, dessa forma, a discussão sobre três eixos articulados entre si, de modo interdisciplinar, a partir da interface entre Universidade e Redes de Educação Básica, em seus diversos níveis: Educação Infantil – EI, Ensino Fundamental – EF e Ensino Médio ? EM. Os eixos articuladores da Pesquisa em Rede são: 1) Interdisciplinaridade e Trajetórias Institucionais; 2) Fundamentos da Interdisciplinaridade: Interfaces entre Educação Superior e Educação Básica; 3) Educação Superior e Interdisciplinaridade: Interlocuções com o Sistema Público de Educação Básica. A partir dos três eixos acima, objetiva-se analisar as políticas públicas educacionais em curso no Brasil, principalmente na implementação e ressignificação destas em instituições de ensino superior, e seus desdobramentos conceituais entre os diferentes níveis da educação brasileira..
    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

  • Grupo de Estudos e Pesquisa em Trabalho, Educação e Práticas Sociais (GEPTEPS)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3717469488735790

  • Grupo de Estudos Inovação e Avaliação na Universidade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8632044554453935

  • Grupo de Estudos sobre Fundamentos da Educação Ambiental e Popular (GEFEAP)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0292116626269437

  • Grupo de Estudos sobre Universidade – Inovação e Pesquisa (GEU-IPesq/Edu/Ufrgs)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4532309637127794

Jane Felipe de Souzajanefelipe.souza@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/2330159133166922

Atualmente é professora titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui graduação e Licenciatura Plena em Psicologia pela UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestrado em Educação pela UFF – Universidade Federal Fluminense – Niterói/RJ (1991), doutorado em Educação pela UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e pós doutorado na área de Cultura Visual, pela Universidad de Barcelona (bolsa CAPES – abril/2009 a fevereiro/2010). Na graduação atua na disciplina de Estágio na Educação infantil e em semestres anteriores também atuou nas disciplinas de Literatura e Educação, Reflexão da prática pedagógica, Infâncias de 0 a 10 anos e Educação Sexual na Escola. Integra o GEERGE – Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero – vinculado à linha de pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero, do PPGEDU/FACED/UFRGS, bem como é fundadora e coordenadora do GEIN – Grupo de Estudos em Educação Infantil e Infâncias, da mesma instituição. Atua com os seguintes temas: corpo, gênero, sexualidade, infâncias, educação infantil, educação sexual na escola, pedofilia e pedofilização como prática social contemporânea. Atualmente coordena a pesquisa internacional intitulada “Violências de gênero, amor romântico e famílias: entre idealizações e invisibilidades, os maus tratos emocionais e a morte”, com financiamento do CNPq (Chamada: MCTI/CNPQ/Universal 14/2014).

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Violências de gênero, amor romântico e famílias: entre idealizações e invisibilidades, os maus tratos emocionais e a morte

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Um tema que tem sido pouco debatido no âmbito das políticas públicas de proteção, bem como no meio acadêmico, diz respeito aos maus tratos emocionais ou violência psicológica cometida contra as mulheres. Tal comportamento pode ser caracterizado por um constante e reiterado menosprezo, ridicularização e desqualificação de seus gostos e competências, depreciando suas condutas, denegrindo e abalando sua imagem e autoestima, de modo a fragilizá-las, estabelecendo assim uma relação perversa de poder (FELIPE, GALET, 2014). Cabe ainda lembrar que muitas vezes esse processo se dá de forma lenta e sutil, podendo vir disfarçado inclusive de superproteção, aquilo que chamamos de violência ?benévola?. Sabemos ainda que este tipo de violência é a porta de entrada para outras, como a violência doméstica em suas diversas manifestações (violência moral, patrimonial, sexual e física). Diante de estatísticas tão alarmantes, é necessário que a sociedade civil organizada possa promover e combater esse tipo de violência, que muitas vezes se torna invisível e pouco reconhecida como violência por parte das próprias mulheres. Neste sentido, a escola e os cursos de formação docente têm grande responsabilidade na promoção desse debate e no combate a toda e qualquer forma de violência, cabendo-lhe a tarefa de problematizar tais questões, pois inúmeras vezes as professoras se deparam com situações de violência, sendo elas mesmas vítimas (CUNHA, 2013). Da mesma forma, muitas crianças presenciam em seus lares situações de violência, trazendo-lhes sérias consequências, na medida em que são vítimas indiretas (ou mesmo diretas) dos maus tratos emocionais e/ou físicos sofridos (HUERTAS, FLORES, 1998; BEUTER, 2007; LANDINI, ZANATTA, 2012). Portanto, é dever da escola discutir o tema em todos os níveis de ensino, propondo formas de combater tais modelos de violência presentes na nossa cultura. Neste sentido, a universidade tem o compromisso ético de desenvolver pesquisas e formar/qualificar profissionais que promovam a equidade de gênero e o combate a todas as formas de violência (FELIPE, 2009, 2012). Este projeto de pesquisa, de caráter mais amplo, comporta outras pesquisas de mestrado, doutorado e pós-doutorado de alunos/as do PPGEDU/FACED/UFRGS, em parceria com outras universidades do Rio Grande do Sul (FURG, UFPel, UFSM, UNIFRA, ULBRA, FAPA), bem como com outras universidades estrangeiras (Universidad de Extremadura – Espanha, visto que a UFRGS tem um acordo de cooperação técnica com esta universidade). Também fazem parte deste projeto de pesquisa como colaboradoras/es: professoras/es, psicólogas, delegadas de polícia, que atuam em instituições no âmbito municipal, estadual e federal (Secretarias Municipais de Educação, Institutos Federais de Educação, Delegacias da Mulher, Hospitais e Centros de Referência para Mulheres em Situação Violência)..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

GEIN – Grupo de Estudos de Educação Infantil e Infâncias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4964865837366739

Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero – GEERGE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4964865837366739

Johannes Dolljohannes.doll@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/6630859941080575

Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atua na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação orientando mestrado e doutorado. Membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento da UFRGS, é Editor Chefe da Revista “Estudos interdisciplinares sobre o Envelhecimento”. Possui graduação em Teologia Católica – Universitat Tuebingen (Eberhard-Karls) (1988), graduação em Educação – Erziehungswissenschaftliche Hochschule Landau (1989), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e doutorado em Educação – Universitat Koblenz Landau (2001). É especialista em Gerontologia pela Universidade de Heidelberg, Alemanha. Atua e pesquisa no campo da Educação e Envelhecimento com foco nos seguintes temas: Gerontologia, envelhecimento, educação, Didática, endividamento e educação financeira de pessoas idosas, informática.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Propensão ao endividamento de pessoas idosas: um estudo sobre fatores de risco no Rio Grande do Sul
  2. Envelhecimento e Educação ao Longo da Vida na Perspectiva do Lazer Sério

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. As armadilhas da sociedade de consumo criadas a partir das facilidades de acesso a créditos representam um constante perigo de endividamento excessivo, podendo chegar ao superendividamento, situação em que a pessoa perde as condições de quitar suas dívidas. Estas constelações trazem ameaças muito específicas para pessoas idosas. Por um lado existe um apelo constante das instituições de crédito para que as mesmas façam um crédito consignado. Por outro lado, os idosos tornaram-se importantes fontes de recursos para muitas famílias brasileiras. Com isso, o risco de violência financeira contra pessoas idosas também está aumentando significativamente. Neste cenário torna-se importante conhecer mais detalhadamente os mecanismos que podem impulsionar pessoas idosas a contratar créditos e, com isso, comprometer, muitas vezes de forma drástica, seus rendimentos. A presente pesquisa pretende estudar os processos e riscos que podem levar pessoas idosas ao endividamento para, desta forma, oferecer recursos detalhados para intervenções multidisciplinares, seja da ordem educacional, psicológica ou jurídica. Para atender este objetivo, será elaborado um instrumento (questionário) a partir de quatro escalas já existentes de riscos que podem levar ao endividamento, além de perguntas sócio-demográficas e sobre a situação financeira dos participantes. Este instrumento será aplicado em pessoas idosas de sete diferentes lugares no Rio Grande do Sul (Porto Alegre e região metropolitana; Passo Fundo; Pelotas; Caxias; Bagé; Torres; Santa Maria). Este grupo de pessoas idosas será acompanhado por três anos por meio de entrevistas anuais elaborado para poder captar as formas de lidar com o dinheiro e possíveis processos de endividamento neste grupo. Os resultados desta pesquisa contribuirão para uma melhor compreensão dos modos como pessoas idosas lidam com as questões financeiras e com possíveis problemas de endividamento Pela característica longitudinal da pesquisa, ela possui fundamentos sólidos para identificar fatores de risco de endividamento entre os idosos. Além disso, o estudo contribuirá também para uma consolidação ou revisão das escalas que já foram validadas e estão sendo utilizadas atualmente no Brasil..
  2. As atividades de lazer possuem importância para o bem-estar, especialmente na velhice após a saída do mercado de trabalho. Porém, somente executando alguma atividade de lazer geralmente não consegue dar satisfação às pessoas. Nesta situação, a perspectiva do ?lazer sério?, proposta por Stebbins, aponta para formas de lazer que contribuem significativamente para o bem-estar de pessoas adultas e idosas. O projeto de pesquisa visa a tradução, adaptação cultural, validação e aplicação do instrumento Serious Leisure Inventory and Measure (SLIM) com o objetivo de colocar à disposiçaõ de pesquisadores brasileiros um instrumento que permite um levantamento e análises do lazer e sua contribuição para um envelhecimento bem sucedido, em conjunto à ampliação de propostas teóricas e práticas de educação ao longo da vida para e pelo lazer. A adaptação e validação do instrumento será feito através de um cruzamento de dados obtidos pela aplicação do SLIM com um estudo qualitativo de esportistas adultos e idosos..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Aspectos Interdisciplinares do Envelhecimento

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4349692781272918

 

Educação e Envelhecimento: múltiplas interfaces

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2656213180989592

 

Trabalho, Movimentos Sociais, Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1002188834293937

Jorge Alberto Rosa Ribeirojorge.ribeiro@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/2020792837275161

Bacharel em História, UFRGS, 1979; Licenciatura em História, UFRGS, 1981; Bacharel em Ciências Sociais, UFRGS, 1982; Mestre em Sociologia, UFRGS, 1984; e Doutor em Sociología de la Educación, Universidad de Salamanca (USAL), 2000. Professor Associado do Departamento de Estudos Básicos da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua como pesquisador na área Sociologia da Educação e do Trabalho, com ênfase nos campos Educação e Trabalho e Educação, Inserção Profissional e Ensino Médio e Profissional. Credenciado no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, foi seu Coordenador nos anos de 2009-2012. É o atual Coordenador da Linha de Pesquisa no PPGEdu, intitulada Trabalho, Movimentos Sociais e Educação, coordenando o Grupo de Pesquisa do CNPq de mesmo nome. É também pesquisador participante do Grupo de Pesquisa EMPesquisa do CNPq. É parecerista ad hoc da agência de fomento Capes.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. A FORMACAO DO TERCEIRO: DESIGUALDADE E PRECARIEDADE NO MERCADO DE TRABALHO: MODERNIDADE OU REENCONTRO DAS RELACOES ARCAICAS DE TRABALHO NO BRASIL?

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

1) 2015 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

1)  O projeto enquadra-se na linha de pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação. A investigação pretende analisar a formação peculiar do novo mercado de trabalho por meio do processo de terceirização. Está fundamentado em vários estudos sobre as recentes transformações do mercado de trabalho, ocorridas principalmente nas últimas décadas, que sinalizaram a elevação do peso da informalidade nas relações de trabalho, o estímulo à precarização e à flexibilização, que redundaram na desproteção dos trabalhadores ao impossibilitar o usufruto de direitos trabalhistas e sociais anteriormente conquistados. O projeto analisará o setor elétrico e de telecomunicações. Como estratégia metodológica será utilizado um conjunto de métodos (técnicas) da sociologia do trabalho e da educação, tanto qualitativos quanto quantitativos, e que conduzirão a investigação para um tipo de pesquisa participante. Será realizada uma análise estatística dos dados e das informações sobre contratação e as características formativas dos trabalhadores utilizados pelas empresas, ao longo da última década. As variáveis observadas estão descritas. O cronograma é passível de ser realizado no tempo previsto, é apresentado o orçamento e anexado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

  • EMpesquisa – Ensino Médio em Pesquisa

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1847227364125839

  • Trabalho, Movimentos Sociais, Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1002188834293937

Liliana Maria Passerinopasserino.ead@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/6223538827801940

Graduada em Análisis Universitário de Sistemas – Universidad Tecnológica Nacional (1987, Argentina), fez mestrado em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992) e doutorado em Informática na Educação Pgie pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Atualmente é professora da FACED/UFRGS onde atua em graduação e pós-graduação (PPGEDU/PGIE). Desenvolve pesquisas na área de Informática na Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: informática na educação, educação a distância, informática na educação especial (com estudos em autismo), tecnologia assitiva, comunicação alternativa e inclusão digital.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Proposta Inovadora de Tecnologia Assistiva para Inclusão e Aprendizagem (PITAIA) em Ciências para alunos com deficiência na comunicação
  2. ARCA: Alfabetização com Recursos abertos de Comunicação Alternativa a partir de métodos e tecnologias inovadores aplicados à crianças com deficiência intelectual e/ou TEA
  3. PROJETO SCALA 4.0 FASE IV: MULTIPLATAFORMA, GERENCIAMENTO SEMÂNTICO E INTERNACIONALIZAÇÃO
  4. Sistema de Comunicação Alternativa para Letramento de Criança com Autismo – Fase III: Produção de Narrativas Visuais na Educação Infantil
  5. SolAssist : Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas
  6. SCALA ? (Sistema de Comunicação Alternativa para Letramento de pessoas com Autismo)

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2015 – Atual
  3. 2013 – Atual
  4. 2012 – Atual
  5. 2012 – Atual
  6. 2008 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

 

  1. O presente projeto de pesquisa tem por objetivo desenvolver um Ambiente de Ensino Tridimensional Tangível (AETT) voltado ao Ensino de Ciências com uso integrado de Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA) em Interfaces Interativas Tangíveis (IIT), robóticas e de Realidade Virtual (RV) que propicie processos de construção de conceitos científicos com crianças com deficiência na comunicação, matriculadas nos anos finais do ensino fundamental da educação básica. A temática principal deste projeto insere-se na Tecnologia Assistiva (TA) com enfoque nos estudos sobre robótica, RV e IIT que aliadas à CAA ampliem as possibilidades de comunicação e aprendizagem de conceitos científicos para sujeitos com deficiência na comunicação. A deficiência na comunicação é uma condição na qual o sujeito deteriora suas interações sociais em decorrência de déficits primários ou secundários na comunicação e que acarreta comprometimento no desenvolvimento. Dados do censo educacional de 2015 mostram que do total de 794.595 de alunos com deficiência, matriculados na educação básica há uma grande concentração no ensino fundamental (666.826 alunos) sendo que é visível o ?afunilamento? para o Ensino Médio, onde somente 62.940 alunos com deficiência encontram-se matriculados. Analisando os números do ensino fundamental percebe-se que é nos anos finais que acontece o grande ?gargalo?, uma vez que do quase 100.000 alunos com deficiência no quarto ano, finalizam aproximadamente 30.000 no nono ano. Acreditamos que uma das variáveis que contribuem para essa diferença encontra-se na estrutura organizacional do ensino por disciplinas específicas que levam a uma multiplicidade de professores e consequentemente, de ações pedagógicas diferenciadas. Mas também acreditamos que os conteúdos escolares dos anos finais, especialmente os relacionados com o ensino de ciências requerem um esforço adicional de aprendizagem especialmente na utilização do pensamento verbal que pode apresentar atrasos no caso dos alunos com deficiência. Considerando, portanto, a relevância em desenvolver pesquisas que busquem aprimorar, compensar ou suplementar processos comunicativos no espaço educativo para garantir condições de inclusão é que este projeto se alicerça. O foco de investigação se centrará em dois eixos, um eixo tecnológico que visa desenvolver uma proposta inovadora do uso de tecnologias tangíveis, interfaces naturais, ambientes imersivos e dispositivos robóticos combinados com CAA para aplicar ao ensino de ciências com o público-alvo; e um eixo educacional que visa acompanhar e analisar os processos de formação de conceitos pelos alunos, no ensino de ciências nos anos finais do ensino fundamental Para isto, pretende-se envolver núcleos emergentes de pesquisas e grupos colaboradores para inovar no desenvolvimento de um Ambiente de Ensino Tridimensional Tangível (AETT) voltado ao Ensino de Ciências com uso integrado de CAA conforme mencionado que apoie os processos de formação de conceitos no ensino de ciências. O projeto buscará trabalhar os conceitos e a percepção da linguagem associada e produzida a partir dos estudantes nas práticas e experimentações propostas no projeto enquanto letramento científico assim como desenvolver protótipos de cada uma das plataformas em software livre e com hardware de baixo custo. O AETT Pitaia para letramento científico é uma proposta inovadora na qual p.
  2. O presente projeto tem por objetivo aliar o know-how de grupos de pesquisa que se complementam nas áreas de tecnologia assistiva e educação especial na perspectiva inclusiva para investigar, propor e avalar métodos e tecnologias inovadores em comunicação aumentativa e alternativa (CA). Para realizar este propósito, formou-se um consórcio composto de três universidades, UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), UFPE (Universidade Federal do Pernambuco) e UFCE (Universidade Federal do Ceará), por meio dos seus núcleos de tecnologias assistiva..
  3. O presente projeto tem como objetivo contribuir para o avanço e difusão do conhecimento em áreas relacionadas ao uso de tecnologias para a promoção da inclusão social e cognitiva de pessoas com deficiência. Ao final do projeto as soluções desenvolvidas estarão disponibilizadas em um portal Web bilíngue (português e espanhol) para apoio à pesquisa cooperativa e colaborativa em rede. Este portal também facilitará a inclusão no Brasil e em países de língua portuguesa e hispano-americana. Além disso, se prevê a disponibilização dessas soluções em publicação conjunta de e-book relatando os conhecimentos e experiências envolvidas, tudo isso de forma a possibilitar o estabelecimento de um trabalho de equipe permanente onde possa haver a construção colaborativa de conhecimento cientifico..
  4. O presente projeto é um desdobramento de um projeto maior: SCALA (Sistema de Comunicação Alternativa para Letramento de alunos com Transtornos globais do Desenvolvimento), O foco do SCALA foi desenvolver um Sistema de Comunicação Alternativa para utilização em salas de recursos multifuncionais com computadores desktop (PC). desdobramento de sub projeto – O SCALA II, por sua vez, direciona seu foco para o desenvolvimento de versões do sistema SCALA para dispositivos móveis (celular, PC tablet, entre outros) e analisar o uso do sistema por diferentes usuários a partir de critérios de usabilidade. O SCALA III, visa analisar o uso dos protótipos desenvolvidos nos projetos anteriores com sujeitos com autismo não oralizados e com sujeitos com deficiência motora grave não oralizados. A justificativa de uma proposta dessa natureza pode ser identificada na necessidade de análise e sistematização do uso de Tecnologias Assistivas no processo de desenvolvimento da oralidade com vistas na inclusão em escolas públicas, qualificando não só o conhecimento acerca dos sujeitos, mas também dos serviços e das práticas mediadas pelas Tecnologias Assistivas que poderão apoiar os processos de inclusão.
  5. A atual política pública do governo no que ser refere à inclusão de pessoas com deficiência no espaço escolar e no mercado de trabalho contempla, respectivamente, a distribuição de equipamentos e materiais didáticos orientados para a oferta do Atendimento Educacional Especializado em salas de recurso multifuncional, e cotas de emprego para trabalhadores deficientes. Apesar das ações governamentais focadas em tais políticas percebe-se ainda uma lacuna entre os investimentos e a capacitação/formação de recursos humanos seja no âmbito educacional ou empresarial. Além disso, a área da Tecnologia Assistiva(TA) tem se restringido a estudos de caráter clínico e terapêutico estando, portanto ausente das agendas do Ministério de Educação e do Trabalho. A TA deve ser abordada na sua complexidade como área interdisciplinar na qual não pode prevalecer unicamente questões de engenharia, desenvolvimento ou terapêuticas. A falta de conhecimento em TA é evidente em escolas e empresas, ao mesmo tempo que existem inúmeros casos de sucesso não registrados desenvolvido ao longo dos anos. A justificativa de uma proposta de construção de uma biblioteca virtual pode ser identificada na necessidade de análise e sistematização do uso de Tecnologias Assistivas acerca do atual momento de instituição de políticas de inclusão nos municípios brasileiros com a implantação de Salas de Recursos Multifuncionais nas escolas públicas qualificando não só o conhecimento acerca dos sujeitos, mas também dos serviços e das práticas mediadas pelas Tecnologias Assistivas.. A ideia de concentrar e divulgar o conhecimento numa biblioteca virtual não é nova, pois existem muitos portais nacionais e internacionais na área de TA. Porém, em sua grande maioria são catálogos uteis para o conhecimento de produtos que não exploram ou descrevem casos de sucesso. O conceito de Soluçao Assistiva proposto pela Association for the Advancement of Assistive Technology in Europe (AAATE) considera o conjunto de instrumentos (incluída a tecnologia de uso geral e até a tecnologia assistiva) com o objetivo de resolver um problema de uma determinada pessoa num determinado ambiente para uma atividade especifica. Neste sentido propomos um projeto cujo foco de investigação é: De que forma coletar, organizar e divulgar soluções assistivas já desenvolvidas para possibilitar processos de formação continuada de professores e outros profissionais? Mesmo sabendo-se que não é possível transpor uma solução de forma literal de um contexto para outro, entende-se que a solução assistiva, se apresentada corretamente, poderá oferecer mais elementos para avaliação, análise de necessidades e requisitos que orientem, não somente, o investimento público, mas também as ações dos participantes envolvidos Desta forma, propomos o desenvolvimento de uma Biblioteca Virtual de Soluçoes Assistivas que possibilite atender questões de formação continuada e servir de base para tomada de decisões por gestores e desenvolvedores de políticas públicas. Nossos objetivos são: a) Identificar Soluções Assistivas em diferentes setores (educacional e laboral) no Rio Grande do Sul; b) organizar, categorizar e analisar as Soluções Assistivas para a composição da Biblioteca Virtual; c) divulgar a Biblioteca Virtual em diferentes âmbitos e promover sua ampliação a outras regiões do Brasil; d) experimentar o uso Biblioteca Virtual num processo de formação de professores e gestores (formação piloto). Como Metas desta atividade: 1) pretende-se criar uma Biblioteca Virtual com soluções assistivas, com conteúdo sob licença Creative Commons, 2)propor formação de professores e gestores a partir do uso da Biblioteca Virtual visando à inclusão de pessoas com deficiência, 3) formar e aperfeiçoar docentes e gestores, bem como a formação e aperfeiçoamento em nível de pós-graduação de mestres e doutores no âmbito do projeto..
  6. O objetivo principal do nosso projeto será propor um sistema de comunicação alternativa que promova habilidades de comunicação em sujeitos autistas. Objetivos Específicos ?Validar CAA existentes com metodologias de ensino diversificadas visando o letramento; ?Observar o processo de comunicação face-a-face e mediada por computador entre sujeitos com autismos e outros participantes; ?Observar e analisar o uso de esquemas de comunicação alternativa na interação de sujeitos autistas; ?Analisar o uso de CAA para o processo de letramento da linguagem escrita em sujeitos com autismo; ?Identificar padrões e/ou categorias de comunicação e de letramento que permitam desenvolver soluções tecnológicas para déficits de comunicação envolvendo a proposta de novos sistemas de comunicação alternativa; ?Propor uma arquitetura de sistema de CAA que contemplem as categorias identificadas e os problemas de comunicação freqüentes; ?Desenvolver e validar protótipos de CAA a partir de módulos da arquitetura (desenvolvimento modular). Este é um projeto maior que envolve os sub projetos: SCALA II: Sistema de Comunicação Aumentativa e Alternativa ? Fase II: multiplataforma e usabilidade (com foco para o desenvolvimento de versões do sistema SCALA para dispositivos móveis (celular, PC tablet, entre outros) e analisar o uso do sistema por diferentes usuários a partir de critérios de usabilidade), Sistema de Comunicação Alternativa – Fase III: Produção de Narrativas Visuais na Educação Infantil e o Projeto de Pesquisa: Sistema de Comunicação Alternativa – Fase III: Produção de Narrativas Visuais na Educação Infantil ? caso b, (analisam o uso dos protótipos desenvolvidos nos projetos anteriores com sujeitos com autismo não oralizados e com sujeitos com deficiência motora grave não oralizados. A justificativa de uma proposta dessa natureza pode ser identificada na necessidade de análise e sistematização do uso de T.A. no processo de desenvolvimento da oralidade com vistas na inclusão..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

TEIAS – Tecnologia em Educação para Inclusão e Aprendizagem em Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8257157199180234

Lodenir Becker Karnopplodenir.karnopp@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/6776335394919903

Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Departamento de Estudos Especializados e no Programa de Pós-Graduação em Educação (Professor Associado, nível 01). Possui graduação em Letras, Mestrado e Doutorado em Linguística e Letras (PUCRS, 1999). Desenvolve pesquisas no campo dos Estudos Culturais em Educação, com ênfase em Línguas de Sinais e Educação de Surdos. É bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), na modalidade de Produtividade em Pesquisa 2. Durante agosto de 2011 a agosto de 2012 realizou pesquisas na Gallaudet University, em Washington, DC, Estados Unidos, na modalidade de Pós-Doutoramento no Exterior, com bolsa PDE-CNPq. É integrante e presidente da Comissão de Progressão Funcional do Departamento de Estudos Especializados (Portaria 01 de 26 de agosto de 2015, DEE/UFRGS). Desde julho de 2015 é líder do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES), do DGP/CNPq. Em 2016, recebeu o prêmio de excelência em Pesquisa na Gallaudet University “The Dr Rachel Hartig Award for Research Excellence” do Department of World Languages and Cultures.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Spread the Sign ? Brasil
  2. Produções Culturais Surdas no Contexto da Educação Bilíngue

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O Spread the Sign (Espalhando Sinais) é um dicionário internacional que torna acessíveis línguas de sinais de diversos países para investigação e consulta a uma grande quantidade de sinais. É uma ferramenta de uso livre e ilimitado, disponível online (www.spreadthesign.com) e em smartphones, sob o nome de Spread Signs. O Spread the Sign disponibiliza sinais das línguas de sinais alemã, americana, brasileira, espanhola, estoniana, finlandesa, francesa, inglesa, islandesa, japonesa, letã, lituana, polonesa, portuguesa, russa, sueca, tcheca, turca, entre outras, utilizadas nos respectivos países. O projeto é coordenado internacionalmente pelo European Sign Language Centre (Centro Europeu de Línguas de Sinais), por Thomas Lydell-Olsen (Suécia). Cada país colaborador tem uma equipe que se responsabiliza pelas informações sobre sua língua de sinais. No Brasil, desde 2016, o projeto Spread the Sign ? Brasil tem sido desenvolvido pelo Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES – DGP/CNPq), que conta com uma equipe de colaboradores e pesquisadores surdos e ouvintes bilíngues (Libras/Língua Portuguesa/Inglês). O objetivo geral do Spread the Sign ? Brasil é realizar o mapeamento e registro de sinais, inserindo a Libras no Spread the Sign (STS). Os objetivos específicos são: (a) promover investigações no âmbito da educação e da linguística sobre as contribuições e os desafios do projeto Spread the Sign no Brasil; (b) investigar os sinais dicionarizados no Brasil, de modo online ou impresso; (c) estabelecer uma rede de colaboradores, usuários da Libras, com representantes regionais e (d) registrar as potencialidades e desafios do STS no Brasil. A equipe brasileira (UFRGS, UFPel, UFSM, UNISINOS e UFF) segue as orientações metodológicas do protocolo internacional, a partir de procedimentos gerais que são construídos e definidos por todas as equipes participantes, viabilizando o fomento e construção do dicionário na Língua Brasileira de Sinais online, no ambiente virtual do Spread the Sign..
  2. Projeto interinstitucional coordenado por pesquisadoras de três universidades federais do Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de Pelotas e Universidade Federal de Santa Maria, com o objetivo de analisar a circulação e o consumo de artefatos culturais em contextos da educação bilíngue para surdos, nos espaços da educação básica..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7026622368618023

Luciana Gruppelli Loponteluciana.loponte@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/8279463652781521

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística Hab. em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pelotas – UFPEL (1990), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (1998) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2005). Atualmente é pesquisadora e professora associada do Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de pesquisa Arte, linguagem e currículo. Foi vice-presidente da FAEB (Federação de Arte-Educadores do Brasil) de 2006 a 2008 e coordenadora do Grupo de Trabalho (GT) 24 – Educação e Arte da ANPEd (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação) de 2008 a 2010, e membro do Comitê Cientifico da entidade de 2010 a 2015. Nos últimos anos, tem obtido financiamento do CNPq para suas pesquisas (Edital Universal 2007, 2010 e 2013). É líder do ARTEVERSA – Grupo de estudo e pesquisa em arte e docência (UFRGS/CNPq). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de arte, formação de professores, formação estética docente, arte e educação, gênero e artes visuais. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

O campo expandido da arte e da docência: aproximações, tensões, processos e práticas artísticas contemporâneas

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2016 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Esta pesquisa pretende investigar as aproximações possíveis entre processos e práticas artísticas contemporâneas e o campo da educação e formação docente, expandindo as noções tanto de arte como de docência. Na perspectiva de problematizar essas aproximações, pretende-se tomar determinadas práticas artísticas contemporâneas como ?plataforma de pensamento? para o campo da docência e sua formação, ao mesmo tempo que extrair do próprio campo educacional e de suas problemáticas que envolvem especialmente a educação, a escola básica e a docência a elas associados, perspectivas que contaminem o modo com o qual a arte e seus processos são pensados. Na esteira dessas questões, a pretensão é analisar criticamente os desdobramentos do que se tem chamado de ?virada educacional? (educational turn) no campo das artes visuais, interrogando de que modo este processo pode, de alguma forma, ter efeito sobre uma possível ?virada artística? nos processos de formação docente ou, por outro lado, uma contaminação mútua entre práticas e processos artísticos e educação, em especial, a realizada em espaços escolares formais. O projeto prevê várias ações envolvendo o grupo de pesquisa Arteversa ? Grupo de estudo e pesquisa em arte e docência (CNPq) tais como: fomento a produção de narrativas escritas e visuais, oriundas da análise das aproximações entre processos e práticas artísticas contemporâneas e formação docente a partir dos diferentes contextos territoriais de atuação dos participantes da pesquisa; promoção de encontros e intercâmbios entre os participantes da pesquisa através de conversas de campo, residências artísticas e educacionais e intercâmbios diversos, realizados presencialmente e a distância; subsídio a ações de formação docente inicial e continuada que contemplem a dimensão estética dessa formação, em especial, envolvendo processos e práticas artísticas contemporâneas, no âmbito da Faculdade de Educação da UFRGS e de instituições parceiras, tais como UFSM, UFC, UNIVASF, Colégio de Aplicação João XXIII- UFJF, UERGS, IFSul ? Campus Pelotas e Sapucaia, UNESPAR e Universidad de Antioquia, articuladas ou não com projetos já desenvolvidos em escolas públicas..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

ARTEVERSA – Grupo de estudo e pesquisa em arte e docência

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0454457670090591

Grupo de Estudos e Pesquisas em Arte, Educação e Cultura

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3458093319997219

Laboratório de Arte e Subjetividades (LASUB)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1554520480075532

Luciana Vellinho Corsol.corso@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/3137514240824387

Professora Associada do Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Programa de Pós Graduação em Educação da FACED/UFRGS. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987), ênfase em Matérias Pedagógicas do 2 Grau pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989), Mestrado em Educação – Flinders University of South Australia (1993), Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Psicopedagogia, atuando principalmente nos seguintes temas: processos cognitivos subjacentes à aprendizagem da leitura, escrita e matemática inicial; obstáculos à aprendizagem de tais sistemas simbólicos; diversidade na aprendizagem; dificuldades de aprendizagem; avaliação e intervenção psicopedagógica, alfabetização, educação infantil.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMATICA E NA LEITURA: ATRASO NO DESENVOLVIMENTO OU DEFICIT COGNITIVO?
  2. ESTRATÉGIAS DE ENSINO PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO DE

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2008 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A pesquisa busca maior detalhamento na caracterização dos processos cognitivos de alunos que apresentam baixo desempenho na leitura e na matemática. Caracteriza-se por uma pesquisa de intervenção, com o objetivo de auxiliar tais alunos no desenvolvimento das habilidades necessárias para que avancem no seu processo de aprendizagem. A pesquisa tem como objetivo verificar os efeitos de um programa de intervenção em senso numérico e em consciência fonológica em alunos que apresentam baixo desempenho em aritmética e em leitura respectivamente. O estudo objetiva também identificar os processos cognitivos deficitários que estão subjacentes ao baixo desempenho em aritmética e leitura trazendo, consequentemente, avanços para a prática educacional e psicopedagógica nestas áreas..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Estudos e Pesquisas em Linguagem e Alfabetização (GEALFA)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4426271734651833

Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0978869099358308

Lucila Maria Costi Santarosalucila.santarosa@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/0796125660056539

Bolsa-Produtividade em Pesquisa – CNPq – SENIOR Nível 1A Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1981). Professora / orientadora / pesquisadora da UFRGS, nos cursos de Pós Graduação em Educação – PPGEDU- e no Pós Graduação em Informática na Educação- PGIE- . Coordenadora e criadora do Nucleo de Pesquisa em Informática na Educação Especial – NIEE da UFRGS. Pesquisadora Senior do CNPq-MCT . Vice-presidente da Redespecial Internacional . Presidente de Honra e Fundadora da ONG Redespecial Brasil. Representante do Brasil na Red Iberoamericana de Infomártica Educativa. Tem experiência na área de Informática na Educação , atuando principalmente nos seguintes temas: Informática na Educação Especial, Inclusão Digital, Acessibilidade, Desenvolvimento de Ambientes Digitais/Virtuais de aprendizagem Acessiveis, Plataformas Acessiveis , Formação de Professores em EAD. Coordena projetos de pesquisa e desenvolvimento com apoio do CNPq; Coordena formação de professores em EAD com apoio do MEC/FNDE/UAB emTecnologias Digitais Acessiveis.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Núcleos de Pesquisa em Tecnologia Assistiva da UFRGS
  2. Estudo sobre o processo de MEDIAÇAO entre PNEs- em Comunidades de Inclusão Digital. Etapa II

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2013 – Atual
  2. 2012 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Grupo Niee/ufrgs: PLATAFORMA EAD ACESSÍVEL- PLACE para cursos a distância ou semi-presenciais, direcionada a pessoas com deficiência, compatível dispositivos móveis para potencializar o acesso ao ambiente WEB. Pela inexistência de Plataformas que atendam as especificidades de pessoas com deficiência A PLACE contempla TODOS visando construir possibilidades de formação e auto formação a distancia de pessoas com diferenciadas deficiências, para o processo de inclusão sociodigital e educacional. Este projeto busca alicerces nas recomendações de acessibilidade, usabilidade e princípios, postulados por grupos internacionais da W3C, WCAG 2.0 e ARIA..
  2. RESUMO O reconhecimento da diversidade humana impulsionou a reivindicação das pessoas com necessidades especiais- PNEs ? no seu legítimo direito de ter acesso à informação, à formação e, principalmente, demandando acessibilidade a espaços digitais, adaptados as suas especificidades. Investigações de pesquisadores (internacionais e nacionais) e documentos oficiais (nacionais e da União Européia) já revelam a urgência de programar ações para enfrentar os desafios da info-exclusão. Com o presente estudo, buscamos investigar, no contexto de ambientes digitais/virtuais de aprendizagem ?ADA/AVA, de convivência e inclusão, processos de mediação de PNEs entre si e com os demais,selecionando sujeitos com deficiência visual-cegos e baixa visão; com transtornos globais de comportamento; com exclusao temporaria, em situação de isolamento hospitalar e tendo como os objetivos: (1) estudar o processo de mediação entre PNEs em Ambientes virtuais de aprendizagem / convivência / inclusão; (2) acompanhar e observar o processo de mediação de PNEs dentro da mesma deficiência, entre diferenciadas deficiências e com os demais, no contexto dos ADA/AVA; (3) utilizar o AVA inclusivo- Eduquito como espaço para Comunidades e Virtuais e redes sociais de PNEs e demais participantes; (3) mapear os processos de mediação para a teorização que oriente e amplie praticas e metodologias alternativas para a inclusão digital, social e escolar de PNEs; (5) construir conhecimento sobre os processos de mediação, que possibilitem a configuração de ambientes digitais direcionados a autonomia e inclusão social de PNEs, bem como para a construcao de ferramentas e recursos de tecnologia assistiva – TA. A investigação envolverá como metodologia estudos de casos (multicasos), individuais e grupos de PNEs com diferenciadas síndromes/deficiências, de ambos os sexos, de idades diferenciadas, alfabetizados ou em processo de alfabetização, prevendo-se observações dos mesmos, organizados em grupos.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1481954409933064

Luís Armando Gandinluis.gandin@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/8878872105271901

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado (Ph.D.) em Curriculum and Instruction pela University of Wisconsin – Madison (2002). É Professor Associado IV da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Membro da Comissão Coordenadora (ComPós) do Programa de Pós Graduação em Educação da UFRGS (desde 2013), Editor-Chefe da Revista Educação & Realidade e Editor da Revista Currículo sem Fronteiras. Foi Editor para Língua Portuguesa da revista Educational Policy Analysis Archives até 2015. Entre agosto de 2006 e agosto de 2007 serviu como Professor e Pesquisador Visitante Convidado na Oakland University, Estados Unidos. Foi coordenador eleito do Curso de Pedagogia da UFRGS por três mandatos. É autor de vários capítulos, artigos acadêmicos e livros como Educação Libertadora: Avanços, Limites e Contradições, Educação em Tempos de Incertezas (organizado com Álvaro Hypolito – com edições no Brasil e em Portugal), The Routledge International Handbook of Critical Education (organizado com Michael Apple e Wayne Au), The Routledge International Handbook of the Sociology of Education (organizado com Stephen Ball e Michael Apple), Educação Crítica: análise internacional (organizado com Michael Apple e Wayne Au) e Sociologia da Educação: análise Internacional (organizado com Michael Apple e Stephen Ball). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Sociologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia da educação, políticas educacionais, reformas educacionais, Escola Cidadã e currículo. 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. ANALISE E AVALIACAO EXTERNA DE PROCESSOS E DE RESULTADOS ATINENTES A AVALIACAO INSTITUCIONAL PARTICIPATIVA DO SISTEMA ESTADUAL DE AVALIACAO PARTICIPATIVA ?

SEAP/RS

  1. Reformas educacionais progressistas: política educacional, discurso e consolidação de um novo senso comum

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2011 – Atual
  2. 2009 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. ANALISE E AVALIACAO EXTERNA DE PROCESSOS E DE RESULTADOS ATINENTES A AVALIACAO INSTITUCIONAL PARTICIPATIVA DO SISTEMA ESTADUAL DE AVALIACAO PARTICIPATIVA ? SEAP/RS.
  2. A partir da investigação do caso de Porto Alegre, busco examinar possíveis efeitos duradouros e/ou residuais de reformas educacionais progressistas após a mudança de condução política. Em particular, busco analisar em que medida um novo senso comum que espera uma relação mais democrática e participativa na relação escola e Estado, consolidado durante a experiência da Escola Cidadã, se mantém nas comunidades e nas escolas que vivenciaram aquela experiência..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Luis Henrique Sacchi dos Santosluishss2009@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/4857432570166806

Professor Associado no Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atua na graduação (na área de Educação e Saúde) dos cursos de Pedagogia, Fisioterapia e Nutrição, bem como no Pós-Graduação em Educação (PPGEDU/UFRGS), na linha de pesquisa “Estudos Culturais em Educação”, no eixo “Políticas de Corpo e de Saúde”. Possui graduação em Ciências Biológicas, Mestrado e Doutorado em Educação (PPGEDU/UFRGS). Realizou estágio pós-doutoral sênior (CAPES) junto ao Departamento de Ciências Sociais, Saúde e Medicina, do King’s College – University of London, sob supervisão do Dr. Nikolas Rose. Desenvolve o projeto EDUCAÇÃO, SAÚDE & CIÊNCIAS: dispositivo de medicalização e produção contemporânea dos corpos (2012-2017/1). Foi membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UFRGS (Sistema CEP/CONEP) entre maio de 2014 e abril de 2017. Atualmente é Coordenador do PPGEDU/UFRGS (01/06/2017 – 24/01/2019). É pesquisador do NECCSO (http://www.ufrgs.br/neccso/integrantes_luishenrique.htm) e faz parte do Observatório – Interferências na Medicalização (http://www.observamedicalizacao.com.br/). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos culturais em educação; estudos de corpo; corpo e saúde; cultura somática; educação em saúde (promoção da saúde); ética em pesquisa; medicalização; biossociabilidade; biologia cidadã e biopedagogias.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

EDUCAÇÃO, SAÚDE & CIÊNCIAS: dispositivo de medicalização e produção contemporânea dos corpos

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2012 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Nos últimos anos temos assistido a um enorme aumento de problemas da vida (tristeza, cansaço, agitação, etc.) sendo definidos como problemas médicos (depressão, fadiga crônica, transtornos de déficit de atenção e hiperatividade ? TDAH, entre outros). Como sugere Peter Conrad (2007), em seu livro The medicalization of society, devemos nos perguntar se isto significa que há uma nova epidemia de problemas médicos ou se a medicina está mais bem habilitada para identificar e tratar problemas existentes? Ou, ainda, se isso significa que um grande conjunto de problemas da vida têm recebido, agora, diagnósticos médicos e está sujeito aos tratamentos médicos, a despeito das dúbias evidências de suas naturezas médicas? A partir da análise de diferentes artefatos culturais da mídia impressa (Revistas Veja e Época; Jornal Folha de São Paulo; e de revistas de divulgação científica: Ciência Hoje, Pesquisa FAPESP e Mente&Cérebro), por um período igual ou maior do que dez anos, bem como a partir de um questionário (em forma de survey) nas escolas da rede básica de ensino em Porto Alegre/RS, de entrevistas semiestruturadas (com discentes, docentes, pais e gestores) e de grupos focais de intervenção com professores/as dessa rede, pretendemos mapear e analisar as estratégias de medicalização da sociedade e da escola na direção de problematizar como nos tornamos sujeitos medicalizados. Mais especificamente, pretendemos analisar através de que práticas aprendemos a ser sujeitos desse tipo como parte de um amplo projeto educativo levado a cabo em múltiplas instâncias e práticas culturais, pensadas como estratégias que constituem sujeitos de determinados tipos. Entendemos medicalização, aqui, como aqueles processos em que problemas não-médicos são definidos e tratados como problemas médicos, usualmente como doenças e distúrbios. Embora muitos dos problemas hoje frequentemente descritos no âmbito da sociedade e da escola sejam definidos, (continua, abaixo, em ‘description’).

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5639919727701293

Formação, ética e pesquisa em Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1823967564847925

Magali Mendes de Menezesmagaliufrgs@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9491379022053570

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição (1988), mestrado em Filosofia pela Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994), doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005) e doutorado em Filosofia pela Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professora adjunto III da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professora/pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS. É presidenta da ASAFTI (Associação Sul Americana de Filosofia e teologia interculturais). É socia-fundadora do CEBEL (Centro de Estudos brasileiros sobre Emmanuel Lévinas). Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Ética, atuando principalmente nos seguintes temas: etica, filosofia, alteridade, gênero e filosofia intercultural.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

A filosofia latino-americana e intercultural de Rodolfo Kusch no diálogo com uma proposta educacional construída desde os saberes indígenas

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Descrição: O presente projeto de pesquisa busca refletir a Filosofia Latino-americana e intercultural a partir, fundamentalmente, do pensamento do filósofo Rodolfo Kusch e sua possível interface com os saberes indígenas. Para tanto, a pesquisa terá como campo empírico de análise o acompanhamento e reflexão sobre a Ação de Extensão da UFRGS, intitulada ?Saberes Indígenas na escola? e seu desdobramento na proposta de uma Licenciatura Intercultural Indígena. Possui apoio do MCTI/CNPQ/MEC/CAPES Nº 22/2014.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Cultura, Subjetividade e Políticas de Formação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4729178747316169

Grupo de Estudos Inovação e Avaliação na Universidade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8632044554453935

PEABIRU: EDUCAÇÃO AMERÍNDIA E INTERCULTURALIDADE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4335729712724714

Marcelo Leandro Eichlerexlerbr@yahoo.com.br

http://lattes.cnpq.br/2483458145895884

Possui Licenciatura em Química (1997), mestrado em Psicologia (2000) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento (2004), obtendo todos os títulos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (UFRGS), docente colaborador do Programa de Pós-graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (UFRGS/UFSM/FURG) e pesquisador da Área de Educação Química. As suas atividades de pesquisa e de inovação estão relacionadas com a disseminação das tecnologias de informação e comunicação na educação científica e tecnológica. Também tem interesse pela tematização e atualização do projeto de pesquisa de Jean Piaget. Possui experiência nas áreas de psicologia da educação e de ensino de química, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia genética, psicologia ambiental, didática das ciências, informática educativa e formação de professores.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Estudos sobre a difusão da obra de Jean Piaget nas áreas da Didática das Ciências, das Neurociências e da Epistemologia da Biologia

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2015 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Um pesquisador que estuda Jean Piaget, para dizer o mínimo, depara-se com a amplitude, a vastidão e a profundidade de sua obra. Ela é ampla pela diversidade de domínios do conhecimento em que ele escreveu. É vasta pela quantidade de livros e artigos que produziu em mais de sessenta anos de atividade intelectual. É profunda pela análise e pela síntese de conhecimentos científicos e filosóficos que empreendeu. Recentemente, através de um projeto aprovado pelo CNPq, iniciei uma série de estudos onde busco conciliar minha formação inicial, em educação em ciências, como minha formação em pós-graduação, em psicologia do desenvolvimento, onde procurei focar minha investigação em relação à tematização e atualização da obra de Jean Piaget. Assim, tenho empreendido estudos que tratam da recepção diacrônica, ou da difusão, de uma expressiva obra psicológica e de sua recepção no domínio específico da didática das ciências. Nesse particular, pode-se dizer que os estudos sobre a recepção de obras acadêmicas permitem, entre outros: i) compreender melhor as idéias de um autor e ii) saber-se porque são aceitas ou rejeitadas suas idéias por seus pares ou por seus leitores. Dessa forma, esse tipo de estudo permite inferir, ou evidenciar, o que falta ao conjunto ou a uma parte da obra acadêmica em estudo. Portanto, a partir deste projeto pretendo ampliar as áreas temáticas dos estudos de recepção da obra de Jean Piaget, incluindo também as áreas de neurociências e de epistemologia da biologia. Entre os objetivos específicos desse projeto, pode-se citar: 1) Concluir a o estudo quantitativo sobre as citações a Jean Piaget (incluindo as publicações com seus diversos colaboradores) encontradas em artigos da área da didática das ciências indexados no ISI Web of Science; 2) Realizar uma análise qualitativa das citações a obra de Piaget entre educadores em ciências que publicam em língua inglesa, conforme item anterior; 3) Realizar um estudo comparativo entre os educadores em ciências francófonos e anglófonos sobre as citações à obra Piaget; 4) Elaboração de projeto de pesquisa visando ao estudo da recepção diacrônica da obra de Piaget entre os educadores em ciências hispânicos e lusófonos, objetivando posterior submissão às agências de fomento; 5) Realizar estudo quantitativo sobre as citações a Jean Piaget encontradas em artigos da área das neurociências indexados no ISI Web of Science; 6) Realizar uma análise qualitativa das citações a obra de Piaget entre neurocientistas que publicam em língua inglesa, conforme item anterior; 7) Elaboração de projeto de pesquisa visando ao estudo da área de interface entre as neurociências e a educação, objetivando posterior submissão às agências de fomento; 8) Realizar estudos quantitativos e qualitativos sobre as citações a Jean Piaget encontradas em artigos sobre epistemologia ou filosofia da biologia indexados no ISI Web of Science/; e 9) Elaboração de projeto de pesquisa visando ao estudo da área de interface entre a epistemologia da biologia e diversos campos das ciências humanas, tais como antropologia, educação ou psicologia, objetivando posterior submissão às agências de fomento..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Área de Educação Química

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4802057557118113

Filosofia da Química

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9264584797621444

Margarete Axtmaaxt@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/1717761715252343

Possui Graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1969), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982) e Doutorado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994). É Professora Titular (ago/1995) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, aposentada (set/2015), com atuação, como colaboradora convidada, nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) e em Informática na Educação (PPGIE). Coordenou o PPGEdu/UFRGS no triênio 1998-2000 (em 2000, o programa organizou e sediou a III Anped Sul) e o PPGIE/UFRGS, no quadriênio 2003-2006. Coordenou o Laboratório de Estudos em Linguagem, Interação e Cognição/Criação (LELIC), de 1999 quando foi criado até final de 2015 quando se aposentou. O LELIC está registrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPq, com três linhas de pesquisa (PROVIA, CIVITAS e CIVITAS/CITTÀ), e tem como objetivo buscar possibilidades de interlocução da educação com os estudos em filosofia da linguagem e filosofia da diferença, nas interfaces com a psicologia (social e cognitiva). Orienta mestrado e doutorado no âmbito de dois projetos em andamento (CIVITAS e PROVIA), na interface pesquisa-extensão, com as temáticas: formação docente continuada em serviço (em especial educação infantil e ensino fundamental/anos iniciais); processos de subjetivação na perspectiva da invenção e criação, produção de sentido e autoria; tecnologias na educação, incluindo EAD. A partir do projeto de pesquisa em cooperação internacional Brasil-Moçambique, no âmbito do edital Pró-África/CNPq (2009-2012), mantém parceria em pesquisa e cooperação acadêmicas com a pós-graduação da Universidade Pedagógica de Maputo. Também mantém convênios com a SMED de municípios, e/ou cooperação com escolas, no interior do estado do RS, tendo em vista a formação continuada em serviço de professores da rede pública. Sempre recebeu apoio à pesquisa e à extensão do CNPq, FINEP, MEC, FAPERGS, UFRGS e foi consultora ad hoc do CNPq e da CAPES, desde 1999. Em fev/2016, entregou a bolsa de pesquisa 1D do CNPq (por conta da aposentadoria). Integrou a Comissão de Avaliação da Câmara de Ciências e Humanidades da Área Interdisciplinar da CAPES – CAINTER, no período 2003-2011, tendo exercido a função de presidente dessa mesma câmara no período de 2007-2011.Foi uma das editoras da Revista Informática na Educação: teoria&prática, de 2003 a jul/2016, mas participa, ainda, da Comissão Cientifica de publicações acadêmicas.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Civitas/Città – PROVIA
  2. PROVIA III:Comunidades de Aprendizagem, Estética do Virtual e Autoria Coletiva (grupo de pesquisa ativo no CNPq)

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2015 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. É um projeto institucional do Lelic, na modalidade guarda-chuva, que se desenvolve a partir de três eixos: i) formação continuada de professores em serviço (Civitas/Formação),cujo objetivo é investir numa opção formativa teórico metodológica de natureza ético-estética, que procura pensar a formação vinculada diretamente às práticas de sala de aula, pressupondo a coexistência de tecnologias, metodologias e concepções/pressupostos do ensinar-aprender; ii) Civitas-Città (ponto de encontro com o editor de cidades virtuais Città Cosmopolitta, cujo objetivo é a pesquisa e desenvolvimento de um editor online e multiusuários de cidades virtuais, no âmbito de uma proposta ético-político-pedagógica; iii) ambientes virtuais de aprendizagem (ponto de encontro entre Civitas e Provia), cujo foco é a pesquisa-desenvolvimento,na perspectiva ético-estética, de metodologias interacionais em ambientes virtuais destinados a diferentes grupos de participantes..
  2. Constam como subprojetos do PROVIA: 1) “Forchat e Diário Virtual: autorias mestiças” (apoio do edital 12/2010 – SEAD/UFRGS); 2) “Mapeamentos cartográficos dos planos de produção analítica em pesquisa: articulações entre o comum e o diverso” (apoio do edital AT-CNPq 2010); 3) ” Deslizamentos de Sentido, Posições Efêmeras de Autoria: o lugar da multiplicidade da formação (docente) em rede” (Bolsa PQ/CNPq); 4) Ao PROVIA também está vinculada uma bolsa de iniciação científica PIBIC/UFRGS, no período 2010-2011..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

LELIC – Laboratório de Estudos em Linguagem Interação Cognição/Criação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5942418365362121

Escrita na tela

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1797290833862173

Maria Aparecida Bergamaschicida.bergamaschi@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/6634410343670618

Doutora em Educação e graduada em História. Realizou Pós-Doutorado na Universidade Estadual de Campinas, SP (UNICAMP). É Professora na Faculdade de Educação da UFRGS, onde atua como professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Educação, orientando Mestrado e Doutorado na área de Educação Indígena e Ensino de História. É líder do grupo de pesquisa (CNPq) Peabiru: Educação ameríndia e interculturalidade. Integra o Conselho Editorial da Revista Espaço Ameríndio, participa da coordenação da Rede Saberes Indígenas na Escola – Núcleo UFRGS. Organizou e publicou artigos e livros sobre Educação Indígena e Ensino de História, tendo experiência nestas áreas, com pesquisas sobre educação guarani, educação escolar indígena e a temática indígena na escola.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Formação de Intelectuais Indígenas, Educação e Interculturalidade
  2. Educação Ameríndia, Interculturalidade e Interaprendizagens
  3. Abya Yala: Epistemologias Ameríndias em Rede

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2014 – Atual
  3. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O projeto Formação de Intelectuais Indígenas, Educação e Interculturalidade tem como objetivo principal cartografar a produção científica de estudantes indígenas (Teses, Dissertações, Monografias e TCCs) produzidas na área da Educação em Instituições de Ensino Superior da Região Sul do Brasil no século XXI, buscando compreender se/como revelam a interface tradição-academia em suas produções. Justifica-se a proposição da pesquisa pelo número crescente de estudantes nos cursos de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu nas universidades brasileiras em geral e, em especial, na região sul, onde focalizaremos o olhar nesse primeiro momento da investigação. Intuímos que essa presença, além de representar um movimento de afirmação e valorização étnica para os povos envolvidos, repercute na academia, gerando processos de interculturalidade. O estudo que aqui propomos se deterá na localização e análises dessas produções acadêmicas..
  2.  O projeto Educação Ameríndia, Interculturalidade e Interaprendizagens dá continuidade às pesquisas que envolvem educação indígena e processos de escolarização dos povos kaingang e Guarani. Em especial, se dispõe estudar a formação de professores e de intelectuais indígenas, a presença de estudantes indígenas na universidade, os processos próprios de aprendizagem relacionados à escola em territórios indígenas. Numa perspectiva metodológica qualitativa, a investigação prioriza etnografias, estudo de documentos, entrevistas e registro de depoimentos, tendo como palco as práticas de escolarização nas terras indígenas e na universidade – a política de acesso e permanência de estudantes indígenas -, bem como o programa de formação de professores ?Saberes Indígenas na Escola?..
  3. Projeto de pesquisa aprovado no Edital nº 001/2013, Criação das Redes Interdisciplinares e Multidisciplinares de Pesquisas (RIMPs), do Latino-Americano de Estudos Avançados/ PROPESQ ? UFRGS. Constitui o eixo principal do projeto as relações entre modos de aprendizagem e processos educativos ameríndios e suas correspondentes sócio-mito-cosmo-ontologias, desdobrado em: formação e aprendizagem, escola indígena, universidade; cosmo-ontologias, mitologias, territorialidades; Interciência e interculturalidade; políticas públicas e protagonismo indígena; cosmo-sônica e Antropologia da arte e da imagem. O desenvolvimento do projeto envolve ações de cooperação e intercâmbio entre instituições de ensino superior dos países que compõem a rede: Brasil, Uruguai, Colômbia, Peru, México e Canadá..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

PEABIRU: EDUCAÇÃO AMERÍNDIA E INTERCULTURALIDADE

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4335729712724714

Núcleo de Estudos Educação e Gestão do Cuidado

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5678707940458358

Estudos afro-brasileiros, indígenas e africanos da UFRGS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5328020963036692

Maria Beatriz Moreira Lucelucemb@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/0353790993809337

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1971); Mestre em Educação (M.A.), em 1974, e Doutora em Educação (PhD), em 1979, pela Michigan State University. É Professora Titular de Política e Administração da Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com diversas experiências de administração acadêmica. Foi a Reitora protempore para a implantação da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), de 2008 a 2011; e Secretária de Educação Básica no Ministério da Educação, em 2014. No Conselho Nacional de Educação, integrou a Câmara de Educação Superior de 2008 a 2012 e a Câmara de Educação Básica de 2004 a 2008 e em 2014. Participa ativamente de diversas entidades acadêmico-científicas, como ANPEd, ABAVE, SBPC e ANPAE, tendo sido desta Presidente e Diretora de Pesquisa e Publicações. Foi editora da Revista Brasileira de Política e Administração da Educação durante vários períodos e é membro de seu conselho editorial como de outros periódicos nacionais e estrangeiros. Participou da comissão especial que propôs o SINAES e de muitos outros trabalhos na área de Educação, com ênfase em Política, Planejamento e Legislação Educacional, Gestão Universitária e Educação Comparada.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Análise e avaliação externa de processos e de resultados atinentes à avaliação institucional participativa do Sistema Estadual de Avaliação Participativa – SEAP/RS.
  2. Estudo comparado de políticas públicas educacionais nacionais de Argentina, Brasil e Uruguai (2001-2010
  3. Reconfigurações na educação: movimentos nas políticas governamentais e nas instituições brasileiras

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2013 – Atual
  2. 2013 – Atual
  3. 2012 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Pesquisa compreendendo análise e avaliação de processos e de resultados atinentes à avaliação institucional participativa prevista no Sistema Estadual de Avaliação Participativa, abrangendo os documentos de orientação, os processos de formulação, os procedimentos de implementação e os resultados das avaliações institucionais produzidas nas escolas estaduais, nas coordenadorias regionais de educação e na sede da Secretaria Estadual de Educação, de 2012 a 2016..
  2. Projeto de pesquisa interinstitucional, envolvendo pesquisadores da UFRGS, Universidad de la República del Uruguay e da Universidad Nacional de Cordoba (Argentina), que tem como foco a análise de políticas públicas educacionais de âmbito nacional de Argentina, Brasil e Uruguai, dos anos 2000, as quais serão estudadas numa perspectiva comparada, levando em conta três eixos: legislação, governo e coordenação dos sistemas educacionais; políticas inclusivas; financiamento público da educação..
  3. Estudos sobre a dinâmica das políticas públicas de educação básica e superior, com ênfase na democratização da gestão, na expansão do acesso, na valorização e formação dos profissionais, na avaliação e na regulação institucional..

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2013 – Atual
  2. 2013 – Atual
  3. 2012 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Pesquisa compreendendo análise e avaliação de processos e de resultados atinentes à avaliação institucional participativa prevista no Sistema Estadual de Avaliação Participativa, abrangendo os documentos de orientação, os processos de formulação, os procedimentos de implementação e os resultados das avaliações institucionais produzidas nas escolas estaduais, nas coordenadorias regionais de educação e na sede da Secretaria Estadual de Educação, de 2012 a 2016..
  2. Projeto de pesquisa interinstitucional, envolvendo pesquisadores da UFRGS, Universidad de la República del Uruguay e da Universidad Nacional de Cordoba (Argentina), que tem como foco a análise de políticas públicas educacionais de âmbito nacional de Argentina, Brasil e Uruguai, dos anos 2000, as quais serão estudadas numa perspectiva comparada, levando em conta três eixos: legislação, governo e coordenação dos sistemas educacionais; políticas inclusivas; financiamento público da educação..
  3. Estudos sobre a dinâmica das políticas públicas de educação básica e superior, com ênfase na democratização da gestão, na expansão do acesso, na valorização e formação dos profissionais, na avaliação e na regulação institucional..

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0412712476729187

Grupo de Pesquisa em Inovação Pedagógica na Formação Acadêmico-Profissional de Profissionais da Educação – GRUPI

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5930141100172062

CENTRO DE ESTUDOS INTERNACIONAIS SOBRE GOVERNO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2688922645786353

APASTO – Produção Animal em Pastagens – RS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9178770631980073

Maria Carmen Silveira Barbosalicabarbosa@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/5017016632945997

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1983), especialista em Alfabetização em Classes Populares pelo GEEMPA (1984) e em Problemas no Desenvolvimento Infantil pelo Centro Lidia Coriat (1995), mestre em Planejamento em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987), Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2000) e Pós-doutora pela Universitat de Vic, Catalunya, Espanha (2013). Atualmente é Professora Titular na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atua como Professora Permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação, na Linha de Pesquisa: Estudos sobre as Infâncias e como Professora Colaboradora no Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul na Linha de Pesquisa Aprendizagem, Tecnologias e Linguagens na Educação. Foi coordenadora do GT 07 – Educação de crianças de 0 a 6 anos, da Anped e participou do Comitê Científico da mesma entidade. É editora da Revista Pátio – Educação infantil e da Revista Infancialatinoamericana em colaboração com oito países. Participa como Comitê Editorial e avaliadora ad-hoc em outras revistas científicas. Atua no Grupo de Estudos em Educação Infantil e Infância – GEIN e como Líder de Pesquisa no CLIQUE – Grupo de pesquisa em linguagens, Currículo e Cotidiano de bebês e crianças pequenas. Orienta teses e dissertações nos seguintes temas: educação básica, educação infantil, infância, formação de professores, creche, pré-escola e alfabetização. Participa do Movimento Interfóruns de Educação Infantil – MIEIB e participou como consultora de Currículo da COEDI/SEB/MEC entre 2008-2016.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

AVALIACAO DA EXPERIENCIA BRASILEIRA DE FORMACAO DE PROFESSORES DE EDUCACAO INFANTIL NOS CURSOS DE GRADUACAO EM PEDAGOGIA: PERSPECTIVAS PARA A DOCENCIA NA CRECHE E NA PRE-ESCOLA

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Em 2006, o Conselho Nacional de Educação, através de sua Câmara de Ensino Superior, definiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Pedagogia – Licenciatura (Resolução CNE/CP n.1/2006). Deste modo, foram reestruturadas as bases curriculares dos mesmos incluindo, especialmente, a formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. A pesquisa propõe avaliar a experiência brasileira de formação de professores de educação infantil nos cursos de graduação em pedagogia a partir de dois enfoques, a definição da especificidade da ação pedagógica na educação infantil e a concepção de docência na educação infantil nos cursos de Pedagogia. A investigação acontecerá em três momentos: (1) análise dos documentos oficiais e legais balizadores da formação docente da educação infantil (DCNCPed,2006, DCNEI,2009, ENAD e Exame Nacional da Carreira Docente) procurando verificar possíveis congruências e incongruência dos atributos que definem a especificidade da ação pedagógica na educação infantil e a concepção de docência na educação infantil; (2) a avaliação de 10 cursos de pedagogia (âmbito nacional) procurando obter, a partir de documentos e das vozes de docentes universitários, acadêmicos e gestores das cidades onde se localizam as universidades, como foi a transição curricular no que se refere a especificidade da educação infantil e em que medida a formação inicial universitária vem dando suporte a realização da docência na educação infantil, e (3) o confronto entre os dados produzidos na pesquisa documental e na pesquisa empírica no sentido de estabelecer perspectivas para a formação inicial, no curso de pedagogia, dos docentes de creche e pré-escola..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

LinCE – Linguagem, cultura e educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3430932251848224

GEIN – Grupo de Estudos de Educação Infantil e Infâncias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4964865837366739

CLIQUE – Grupo de Pesquisa em Linguagens, Currículo e Cotidiano de bebês e crianças pequenas

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7465914653099057

CIC – CRIANÇAS, INFÂNCIAS, CULTURAS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4648008589445801

Maria Clara Bueno Fischerclara.fischer@ufrgs.br

hhttp://lattes.cnpq.br/3835786000876089

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1982), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987), doutorado em Educação – University of Nottingham (1997) e pós-doutorado em educação realizado na Universidade de Lisboa em 2009. É professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atuando no Departamento de Estudos Especializados e no Programa de Pós Graduação em Educação da Faculdade de Educação . Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Tópicos Específicos de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho-educação, saberes e trabalho, educação do trabalhador, educação de jovens e adultos; educação profissional. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Lider do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação e Conhecimento.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Pragmática (inter)linguística, cross-cultural e intercultural

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Trabalho, Movimentos Sociais, Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1002188834293937

Trabalho Educação e Conhecimento

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0842869780992916

Trabalho e educação – Neddate

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5641253235220194

NIEPE-EJA Núcleo Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação de Jovens e Adultos

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4082821492901574

EDUCAÇÃO, GÊNERO E TRABALHO ARTESANAL

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4519412031789006

Maria Elly Herz Genromariaellyh8@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/8859681453983917

Possui Graduação em Licenciatura Plena em Filosofia (1982) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Mestrado em Educação (1992) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e Doutorado (2000) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Realizou (2004-2008) trabalho de pesquisa e extensão na ONG Associação de Famílias em Solidariedade (Afaso). Concluiu Pós-Doutorado (2013) no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Docente e Pesquisadora da Faculdade de Educação (Faced) da UFRGS. Membro do Grupo de Pesquisa Inovação e Avaliação na Universidade no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu/UFRGS). Membro da Comissão de Pesquisa (Compesq – 2012-2014) da Faced/UFRGS. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Universidade na América Latina, Democracia, Cidadania e Políticas da Educação Superior.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Teias de conceitos na imaginação democrática: revisitando contribuições dos pesquisadores para pensar a formação do sujeito político na universidade
  2. Conhecimento acadêmico-científico em redes de colaboração: aspectos macro e microssociais
  3. Avaliação e Redes de Colaboração: inovação e mudanças nas teias do conhecimento

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2012 – Atual
  3. 2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Este projeto busca articular conceitos na perspectiva de constituir referências para pensar a potencialização do sujeito político na universidade, na perspectiva de democratizar a democracia para afirmar gramáticas da dignidade humana. Para tanto, investiga as produções dos pesquisadores estrangeiros que contribuíram e contribuem com o grupo de pesquisa Inovação e Avaliação na Universidade (InovAval), e suas inserções numa rede de produção de conhecimentos. Seu objetivo geral é analisar, a partir da produção dos pesquisadores estrangeiros em colaboração com o InovAval, as interações entre os conceitos de política, democracia e universidade, de modo a sistematizar e traduzir um referencial que permita pensar a formação do sujeito político na universidade..
  2. O objeto principal do estudo é investigar a organização e interação social no interior dos grupos de pesquisa com vistas a entender a criação e manutenção de legitimidade como grupos de pesquisas de destaque em suas áreas de atuação. Objetivos: – Entender como o conhecimento (ciência acadêmica) se organiza em redes de colaboração na universidade, a partir de casos específicos. – Analisar que elementos particulares se destacam na articulação entre indivíduos no interior de grupos de pesquisa. – Interpretar o que as redes de colaboração revelam sobre as relações de caráter macro e microssociológicos as quais permeiam a produção e organização do conhecimento acadêmico-científico. – Verificar diferenças de atuação entre os grupos de colaboração que se formam na Educação e aqueles que se formam nas Engenharias e na Física. – Fornecer elementos de subsídio ao campo da avaliação acadêmica..
  3. A literatura destaca a importância das teias de conhecimento armadas em parceria e redes de colaboração. Destaca que pesquisadores e o conhecimento produzido estão afetados por avaliações intensas e frequentes. Esta pesquisa tem o objetivo de estudar a formação de redes de colaboração e as parcerias lideradas por investigadores 1A CNPq provenientes de distintas áreas do conhecimento, Ciências Humanas, Engenharias e Exatas, que atuam em grupos de pesquisa com 10 ou mais anos de existência e possuem registro no diretório de Pesquisas do CNPq. Pretende-se saber: Como se formam suas redes de colaboração? Quais poderes e hierarquias? Como se formam as teias de conhecimento? Quais as mudanças na ciência acadêmica? Quais os fatores endógenos e exógenos que influem sobre as mudanças? A metodologia quali-quantitativa prevê o levantamento de dados sobre pesquisadores e grupos de pesquisa na base de dados DGPB, CNPq, o rastreamento de suas redes de colaboração, realização de entrevistas e estudos de caso para conferir sentido aos dados quantitativos manipulados. A literatura destaca e a inserção do Brasil na esfera da produção internacional reafirma a importância das teias de conhecimento armadas em parceria e redes de colaboração. Entender o fenômeno implica saber que pesquisadores e o conhecimento produzido estão afetados por avaliações intensas e frequentes.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Estudos Inovação e Avaliação na Universidade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8632044554453935

Maria Lucia Castagna Wortmannwortmann@terra.com.br

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4793141J0

Possui graduação em História Natural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1967), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1980) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994), tendo realizado doutorado-sanduíche com bolsa CNPq na Université Pierre et Marie Curie (ParisVI). Atualmente é professor adjunto da Universidade Luterana do Brasil, onde atua no Programa de Pós-Graduação em Educação, e professora pesquisadora convidada do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Estudos Culturais em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos culturais em educação, estudos culturais, educação em ciência, pedagogias culturais e estudos culturais de ciência.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

1- ESTUDOS CULTURAIS DA CIÊNCIA E EDUCAÇÃO – UMA REVISÃO DOS ESTUDOS DESENVOLVIDOS NESTE CAMPO ARTICULATÓRIO.

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual

RESUMO:

O propósito do estudo é retomar discussões conduzidas sobre a controvertida vertente dos Estudos em Ciência (ou sobre a Ciência) realizados até o ano de 2011. Tomar-se-á como ponto de partida a produção de alguns dos analistas da ciência focalizados naquele estudo, entre os quais estão: Bruno Latour, Karen Knorr-Cetina, Susan Traweek, Stanley Aronowitz, Barbara Martin¬sons, Michael Menser, Stanley Aronovitz, Donna Haraway, Thimoty Lenoir, Joseph Rouse, David Hess, Émily Martin, o latino-americano Pablo Kreimer e o brasileiro Ricardo Dagnino. Pretende-se, também, examinar algumas das direções de estudos seguidas pelos/as pesquisadores/as brasileiros/as que até àquele ano buscavam inspirar suas análises em educação no já citado referencial, bem como indicar outros/as autores/as que, em âmbito mundial, passaram a se ocupar desse campo em sua articulação com a educação.A noção de produção cultural da Ciência é central a este estudo, que assume ser a ciência bem mais do que um simples conjunto de conhecimentos objetivos ? leis, teorias, metodologias, técnicas, generalizações de diferentes ordens ? adquiridos/produzidos, ao longo do tempo, em uma estruturação progressiva, operada, ora a partir da experimentação/confirmação científicas, ora de representações e de algumas formas de narrar a ciência usualmente associadas ao modo positivista-lógico de sobre ela pensar. Assumir tal noção implica, assim, afastar-se de representações que configuram a ciência como uma atividade autônoma e relativamente independente das demais práticas sociais e admitir, portanto, estar a Ciência inexoravelmente vinculada à sociedade e à cultura e perpassada por suas contradições e características.

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5639919727701293

 

 

Maria Luiza Rheingantz Beckerbeckermarialuiza@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/3686293073965313

Possui graduação em Habilitação Em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1969) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998). Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua nos cursos de licenciatura, na graduação, e na Linha de Pesquisa: Psicopedagogia, sistemas de ensino e aprendizagem e educação em saúde, do PPGEdu. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Psicologia da Educação , atuando principalmente nos seguintes temas:: psicopedagogia e educação, epistemologia genética e educação escolar, relações professor aluno e aprendizagem

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Contribuições da Epistemologia Genética para Práticas Escolares Contemporaneas

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Articulação de projetos de orientandos de mestrado e doutorado. A partir de 2012, como foi citado na conclusão do relatório parcial, novos projetos foram integrados ao trabalho do grupo de pesquisa e seus autores fazem estudos sobre a tomada de consciência e sobre o possível e o necessário na teoria de Piaget (Piaget 1985, 1986, 1987). Buscam aprofundar os conhecimentos sobre as teorizações do quarto período da obra do autor (ainda pouco difundidas) e examinar suas contribuições para a compreensão das relações entre a psicologia e a educação. Ao mesmo tempo, formulam novas questões de pesquisa específicas para os campos da aprendizagem da educação física, da matemática e da aprendizagemtecnológica de circuitos elétricos relacionadas aos dois eixos do projeto Contribuições da Epistemologia Genética Para Práticas Escolares Contemporâneas. No Eixo I Psicopedagogia e psicogênese de conteúdos específicos estão questões relacionadas ao desenvolvimento dacooperação e da autonomia nas relações dos estudantes entre si e com docentes relacionadas. No Eixo II Desenvolvimento moral e coordenação das ações sociais implícitas nas relações entre crianças, adolescentes e adultos as novas questões dizem respeito aos trabalhos pedagógicos presenciais ou à distância. Os objetivos desses projetos dão continuidade e também ampliam as investigações apresentadas no relatório da primeira etapa (em anexo). O conjunto é composto de cinco projetos (três teses e duas dissertações de mestrado) dentre os quais três foram qualificados em 2013, um em 2014, e um ainda está em elaboração. Por outro lado, durante a primeira etapa, foi revisada a meta de formar um banco de dados coletivo e se decidiu privilegiar publicações aos pares. A meta deixou de focar os dados empíricos em si para destacar as conceituações e este trabalho ainda segue. As defasagens de tempo de conclusão das pesquisas (alguns atrasos de cronograma devidos a licenças gestantes de três doutorandas) também contribuíram para esta decisão. Há ainda artigos submetidos e a submeter. A nova meta é sistematizar a relação entre os projetos através de uma seleção de exemplos paradigmáticos dos diferentes graus de consciência, cooperação e autonomia diferenciados nas análises e organizar um repertório descritivo das intervenções e discutir as implicações educacionais do conjunto do trabalho na atualidade. A investigação na nova etapa dará seguimento ao modelo e à teorização da proposta inicial. Estrutura-se como totalidade composta por diferentes projetos de mestrado e doutorado integrados através do referencial teórico e metodológico e de produções conjuntas. Incluí além da análise das relações entre os resultados das diferentes pesquisas quanto à contribuição da Epistemologia Genética para as práticas escolares e possibilidade de novidades, na tematização contemporânea de questões já formuladas e debatidas no passado, conforme revelam os estudos sobre a difusão da Epistemologia Genética..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos sobre Coordenação das Ações e o Ensinar e Aprender (NECAEA)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1834334118522311

Maria Stephanoumastephanou@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/3762091453068901

Graduada em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982). Mestre em Educação (1990) e Doutora em Educação (1999)/UFRGS. Realizou seu pós- doutoramento na França (Paris) junto ao Service d’Histoire de l’Éducation do IFÉ – Institut Français de L’Éducation (2011-2012). Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul,com atuação junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação como docente desde 2001 e Coordenadora do Programa (jan. 2013 – jan.2015), tendo já sido membro da Comissão Coordenadora (2007-2010) e Vice-Coordenadora (2011-2012). Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq. Foi Presidente da Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação (2008 a 2011) e Vice-Presidente (nov. 2013 a nov. 2015). Associada à ARTHE – Association Transdisciplinaire pour eles Recherches Historiques sur l’Éducation desde outubro de 2012; da BIOGRAPH – Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, onde atuou como Secretária na gestão 2010-2012 e integrou a Diretoria da Região Sul na gestão 2012-2014. Em 2009 e 2010 integrou a Comissão de Avaliação – Área de Educação da CAPES. Tem experiência nas áreas de História e Educação, com ênfase em História da Educação,com investigações nos temas: história da cultura escrita, práticas de leitura, escrituras de foro privado, manuais de civilidade e urbanidade, medicina e educação, memória e história, memória e patrimônio. Integra o conselho consultivo e conselho editorial dos seguintes periódicos: Anais do Museu Paulista (USP), Revista Brasileira de História da Educação (SBHE), Revista HISTEDBR on-line, Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, Revista Aulas e Tópicos Educacionais (UFPE). Desde janeiro de 2011 é co-editora da Revista História da Educação (ASPHE). Integra a rede transnacional TRANSFOPRESS (França – Brasil), desde 2013. Membro do Conselho Editorial da Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no período 2015-2019. Membro do Comitê Assessor de Ciências Humanas e Sociais da FAPERGS ( jul. 2015 a jul. 2017)

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. LEITURAS NO FORO PRIVADO: CIRCULAÇÃO E APROPRIAÇÃO DE IMPRESSOS PARA AS FAMÍLIAS SÉCULOS XIX E XX (Brasil e França)
  2. LEITURAS E ESCRITURAS DE FORO PRIVADO: DOCUMENTOS DE FAMÍLIA DOS SÉCULOS XIX E XX (Brasil e França).

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Levantamento e análise de impressos em circulação no foro privado, especificamente jornais e revistas ofertados à leitura das famílias, nos séculos XIX e primeira metade do século XX, incluindo aqueles em língua estrangeira, concebendo esses impressos como artefatos culturais. Os mesmos constituem observatório privilegiado das práticas de leitura que marcam os séculos que podemos considerar, em linhas gerais, como aqueles da expansão dos índices de alfabetismo e letramento em ambos os países examinados, Brasil e França..
  2. Levantamento e análise de artefatos culturais conhecidos como álbuns de bebê, concebendo que constituem observatório privilegiado das representações de infância, dos exercícios de escrita de si, da interpelação discursiva de discursos religiosos, morais, médicos, enfim, das práticas de escrita ordinária. Como contributo à história da cultura escrita, almeja: a) proporcionar uma visão mais completa das práticas culturais do passado, notadamente as escrituras íntimas, os múltiplos usos das escritas pessoais; b) ampliar o conhecimento das escritas ordinárias, seus usos e suas variações, em suas íntimas relações com as práticas de leitura no foro privado..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

TRANSFOPRESS Brasil – Grupo de Estudos da Imprensa em Língua Estrangeira no Brasil

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3549766137663642

Histórias e Memórias da Educação Brasileira e da Cultura Escolar

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7443468155609521

Marisa Cristina Vorraber Costavorrabercosta@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/7223833725494988

É licenciada em Filosofia (UFRGS), Mestre em Educação (PUCRS), Doutora em Ciências Humanas – Educação (UFRGS) e Professora Titular em Ensino e Currículo (UFRGS – aposentada). Realizou estágios de Pós-Doutorado na Universidade de Lisboa (bolsista Capes) e na Universidade Complutense de Madri (bolsista CNPq), e Estágio Sênior na Pädagogische Hochschule de Karlsruhe – Alemanha (bolsista Capes). É também especialista em Métodos e Técnicas de Ensino com estágio de especialização em Educação de Professores na Inglaterra (bolsista do Conselho Britânico). Atualmente é professora da Universidade Luterana do Brasil e docente convidada do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bolsista de produtividade do cnpq de 1996 a 2010, suas atividades atuais em pesquisa concentram-se nos Estudos Culturais em Educação, mais especificamente na temática Cultura e Pedagogia, desenvolvendo estudos e orientando teses e dissertações que tratam das relações entre poder, discurso e política cultural na educação. Os focos atuais são identidade, mídia e consumo na pós-modernidade, com ênfase nas conexões entre educação, escola e cultura contemporânea. A pesquisa atual volta-se ao estudo das pedagogias contemporâneas. Integra o Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade (NECCSO) e é membro associado do Centre for Culture, Identity & Education (CCIE) da Faculdade de Educação da Universidade de British Columbia, Canadá. Participa do Comitê Editorial de periódicos da área, dentre eles Educação & Realidade, e é responsável pela rubrica Cultura e Pedagogia da revista portuguesa A Página da Educação. Tem publicado inúmeros artigos em periódicos qualificados da área e capítulos de livros, assim como organizou e publicou vários livros, destacando-se, dentre eles, A escola tem futuro? (Ed. DP&A e Lamparina), O magistério na política cultural (Ed. da Ulbra), as coletâneas Caminhos Investigativos I, II e II (Ed.Lamparina e DP&A), A educação na cultura da mídia e do consumo (Ed. Lamparina). Recentemente foi co-organizadora de Estudos Culturais & Educação – contingências, articulações, aventuras, dispersões (Ed. da Ulbra, 2015)

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Cultura e pedagogia na modernidade líquida (fase III) – Inventário de pedagogias e de práticas escolares mercantilizadas e consumistas

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

O Projeto dá continuidade a um programa de pesquisa em andamento há vários anos, dedicado ao estudo das conexões entre educação e cultura contemporânea. O quadro teórico inscreve-se na perspectiva pós-estruturalista dos Estudos Culturais em Educação, sendo as abordagens expressivas do que se entende por ?virada cultural?, ou seja, quando a cultura passa a ser vista como produtiva, como constitutiva de nossos modos de ver, pensar e ser. Trata-se de uma tentativa de mostrar por outros ângulos como as coisas acontecem, como elas se tornam o que são. Nesse movimento intelectual, consideram-se as implicações do que se tem entendido como ?condição pós-moderna? (Harvey, 1993; Lyotard, 1988). Nesta fase III, o Projeto volta-se a dois focos preferenciais que se interpenetram, com dois eixos de desenvolvimento. Em um deles, o objetivo é investigar a proliferação discursiva sobre pedagogias e discutir as relações entre cultura e produção/invenção de pedagogias. Propõe-se a realizar um inventário das pedagogias contemporâneas, com vistas à composição de um glossário, nomeando-as, descrevendo-as e localizando-as em seus contextos de produção. No outro eixo, pretende-se dar continuidade ao estudo das relações entre escola e cultura contemporânea e prosseguir investigando as repercussões da cultura contemporânea da mídia e do consumo nas escolas. A ênfase, nesta fase III, recai sobre os espaços escolares e os processos e práticas mercantis que neles se verificam, ficando em segundo plano as pessoas. Palavras-chave: estudos culturais em educação; cultura e pedagogia; pedagogias culturais; escola e cultura contemporânea; educação e cultura contemporânea; escola e consumo; cultura da mídia; cultura do consumo; consumismo.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Cultura e Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3167756906558194

Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5639919727701293

Máximo Daniel Lamela Adómaximo.lamela@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/5778480459612105

Professor Adjunto no Departamento de Ensino e Currículo – DEC da Faculdade de Educação – FACED-UFRGS e Professor permanente no Programa de Pós-graduação em Educação – PPGEdu-UFRGS. Atua no Eixo temático: Cultura, currículo e sociedade e integra a Linha de Pesquisa Filosofias da Diferença e Educação, com a Temática individual: Didática: Experimentação e criação. Doutor em Educação pela UFRGS. Mestre em Literatura (Teoria literária) e Licenciado em Ciências Sociais pela UFSC. Integrante dos grupos de pesquisa: DIF – artistagens, fabulações, variações – PPGEdu/FACED/UFRGS e Escrileituras da diferença em Filosofia-Educação. Realizou estágio pós-doutoral em Educação na FACED-UFRGS em 2014 e 2015 com Bolsa PDJ do CNPQ e supervisão da Profa. Dra. Sandra Mara Corazza. É parecerista ad hoc de vários periódicos acadêmicos e membro do comitê revisor internacional da Editorial Académica Universitaria (EDACUN) da Universidad de Las Tunas, Cuba. ORCID ID: orcid.org/0000-0002-7643-1785

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. METODO DIDATICO-TRADUTORIO DE TRANSCRIACAO CURRICULAR: ENSAIOS, INVENCOES, MAQUINACOES
  2. TRADUCAO CRIADORA NA FORMACAO DE PROFESSORES

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2016 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A presente proposta pretende prover continuidade de esforços de pesquisa, complementando, correlacionando e consolidando a formação de professores-pesquisadores, por meio da obtenção dos resultados e impactos das produções de três pesquisas, anteriormente realizadas, no decurso dos últimos anos (2011 a 2015), quais sejam: 1) Didática da tradução, transcriações do currículo: escrileituras de AICE (Autor, Infantil, Currículo, Educador), em Estágio de Pós-Doutorado Señior (CNPq, PDS n. 151581/2013/4), entre 01 de março a 31 de agosto de 2014, sob a supervisão do Prof. Dr. Julio Groppa Aquino (AQUINO; CORAZZA, 2009; CORAZZA; AQUINO, 2011), na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (CORAZZA, 2013b); 2) Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo: método Valéry-Deleuze, como Pesquisa de Produtividade, junto ao CNPq (nível 1D, n. 304364/2010-0), entre 01 de março de 2011 e 28 de fevereiro de 2015 (CORAZZA, 2010a); 3) e a pesquisa Escrileituras: um modo e ler-escrever em meio à vida, junto ao Programa Observatório da Educação, CAPES-INEP, desenvolvida entre 01 de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2014 (CORAZZA, 2010b), na qual exerci a coordenação geral dos quatro Núcleos (UFRGS e UFPel, RS; UFMT, MT; UNIOESTE, Toledo, PR), envolvendo cerca de cem bolsistas e pesquisadores participantes de diversos níveis de formação e atuação estudantil ou profissional. Além disso, a proposta objetiva fomentar a minha pesquisa atual que, a partir da perspectiva da Filosofia da Diferença na Educação (CORAZZA, 2012), encaminha a utilização do Método da Dramatização do Informe ou Método Valéry-Deleuze (CORAZZA, 2010c; 2011a; 2011b), para colocar em funcionamento conceitual-operatório os resultados das duas primeiras pesquisas, acima indicadas, quais sejam: Didática da tradução, transcriações do currículo… (PDS/CNPq) e Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo… (PQ/CNPq); tendo como a formação do seu campo empírico de movimentos de pesquisa o projeto da minha atual Pesquisa de Produtividade, junto ao CNPq, intitulada Didática da tradução, transcriação do currículo: escrileituras da diferença (PQ/CNPq 2015-2019). Movimentos a serem feitos sob um regime de articulação do teórico em cima do prático; contando com empréstimos de várias áreas de estudo, que tomam documentos (planos de oficinas e cursos, relatórios finais e parciais, livros, roteiros, audiovisuais, fotografias, filmes); além da contribuição direta ou a distância dos pesquisadores participantes egressos dos quatro Núcleos do Projeto Escrileituras..
  2. Este projeto de pesquisa tem como objetivo o estudo da formação de professores em sua estreita relação com a didática e o currículo no âmbito das licenciaturas da UFRGS, assim como de suas correlações e continuidades nos cursos de Mestrado e Doutorado em Educação. Para tanto, mobiliza produções textuais que deem a ler traduções criadoras de expressões das culturas traduzidas para um dinamismo espaço-temporal ambientado na educação. Trata-se de ficcionalizar o universo educacional concernente à vida discente e sua relação no processo de formação docente. Deste modo a pesquisa toma a produção textual como literatura ao entender a literatura como pensamento e teoria social. Nesse processo o licenciando é convidado a misturar códigos narrativos na composição de uma escrita que dimensione o estudo de temas relacionados com a didática, o currículo, a formação de professores e sua identidade docente em variação. A ficção entra como um operador de modos de subjetivação e agenciamento de diferentes lógicas de produção de sentido. Trata-se de reconhecer o licenciando como sujeito ativo de seu processo de formação e a escrita como um agente na mudança e variação dos modos de ler. Como contrapartida o projeto visa organizar Painéis, Seminários e uma publicação que reúna uma seleção de produções disponibilizada em meio digital com acesso livre..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

DIF – artistagens, fabulações, variações

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2807823141960298

ESCRILEITURAS DA DIFERENÇA EM FILOSOFIA-EDUCAÇÃO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4273470577928731

Naira Lisboa Franzoinaira.lisboa.franzoi50@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/0145232575606314

Possui Bacharelado em Administração Pública e Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1976), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1991) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Atualmente é professora associada da Faculdade de Educação e Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Políticas da Educação, com foco em formação de trabalhadores. Tem desenvolvido pesquisas especialmente sobre os seguintes temas: trabalho-educação; educação profissional, formação profissional e educação de jovens e adultos com foco em trajetórias, saberes e identidades profissionais de trabalhadores com baixa escolaridade. Realizou pós doutorado sênior na Universidade de Campinas; junto ao grupoThese (consórcio entre Fiocruz UERJ e UFF); na New Jersey City Univerversity – NJCU, que incluiu intercâmbio com a University of California, Los Angeles – UCLA. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. TRAJETORIAS, SABERES E IDENTIDADES PROFISSIONAIS
  2. TRAJETÓRIAS, SABERES E IDENTIDADES PROFISSIONAIS: COZINHEIROS/AS, CHEFFS E GOURMETS

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2013 – Atual
  2. 2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Investigar as trajetórias saberes e identidades profissionais de grupos de trabalhadores dando visibilidade e contribuindo para o reconhecimento social de suas profissões e para as políticas de formação profissional destinadas a esses e outros grupos com as mesmas características, bem como contribuir para o adensamento do campo teórico..
  2. Investiga os saberes construídos no trabalho, as identidades e trajetórias profissionais, de cozinheiros e cozinheiras, domiciliares, trabalahdoras em empresas e restaurantes, cheffs e cozinheiros/as que cozinham por hobby. Toma por referencial teórico a qualificação como construção social complexa, de Naville e confronta-se os achados com as noções de complexo e trabalho simples de Marx. Ainda, como aporte teórico, utiliza-se a ergologia, o conceito de trajetórias e identidades tal como leaborado por Dubar..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Trabalho Educação e Conhecimento

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0842869780992916

Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0412712476729187

Nalú Farenzenanalu.farenzena@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/2007735139217872

Possui doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e Licenciatura em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1983). É professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É editora associada da Revista Educação&Realidade. Coordenadora do Núcleo Educação para a Integração da AUGM. Atua na área da Educação, principalmente nos seguintes temas: políticas públicas de educação básica, financiamento da educação, análise e avaliação de políticas educacionais; legislação da educação; administração da educação e gestão da educação. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Estudo comparado de políticas públicas educacionais nacionais da Argentina, Brasil e Uruguai (2001-2010)
  2. Análise e avaliação externa de processos e de resultados atinentes à avaliação institucional participativa do Sistema Estadual de Avaliação Participativa ? SEAP/RS
  3. Assistência Financeira da União aos Estados e Municípios na Educação Básica: política e políticas
  4. Remuneração de professores de escolas públicas de educação básica no contexto do FUNDEB e do PSPN

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2014 – Atual
  3. 2013 – Atual
  4. 2013 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Projeto de pesquisa interinstitucional, envolvendo pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil, Universidad de la República, Uruguai, e Universidad Nacional de Córdoba, Argentina, que tem como foco a análise de políticas públicas educacionais de âmbito nacional da Argentina, do Brasil e do Uruguai, dos anos 2000, as quais serão estudadas numa perspectiva comparada, levando em conta três eixos: legislação, governo e coordenação dos sistemas educacionais; políticas inclusivas; financiamento público da educação..
  2. Análise e avaliação de processos e de resultados da avaliação institucional participativa prevista no Sistema Estadual de Avaliação Participativa da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul, abrangendo análise do conteúdo dos documentos de orientação, processos de formulação e implementação e os resultados das avaliações produzidas pelas escolas, coordenadorias regionais de educação e órgão central da Secretaria Estadual de Educação, de 2012 a 2016..
  3. O objetivo geral da pesquisa é analisar e comparar referenciais e processos de formulação e implementação de políticas de assistência técnica e financeira da União aos estados e municípios na educação básica, no período 2007-2013. Abrange: a elaboração de esquema referencial das políticas de assistência técnica e financeira da União aos estados e municípios na educação básica eleitas para a pesquisa; a análise de processos de formulação das políticas de assistência técnica e financeira da União aos estados e municípios na educação básica eleitas para a pesquisa, focalizando atores, relações políticas e delimitações político-institucionais; a análise de processos de implementação das políticas de assistência técnica e financeira da União aos estados e municípios na educação básica eleitas para a pesquisa, focalizando atores, relações políticas e delimitações político-institucionais.
  4. O projeto de pesquisa Remuneração de professores de escolas públicas da educação básica no contexto do FUNDEB e PSPN objetiva investigar impactos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN) na estrutura de remuneração dos professores de escolas públicas de educação básica em 12 estados brasileiros e suas capitais entre 2006 a 2013. Essa perspectiva de investigação dar-se-á com base nos microdados do Censo Escolar e dos sistemas de avaliação (SAEB/Prova Brasil), em especial os questionários socioeconômicos de professores, do INEP e na busca e análise das folhas de pagamentos e das tabelas de remuneração desses profissionais. O projeto também dará sequência e aprofundará a pesquisa Remuneração dos professores de escolas públicas de educação básica: configurações, impactos, impasses e perspectivas (Pesquisa Remuneração), com recorte temporal entre 1996 e 2010, financiada pelo Edital nº. 001/2008 da CAPES/INEP/SECAD junto ao Observatório da Educação e realizada entre 2008 e 2012. Os resultados parciais das análises de 4 (quatro) dimensões de dados (dados educacionais, dados orçamentários, plano de carreira, cargos e remuneração), revelaram a complexidade de compreensão do objeto. Remeteram assim à necessidade de um maior tempo de dedicação, de aprofundamento da investigação e da observação e análise de um período imediatamente posterior, quando os impactos das políticas envolvidas, em particular o Fundeb e o PSPN, aparentemente tiveram efeito mais intenso e direto na remuneração dos professores..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0412712476729187

CENTRO DE ESTUDOS INTERNACIONAIS SOBRE GOVERNO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2688922645786353

Natália de Lacerda Gilnatalia.gil@uol.com.br

http://lattes.cnpq.br/8340007478393697

Professora e pesquisadora na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e orientadora de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação desta Universidade (PPGEDU/UFRGS). Formada em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), possui Mestrado (2002) e Doutorado (2007) em Educação pela mesma instituição. Realizou, como parte das atividades de doutorado, estágio de pesquisa na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris. Membro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação/ANPEd, da Sociedade Brasileira de História da Educação/SBHE e da Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação/ASPHE. Desenvolve pesquisa na área de História da Educação, investigando especificamente o movimento dos alunos pela escola no Brasil (acesso, permanência e seletividade escolar), a sócio-história das estatísticas oficiais da escola brasileira e o processo de escolarização. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

 

  1. Nos rastros de narrativas de memória do povo judeu: o acervo de história oral do Instituto Marc Chagall (Porto Alegre/RS 1985 1995
  2. A escola obrigatória e seus alunos: acesso, permanência e desempenhos (1870-1970)

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2014 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A pesquisa faz parte das ações desenvolvidas pelo grupo de pesquisa Educação no Brasil: memória, instituições e Cultura Escolar. Elege-se como objeto de análise as narrativas de memória de imigrantes judeus e seus descendentes, salvaguardadas no Acervo de História Oral do Instituto Marc Chagall, localizado em Porto Alegre/RS. O Instituto Marc Chagall foi criado em 1985 com o objetivo de promover o reconhecimento da cultura judaica no Rio Grande do Sul. Aqui interessa investigar um de seus acervos, o de História Oral, composto por quase 500 entrevistas desenvolvidas com imigrantes judeus e seus descendentes, todas elas transcritas e disponíveis para consulta local. Este Acervo começou a ser constituído em 1986 com o projeto Preservação da Memória Judaica. Naquela ocasião, escutaram-se 428 narrativas desta comunidade, tanto de Porto Alegre, quanto de cidades do interior do Estado. Na década de 1990, o Instituto Marc Chagall promoveu um novo projeto intitulado Identidade Judaica, cuja proposta era produzir documentos para elaboração de um censo da comunidade judaica no Rio Grande do Sul. Assim, complementou-se o Acervo de História Oral com outras entrevistas. A pesquisa situa-se no campo da História da Educação, em suas interfaces com as discussões acerca da constituição de Acervos, Memória e História Oral. Teorizar e conferir dinamicidade e legitimidade às investigações que tenham a História Oral como opção metodológica é uma forma de desenvolver pesquisas que envolvam movimentos realizados em comunidades de memória anteriormente organizados por outros. Neste sentido, valoriza-se aqui esse Acervo de História Oral do Instituto Marc Chagall, entendendo-se que as narrativas produzidas nas entrevistas são portadoras de informações preciosas que nos permitem um maior entendimento das histórias vividas pelo povo judeu desde seu processo de emigração da Europa até a chegada ao Brasil. Em um primeiro momento, a pesquisa busca analisar como se deu a constituição desse Acervo, quem eram as pessoas responsáveis pelas entrevistas, como elas aconteceram, como se deu a escolha dos narradores, quais as questões disparadoras, quais os evocadores de memória, entre outros aspectos. Importa para a pesquisa analisar nesses depoimentos indícios da história da educação desses sujeitos, incluindo aí processos de escolarização e atravessamentos na questão de gênero. Para além deste Acervo,pretende-se produzir outras entrevistas com algumas mulheres que já foram escutadas na década de 1990, com o objetivo de aprofundar os temas relacionados à história de sua educação. Trabalhar com essas memórias por meio da utilização de um Acervo Oral já existente é uma legítima possibilidade historiográfica que promove a produção de outras histórias tendo como fonte vozes de mulheres e homens, de certo modo imortalizadas, preservadas no Instituto Marc Chagall.
  2. Este projeto de pesquisa articula-se aos estudos acerca da história da escolarização no Brasil interessando-se em compreender as práticas e os discursos em torno da passagem dos alunos pela escola obrigatória. Assim, importa saber como se deu o acesso da população à instituição escolar, quais os padrões de fluxo dos alunos pelas séries do ensino primário, como foram tratadas e representadas as crianças que não seguiam os padrões esperados. Pretende-se conhecer os discursos especializados, a produção e interpretação das estatísticas, as práticas de avaliação e classificação dos alunos, a definição das políticas educacionais que instituíram/consolidaram um certo modelo escolar e sua relação com o tempo, o ritmo e a qualidade na escola. Interessa, ainda, apreender as orientações aos professores e os debates em torno das questões relativas à excelência escolar, à repetência dos alunos, ao rendimento do ensino e ao fracasso escolar. O projeto tem como Coordenadora-Geral a Prof. Dra, Natália de Lacerda Gil e como Coordenadora (núcleo São Paulo) a prof. Dra. Ana Laura Godinho Lima..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

História da escolarização no Brasil: políticas e discursos especializados

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3046242245569598

Neusa Chaves Batistaneuchaves@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/6140717980817182

Possui doutorado em Educação (2009) e mestrado em Sociologia (2002) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), graduação em Ciências Sociais (1999) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Tem experiência na área de Sociologia com ênfase em Sociologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Estado, democracia e justiça social, políticas públicas para a gestão democrática da educação, conselhos de educação e sistemas de ensino, formação de gestores para a educação básica, políticas públicas de ações afirmativas para a educação superior. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. POLÍTICAS PARA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA PÚBLICA: O CASO DOS CONSELHOS ESCOLARES
  2. Análise e avaliação externa de processos e de resultados atinentes à avaliação institucional participativa do sistema estadual de avaliação participativa – SEAP/RS
  3. Políticas públicas de ações afirmativas para a educação superior no Rio Grande do Sul: as cotas como instrumentos de redução da desigualdade social

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2017 – Atual
  2. 2014 – Atual
  3. 2013 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Esta pesquisa tem a intenção de dar continuidade aos meus estudos sobre a participação de conselhos escolares na gestão escolar, ressaltando a relevância social e acadêmica de investigações focadas na gestão democrática e participativa na escola pública com a finalidade de promover o cumprimento do direito de todos e todas à educação. Compreende-se que no contexto da prática, das escolas, as políticas de ordem local, nacional e global são ressignificadas, reinterpretadas pelos atores escolares a partir de suas experiências, vivências e representações de escola, de gestão e de justiça social, podendo modificar o sentido original das políticas implementadas..
  2. A pesquisa compreende a análise e avaliação de processos e de resultados da avaliação institucional prevista no Sistema Estadual de Avaliação Participativa (SEAP) da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul, abrangendo seus documentos de orientação, os processos de formulação, os procedimentos de implementação e ois resultados das avaliações institucionais produzidas nas escolas estaduais, Coordenadorias Regionais de Educação (CRESs) e na sede da Secretaria de Educação durante o período de implantação do SEAP (2012-2016). O projeto realiza uma avaliação externa desdobrada em duas dimensões: (1) avaliação de processo da formulação e implementação do Sistema Estadual de Avaliação Participativa do Rio Grande do Sul no período de 2012-2016, restrita às avaliações institucionais das escolas, das coordenadorias regionais de educação e do órgão central da Secretaria Estadual de Educação; (2) avaliação das informações registradas nos diagnósticos institucionais das escolas, das coordenadorias regionais de educação e do órgão central da Secretaria Estadual de Educação..
  3. O projeto ” Políticas públicas de ações afirmativas para a educação superior: as cotas como instrumentos de redução da desigualdade educacional’ tem por objetivo analisar o processo de implantação de tais ações na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Com a pesquisa se pretende construir indicadores e analisar processos que possam oferecer elementos para inferir se a implantação das “cotas sociais” na UFRGS, a partir de 2008, está promovendo a redução da desigualdade educacional na educação superior desta Universidade..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0412712476729187

CENTRO DE ESTUDOS INTERNACIONAIS SOBRE GOVERNO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2688922645786353

Paola Basso Menna Barreto Gomes Zordanpaola.zordan@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/4035205657093564

Artista visual, professora do Departamento de Artes Visuais e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS). Coordenadora dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais da UFRGS. Líder do grupo de pesquisa ARCOE, Arte, Corpo e EnSigno (CNPq), articula o M.A.L.H. A., Movimento Apaixonando pela Liberação de Humores Artísticos criando intervenções e performances em espaços públicos e institucionais. Trabalha com escultura social, poéticas e micropolíticas. Doutora e Mestre em Educação pela UFRGS, membro da Linha de Pesquisa Filosofia da Diferença e Educação, desenvolve temas entre historiografia da arte, formação de professores e esquizoanálise. Licenciada em Educação Artística, bacharel em Desenho, foi professora de artes em escolas básicas da rede de ensino em Porto Alegre.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. essa senhora: figuras femininas
  2. Aparelhos disciplinares: poéticas, micropolítica, educação

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O que se pesquisa são figuras do feminino, em seus aspectos mitológicos, semiológicos e iconológicos, em especial figuras de Virgem Maria nas suas relações com outras divindades e forças. Junto a essas figuras se estuda a genealogia do contemporâneo em face a estética que se estabelece desde o século XIX. A amostragem desses aspectos envolve a constituição de um arquivo de iconografia mariana popular, com coleta de imagens relativas à figuras femininas. O arquivo da pesquisa se compõe nesse inventário que envolve 1. obras de arte, imagens disseminadas no contemporâneo e artefatos comercializáveis; 2. a produção de séries de desenhos e pinturas. Trata-se de um arquivo pensado a partir da mitologia de Barthes e da crítica genealógica, com Nietzsche e Foucault, tendo ainda como referencial a filosofia de Deleuze. Por figuração feminina temos alma mater, personificadora da matéria que sustenta a vida: Terra, fluxos, Anima, Nossa Senhora, Vênus. Investigar tais formas implica o estudo de dispositivos estéticos que emergem na segunda metade do século XIX. A intenção é mostrar como se constrói um modo de se pensar o feminino na emergência de subjetividades contemporâneas, o qual se faz valer tanto na vida local quanto na mitologia global. A investigação trata do problema envolvido na confluência de diferentes construções de pensamento, as séries de sentido que uma figura envolve. Estuda a imagem de uma época, observando a historicidade do mito que se faz valer do final do século XIX até hoje. Culmina em criações poéticas e críticas em torno das concepções expressas pelas imagens coletadas. Tratam-se de figuras femininas e inventários de referências a estas permeáveis, cujas incidências mostram paradoxos, séries de sentido e sua expressão em poéticas diversas. Ao proceder com a genealogia de Foucault e o perspectivismo de Nietzsche, assume aquilo que é, ecce, como uma a arte de si e uma dobra, visto essa pesquisa pressupor que essas figuras sejam potentes modos de subjetivação..
  2. Perante inquietações vividas em salas de aula na Escola Básica, em cursos de graduação no Ensino Superior e oficinas em instituições culturais (educação não-formal), a pesquisa questiona subjetivações inerentes ao estabelecimento de certas relações de poder nas atividades ditas educativas. O valor de uma aula, o que vale uma vida dedicada a uma instituição, a desvalia de quem está focado em alunos e atividades de sala de aula, assim como as amarras das avaliações acadêmicas, são pontos problematizados em seus impactos econômicos, epistêmicos, noológicos, imaginários e sociais. Com o intuito de criar formas de resistência, a pesquisa desenvolve projetos poéticos para pensar a valoração do trabalho intelectual e artístico, tendo a política estética de Nietzsche e a ética de Spinoza como base. O que vivemos na área da Educação na segunda década do século XXI se contextualiza na genealogia de Michael Foucault, sendo a análise dos dispositivos em jogo desde o final do século XVIII o que permite a pesquisa compreender a formação das instituições modernas, a emergência do biopoder nos governos e a idealização da disciplina em escolas e universidades. A fim de mostrar como se faz o plano conceitual e compositivo diagnosticado no desenho de uma paisagem institucional, imanente às ações de pesquisa, seguimos uma perspectiva micropolítica, a qual estuda os aparelhos de captura estudados pela esquizoanálise de Gilles Deleuze e Félix Guattari. O que se quer com esse traçado é movimentar o que esses autores chamam uma ?máquina de guerra? a fim de implodir a separação entre forças de trabalho intelectuais e corpóreas, em especial na subjetividade feminina, em sua clausura e escape. Análise de algumas formas históricas de dominação trazem o corpo e o trabalho de mulheres, especialmente professoras e artistas, como principal elemento desta investigação. A problematização das submissões analisadas se estrutura junto a poéticas propostas para acontecerem ao longo da pesquisa dentro das instituições educacionais, sendo o corpo das próprias pesquisadoras e as criações dos pesquisadores, envolvendo instalações, performances, criação de figurino e coreografias, o material a constituir os documentos que a pesquisa investiga..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Arte, Corpo, ensino

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9201029532453337

DIF – artistagens, fabulações, variações

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2807823141960298

ESCRILEITURAS DA DIFERENÇA EM FILOSOFIA-EDUCAÇÃO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4273470577928731

Patricia Alejandra Beharpbehar@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/7661737809414762

Professora Titular da Faculdade de Educação e dos Cursos de Pós Graduação em Educação (PPGEdu) e em Informática na Educação (PPGIE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui bolsa de Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT), nível I. Mestre (1991-1993) e Doutora (1994-1998) em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação a Distância (EAD) e Informática na Educação. Atua, principalmente, nos seguintes temas: desenvolvimento de ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs), produção e avaliação de materiais educacionais digitais, arquiteturas pedagógicas, modelos pedagógicos para EAD, construção do conhecimento em AVAs, formação de professores em AVAs. Coordena o Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação (NUTED) da Faculdade de Educação (FACED) e vinculado ao Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (CINTED). Desenvolveu o ambiente virtual ROODA, utilizado como uma das plataforma de EAD da UFRGS em cursos presencias, semi e totalmente a distância, por mais de 52000 usuários. Membro do comitê IFIP (International Federation for Information Processing) Technical Committee 3-Education. Autora dos Livros MODELOS PEDAGÓGICOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. ArtMed: Porto Alegre, 2009 e COMPETÊNCIAS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Penso: Porto Alegre, 2013. Ganhadora do Prêmio CAPES de TESE EDIÇÃO 2012 na área INTERDISCIPLINAR, como orientadora. Membro da Rede Nacional de Ciência para Educação. Coautora de um dos documentos temáticos “Competências Socioemocionais, Metacognição e Tecnologia Educacional”, 2016. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SENIORS: MAPEANDO COMPETÊNCIAS PARA A INCLUSÃO DIGITAL
  2. MODELOS PEDAGOGICOS EM EDUCACAO A DISTANCIA NO CONTEXTO DA ESCRITA COLETIVA: UM OLHAR A PARTIR DA RECOMENDACAO DE CONTEUDOS
  3. PRATICAS PEDAGOGICAS COM FOCO NA AFETIVIDADE E NA INTERACAO APOIADAS POR UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM VOLTADO PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2014 – Atual
  2. 2013 – Atual
  3. 2013 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A perspectiva de uma vida longa para uma grande parte da população representa novos desafios em termos de tecnologias, tanto para as políticas públicas, como para os próprios indivíduos. Neste processo, discutir uma educação permanente durante o envelhecimento é fundamental. A inclusão digital de idosos pode vir a ser uma forma de inclusão social. Nesse sentido, surge a necessidade de investigar qual o referencial metodológico necessário para desenvolver competências que permitem uma inclusão plena das pessoas mais velhas na sociedade. Portanto, o objetivo principal deste projeto é mapear as competências desenvolvidas em cursos de inclusão digital para idosos. Para isso, a pesquisa será realizada a partir de uma abordagem quati-qualitativa, composta por cinco etapas recursivas: (i) desenvolvimento do referencial teórico; (ii) construção dos materiais educacionais digitais;(iii) oferecimento do curso de inclusão digital; (iv) construção da matriz do mapeamento das competências; (v) discussão e análise dos dados coletados Almeja-se (re)construir teórico pertinente sobre as competências na inclusão digital de idosos, de modo a proporcionar uma educação permanente através do uso crítico das tecnologias de informação e comunicação. Por fim, acredita-se que os resultados deste estudo servirão de base para futuras pesquisas na identificação de competências desenvolvidas ou aprimoradas para o domínio tecnológico..
  2. O propósito deste projeto trata da construção de Modelos Pedagógicos para EAD a partir do contexto da escrita coletiva e do apoio da recomendação de conteúdos. Para isso, pretende-se planejar e implementar um recomendador de conteúdos, integrado ao editor de texto coletivo (ETC), a fim de potencializar a produção textual na coletividade. Essa ferramenta possibilitará a indicação de materiais educacionais digitais relacionados à temática que o texto está sendo elaborado. Logo, o projeto terá o apoio de uma equipe interdisciplinar, composta por programadores, educadores e webdesigners que serão responsáveis pelo planejamento e construção do recomendador e da implementação de novas funcionalidades no ETC. A partir disso, será possível realizar estudos em torno dos sujeitos (aluno e docente) no que se refere a construção do conhecimento, por parte dos alunos e, na elaboração de estratégias didático-pedagógicas pelo professor. Do mesmo modo, após a integração dos novos recursos no ETC, evidencia-se a importância da instrumentalização dos docentes e alunos para que possam utilizar a contento as novas funcionalidades..
  3. O objetivo geral é construir práticas pedagógicas com foco na afetividade e na interação apoiadas pelo ambiente virtual de aprendizagem Planeta ROODA 2.0 voltado para o Ensino Fundamental. A partir dele, decorrem os objetivos secundários: 1. Produzir o estado da arte de estudos acerca da afetividade e das interações com foco no ensino e aprendizagem para crianças; 2. Desenvolver objetos de aprendizagem sobre temáticas derivadas de estudos teóricos da pesquisa para subsidiar capacitações de educadores; 3. Produzir artefatos tecnológicos para auxiliar o professor no acompanhamento e avaliação do processo de construção do conhecimento do aluno, de forma individual e social (coletiva), tais como as seguintes funcionalidades propostas para serem incorporadas ao Planeta ROODA 2.0: SócioPLANETA, PLANETAafeto, PLANETAPlayer, Enquete; 4. Promover cursos de extensão para profissionais da educação interessados em desenvolver práticas pedagógicas em um ambiente virtual de aprendizagem voltado ao público infantil e juvenil; 5. Analisar práticas pedagógicas desenvolvidas no Planeta ROODA 2.0, com foco na afetividade e interação entre os estudantes; 6. Disponibilizar à comunidade científica estudos, análises qualitativas e quantitativas realizadas a partir dos resultados encontrados..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Computação Afetiva

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7588174352907231

NUTED-Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4528638972754370

Ricardo Burg Ceccimburgceccim@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9247766157002480

É sanitarista (Especialista pela Escola Nacional de Saúde Pública), Mestre em Educação (Programa de Pós-Graduação em Educação, UFRGS), Doutor em Psicologia (Processos de singularização na clínica e na cultura, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e pós-doutor em Antropologia Médica (Universitat Rovira i Virgili, Espanha). Atualmente é Professor Titular na Área de Saúde Coletiva (Departamento de Assistência e Orientação Profissional, UFRGS), responsável pelo Grupo Temático de Educação em Saúde inserido nas linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação, UFRGS e de Educação e Cultura da Saúde, entre as linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, UFRGS, líder do Grupo de Pesquisa em Educação e Ensino da Saúde (Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, CNPq), coordenador da Comissão de Residência em Área Profissional da Saúde/Multiprofissional (Coremu), UFRGS, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGCol), UFRGS, membro do Comitê Local de Iniciação Científica (Pró-Reitorias de Pesquisa e de Pós-Graduação), UFRGS e do Núcleo Docente-Estruturante do Curso de Bacharelado em Saúde Coletiva, UFRGS. Desde 2005 conduz o Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde – EducaSaúde, criado na Faculdade de Educação e hoje uma parceria com a Escola de Enfermagem. O EducaSaúde integra os grupos de Pesquisa & Desenvolvimento da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Pesquisa-formação na integração ensino-serviço em saúde: compondo referências
  2. Biblioteca Vivente, livros em suporte humano: compartilhamentos de vida para o apreender da alteridade
  3. Pedagogia da vida: Redilhando Cartografias de formação.
  4. Prospecção de Modelos Tecnoassistencias na Atenção Básica em Saúde
  5. Perspectivas e inovações na atenção de saúde aos usuários de crack e outras drogas: avaliação acerca das limitações de acesso e da adesão aos serviços
  6. Pesquisa-ação e educação permanente como desenvolvimento e mobilização de capacidades institucionais em atenção e ensino de saúde
  7. Pesquisa-ação e educação permanente como desenvolvimento e mobilização de capacidades institucionais em atenção e ensino de saúde

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2016 – Atual
  3. 2012 – Atual
  4. 2011 – Atual
  5. 2011 – Atual
  6. 2006 – Atual
  7. 2006 – Atual

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. A proposta destina-se à formulação de teoria em Pedagogia Universitária tomando por base o caso da Educação em Saúde. Pretende seguir os estudos de identificação de metodologias e tecnologias para a integração ensino-serviço e para a pesquisa &educação em serviço, mediante o dispositivo pedagógico da Educação Permanente em Saúde, mas agora no confronto internacional, fazendo uso das relações já estabelecidas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul ?UFRGS com a Universidade de Bolonha- UNIBO. Implementará o conceito de pesquisa-formação e buscará analisar a pertinência de metodologias pedagógicas desenvolvidas pela UFRGS que mobilizam o ensino, a pesquisa e a extensão universitária no contato com sistemas e serviços de saúde.Parte de uma investigação de campo na Atenção Básica atenção primaria à saúde) e busca a interlocução com atores do ensino, do trabalho, da gestão e representantes dos usuários de serviços de saúde. O projeto de pesquisa ambiciona oferecer à pedagogia Universitária dispositivos metodológicos de educação permanente de pesquisa-ação crítico-colaborativa em serviços de saúde com potência para enfrentar os desafios postos na realidade ontemporânea da gestão de sistemas e serviços na área da saúde. Com a escolha da pesquisa-formação será estimulada a criação e o fortalecimento de redes internacionais entre profissionais, p rofissionais e docentes, profissionais e estudantes, estudantes e pesquisadores, tendo em vista compartilhar conhecimentos e estratégias quanto à formação em saúde. No final, as atividades de knowledge transfer e knowledge translation serão facilitadas, artigos em italiano, português e inglês serão utilizados para a divulgação acadêmica. Aintervenção investigativa em situações reais e a gestão da mudança em cenários concretos de trabalho pode, de um lado, elevar as capacidades institucionais dos parceiros implicadas com a ação, de outro, gerar informação para a sua reprodução como metodologia, instrumento e técnica, vindo sensibilizar coletivos ampliados de atores vinculados aos serviços de saúde e às instituições de ensino, promovendo cenários de integração ensino-serviço. A maior potência da proposta está em seu impacto de colaboração internacional, favorecendo o intercâmbio, promovendo a cooperação e construindo interface de conhecimentos e práticas..
  2. Entendendo a formação menos como uma arte de governar ou guiar, e mais como uma força de afetação sensível dos sujeitos talvez seja possível sugerir as perspectivas da empatia (ou da amizade) e da parrhésía (o franco-falar) como projeto formativo na direção das humanidades, apreensão da alteridade e aprendizagem do acolhimento ético das diversidades e singularizações do humano. Usamos das últimas formulações de Michel Foucault sobre as tecnologias de subjetivação e a experiência internacional das Bibliotecas Humanas, experimento criado na Dinamarca em 2000, onde o contato com pessoas que experimentam estigmas, discriminações e preconceitos se faz à semelhança da consulta bibliográfica. Pensa-se em experimentar um procedimento didático: ?biblioteca vivente, livros em suporte humano?. Em lugar de um livro com o texto já fixado em suporte papel, pessoas-livro com um texto vivo, atuado em ato de conversa. A proposta é pesquisar, mediante ação em cena e mediante formação em ato dos agentes em cena (pesquisa-formação e pesquisa-intervenção). A empatia (amizade) e a parrhésía (falar franco/dizer verdadeiro) são apresentadas como proposta didática e formativa no ensino em ciências sociais e humanas (licenciaturas) e em ciências sociais e humanas na saúde (saúde coletiva), tendo em vista estudos de gênero e sexualidade, de educação em saúde mental, de antropologia do corpo e da saúde, de educação em saúde, de educação inclusiva e de educação e diversidade. Frente ao desafio de construir uma atuação profissional cada vez mais solidária e ética, propõe-se a possibilidade de refletir sobre alternativas de formação profissional na educação superior, onde se incluam qualidades sensíveis (sensações, impressões, desejos, afetos) e se desenvolvam tecnologias inovadoras identificadas com a realidade brasileira. A experiência internacional das Bibliotecas Humanas não tem paralelo na América Latina, assim a utilização da experiência internacional se prestará à metodologia de criar cenários vivos de contato com a diversidade na experiência humana e suas singularizações para ampliar a alteridade e o acolhimento ético do humano, um movimento que incentive o contato social e o diálogo intercultural para promover a igualdade e aceitação, e reduzir a discriminação e o ódio. A pesquisa-experimento que se propõe é a do encontro com livros em suporte humano para formação de estudantes de graduação. Com isso espera-se aprofundar a ruptura com os enfoques tradicionais de pesquisa e ampliar as bases teórico-metodológicas das pesquisas participativas, incluída a proposta de atuação transformadora da realidade sociopolítica, bastante pertinente aos acontecimentos globais contemporâneos.
  3. As práticas pedagógicas e de saúde dos Residentes, nos cenários da Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Mental Coletiva, costuram-se dentro proposta de Educação Permanente [ensino ? gestão setorial ? práticas de atenção ? controle social] (CECCIM; FEUERWERKER, 2004) e a contribuição desses Sujeitos em Formação [os Residentes] na produção de cultura e sentido [nas subjetividades], é o que me impulsiona a sistematizar a boniteza da relação construída entre os processos de educação e saúde. Toda prática de saúde é uma ação educativa, pois o processo de promoção-prevenção-cura-reabilitação é também um processo pedagógico, no sentido de que tanto o profissional de saúde quanto o usuário aprendem e ensinam. Esses conceitos podem mudar efetivamente a forma e os resultados do trabalho em saúde, transformando pacientes em cidadãos, co-participantes do processo de construção da saúde (ALBURQUERQUE e STOTZ, 2004). Essa pesquisa pretende analisar os processos de intervenção dos Residentes nos campos e cenários de prática de modo a perceber essas criações de potência de vida, de subjetividades que [in]ventam novas experimentações de mundo. A análise desses processos de formação profissional dos Residentes poderá incentivar práticas que agenciem argumentos de sensibilidade (CECCIM, 2004/2005) e redes construídas no cotidiano das afecções ..
  4. O cenário sanitário mundial tem dado relevante enfoque aos esforços de inovação e modelares em saúde, seja pelo enfoque na promoção da saúde, pela expansão da atenção primária à saúde ou pela defesa da integralidade e da participação popular nas estratégias do setor da saúde. A discussão dos modelos tecnoassistenciais se torna fundamental no planejamento estratégico do setor quando se pretende o acolhimento universal da população e a elevada qualidade da resposta assistencial aos indivíduos e coletivos ou sua inclusão em singulares projetos terapêuticos ou de promoção da saúde. O fato de serviços e sistemas de saúde serem alvo/objeto tanto da introdução contínua de metodologias e tecnologias, como da sempre renovada inclusão de prioridades epidemiológicas e da implantação novidadeira ou reatualizada de ações programáticas faz com que se entrecruzem múltiplos dispositivos de ação e inovação. Sob esta ótica, ?modelos? antigos ou atuais são portadores de estratégias de acolhimento e de resposta, jamais unitários, posto, inclusive, que sofrem diferentes fatores de produção e consumo, correspondendo a interesses diversos na política social e econômica, assim como nas políticas profissionais, programáticas em saúde e de financiamento setorial. No mesmo ?modelo? em que há forte introdução de metodologias coletivas de educação para a saúde, há a manutenção de metodologias campanhistas de saúde pública. No mesmo modelo em que as consultas de atenção básica são realizadas por médicos de subespecialidades, há a realização de procedimentos técnicos que evitam encaminhamentos e descartam a solicitação de exames supérfluos ou a prescrição prioritária de medicamentos. Assim, uma prospecção de modelos tecnoassistenciais abordaria o elo necessário entre as estratégias de atenção e governo da saúde com o conhecimento tecnológico e científico da área como uma forma de saber sobre inovações e modos de fazer no diagnóstico e terapêutica e na política de saúde. Uma inovação ou modo de fazer pode ser a estratégia de aproximação com a população pela via de uma linguagem cultural apropriada, pela forma de se relacionar em rede pelos laços de amizade e coleguismo local etc.. Um desafio de resolutividade pode ser a invenção de unidades mistas de saúde e assistência social para atender grupos populacionais com discapacidades ou unidades mistas entre hospital e atenção básica para assegurar ?leitos? de reidratação oral, observação psicossocial, parto normal etc.. Em todos os modelos auto-interrogados pela resolutividade encontrar-se-á maneiras de criar valor com base na diferenciação. O problema de um modelo único é a perda da capacidade de diferenciação, justamente pela escolha da modelização. Ao ser visto como estratégico para o setor, o modelo único assume funções e atributos em todos os níveis da organização, reduzindo a escuta dos fatores de diferenciação, portadores de protagonismo local e consequência de disputas locais pelo acolhimento das pessoas e grupos sociais ou pela elevada qualidade assistencial. Deste modo, uma perspectiva interessante ao gestor federal do setor da saúde seria a prospecção de modelos reais (estaduais ou municipais), demonstrando a diversidade e as suas conquistas. A prospecção seria a busca e a detecção das fórmulas resolutivas e dos procedimentos de rede adotados por múltiplos locais submetidos ao mesmo sistema nacional de saúde. Seria como prover visibilidade para as estratégias em curso ?com olhos para o futuro?, capturando as suas potências ou as possibilidades de que são portadoras para que se pudesse conduzir uma política desde seus atores estratégicos, tomados por seu valor protagonista de realidades, não a imposição de desenhos definidos a priori como ideais, posto que não há como prover controle sobre todos os fatores de determinação das práticas locais levadas a efeito..
  5. Entender e formular marcadores apreciativos da rede assistencial a usuários de crack e outras drogas, segundo os indicadores de limitação de acesso e de adesão dos usuários aos serviços profissionais de atenção à saúde, estudando as características das redes de saúde e intersetoriais, configurar um processo de avaliação formativa, tendo em vista elevar a capacidade resposta da rede de atenção integral â saúde aos usuários de crack e outras drogas, qualificando a compreensão sobre as necessidades de educação de profissionais de saúde e de educação permanente em saúde no interior da rede profissional, construindo uma atenção de maior qualidade, equidade e resolutividade..
  6. Desenvolvimento de tecnologias de integração ensino-serviço e mobilização de capacidades institucionais para a renovação do ensino da saúde e sua relação com as profissões da saúde, com base na metodologia da pesquisa-ação e educação permanente em saúde. A pesquisa-ação e a educação permanente em saúde permitem acoplar processos de desenvolvimento institucional e produção de conhecimento científico-tecnológico com o desenvolvimento de coletivos docentes e estudantis e formação em serviço. A pesquisa-ação e a educação permanente em saúde implicam a intervenção investigativa em realidades concretas e a gestão de mudanças em cenários sociais, elevando capacidades institucionais, sensibilizando coletivos ampliados de atores vinculados às instituições de ensino e aos cenários de integração ensino-serviço. A pesquisa-ação usa do trabalho de pesquisadores em produtividade e em formação para gerar uma inteligência sobre processos e métodos ao operar transformações sociais em coletivos de atores implicados. A educação permanente usa da formação em serviço para gerar capacidades técnico-científicas ou pedagógico-educativas em realidades de trabalho cotidiano. A pesquisa-ação transversaliza o conjunto da intervenção e a elaboração dos documentos de inteligência, enquanto a educação permanente consuma produtos em cursos de curta ou média duração especificamente voltados para a gestão de processos de mudança e para o desenvolvimento de práticas pedagógicas de interação entre ensino e serviços, envolvendo professores, preceptores, residentes e estudantes. A ação acoplada permitirá a formação especializada e continuada de profissionais atuantes na área de atenção e ensino. O resultado esperado é a evolução positiva da capacidade institucional e da cultura coletiva para a gestão de mudanças no ensino das profissões da saúde em relação à ampliação dos campos de práticas para o sistema de saúde..
  7. Desenvolvimento de tecnologias de integração ensino-serviço e mobilização de capacidades institucionais para a renovação do ensino da saúde e sua relação com as profissões da saúde, com base na metodologia da pesquisa-ação e educação permanente em saúde. A pesquisa-ação e a educação permanente em saúde permitem acoplar processos de desenvolvimento institucional e produção de conhecimento científico-tecnológico com o desenvolvimento de coletivos docentes e estudantis e formação em serviço. A pesquisa-ação e a educação permanente em saúde implicam a intervenção investigativa em realidades concretas e a gestão de mudanças em cenários sociais, elevando capacidades institucionais, sensibilizando coletivos ampliados de atores vinculados às instituições de ensino e aos cenários de integração ensino-serviço. A pesquisa-ação usa do trabalho de pesquisadores em produtividade e em formação para gerar uma inteligência sobre processos e métodos ao operar transformações sociais em coletivos de atores implicados. A educação permanente usa da formação em serviço para gerar capacidades técnico-científicas ou pedagógico-educativas em realidades de trabalho cotidiano. A pesquisa-ação transversaliza o conjunto da intervenção e a elaboração dos documentos de inteligência, enquanto a educação permanente consuma produtos em cursos de curta ou média duração especificamente voltados para a gestão de processos de mudança e para o desenvolvimento de práticas pedagógicas de interação entre ensino e serviços, envolvendo professores, preceptores, residentes e estudantes. A ação acoplada permitirá a formação especializada e continuada de profissionais atuantes na área de atenção e ensino. O resultado esperado é a evolução positiva da capacidade institucional e da cultura coletiva para a gestão de mudanças no ensino das profissões da saúde em relação à ampliação dos campos de práticas para o sistema de saúde..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

RACIONALIDADES EM SAÚDE: SISTEMAS MÉDICOS E PRÁTICAS

COMPLEMENTARES E INTEGRATIVAS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4033591928455974

Pesquisa, Ação e Colaboração em Educação e Ensino da Saúde – EducaSaúde

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1665076511892913

Rodrigo Saballa de Carvalhorsaballa@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/9450619789833040

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEdu/UFRGS) na linha de pesquisa: Estudos das Infâncias. Professor da área de Educação Infantil do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FACED/UFRGS), no Departamento de Estudos Especializados (DEE). Licenciado em Pedagogia, Especialista em Gestão da Educação (UFRGS), Mestre em Educação (UFRGS -2005), Doutor em Educação (UFRGS -2011) e Pós-Doutor em Educação (UFPEL -2014). Realizou a pesquisa de pós-doutorado intitulada: Inventando crianças no século XXI: políticas de escolarização, capital humano e gestão de riscos nos discursos de analistas econômicos sobre a Educação Infantil (PPGE- UFPEL). Áreas de Interesse de pesquisa: Educação Infantil; Pedagogia da Infância; Linguagens; Culturas Infantis; Currículo e Cotidiano na Educação Infantil; Pesquisa com crianças; Docência na Educação Infantil; Políticas curriculares de Educação Infantil; Formação de Professores de Educação Infantil. Membro do GEIN – Grupo de Estudos da Infância (UFRGS). Vice líder do Grupo de Pesquisas CLIQUE – Grupo de Pesquisas em Linguagens, currículo e cotidiano de bebês e crianças pequenas (UFRGS). 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

A Pedagogia da Infância em discurso: emergência, embates e reinvenções do conceito na prática de pesquisa na Educação Infantil

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2016 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

O presente projeto de pesquisa, tem como objetivo analisar e discutir as condições de emergência, os

embates e os usos do conceito de Pedagogia da Infância no campo de pesquisas da Educação Infantil brasileira no período de 2000-2015. Tendo em vista que tal conceito é histórico e mutável, produzido e reproduzido nas contingências de cada tempo-espaço, compreende-se no contexto investigativo, a Pedagogia da Infância como um conjunto de fundamentos e indicações de ação pedagógica que tem como referência as crianças e as múltiplas concepções de infância em diferentes espaços educacionais. Desse modo, a perspectiva assumida por tal Pedagogia, tem significado as crianças como seres humanos dotados de ação social (portadores de história, capazes de múltiplas relações e produtores de formas culturais próprias) e afirmado a infância como uma categoria geracional, social, histórica e geograficamente construída (atravessada por variáveis de gênero, classe, religião e etnia). Tendo como objetivo a construção de um mapeamento detalhado que permita pensar sobre as condições de emergência do conceito de Pedagogia da Infância como ferramenta teórica, a pesquisa se realizará a partir das contribuições dos Estudos de Michel Foucault no que diz respeito as relações de saber-poder implicadas na análise do discurso, dentre outros/as autores/as que se vinculam a uma perspectiva pós – estruturalista. Nesse sentido, ressalta-se que a pesquisa tem a preocupação de circundar e problematizar o conceito de Pedagogia da Infância, a partir das produtivas transformações no estado da cultura e das relações com os saberes emergentes do no contexto contemporâneo. Metodologicamente a pesquisa será desenvolvida em três etapas distintas. Inicialmente, serão revisados alguns discursos sobre a infância para evidenciar os elementos a partir dos quais ela é discutida, nas últimas décadas do século XX, como construção cultural e histórica, passando a ocupar, assim, um lugar central nas práticas educacionais que conformam o que vem sendo nomeado como “Pedagogia da Infância”. Na segunda etapa, será realizado um levantamento de documentos como teses, dissertações e artigos (Scielo, Capes, BDTD e Repositórios de Instituições de Ensino Superior) que operam com o conceito de Pedagogia da Infância. A partir da leitura do material de análise serão mapeados os enunciados presentes na rede que configura o construto teórico do conceito, problematizando os embates teóricos na luta pelos processos de significação do mesmo. Por fim, na terceira etapa da pesquisa, seguindo e articulando a discursividade posta em jogo pelo conceito, serão evidenciados e discutidos os processos que tem permitido sua permanência, disseminação e reinvenção no contexto de pesquisas acadêmicas desenvolvidas no país..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1673844229666121

GEIN – Grupo de Estudos de Educação Infantil e Infâncias

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4964865837366739

CLIQUE – Grupo de Pesquisa em Linguagens, Currículo e Cotidiano de bebês e crianças pequenas

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7465914653099057

Rosa Maria Bueno Fischerrosa.fischer@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/4822360914917682

É doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996), mestre em Educação pelo Instituto de Estudos Avançados Em Educação Fundação Getúlio Vargas (1982) e é graduada em Letras pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1971). É Professora Titular da UFRGS. Titular do Comitê Assessor (CA) da área de Educação, no CNPq (2013-2015). Membro do Comitê Assessor área Educação da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2005-2008). De fevereiro a agosto de 2009 foi Visiting Scholar da New York University (USA) — onde realizou seu estágio de pós-doutorado. Foi editora da revista Educação & Realidade, da UFRGS, de setembro de 1997 a junho de 2008. Coordenou o GT Educação e Comunicação da ANPED nos anos de 2005 e 2006 e foi membro do Comitê Científico da ANPED em dois períodos; atua no momento como consultora ad hoc do mesmo GT. Editora associada da revista Education Policy Analysis Archives/ Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, desde 2010, até dezembro de 2015. É membro do Comitê Consultivo do Scielo Educa, gerenciado pela Fundação Carlos Chagas. Tem experiência na área de Educação e da Comunicação, com ênfase em Sociologia e Filosofia da Cultura, estudos foucaultianos; pesquisas sobre cinema, mídia, juventude e processos de subjetivação. Coordena o NEMES – Núcleo de Estudos sobre Mídia, Educação e Subjetividade, da UFRGS. Autora dos livros O MITO NA SALA DE JANTAR (discurso infanto-juvenil sobre televisão); TELEVISÃO & EDUCAÇÃO: fruir e pensar a TV; TRABALHAR COM FOUCAULT. ARQUEOLOGIA DE UMA PAIXÃO.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

JUVENTUDES E NARRATIVAS VISUAIS: POR UMA ÉTICA DA IMAGEM NA EDUCAÇÃO

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2011 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A pesquisa, agora (2016) em sua segunda fase, diz respeito: 1º ? a um estudo teórico sobre o próprio conceito de imagem, mais especificamente sobre narrativas visuais, com ênfase em produções cinematográficas; 2º ? a um estudo teórico sobre as relações entre ficção e realidade, na arte, de um modo geral, e nas narrativas visuais, de modo particular; 3º ? a uma relação desses estudos teóricos com a educação ética de professores em formação, no caso, estudantes de Pedagogia; 4º ? finalmente, a um levantamento empírico, envolvendo, de um lado, dados sobre jovens da Grande Porto Alegre e sua relação com a proliferação de imagens na cultura; e, de outro, a análise de produções cinematográficas que poderiam fazer parte de uma intervenção com esses estudantes, no sentido de uma produção de pensamento sobre uma possível ?ética das imagens?. Trabalhamos com a hipótese de que a imagem pode ser pensada a partir de uma ética, de uma disposição e de uma conduta em relação ao outro (conforme Didi-Huberman, Jacques Rancière e Jean-Luc Nancy), possível de ser encontrada em produções cinematográficas diferenciadas, acessíveis ao público jovem, para fruição e produção de pensamento na educação. Para a realização desta pesquisa, três focos teórico-epistemológicos principais estão em pauta. Em primeiro lugar, uma discussão conceitual sobre concepções de imagem; a seguir, um debate sobre as relações entre narrativas visuais (ficcionais ou não) e o problema da ?verdade?e a experiência de si (Michel Foucault e sua hermenêutica do sujeito); finalmente, a problematização sobre questões éticas de nossas experiências, objetos, produtos, práticas, enfim, com e sobre imagens ? de modo particular com o foco nas narrativas cinematográficas. Os objetivos principais da pesquisa os seguintes: (1) Realizar estudo teórico sobre os diferentes conceitos de imagem, centralizando a atenção nas imagens cinematográficas e na discussão dos seguintes temas: imagem e realidade; imagem, discurso e representação; imagem e acesso ao real; imagem, visibilidade e invisibilidade; imagem e acontecimento; ética das imagens; imagem e estranhamento; (2) Levantar, em entrevistas individuais, dados de estudantes de Pedagogia e de Comunicação (de 17 a 30 anos), de universidades públicas e privadas da Grande Porto Alegre, sobre experimentações com imagens (fotografias, imagens do cinema, da TV, da Internet), e as articulações dessas imagens com memórias individuais e coletivas, bem como com práticas pedagógicas (vividas ou vislumbradas como possíveis, nos processos educacionais); (3) Mapear e analisar (com base em autores como Didi-Huberman, Ismail Xavier e Jacques Rancière) um conjunto de filmes de diferentes gêneros narrativos, diretores, temáticas, linguagens, épocas e nacionalidades ? em que o espectador seja colocado diante do desafio de imagens desconcertantes, para além dos protocolos de leitura já automatizados e sabidos; (4) Realizar 50 encontros com grupos de 30 estudantes de Pedagogia e de Comunicação, para exibição e debate de curtas-metragens ou cenas previamente selecionadas de filmes; (5) Reunir, a partir dos encontros com os jovens, um conjunto de produções textuais individuais, nascidas da experimentação com narrativas cinematográficas, como registro de uma fruição estética com imagens; (6) Elaborar ensaios analíticos (pelo menos três) sobre teoria da imagem, narrativas visuais e educação; e sobre as relações entre juventude, cinema e ética das imagens ? tendo como fonte os materiais coletados nos questionários, nos estudos teóricos e na leitura do material escrito produzido pelos estudantes; (7) Oferecer material teórico e prático como contribuição aos currículos de Pedagogia e Comunicação, no sentido da ampliação do repertório audiovisual de jovens em formação, para atuar no magistério e nas diferentes áreas da Comunicação..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos de Mídia, Educação e Subjetividade (NEMES)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5162882727309871

Rosa Maria Hessel Silveirarosamhs@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/3852895538631644

Possui graduação e mestrado em Letras pela UFRGS (1972 e 1980), doutorado em Educação também pela UFRGS (1995) e pós-doutorado pela Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade de Lisboa (2007-2008) e pelo GRETEL, da Universidad Autónoma de Barcelona (2015).. Professora titular aposentada da Faculdade de Educação da UFRGS; atualmente, é professora permanente convidada do PPGEducação na mesma unidade. Atua principalmente nos seguintes temas: Estudos Culturais, identidade, diferença, literatura infanto-juvenil, representações docentes, discursos, leitura e produção textual. Já orientou 28 dissertações de mestrado, 18 teses de doutorado e dois estágios pós-doutorais. Organizou os livros Professoras que as histórias nos contam (Ed. DP&A, 2002), Cultura, poder e educação – um debate sobre Estudos Culturais em Educação (Ed. da Ulbra, 2005; 2a edição: 2011), Estudos Culturais para professor@s (Ed. da Ulbra, 2008), Contribuições para o trabalho e formação docente – temas contemporâneos (Ed. CRV, 2013). É autora, com outros colegas, de “A diferença na literatura infantil: narrativas e leituras”, editora Moderna, 2012, selecionado pelo PNBE-professor-2013. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, desenvolvendo atualmente o projeto “Percursos e representações da infância em livros para crianças ? um estudo de obras e de leituras”, que conta com pesquisadores de várias universidades. É coordenadora do NECCSO, Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade, grupo de pesquisa sediado no PPGEducação da Ufrgs, fundado em 1996. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Percursos e representações da infância em livros para crianças – um estudo de obras e de leituras

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2015 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A partir dos resultados de projetos anteriores, a pesquisa apresenta os seguintes objetivos: – analisar formas de representação da infância corporificadas nos personagens infantis de um conjunto de obras presentes em escolas públicas que atendem anos iniciais, considerando tanto títulos distribuídos pelos programas governamentais (PNBE, PNAIC…), quanto uma amostra de obras tidas como de ?caráter comercial? também presentes em alguns espaços escolares; verificar distinções e aproximações entre tais tipos de obras;- examinar formas de leitura de algumas obras escolhidas, dentre os conjuntos examinados, por grupos (turmas) de crianças de escolas públicas, buscando identificar as representações de infância por elas manifestadas, a partir de suas experiências prévias, na família, na escola, no espaço midiático, assim como das situações de discussão provocada..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Literatura e Cultura Contemporânea

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8964054101715658

Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5639919727701293

Rosane Aragonrosane.aragon@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/3641003731586487

Doutora em Informática na Educação (2001), mestre em Educação (1988) e graduada em Psicologia (1983) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-doutorado pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora Associada da Faculdade de Educação da UFRGS e docente no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU/UFRGS), orientando alunos de mestrado e doutorado, Coordenadora do Curso de Graduação em Pedagogia – Licenciatura na modalidade a distância (PEAD/FACED/UFRGS), líder do Núcleo de Estudos em Tecnologias Digitais na Educação. Desenvolve pesquisas na área de Educação, com ênfase em Aprendizagem em Ambientes Digitais, atuando principalmente nos seguintes temas: educação a distância, formação de professores, informática na educação, aprendizagem e projetos de aprendizagem.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS CURSOS DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL E DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2015 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

A pesquisa insere-se na Linha de Pesquisa Tecnologias Digitais na Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande Sul (PPGEDU/UFRGS) e tem como foco a análise das concepções e práticas pedagógicas dos cursos de Pedagogia a Distância da Universidade Federal do Rio Grande do sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A questão orientadora da investigação é ?Como as concepções de formação dos cursos de Pedagogia a Distância da UFRGS e da UFPel foram traduzidas em práticas pedagógicas?? O objetivo geral é compreender as concepções pedagógicas e práticas dos cursos de Pedagogia a Distância da UFRGS e da UFPel a partir da análise das publicações acadêmicas. Os objetivos específicos são identificar os modelos pedagógicos dos cursos de Pedagogia a Distância da UFRGS e UFPel a partir dos PPCs; interpretar, nas publicações dos cursos de Pedagogia a Distância da UFRGS e UFPel, a estrutura curricular, a articulação teoria-prática, os recursos e as estratégias de aprendizagem, a avaliação, a atuação e a formação dos sujeitos no processo e evidenciar de que maneira as reflexões sobre os cursos expõe os impactos desse modelo de formação. É utilizada a metodologia qualitativa na forma de estudo de caso. Os dados do estudo são as concepções e práticas pedagógicas registradas nas produções escritas e publicadas, principalmente nas categorias de artigos em periódicos, capítulos de livros, dissertações de mestrado, teses de doutorado e trabalhos de conclusão de curso..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Grupo de Pesquisa em Ecologias e Políticas Cognitivas

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1678380961387153

Grupo de Pesquisa TECEB Tecnologias na Educação Básica

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1544513057357875

Núcleo de Estudos em Tecnologias Digitais na Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6450968758725565

Núcleo de Estudos sobre Coordenação das Ações e o Ensinar e Aprender (NECAEA)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1834334118522311

Samuel Edmundo Lopez Bellosamuel.bello@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/4997543978760163

Possui graduação em Licenciatura em Matemática. Mestrado em Educação (UFPR – 1995) e Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Pós-doutorado no UMR 5191 ICAR – CNRS Université Lyon 2 – Lyon- França (CAPES Proc: BEX 4392/13-2). Atualmente é professor associado iiI do Departamento de Ensino e Currículo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor do PPGEDU/ UFRGS e do PPG- Ensino de Ciências da UFRGS.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Numeramentalização: normatividade matemática, dispositivos e tecnologias de governo de si e dos outros.

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2012 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

o projeto de pesquisa intitulado: Numeramentalização: normatividade matemática, dispositivos e tecnologias de governo de si e dos outros tem por objetivo propor uma reflexão filosófico-analítica que mostre de que maneira, numa sociedade numeramentalizada como a nossa, práticas sociais – fazendo uso e outorgando um caráter do dizer-verdadeiro a números, índices, medições, taxas [o quantitativo] – intervêm sobre os modos de ser e agir de sujeitos produzindo modos de subjetivação individuais e coletivos, em diferentes espaços socialmente institucionalizados. Particularmente, por estarmos vinculados a uma Faculdade de Educação, os espaços e as práticas a serem analisadas estrão vinculados à produção dos sujeitos da Educação..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Praktiké – Educação e Curriculo em Ciências e Matemática

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2306894215621168

PHALA: Educação, Linguagem e Práticas Socioculturais

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2573190019948471

Sandra Mara Corazzasandracorazza@terra.com.br

http://lattes.cnpq.br/5125809962363078

Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Departamento de Ensino e Currículo, Programa de Pós-Graduação em Educação. Pesquisadora de Produtividade 1 C do CNPq (2002-). Líder dos Grupos de Pesquisa, Diretório do CNPq/Lattes: 1) DIF – Artistagens, Fabulações, Variações (2002 -); 2) Escrileituras da diferença em filosofia-educação (2015 -). Experimentadora de Filosofia-Educação; Escrileituras da Diferença; Currículo e Didática da Tradução. Desde o arquivo da educação, a filosofia da diferença, teorias de tradução literária, o surracionalismo da ruptura e a poética da imaginação, penso a didática e o currículo, em processos de experimentação de escrileituras (escritas-leituras). De modo empírico-transcendental, pesquiso a especificidade e o impulso vital do ato de educar, dispondo-o como a tradução de matérias originais (teorias, práticas, métodos), criadas pela arte, pela ciência e pela filosofia. Em territórios transdisciplinares, translinguísticos, transemióticos, transculturais e transpensamentais, demonstro que os professores-pesquisadores exercem um trabalho intelectual afirmativo e uma função inventiva autoral sobre essas matérias; as quais, ao serem traduzidas, didática e curricularmente, interpretam, criticam, reconstroem e, assim, transcriam a realidade e a liberdade, o pensamento e a subjetividade, o mundo e nossas vidas. [Fotartistagem: Cristiano B. da Costa, 2017.] Palavras-chave: Diferença. Currículo. Didática. Tradução. Escrileituras.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Procedimentos didáticos tradutórios nas Licenciaturas
  2. Rede-In-Vento
  3. Didática da Tradução, Transcriação do Currículo: Escrileituras da Diferença

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2016 – Atual
  3. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O presente projeto ?Procedimentos Didáticos Tradutórios nas licenciaturas?, a cargo da doutoranda pesquisadora Fabiane Olegário, sob a minha supervisão, tem como foco a formação inicial de licenciandos do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Univates no que se refere à relação entre a produção didática e a tradução enquanto experimentações criadoras de leitura e de escritura no fazer pedagógico. Trata-se de experimentações que possibilitem ao licenciando afirmar-se como autor, na contramão da concepção de uma docência transmissora do conhecimento. Esse deslocamento permite resgatar e afirmar o valor autoral da prática didática. Para investigar tais questões, o projeto toma a teoria da tradução-invenção poética literária como uma prática escrileitora dada à criação permanentemente aberta a textos traduzíveis e, sobretudo, escrevíveis ao utilizar o Roteiro de Procedimento Didático de Tradução em uma aula, produzido durante a execução do Projeto Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida, que estará disponível para os licenciandos do Curso de Pedagogia. Embora, este projeto remeta-se ao Projeto de Pesquisa existente e já finalizado, trata-se de uma nova investigação que objetiva inventariar Procedimentos Didáticos de Tradução, dispondo-os outra vez à criação..
  2. Trata-se de um projeto de rede de cooperação entre pesquisadores, de caráter nacional e internacional, apresentados pela UFMT e UNEMAT, à Fundação de Amparo à Pesquisa do Mato Grosso..
  3. Trata-se de Projeto de Pesquisa de Produtividade e correlatos Plano de Trabalho e Cronograma, a serem desenvolvidos no período de 01 de março de 2015 a 28 de fevereiro de 2019, objetivando prosseguir, complementar, correlacionar e consolidar a formação de professores-pesquisadores, os resultados e impactos das produções de três pesquisas, por mim anteriormente realizadas, no decurso dos últimos quatro anos (2011 a 2015), quais sejam: 1) Didática da tradução, transcriações do currículo: escrileituras de AICE (Autor, Infantil, Currículo, Educador), em Estágio de Pós-Doutorado Señior (CNPq, PDS n. 151581/2013/4), entre 01 de março a 31 de agosto de 2014, sob a supervisão do Prof. Dr. Julio Groppa Aquino (AQUINO; CORAZZA, 2009; CORAZZA; AQUINO, 2011), na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (CORAZZA, 2013b); 2) Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo: método Valéry-Deleuze, como Pesquisa de Produtividade, junto ao CNPq (nível 1D, n. 304364/2010-0), entre 01 de março de 2011 e 28 de fevereiro de 2015 (CORAZZA, 2010a); 3) e a pesquisa Escrileituras: um modo e ler-escrever em meio à vida, junto ao Programa Observatório da Educação, CAPES-INEP, desenvolvida entre 01 de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2014 (CORAZZA, 2010b), na qual exerci a coordenação geral dos quatro Núcleos (UFRGS e UFPel, RS; UFMT, MT; UNIOESTE, Toledo, PR), envolvendo cerca de cem bolsistas e pesquisadores participantes de diversos níveis de formação e atuação estudantil ou profissional. Desde a perspectiva da Filosofia da Diferença na Educação (CORAZZA, 2012), o presente Projeto utiliza o Método da Dramatização do Informe ou Método Valéry-Deleuze (CORAZZA, 2010c; 2011a; 2011b), para colocar em funcionamento conceitual-operatório os resultados das duas primeiras pesquisas, acima indicadas, quais sejam: Didática da tradução, transcriações do currículo… (PDS/CNPq) e Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo… (PQ/CNPq); tendo como o seu campo empírico de movimentos o terceiro projeto de pesquisa supra, a saber: Escrileituras: um modo de ler-escrever… (CAPES-INEP). Movimentos de pesquisa, feitos em regime de articulação do teórico em cima do prático e com empréstimos de várias áreas de estudo, que tomam documentos (planos de oficinas e cursos, relatórios finais e parciais, livros, roteiros, audiovisuais, fotografias, filmes), além da contribuição direta ou a distância dos participantes egressos dos quatro Núcleos do Projeto Escrileituras. PALAVRAS-CHAVES: filosofia; diferença; currículo; didática; tradução; transcriação.

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

DIF – artistagens, fabulações, variações

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2807823141960298

ESCRILEITURAS DA DIFERENÇA EM FILOSOFIA-EDUCAÇÃO

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4273470577928731

Sérgio Roberto Kieling Francosergio.franco@ufrgs.br

http://lattes.cnpq.br/6389325869865024

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição (1985), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000). É Professor Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, lotado na Faculdade de Educação e professor dos programas de Pós-graduação em Educação e em Informática na Educação. Foi membro do Conselho Nacional de Educação (CNE) e Vice-Presidente da Câmara de Educação Superior deste Conselho. Foi Presidente da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES) do Ministério da Educação e Presidente da Associação das Instituições de Educação Superior Públicas para a Educação a Distância (UNIREDE). Foi Pró-reitor de Graduação da UFRGS, Secretário de Educação a Distância da UFRGS, Diretor da Faculdade de Educação da UFRGS; Diretor do Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação da UFRGS. Exerceu o cargo de Diretor de Políticas de Educação a Distância da Secretaria de Educação a Distância do Ministério da Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Psicologia Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação a distância, aprendizagem e educação superior. 

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Os fatores de acesso e permanência que envolvem a formação docente na UFRGS e seus contrastes com as expectativas e demandas do mundo do trabalho em escolas públicas da rede básica no Estado do Rio Grande do Sul

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2013 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Este estudo investigará os fatores de acesso e permanência que envolvem a formação docente na UFRGS e seus contrastes com as expectativas e demandas do mundo do trabalho em escolas públicas da rede básica do Estado do RS. Tais dados serão coletados nas 19 licenciaturas existentes na UFRGS. Para tanto, realizar-se-á uma pesquisa transversal de cunho qualiquantitativo. A fim de coletar os dados dos fatores locais de acesso e permanência das licenciaturas, utilizar-se-á a base de dados institucional da UFRGS. Para verificar as motivações à permanência nos cursos utilizar-se-á o Questionário de Expectativas Acadêmicas (SOARES; ALMEIDA, 2001) e para verificar a adaptação no ensino superior o Questionário de Vivências Acadêmicas (SANTOS et all, 2005), ambos aplicados com amostra estudantil dos referidos cursos. Tais dados serão analisados através da estatística descritiva. Para os fatores nacionais de acesso e permanência, utilizar-se-á o Censo da Educação Superior. Os dados serão analisados a partir da estatística descritiva e para compará-los com os dados locais, utilizar-se-á o Teste de Mann-Whitney. Para coletar os dados do mundo do trabalho no Estado do RS e dados nacionais será utilizado o Censo Escolar. Os possíveis contrastes com as demandas e expectativas em relação ao mundo do trabalho serão investigados através de entrevista com egressos das licenciaturas que estejam atuando em escolas públicas da rede básica. Esses dados serão analisados utilizando-se matriz de análise qualitativa. Para identificar as possíveis necessidades de mudanças, os dados coletados serão relacionados em uma Matriz de Análise Correlacional e analisados a partir do Teste de Regressão Múltipla. Como resultado, espera-se que o estudo possibilite a UFRGS desvelar as necessidades de mudanças de seus cursos de licenciatura, colaborando para incremento na qualidade desses, incentivando e divulgando orientações necessárias ao desenvolvimento de uma formação de professores sólida e de excelência..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

UNIVERSITAS/RIES

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6314564761607486

 

Grupo de Estudos sobre Universidade – Inovação e Pesquisa (GEU-IPesq/Edu/Ufrgs)

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4532309637127794

Simone Valdete dos Santossimonevaldete@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/0019646535765625

Possui graduação em História Licenciatura Plena pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1994), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003) e doutorado em Educação na modalidade sanduíche pela Universidade Federal Fluminense (2000). Atualmente é professora associada 3, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação de Jovens e Adultos, atuando principalmente nos seguintes temas: educação de jovens e adultos, educação profissional, formação de professores, educação profissional integrada à eja, educação ambiental e história da educação. Foi Diretora de Políticas da Educação Profissional e Tecnológica na Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação de 2011 a 2012. Cumpriu mandato como Diretora da Faculdade de Educação da UFRGS de 2012 a 2016.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Metodologias e Processos de Aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

Os processos de aprendizagem dos jovens e adultos pouco escolarizados, trabalhadores, das denominadas ?classes populares? não são os mesmos que as crianças, tampouco dos adolescentes e jovens que não trabalham. A elevação da escolaridade, a certificação profissional, o trabalho associativo e cooperativo compõe experiências possíveis de inclusão social destes grupos constituindo um escopo metodológico e teórico específico para a Educação de Jovens e Adultos. A centralidade desta investigação é o reconhecimento de metodologias, currículos e concepções de processos de aprendizagem específicos para os jovens e adultos trabalhadores, considerando os Núcleos Estaduais de Educação de Jovens e Adultos (NEEJAS) como espaço privilegiado para a pesquisa..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Núcleo de Estudos Educação e Gestão do Cuidado

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5678707940458358

Simone Zanon Moschensimoschen@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9706796553756326

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990), mestrado em Educação / UFRGS pela Faculdade de Educação (1997) e doutorado em Educação pela Faculdade de Educação (2002). É membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre e da Rede de Pesquisa Escritas da Experiência. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Desenvolve estudos na na área de Psicologia e Educação, com ênfase em Psicanálise, atuando principalmente nos seguintes temas: psicanálise, escrita, alteridade e transmissão.

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. ESCRITA E TRAÇO UNARIO: A CONSTRUCÃO DO CASO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES IMPLICADOS NA INCLUSAO ESCOLAR DE ALUNOS COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO
  2. A CONSTRUCAO DO CASO COMO DISPOSITIVO DE INCLUSAO ESCOLAR DE ALUNOS DE ZERO A CINCO ANOS COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO (TGD)

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2015 – Atual
  2. 2012 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. O presente projeto tem por objetivo estudar [resgatando, aprofundando e relacionando] as modalidades de articulação entre a escrita [como um modo de contar / inscrever] e o traço unário [ como o que abre a possibilidade de uma contagem] na construção do caso, estabelecendo a operatividade dessa articulação para a direção do trabalho de formação continuada de professores empenhados na escolarização de crianças com TGD…
  2. O presente projeto tem por objetivo produzir uma interface entre os campos da educação especial, educação infantil, psicanálise e a pesquisa acadêmica, oportunizando, de um lado, a investigação acerca da operatividade da construção do caso como dispositivo de inclusão escolar de sujeitos com TGD e, de outro lado, uma reflexão sobre a formação de professores (de atendimento educacional especializado e sala comum) diante dos desafios inscritos na escolarização destes alunos..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Laboratório de Pesquisa em Psicanálise, Arte e Política

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0755539297796165

Núcleo de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Cultura – NUPPEC

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0646341266113155

Rede de Pesquisa Escritas da Experiência

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2655322684633489

Vera Maria Vidal Peroniveraperoni@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/9945008202279221

Vera Maria Vidal Peroni é doutora em Educação e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) nos cursos de graduação e pós-graduação em educação. É pesquisadora produtividade CNPQ. Participa do grupo nacional de pesquisa sobre a relação entre o público e o privado na educação. É líder do Diretório Grupo de Pesquisa Estado e políticas públicas de Educação Básica. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: Estado e política educacional, política educacional brasileira, relação público/ privado. Sua pesquisa mais recente trata das “Implicações da relação público-privada para a democratização da educação? .

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

  1. Implicações da relação público-privada para a democratização da educação na América Latina: Uruguai, Argentina, Venezuela, Chile, Bolívia e Brasil
  2. Implicações da relação público-privada para a democratização da educação

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

  1. 2016 – Atual
  2. 2014 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

  1. Este projeto de pesquisa visa a analisar implicações das relações entre o público e o privado para a democratização da educação em países latino-americanos: Uruguai, Argentina, Venezuela, Chile, Bolívia e Brasil. A escolha dos países integrantes da pesquisa é relacionada aos pesquisadores que participam de grupos com os quais já estabelecemos diálogos anteriores, realizando estudos coletivamente ao longo dos últimos dez anos e que temos contato permanente. Com esta pesquisa pretendemos organizar, analisar e aprofundar esta interlocução de forma sistemática, produzindo e divulgando estudos sobre a realidade educacional. A pesquisa será realizada pelo ?Grupo de pesquisa relações público-privado na educação? (GPRPPE) vinculado ao PPGEDU, coordenado pela professora Vera Peroni e composto por bolsistas de iniciação científica, mestrandos, doutorandos e pesquisadores que já concluíram o doutorado e permanecem no grupo, assim como uma pesquisadora de pós-doutorado e colegas professoras da UFRGS..
  2. O projeto tem como objetivo geral: analisar as implicações da relação público-privada para a democratização da educação. E os objetivos específicos: -. Analisar as mais variadas formas de relação entre o público e o privado nas etapas e modalidades da educação básica brasileira. – Analisar as vinculações em redes e o conteúdo da proposta das formas de materialização do público e o privado, em continuidade e aprofundando ao que os grupos já estavam mapeando na educação básica brasileira. – Dialogar com a produção internacional acerca do tema público e privado. – Aprofundar a discussão teórica acerca do conceito e análise de redes globais em educação. -. Mapear as redes globais que influenciam as políticas de educação básica no Brasil e através de que instituições atuam..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Estado e políticas públicas de educação básica

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1934258535943926

KAIRÓS – Grupo de Pesquisas e Estudos sobre Trabalho, Educação e Políticas Públicas/ HISTEDBR

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6394071304402294

Formação de Professores no Mercosul/Cone Sul

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6487620898571887

Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0412712476729187

Zita Rosane Possamaizitapossamai@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/4910388368160076

Pós-doutoramento na Universidade Paris 3 Sorbonne Nouvelle (2014), com o projeto de pesquisa Museu e Fotografia: estudo sobre os museus de educação na França, séculos XIX e XX. Licenciada (1991), Bacharel (1992), Mestre (1998) e Doutora (2005) em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, exercendo suas atividades no Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, do qual é coordenadora, no Curso de Museologia, da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicaçao, e no Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação. Bolsista Produtividade do CNPq. Líder no CNPq do Grupo de Estudos em Memória, Patrimônio e Museus (GEMMUS). Tem experiência na área de História, Museologia e Educação, com ênfase em investigação histórica e gestão do patrimônio cultural urbano e museus. Autora e organizadora de artigos e livros sobre História de Porto Alegre, memória, patrimônio, museu. Sua dissertação de mestrado teve como temática o museu de cidade e sua tese de doutorado investigou as imagens fotográficas de Porto Alegre. Membro do Conselho Internacional de Museus, do qual foi secretária do comitê brasileiro, e da Associação Nacional de História, da qual foi presidente da seção RS, coordenadora dos GT Acervos e GT história, imagem e Cultura visual. É coordenadora do GT Nacional História e Patrimônio Cultural da ANPUH. Vem atuando principalmente nos seguintes temas: memória, história, cidade, patrimônio, museu, educação em museus, história da educação nos museus, história dos museus, cultura visual e fotografia .Foi servidora da Prefeitura de Porto Alegre (1987-2006), onde atuou como pesquisadora na Assessoria de Estudos e Pesquisas (1989-1993); foi membro da Comissão de Restauração do Mercado Público de Porto Alegre (1991-1993); Diretora do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo (1993-1999); Coordenadora da Memória Cultural (1999-2001); membro do Conselho do Patrimônio Histórico-Cultural de Porto Alegre (1999-2001); membro da Unidade Executora do Projeto Monumenta (2001-2005). Foi docente em vários cursos de pós-graduação lato sensu nas áreas de Patrimônio Cultural e Museologia. Foi docente do Centro Universitário Metodista IPA (2000-2006), onde atuou como Coordenadora do Curso de História; Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos e Educação; Coordenadora do Museu IPA.

 

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM ANDAMENTO:

Museus de Educação, um movimento internacional: aproximações e distanciamentos entre França e Brasil , séculos XIX e XX

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

 2016 – Atual

 

FINANCIAMENTO:

RESUMO:

O projeto objetiva investigar os museus de educação no Brasil e na França, entre os séculos XIX e XX, verificando a relação destes com uma educação dos sentidos, especialmente uma educação do olhar que promovia o agenciamento da cultura visual, especialmente a fotografia, como material de aprendizagem, documentação e difusão da cultura escolar. O projeto detém-se sobre o estudo comparativo entre os processos de criação do Museu Pedagógico da França e o Pedagogium brasileiro, além de estabelecer relações entre os museus escolares de ambos os países. A investigação dá continuidade a estudo anterior sobre os museus de educação na França que mostrou a pertinência e riqueza de investigação dessa temática no âmbito da História da Educação e, principalmente, da Museologia, uma vez que esse objeto é quase totalmente desconhecido desta última disciplina. O estudo ainda permitiu vislumbrar o potencial para estudos comparativos sobre os museus de educação criados na França e no Brasil, uma vez que ambos os países, assim como diversos outros, situavam-se historicamente num movimento internacional pela criação desses museus no âmbito da educação. Essa investigação situa-se em abordagem comparativa transnacional entre duas experiências empíricas diversas, Brasil e França, cujo objeto investigado, os museus de educação, são também abordados a partir do cruzamento disciplinar entre as áreas da Museologia, da História e da Educação, tendo em vista a necessidade de um olhar multidisciplinar para o estudo dos museus.Com base em abordagem relacional, a pesquisa proposta consiste em levantamento bibliográfico, de documentos escritos e visuais sobre os museus de educação no contexto francês, localizados no Museu Nacional da Educação, na Biblioteca Nacional da França e nos Arquivos Nacionais do Ministério da Educação. Para os dados referentes ao Brasil privilegiar-se-á a busca da produção acadêmica disponível sobre o tema, de modo a realizar os procedimentos comparativos e, em segundo momento, documentação localizada na internet ou no Rio de Janeiro. Assim, na perspectiva da história comparada, buscar-se-á estabelecer quadros de semelhanças e diferenças entre os dois países no que concerne às ideias e às representações em circulação no período sobre a necessidade de criação de museus escolares e pedagógicos para o progresso da educação nacional; sobre as práticas levadas a efeito; sobre as repercussões dessas ideias e práticas na escola. Na perspectiva da história transnacional, buscar-se-á delimitar os contornos de um movimento internacional voltado para a consolidação das ciências em diversos países e que configurou os museus como locus dessa produção e circulação, estendendo-se para o campo da educação com a criação dos museus de educação..

 

GRUPOS DE PESQUISA DOS QUAIS FAZ PARTE:

Patrimônios

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9771176552927615

Grupo de Estudos em Memória, Museus e Patrimônio – GEMMUS

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9935412209708241

Cultura Visual e Imagem

dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1531915752771899

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.