QUEM VOCÊ GOSTARIA DE SER? um pouco sobre icebergs, princesas e protagonismos

  Hamlet, Roberto Zucco, Harry Potter, Hércules, Frodo, Batman, Roland Deschain, Gandalf, Percy Jackson, Don Corleone, Tony Montana, Peter Pan, Rambo ou Alice, Ofélia, Hermione, Claire Beauchamp, Medusa, Wendy, Miranda, Rey, Ripley, Frida, Lisbeth Salander, Katniss, Rose, Merida, Elizabeth Bennet?   Quando Titanic foi lançado em 1997, o amor de Jack e Rose foi alvo […]

VELHOS HÁBITOS – MEDOS VIVOS

Todos nós sonhamos, mas é dos nossos pesadelos que nunca esquecemos.   Quando criança, eu era louca pelo sobrenatural. Passava as tardes lendo sobre mágica e assombrações, tentando desvendar onde poderia haver um portal que eu pudesse atravessar para me conectar com outros mundos. Tempos mais tarde, eu percebi que não era apenas o metafísico […]

MESMO NAS CINZAS, EU DANÇO

    Lembro-me que, há alguns anos atrás, quando comecei a estudar História do Brasil na faculdade, me intrigava o fato de um espaço colonizado e forjado com tamanha violência ser, curiosamente, um lugar no mundo onde tanto se festeja. Um passado de escravidão, tortura, inquisições, privação de direitos humanos básicos e autoritarismo político latente […]

Os Mamutes: Riso com Residual Amargo

  Escrever sobre uma peça teatral cômica é uma experiência totalmente nova para uma estudante de literatura acostumada a investir em temas que, aparentemente, são extremamente opostos ao riso, como o Gótico, a tragédia, a estética noir e intimista, que tratam principalmente das angústias da existência. Digo aparentemente porque, mesmo que haja um contraste, estes elementos podem convergir, como […]

O caçador de hoje é o mamute de amanhã

      Recordo-me com entusiasmo da primeira vez em que li o texto Os Mamutes do dramaturgo carioca Jô Bilac. A narrativa que me pareceu aparentemente distópica em um primeiro momento (e digo aparentemente porque as referências me foram, desde a primeira frase, bastante familiares, se devidamente contextualizadas) e o argumento de caráter fantástico […]

Neva e o fazer artístico diante do caos

    Neva é um espetáculo sobre nós que buscamos na arte novas formas de ter voz. É sobre o constante questionamento que nos atravessa enquanto artistas sobre a efetividade da arte que fazemos diante de um mundo que tende ao retrocesso político e social. Seja diante de uma revolução russa, de um sistema totalitário […]