Saiba mais

congerdesign / pixnio (CC0)
Aqui disponibilizaremos publicações produzidas pelo Núcleo de Prevenção, comentários sobre assuntos relacionados às atividades e objetos de estudo do núcleo, artigos científicos e resumos de eventos com a participação do Núcleo.

Criado em 2004, revisado em 2010 e nesta nova edição totalmente refeita foi colocada em consulta pública em 2018 sob a denominação de Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos. O Guia ajuda pais e responsáveis com “recomendações e informações sobre como alimentar crianças nos dois primeiros anos de vida para promover saúde, crescimento e desenvolvimento de acordo com o potencial de cada criança.” Por ser um documento oficial do Ministério da Saúde, subsidia ações de educação alimentar e nutricional individual e coletivamente no Sistema Único de Saúde (SUS), sendo também um orientador de políticas, programas e ações, que visam uma melhor alimentação das crianças brasileiras.

A importância do Guia abrange todas as esferas sociais, desde a família, a escola, a saúde e a política. Logo, como o próprio Guia Alimentar cita: “Sua publicação reforça o compromisso e a prioridade absoluta do Ministério da Saúde de contribuir para o desenvolvimento de estratégias para a promoção e realização do direito humano à alimentação adequada às crianças, considerando a especificidade e a relevância dos primeiros anos de vida no desenvolvimento do ser humano.”

Sendo assim, uma consulta pública foi aberta em agosto de 2018, que já está encerrada, para a construção do um novo documento mais completo. Essa versão ainda não foi publicada pela mudança de governo, mas encontra-se disponível no link abaixo. Ler sobre a alimentação adequada para os pequenos é de extrema importância para a prevenção de doenças precocemente, como sobrepeso, obesidade, desnutrição e anemia. E a melhor fonte para isso certamente é o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos.

O Vitgitel é um projeto do Ministério da Saúde que pesquisa fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis desde 2007, em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal.

A cada ano eles adicionam mais uma questão de interesse de saúde pública, permitindo um retrato da saúde pública a cada ano.

Acabaram de ser publicados os dados referentes ao ano de 2016, quando o Vigitel completa uma década de observação.

Posicionamento do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva acerca do sobrepeso e obesidade, importantes fatores de risco na prevenção em 13 tipos de câncer.

Entre outras medidas, o Plano requer a implementação de políticas fiscais, como impostos sobre as bebidas açucaradas e os produtos com alto valor energético e pobres em nutrientes, a regulamentação da comercialização e da rotulagem de alimentos, a melhora da alimentação escolar e dos ambientes de atividade física, e a promoção da amamentação e da alimentação saudável.

Publicação do Ministério da Saúde: Guia Alimentar para a População Brasileira – 2ª Edição (2014)

O Núcleo Interdisciplinar de Prevenção das Doenças Crônicas na Infância vem de longa data lutando na prevenção destas doenças crônicas não transmissíveis ou comunicáveis e também participa da CAMPANHA DOS RÓTULOS JÁ, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), que é apoiada pela Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, da qual o Núcleo também participa e várias outras entidades. Essas entidades se reuniram e firmaram um documento de apoio a proposta de rotulagem formulada pelo Idec, baseada na rotulagem utilizada no Chile e no Equador e que tem o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).