Com o intuito de capacitar futuros profissionais da saúde com um olhar diferenciado para as necessidades de cada pessoa, iniciou-se a edição do Ver-Sus do inverno de 2013. De modo a contextualizar o direito à saúde para todos e incentivar melhorias no SUS, onde cada participante é uma peça fundamental, estudantes da saúde têm a oportunidade de vivenciar, de outro ângulo, a oferta de serviços no SUS, sendo capazes de ter uma compreensão dos desafios e das potencialidades para garantir uma saúde de qualidade para as pessoas.

Outro aspecto interessante, é a concentração de estudantes de diferentes segmentos da saúde, sendo possível trabalhar com a multidisciplinaridade, com cada integrante contribuindo com seus conhecimentos, juntando, assim, todas as peças necessárias para montar o grande quebra-cabeça de um SUS melhor. Talvez o que seja tratado como melhoria na saúde seja algo utópico, que estes versusianos trazem como potencialidades de melhorias, mas sonhos podem se tornar realidade. Cada estudante, futuro profissional, abdicou de suas férias do meio do ano para estagiar no SUS, saindo do mundo teórico das salas de aula e colocando em prática seus estudos para analisar os fluxos de trabalhos.


O que o SUS pode ganhar com estes futuros profissionais viventes do SUS?
Profissionais preparados para compreender o estado humano, em que cada pessoa tem o seu contexto de vida, o que, nas palavras de um dos viventes, seria um ato de cidadania. O Ver-Sus possibilita, além da oportunidade de formar laços de amizade, a oportunidade dos estudantes visitarem serviços de saúde em Porto Alegre – nas suas 8 regiões – e na região metropolitana, nos municípios de Canoas, Novo Hamburgo, Osório/Tramandaí, São Leopoldo e Gravataí. Equipes são montadas com dois facilitadores e aproximadamente dez estudantes. Os estudantes e facilitadores ficam imersos na cidade designada para o grupo convivendo e participando de atividades. Durante a vivência, o estudante faz um diário individual e um relatório final como grande grupo, os gestores têm uma devolutiva mostrando as vivências e apontando potencialidades para o processo de trabalho no município.

Nessa edição, os estágios começaram no dia 19 de Julho, e hoje dia 30 de julho, o dia em que estive presente no encerramento, não pude deixar de notar a união e a amizade com que os trabalhos foram realizados. É interessante saber que todas as equipes e suas respectivas cidades fazem trocas do que vivenciaram, formando, assim, um agregado de conhecimentos, com muito aconchego e calor humano. Pessoas diferentes reunidas no mesmo espaço, percepções construídas/desconstruídas e afetividade trocadas por pessoas que até então eram desconhecidas.


Para mim, a emoção da despedida que presenciei é só a ponta do iceberg, pois ali pude ver e sonhar com profissionais capacitados a se doar para o próximo em uma oportunidade na qual é possível trazer para a realidade um sistema de saúde universal cumprindo com seus objetivos.

Abaixo o depoimento de Bruna Pedroso, integrante do Elos Coletivo, um dos organizadores do evento, na qual ela descreve o significado do Ver-SUS:
Ver-Sus para o coletivo foi uma porta de entrada, um despertador foi uma coisa que dá o click, pela aproximação, pela imersão, porque o primeiro ver-sus que participei foi no verão de 2012 que a gente dizia, fácil é participar do big brother quero ver é participar do ver-sus! Porque é um choque, a pessoa com uma bagagem, com uma trajetória no meio de monte de gente que não conhece, com realidades diferentes e ninguém sabe o que pode produzir. Então é uma ebulição interna que só pode acontecer ao extrapolar em choro, em raiva ou em silêncio, porque a gente não sabe o que vai fazer mas de qualquer forma resultou em alguma coisa e a gente espera que a longo prazo esse resultado seja qualificação dos processos humanos de saúde, o fortalecimento do movimento estudantil, algumas coisas já temos visto na formação do Elos Coletivo. Ver-sus é  um projeto muito positivo que cumpre os objetivos ao qual ele se propõe, de aproximar os estudantes dessa realidade, que não é trazida na academia, de criar vínculos, esses vínculos vão ser levados quando estivermos na rede atuando.”
Para saber mais sobre o Ver-Sus Porto Alegre e Região Metropolitana acesse o link do Elos Coletivo:
Para acessar os relatórios dessa galera acesse o site da Otics, onde é possível fazer sua inscrição e também acompanhar o Ver-Sus em outras regiões do Rio Grande do Sul e do Brasil:

http://versus.otics.org.br/vivencias/inverno-2013/rio-grande-do-sul


Escrito por Fernanda Cardoso e Mariana Martins.