No segundo e último dia do Encontro Regional da Rede Unida – Sudeste, a equipe da Rádio Web Saúde UFRGS continuou acompanhando o circuito de visitas às obras com os grupos durante a manhã e, à tarde, transmitiu ao vivo, pela internet, o encerramento do Encontro com a devolutiva das discussões que os grupos fizeram sobre as obras visitadas.
O Parque Inhotim é um enorme museu a céu aberto e para qualquer lugar que se olhe há arte inserida nele. Os lagos são de um verde esplêndido e inimaginável, lá encontrei várias Carpas Super Saúde Coletiva UFRGS, de um laranja vibrante e intenso! O paisagismo, as instalações, as obras ao ar livre, enfim, o saudosismo vai batendo e a vontade de não querer voltar à realidade faz com que tenhamos a nítida impressão de querer eternizar o momento!

Hoje, o Grupo 9 trabalhou com o tema “A Delicadeza das Relações Interprofissionais”. Visitamos a obra de Rivane Neuenschwander, a Galeria Praça e a Galeria Lygia Pape.
Continente/Nuvem foi a primeira obra que visitamos. Uma casa pequena, simples e antiga na qual moravam 11 pessoas de uma mesma família, no teto do grande salão da casa há 25 ventiladores que ficam constantemente ligados levando as bolinhas de isopor de um lado para outro. Entramos pela porta dos fundos da casa, velha tradição mineira de receber o visitante direto na cozinha, lugar mais aconchegante do lar. Depois do relato da história da obra com a monitora, o professor Akerman pediu para que o grupo se apresentasse e contasse um pouquinho da sua trajetória, foi uma forma de nos conhecermos melhor muito interessante, pois entre nós havia profissionais da saúde de diferentes áreas, bem como usuários do sistema, estudantes de graduação e professores a maioria da região sudeste do país, só eu era do sul. Após nos apresentarmos o apoiador do grupo pediu para que deitássemos no chão para ver/sentir as bolinhas movimentando-se no teto… Foi uma sensação única! Estar dentro da obra, compartilhando da sua moldura e ao mesmo tempo desenmoldurando-se e despindo-se de certos pré-conceitos, como o de deitar no chão! Momento sublime… Como diz o professor Marco, a monitora, também, desenmoldurou-se, pois se apresentou para nós e aceitou tirar uma foto nossa! A vida é uma arte! Quem quiser mais informações sobre a obra, visite o site:

Na Galeria Praça, a obra Forty Part Motet, apresentou uma instalação com 40 caixas de som, para cada caixa uma voz masculina de coral, cantando uma música composta para a comemoração do aniversário da Rainha Elizabeth 1ª, em 1575. Um espetáculo à parte que fez com que eu transgredisse as regras pegasse a câmera e filmasse o passeio que fiz pela sala na frente das caixas de som. Eu precisava levar algo para a minha mãe de todo aquele mar de cultura e arte no qual mergulhei fundo de corpo e alma! Minha mãe? ADOROU! Ela canta em dois corais, já cantou e outros tantos e nunca ouviu algo parecido com o que consegui captar de lá. A idéia de gravar cada voz em separado e depois transmiti-la em uma só caixa de som nos remete a sentir que o coral estava presente ali no salão… Momento de interiozar nossas próprias vozes! Quem quiser mais informações sobre a obra, visite o site:

http://www.inhotim.org.br/index.php/arte/exposicao/obraTemp/195/4

A professora Dora Lúcia de Oliveira explica, durante a entrevista para a Rádio Web Saúde UFRGS, o que mais a chamou a atenção na obra de Janet Cardiff.
https://www.youtube.com/watch?v=3K26TjEKcwE

Não é à toa que essa Galeria se chama Praça, nela há duas montagens que retratam fielmente a praça e a rodoviária da cidade de Brumadinho. Modelos reais que emprestaram a sua forma para dar forma a um imenso painel! É tão interessante e real que dá vontade de pegar o ônibus… Quem quiser mais informações sobre a obra, visite o site: 

Literalmente adentramos na obra Ttéia na Galeria Lygia Pape! A instalação era tão escura que, na medida em que, fomos nos aproximando da obra subimos em uma espécie de palanque, tocamos nos fios, brincamos tentando adivinhar do que eles eram feitos e interagimos muito bem com a obra para depois sabermos que não poderíamos ter feito nem metade do que fizemos! Há sempre um senão nos museus… Poxa, estávamos no maior museu a céu aberto do mundo, como não interagir com a obra, tocá-la, senti-la… É, podendo ou não, foi o que fizemos! Quem quiser mais informações sobre a obra, visite o site:  

Após a visita as obras, o grupo reuniu-se para conversar sobre o que foi visto durante a manhã. Confesso que me perdi do grupo e acabei não participando da conversa, mas ao conceder a entrevista para a equipe da Rádio Web Saúde UFRGS o professor Akerman contou como foi rica a conversa que eles tiverem e o quanto o que foi dito nos auxilia a repensar nos rumos que queremos dar ao SUS. Confira a entrevista na íntegra, vale à pena! https://www.youtube.com/watch?v=Kth0VfO2mQE
Referência: Inhotim – Instituto de Arte Contemporânea e Jardim Botânico. Disponível em: <http://www.inhotim.org.br/>. Acesso em 22/08/2013.

Escrito por Rossana Mativi.