O trabalho por equipes na escola – Jean Piaget

Autor: Jean Piaget – Diretor do Bureau International d’Éducation
Fonte: Revista de Educação – Diretoria do Ensino do Estado de São Paulo set/dez 1936. Tradução Luiz G. Fieury.
Adaptação para o português moderno: Andrea A. Botelho – Laboratório de Psicopedagogia do Instituto de Psicologia da USP, 1993.

Já o dissemos em outra ocasião – a função própria do “Bureau Internacional d’Education” não é a de defender ou a de combater este ou aquele processo pedagógico, mas antes a de fazer compreender, graças aos métodos puramente científicos da pedagogia comparada como as diferentes tendências educativas se desenvolveram e a que resultados chegaram do ponto de vista de seus próprios iniciadores.

Fatores dos movimentos pedagógicos e o trabalho em grupos

A este respeito, um movimento pedagógico novo deve sempre considerar-se como sendo o produto combinado dos fatores sociológicos característicos do meio adulto no qual ele se origina e dos fatores psicológicos que caracterizam as crianças e adolescentes que crescem em tal meio

Por muito tempo a escola teve como seu único mister transmitir à infância os conhecimentos adquiridos pelas gerações precedentes

O desenvolvimento da técnica do trabalho por grupos não faz absolutamente exceção a esta regra. Pelo contrário poucas iniciativas pedagógicas existem nas quais se descubra mais facilmente a conjunção dessas duas espécies de fatores, e, por conseguinte, cujo estudo seja mais fácil de se conduzir imparcialmente do ponto de vista da psicossociologia e da pedagogia comparada.

Desenvolvimento do método de trabalho por “equipes”

Com efeito o método de trabalho por “equipes” que desde 1900 e sobretudo depois de 1918 desenvolveu-se nos diferentes países sob formas variadas nasceu de duas espécies de preocupações. De um lado, a importância crescente atribuída ao fator coletivo pelas diversas ideologias políticas levou os educadores a desenvolver a vida social em classe, se bem que o trabalho por “equipes” encontre hoje protagonistas pertencentes aos mais variados regimes, por mais opostos que sejam estes na aparência. De outro lado, graças a uma notável convergência, os educadores, ciosos do respeito à atividade espontânea da criança e de moldar os métodos da pedagogia pelos dados da psicologia infantil, foram eles próprios levados à idéia do trabalho por “equipes”, porque a criança, chegada a um certo grau de desenvolvimento, tende por si mesma à vida coletiva e ao trabalho em comum. Pode-se, pois dizer que a floração dos sistemas de trabalho por “equipes” – os quais – coisa digna de nota -nasceram independentemente, em boa parte, uns dos outros – é devida à conjunção dos fatores sociológicos relativos ao adulto e dos fatores psicológicos relativos à criança.

São estes últimos os que gostaríamos de analisar brevemente aqui.

Depois de haver deslindado as principais relações psicológicas em jogo no trabalho por equipes, procuraremos mostrar aquilo em que esses mecanismos explicam os resultados dos métodos.

Relações psicológicas no trabalho por equipes

Velha concepção da função da escola

Por muito tempo a escola teve como seu único mister transmitir à infância os conhecimentos adquiridos pelas gerações precedentes e exercitá-las nas técnicas especiais do adulto. Abastecer a memória e exercitar o aluno na ginástica intelectual pareciam assim as únicas coisas necessárias porque se concebia a estrutura mental da criança como idêntica à do homem feito e porque parecia, portanto, inútil formar um pensamento já inteiramente constituído, que não exigia senão ser exercitado

A criança não é um ser passivo do qual se trate de rechear o cérebro mas um ser ativo cuja tendência à pesquisa espontânea tem necessidade de alimentos.

Dentro desta concepção, a escola supõe, decerto, uma relação social indispensável, mas somente entre o mestre e os alunos: sendo o mestre detentor dos conhecimentos exatos e afeito às técnicas a adquirir, o ideal é a submissão da criança a sua autoridade e todo contato intelectual das crianças entre si não comporta senão perda de tempo e riscos de deformações e erros.

Mas três observações diversas vieram complicar esta visão simplista do ensino e da educação intelectual e impor, ao mesmo tempo, a necessidade de colaboração dos alunos entre si.

Primeira observação: A dificuldade do mestre fazer-se compreender

Em primeiro lugar, temos a observação comum, mas cuja significação não se evidenciou senão pouco a pouco, da dificuldade do mestre fazer-se compreender pelos alunos. Quando ao ensino individual da Idade Média sucedeu o ensino simultâneo ou por grandes classes de idades, certos educadores mostraram já a necessidade de introduzir intermediários entre a palavra do mestre e a compreensão dos escolares: donde os monitores no “ensino mútuo” de Bell Lancaster. Mas não foi senão com a pedagogia experimental deste século que se compreendeu verdadeiramente o alcance do problema. Percebeu-se que o verbalismo, que constitui o grande obstáculo à compreensão da criança, não é devido somente às insuficiências do ensino oral, mas ao seu próprio princípio, quando este ensino é concebido como o principal instrumento educativo. A criança não é um ser passivo, do qual se trate de rechear o cérebro, mas um ser ativo, cuja tendência à pesquisa espontânea tem necessidade de alimentos. Essa mudança radical de perspectiva, operada pela “escola ativa”, não suprime de modo nenhum a lição, mas a reduz a uma função mais modesta de resposta às questões que o aluno propõe a si próprio e a subordina, assim, ao trabalho individual. Mas então, à medida que uma parte é deixada ao trabalho pessoal, há trabalho em comum e formação de grupos, porque só a recepção passiva supõe o isolamento intelectual dos alunos, ao passo que a pesquisa acarreta a colaboração e o intercâmbio.

Segunda observação: O pensamento racional não é inato

Em segundo lugar, percebeu-se, tanto pela prática da educação como graças à análise psicológica, quão pouco pré-formado é o pensamento racional da criança. A lógica constitui uma moral para o pensamento, quer dizer, ela não consiste em mecanismos inatos que se imponham segundo um determinismo inelutável, mas apenas em regras que se propõem à consciência intelectual, as quais esta pode submeter-se ou opor-se.

Assim sendo, antes de saber raciocinar corretamente, a criança começa por jogar com seu pensamento ou por utilizá-lo segundo normas que lhe são próprias. A tarefa principal da educação intelectual parece, pois, cada vez mais, a de formar o pensamento e não a de enriquecer a memória. A necessidade de prova e de verificação, a objetividade na observação e na experiência e a coerência formal nas afirmações e nos raciocínios, em uma palavra, a disciplina experimental e dedutiva, são ideais que a criança deve adquirir porque não os possui desde logo e num conjunto.

Ora, basta a autoridade do mestre para impô-los, ou antes se limita a substituir a fantasia individual por uma verdade já feita, isto é, um meio-erro; de substituir a anomia primitiva por uma heteronomia intelectual?

Aqui de novo se apresenta o problema do trabalho em grupos. Com efeito, a verdade, como todo bem moral, não se conquista senão pelo esforço livre e o esforço livre na criança tem por condição natural a colaboração e o mútuo auxílio.

Terceira observação: A razão e seu elemento social de cooperação

Enfim, e sobretudo, notou-se – e esta terceira observação completa necessariamente as duas primeiras – que a razão implica um elemento social de cooperação. De um lado, o estudo das sociedades adultas mostrou aos sociólogos como o vigor e as formas do pensamento variam de um a outro meio coletivo. Quer essas variações interessem simplesmente ao desenvolvimento da ciência e dos outros produtos superiores do pensamento, ou quer se trate, como se tem sustentado, de verdadeiras diferenças de estrutura e de lógicas qualitativamente distintas, não é menos certo que a evolução da razão depende estreitamente de fatores sociais e que a contribuição hereditária ou adquirida não basta para conduzir por si só as inteligências individuais ao nível racional. Ora, é precisamente este dado fundamental da psicologia do pensamento que os práticos da pedagogia reencontraram quando, depois de haverem estabelecido que a criança não é passiva – mas ativa, e que a razão, longe de ser inata no indivíduo, se elabora pouco a pouco – descobriram que a vida do grupo é o meio natural dessa atividade intelectual e a cooperação o instrumento necessário para a formação do pensamento racional.

[…]


O texto integral está disponível na fonte indicada acima.


108 comentários em “O trabalho por equipes na escola – Jean Piaget”

  1. Para mim o trabalho desenvolvido em equipe favorece tanto as crianças quanto o adulto, e principalmente em instituições escolares onde estamos sempre aprendendo uns com os outros.
    O trabalho em equipe permite que todos do grupo compartilhem suas experiências, e construam um novo saber, então devemos trabalhar, praticas educativas que possam reinventar, e inovar maneiras de se ensinar sem o emparedamento de sala de aula.Buscando outras formas e espaços para à aprendizagem do aluno.

  2. A educação desenvolve a criança a partir de uma boa gestão escolar e em comum com a participação ativa do professor. A criança é ativa e precisa ser alimentada de conhecimento em todos os sentidos e o trabalho em grupo desenvolve bastante a capacidade de raciocínio e de pensar da criança, o coletivo vai desenvolver bastante a essa capacidade e sutileza da criança e ajustar futuramente e preparar para uma sociedade que é tão globalizada e com muitas desigualdades sociais.

  3. O problema é que cada vez mais a ideologia moderna, ligada aos princípios fundamentais de uma sociedade individualista, afasta a lógica do trabalho coletivo, em grupo e , principalmente pelo tradicionalismo, coloca o professor como o detentor do conhecimento, não estimulando assim a construção dos conhecimentos de forma coletiva.

  4. Certamente que é no trabalho em grupo que a criança exerce aprendizado, compartilha conhecimento, justamente por ser nesta ação que a criança prática ciências, que nada mais é, de forma bem simplista, a troca de opiniões; ora se impondo, ora cedendo, e se instaura o velho jogo de ensinar e aprender, numa dinâmica que começa com a organização e tomada de decisão.

  5. Acredito numa proposta educativa nas escolas que permitam que a criança possa ser um ser pensante, criativo, inovador, cheio de perspectivas e percepção de novos aprendizados, entretanto os educadores devam se permitir aprender juntos aos seus educandos. Formarem real parcerias induzindo ao aprendizado. Construindo e participando ativamente “juntos e democraticamente unidos”.

  6. A criança necessita de atividades práticas, que desenvolvam seu raciocínio, de forma prazerosa, respeitando seus interesses, suas vivências, e que busquem o ensino e a aprendizagem. O professor deve estar atento ao processo de ensino e de aprendizagem, buscando promover momentos de convivência, que são enriquecedores, e assim, a criança também desenvolverá o trabalho em equipe, aprenderá a importância do grupo, a liderar, com atividades prazerosas como jogos de tabuleiro, por exemplo.

  7. A criança,segundo Piaget é ativa e precisa ser alimentada de conhecimento,o trabalho em equipe é muito importante para troca de conhecimentos.

  8. O trabalho em equipe nas instituições escolares servem como base do nosso trabalho. Através dele podemos observar que novas amizades são criadas e também com essa nova interação o trabalho entre eles flui com a dinâmica que os aproxima e com isso as experiencias vivenciadas entre eles permite que conceitos sejam firmados levando aos novos conhecimentos.

Os comentários estão desativados.