Depressão

 

 

O que é ?

Hoje utilizamos informalmente a palavra “depressão” para caracterizar um sentimento de tristeza. No entanto, na literatura científica, o termo depressão está relacionado ao que chamamos de Transtornos de Humor, como, por exemplo, Transtorno Depressivo Maior ou Distimia. Depressão está entre os transtornos psiquiátricos mais comuns, com aproximadamente 300 milhões de pessoas afetadas no mundo. É definido por sentimento persistente de tristeza, alterações somáticas (como insônia ou dores), neurocognitivas (lentificação do pensamento) e comportamentais (isolamento, perda de interesse em atividades, falta de motivação). Existem diferentes diagnósticos possíveis conforme a duração, quantidade e intensidade dos sintomas, além da maneira como se apresentam. Mas é importante lembrar que depressão não é sinônimo de tristeza.  A depressão é uma transtorno incapacitante e que independe de idade, cor,  gênero, ou classe social.

 

 

Quais as causas da depressão?

É impossível definir uma causa única para a depressão. Há fatores genéticos, ambientais, fisiológicos e comportamentais envolvidos. No entanto, alguns elementos podem ser associados ao desencadeamento da depressão, como estresse, vivência de eventos traumáticos, uso de maconha e outras drogas, além de problemas crônicos de saúde. Condições clínicas como diabetes, hipotireoidismo e carência nutricional podem apresentar sintomas iguais ou semelhantes aos da depressão e devem ser investigados.

 

A depressão pode vir acompanhada de outros transtornos?

Sim! Pessoas com depressão podem ter, ao mesmo tempo, outros transtornos psiquiátricos. Os mais comuns são Transtorno de Ansiedade, Transtorno de Abuso de Substâncias.

 

 

Quais os principais sinais e sintomas?

  • Tristeza persistente
  • Irritabilidade
  • Perda de interesse ou prazer na maior parte das atividades
  • Perda de peso sem estar fazendo dieta ou ganho de peso
  • Insônia ou precisar dormir mais do que o normal
  • Agitação ou lentificação do pensamento e dos movimentos
  • Fadiga ou perda de energia
  • Sentimentos de culpa e/ou baixa autoestima
  • Dificuldade de concentração ou indecisão
  • Pensamentos recorrentes sobre morte e/ou de que a vida não vale a pena. Saiba mais sobre prevenção ao suicídio

 

 

Como é feito o diagnóstico de depressão?

O diagnóstico é feito clinicamente através de entrevistas realizadas por profissionais das áreas de psiquiatria e/ou psicologia.

 

Existe tratamento?

Sim! Intervenções farmacológicas e psicoterápicas podem ser indicadas. Psicoeducação, que engloba a compreensão dos sintomas e prejuízos associados ao depressão, também é fundamental para o tratamento.

 

Se você acha que pode ter depressão, busque ajuda de um profissional qualificado para uma avaliação!

Para maiores informações, sugerimos o site da Organização Pan-Americana da Saúde

 

Autoras: Sophia Martínez e Flávia Wagner

 

Referências:

American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Publishing.
Bastos, A. G., Fleck, M. P. A. (2016). Psicodiagnóstico e alterações do humor. In Hutz, C. S., Bandeira, D. R., Trentini, C. M., Krug, J. S., Psicodiagnóstico. pp. 331-336. Porto Alegre: Artmed
Organização Mundial da Saúde, Depression, retirado de http://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/depression
Vares, E. A., Salum, A. B., Spanemberg, L., Caldieraro, M. A., Fleck, M. P.  (2015). Depression Dimensions:
Integrating Clinical Signs and Symptoms from the Perspectives of Clinicians and Patients. PLoS One. 2015; 10(8): e0136037. doi:  10.1371/journal.pone.0136037

 

Material para download: