O Encontro Regional Sudeste, da Rede Unida, ocorreu entre os dias 16 e 17 de agosto, no Parque Inhotim, em Brumadinho/MG, foi um encontro preparatório para o 11° Congresso Internacional da Rede Unida, que ocorrerá em Fortaleza, em 2014. Teve como principal tema: “O encontro com a vida sem molduras, girando a educação e trabalho no cotidiano do SUS”.

O Inhotim – Instituto de Arte Contemporânea e Jardim Botânico foi palco desse acontecimento e proporcionou aos participantes uma experiência singular através do encontro com as obras de arte expostas ao ar livre, possibilitando a troca de experiências, reflexões e debates sobre o desafio de desemoldurar, romper com a perspectiva tecnicista, reducionista e restrita a padrões de comportamento que influenciam a formação dos profissionais de saúde e as práticas de cuidado e atenção à saúde.

A programação do Encontro Regional Sudeste, foi construída pelos representantes dos quatro estados envolvidos na organização do evento e pode ser conferida no site da Rede Unida: http://www.redeunida.org.br/congresso2014/regional/sudeste/programacao

Foram convidados para participar da Mesa de Abertura o representante do Departamento de Atenção Básica – DAB/SAS, Alexandre Florêncio, o Coordenador Nacional da Rede Unida, Alcindo Antônio Ferla, a Coordenadora-Geral de Ações Estratégicas em Educação na Saúde – SEGTS, Eliana Cyrino, o Professor do curso de Odontologia da UFMT, João Henrique Lara do Amaral, e a Diretora de Inclusão e Cidadania do Instituto Inhotim anfitriã do evento, Roseni Sena.


Disponibilizamos na íntegra a Manifestação da Comissão Organizadora do Encontro Regional Sudeste da Rede Unida – 2013
Tema: Um encontro com a vida sem molduras:  girando o trabalho e a educação no cotidiano do SUS
Três experiências a serem trocadas nesses dois dias:
A delicadeza das relações interprofissionais;
A delicadeza das relações profissionais e comunidade;
A delicadeza em fazer saúde no SUS.
Quem faz a mediação entre nossas experiências e esses três eixos é a arte contemporânea. A arte sem molduras, que assusta, surpreeende, sensibiliza, emociona e que abandona os suportes tradicionais. Uma característica marcante da arte contemporânea e a diversidade assim como são diversos os muitos cenários e personagens que cruzam o caminho na prática cotidiana. A mediação pela arte busca o discurso universal.
Entendemos como delicadeza saber lidar com o que está ao nosso redor e de nossos semelhantes, é ver o cotidiano como espaço das surpresas, é a valorização da singularidade, é “olho no olho” onde se permite pensar nas realidades das vidas e das existências. O giro da vida é o pano de fundo, é a vida enquanto experiência individual e coletiva.
Desemoldurar, descortinar, mudar o eixo, permitir que cada um gire a vida nesses dois dias de acordo com a sua experiência e o seu caminho. Girar e desemoldurar o trabalho e a educação no cotidiano do SUS.
Desemoldurar como um termo cunhado para essa experiência de dois dias. Foi durante uma reunião nesse instituto. Termo que espanta, trás surpresa, que faz fugir o terreno debaixo dos pés. Busca-se superar o rigor do que está disciplinado, engessado e emoldurado nos campos da educação e do trabalho.
Cada participante trás a sua contribuição no campo da formação, do trabalho, do controle social e da gestão. A ideia geral que move a atividade é provocar a dúvida, a reflexão e a criação, sempre considerando as experiências de cada um.
Na elaboração dessa fala alguns membros da comissão manifestaram que se sentiram desafiados, convocados à criatividade e ao atrevimento. Houve também a experiência da solidariedade. Todas elas experiências da vida e não será diferente durante os próximos dois dias. Desafio e solidariedade são complementares. No encontro regional as pessoas se aproximam e as coisas acontecem porque fazemos acontecer juntos e com objetivos compartilhados.
O desafio de desemoldurar perseguiu a comissão durante toda a organização. Talvez pelo esforço de perder as molduras fez com que o trabalho de organização parecesse mais pesado. Como organizar sem moldura? Houve um exercício obstinado em desfazer e recriar novos movimentos e espaços, tentativas de desemoldurar as existências e seus afazeres.
Esse encontro possibilita nossa inserção ainda maior no desenvolvimento das políticas de Saúde no Brasil e revigora o ideário do Movimento da Reforma Sanitária Brasileira. Percebe-se nas gerações aqui representadas diferentes etapas de uma mesma trajetória. Estamos nesse movimento para enfrentar os desafios da consolidação e da melhoria da qualidade da formação e do trabalho na saúde, com delicadeza, buscando retirar as molduras para que os enfrentamentos e as soluções sejam outras.
Esse é o convite que é feito a todos e todas. Nesses dois dias e depois nos espaços sociais que ocupamos e onde objetivamente fazemos.
O encontro é uma resposta àqueles que acreditaram primeiro, dois deles presentes entre nós: Roseni, Edison Corrêa e Vitor Hugo que não pode comparecer. Os três fundadores da Rede Unida.

Sejam bem-vindos(as).

Escrito por Juliana Porto.