Conheça o Projeto

Introdução

Obras de infraestrutura viária como rodovias, ferrovias e vias urbanas se caracterizam por apresentar projetos complexos e multidisciplinares. Uma rodovia, por exemplo, requer para a sua construção pelo menos três etapas distintas: (i) a etapa de projeto básico ou anteprojeto na qual são definidas as principais características do projeto e são realizadas estimativas para sua implantação, (ii) a etapa de projeto executivo, incluindo os estudos e projetos para a caracterização das necessidades e custos associados a obra e (iii) a etapa de construção e fiscalização da obra, propriamente dita.

As três etapas mencionadas no parágrafo anterior indicam o esboço, a concepção e o acompanhamento de uma obra viária em um processo que pode ser definido como a verticalização do projeto. Inúmeras atividades devem ser desenvolvidas para cada uma das etapas. Estas atividades podem ser consideradas como dispostas horizontalmente e são interligadas e complementares. Os estudos topográficos, de tráfego, hidrológicos e geotécnicos, bem como os projetos geométrico, de terraplenagem, de drenagem, interseções, sinalização e pavimentação são atividades presentes na etapa do projeto executivo. Cada uma destas atividades, multidisciplinares, estabelecem condições de contorno que afetam todas as demais, desta forma uma alteração no projeto geométrico pode alterar completamente o cenário proposto para a elaboração do projeto de drenagem e, este pode interferir no primeiro, bem como no projeto de terraplenagem.

A inter-relação e interdependência entre as etapas (processo vertical) e entre as atividades (processo horizontal) pode ocasionar o retrabalho quando os responsáveis pelos diferentes projetos não tem condições de trabalhar em equipe, de forma harmoniosa e integrada. É comum ouvir de projetistas de empresas de consultoria que para concluir um projeto foram realizados 4, 5 ou mesmo 6 projetos distintos.

É evidente que cada projeto apresente sua especificidade em termos de técnicas e prazos e que mesmo com uma coordenação competente surjam diferenças e ajustes no projeto executivo provocadas de uma parte a outra. O presente trabalho, perante esta situação bastante comum na consultoria de obras de infraestrutura viária, propõem os seguintes questionamentos: (i) é possível sistematizar as etapas e atividades dos projetos de obras de infraestrutura viária de forma a otimizar os mesmos em qualidade e prazo, evitando o retrabalho? e, em caso afirmativo, (ii) quais as Diretrizes para o Desenvolvimento de Sistema Avançado para Estudos e Projetos?

A premissa básica do presente trabalho consiste em considerar que a resposta para o primeiro questionamento é afirmativa, ou seja, sim é possível sistematizar procedimentos em estudos e projetos multidisciplinares de forma a otimizar os mesmos em qualidade e prazo. Para tanto, a utilização da microinformática, da tecnologia da informação – TI e o conceito BIM (Building Information Model) se apresentam como ferramentas essenciais na elaboração de um sistema integrado para projetos tão variados.

Objetivos

Os objetivos deste estudo estão associados a três verbos no infinitivo: IDENTIFICAR, CARACTERIZAR e HIERARQUIZAR as Diretrizes para o Desenvolvimento de Sistema Avançado para Estudos e Projetos Viários. Entende-se por sistema avançado o sistema que permite elaborar e gerenciar projetos e não o aglomerado de ferramentas de projeto, estanques entre si.

Os objetivos específicos podem ser assim sintetizados:

  • IDENTIFICAR quais os elementos necessários e suficientes para projetar e gerenciar projetos de obras de infraestrutura viária.
  • CARACTERIZAR os procedimentos, as normas vigentes, os meios, os resultados exigidos no seu conteúdo e forma e, principalmente, as inter-relações existentes.
  • HIERARQUIZAR nas etapas e atividades os procedimentos segundo o benefício gerado, de forma a otimizar também o próprio desenvolvimento do sistema.

Como objetivo complementar ao estudo, pretende-se apresentar esboço de soluções técnicas (computacionais e de tecnologia da informação) para o desenvolvimento de um Sistema Avançado para Estudos e Projetos de obras de infraestrutura viária.

Metodologia

O estudo do(s) métodos(s) a ser(em) empregado(s) no presente trabalho remete as especificidades das diferentes áreas que compõe o projeto básico, o projeto executivo e a construção/fiscalização de obras de infraestrutura viária. Além de reunir as ‘boas práticas’ dos grupos que compõem o projeto multidisciplinar através das normas existentes para cada projeto e da cultura dominante no estado da arte e da prática, pretende-se analisar através de técnicas de O&M (Organização e Método) os procedimentos que compõem as etapas e atividades do projeto.

Estudos preliminares como Normas e Especificações Técnicas de diferentes órgãos atuantes no setor de obras de infraestrutura viária deverão ser considerados (FHWA – Federal Highway Administration, DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, DAER/RS – Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Estado do Rio Grande do Sul, VALEC – Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. , entre outros).

O projeto de pesquisa proposto apresenta uma abrangência significativa. De forma a tornar o projeto mais ‘enxuto’ e definido optou-se pela subdivisão do mesmo em fases. As fases podem ser divididas em dois grandes grupos: (i) as fases previamente conhecidas e definidas no escopo do projeto de pesquisa proposto e (ii) as fases não definidas que podem vir a serem necessárias na definição das Diretrizes para o Desenvolvimento de Sistema Avançado para Estudos e Projetos de Obras de Infraestrutura Viária.

A seguir são apresentadas as fases do primeiro grupo, ou seja, as fases que compõem o escopo do projeto original:

  • Fase 1: conhecimento do problema, das soluções existentes e da formatação da equipe de pesquisa e da metodologia científica a ser utilizada.
  • Fase 2: elaboração do plano de trabalho e definições sobre limitações no escopo de projetos a serem estudados.
  • Fase 3: capacitação nas linguagens de programação, bases de dados, componentes e demais recursos computacionais e de tecnologia da informação que se façam necessários para a proposição de soluções técnicas.
  • Fase 4: realizar o ‘benchmark’ com sistemas computacionais existente para projetos de obras de infraestrutura viária.
  • Fase 5: identificar, caracterizar e hierarquizar os procedimentos que forem considerados necessários (diretrizes) no desenvolvimento de um Sistema Avançado para Estudos e Projetos Viários.
  • Fase 6: com base nos conhecimentos computacionais adquiridos na Fase 3, propor esboço de soluções técnicas para os procedimentos definidos na Fase 6.

O escopo de estudos e projetos avaliados é dividido nos que fazem parte do projeto original e naqueles que serão incorporados ao longo do desenvolvimento deste. Inicialmente, os estudos e projetos, integrantes do projeto executivo, escolhidos para análise são:

  • Estudos Topográficos: construção e edição de superfícies e captura de perfis longitudinais e seções transversais.
  • Projeto Geométrico: definição da diretriz, alinhamentos, eixo planimétrico, projeto de greide (altimetria) e seções transversais.
  • Projeto de Terraplenagem: notas de serviço, determinação de áreas, volumes, maciços e centros de gravidade de cortes e aterros, diagrama de massas e resumo.
  • Projeto de Drenagem: identificação de bacias, projeto e representação de drenos, sarjetas, valetas e bueiros.
  • Projeto de Sinalização: cadastro (inventário), representação e projeto de sinalização horizontal, vertical, defensas, tachas e tachões.

Os projetos acima foram selecionados por serem definidores dos cenários para os demais projetos (interseções, pavimentação, obras de arte especiais, etc.) de obras de infraestrutura viária.

Comentários estão encerrados.