Ansiedade

 

O que é a ansiedade?

A ansiedade tem sido vista como algo normal na atualidade. E ela é! É normal sentir-se ansioso antes de situações importantes ou difíceis ou quando nos deparamos com um risco futuro. Inclusive, a ansiedade e o medo, apesar de não serem agradáveis, podem ser úteis para nos ajudar a nos prepararmos melhor para algumas situações futuras.

A ansiedade que é relatada como problema faz parte dos Transtornos de Ansiedade, que partilham características de medo e de ansiedade excessivos e que causam prejuízos e limitações na vida da pessoa. O medo é uma reação emocional a alguma ameaça, enquanto a ansiedade é o sentimento que antecipa essa ameaça. Quando atingem níveis elevados, a ansiedade ou o medo podem levar a comportamentos de esquiva, como evitar comparecer a eventos sociais ou não comparecer a alguma prova, por exemplo, causando prejuízos no dia-a-dia.

 

Quais os principais transtornos?

Fobia Específica: medo, ansiedade ou esquiva desproporcionais a objetos e/ou situações específicas, como sangue-injeção-ferimentos, voar de avião, animais, entre outros outros.

Transtorno de Ansiedade Social (fobia social): medo, ansiedade ou esquiva desproporcionais em relação a situações sociais (encontro com pessoas que não são familiares), situações em que o indivíduo será observado comendo ou situações de avaliação de desempenho, em função do medo de ser humilhado, rejeitado ou até mesmo de ofender os outros.

Agorafobia: medo, ansiedade ou esquiva desproporcionais em situações de uso de transporte público, estar em espaços abertos ou lugares fechados, estar no meio de uma multidão ou ficar em fila, estar fora de casa sozinho. Normalmente esse medo se associa a pensamentos de que, caso algo aconteça, não conseguirá escapar ou não terá ajuda.

Transtorno de ansiedade generalizada: medo, ansiedade ou esquiva desproporcionais em diversos âmbitos da vida, como trabalho ou escola. São indivíduos que se sentem sempre muito preocupados, nervosos, inquietos, e muitas vezes com uma alta irritabilidade.

Transtorno de pânico: Algumas pessoas têm ataques de pânico recorrentes. O transtorno de pânico é o medo de que esses ataques aconteçam, o que faz com que a pessoa acabe evitando situações ou mudando seu comportamento para evitá-los.

 

Mas o que são os Ataques de Pânico?

Ataques de pânico são acessos de medo intenso que podem ser acompanhados de um medo de morte iminente, mas sem um motivo real. Entre os principais sintomas estão: aumento da frequência cardíaca, transpiração, tremores, respiração acelerada e difícil, calafrios, náuseas, dor no peito, dor de cabeça, tonturas, sensação de desmaio, dificuldade em engolir, enrijecimento muscular de extremidades. Os ataques de pânico podem estar presentes em qualquer um dos Transtornos de Ansiedade.

 

Quando procurar ajuda?

Esse sentimento de medo e apreensão pelo que está por vir é considerado como patológico somente quando é desproporcional em relação a sua causa, atingindo níveis muito altos por longos períodos. Quando os sintomas da ansiedade interferem de maneira significativa no desempenho diário do indivíduo, é importante procurar ajuda profissional.

 

Quais os sintomas?

Emocionais:

Preocupação excessiva;
pensamentos acelerados;
dificuldade de relaxar;
irritabilidade;
dificuldade de concentração;
preocupação exagerada em relação à realidade.

Físicos:

Suor excessivo;
Dificuldade de respirar;
tonturas;
Aceleração dos batimentos cardíacos;
tremores;
enrijecimento muscular.

 

Como é feito o diagnóstico?

Profissionais da psicologia ou psiquiatria podem diagnosticar os Transtorno de Ansiedade e assim, indicar o tratamento mais adequado à situação.

 

Existe tratamento?

Existe! Normalmente, quem sofre com ansiedade tem muita dificuldade em acalmar-se sozinho, ou só consegue se acalmar depois de muito tempo. Existem diversas técnicas que ajudam a pessoa a controlar essas reações e manejar os sentimentos, como técnicas de respiração, por exemplo. Ao procurar um profissional, a pessoa iniciará um tratamento ideal e específico para seu caso. Além disso, há casos em que é necessário, juntamente com a psicoterapia, o uso de medicação, mas isso só poderá ser avaliado pelo profissional.

 

Autoras: Laura Pooch, Flávia Wagner

 

Referências:

Manfro, G.,  Castilloa, A., Recondob, R., Asbahrc, F. (2000). Transtornos de Ansiedade. Rev Brasileira de Psiquiatria 22(Supl II):20-3.
American Psychiatric Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition. Arlinton, VA: American Psychiatric Association.

 

Material para download: