Pular para o conteúdo

Desigualdade racial nos óbitos por Covid-19 no RS: diferenciais de letalidade por cor/raça

Publicado em: 21 de março de 2021

Especial para o dia 21 de Março Dia Internacional contra a Discriminação Racial

Cálculo da letalidade aparente que indica a mortalidade em termos do percentual de óbitos de cada raça/cor em relação aos casos confirmados na mesma raça/cor.

Elaboração: Prof. Dr. Ricardo Dagnino

Crédito da foto: Armin Rimoldi no Pexels

Como fizemos esses cálculos?

Com base no microdado da SESRS compilado até 20/03/2021 e disponível em http://ti.saude.rs.gov.br/covid19, a equipe do Projeto SIG UFRGS Litoral calculou letalidade aparente – que indica a mortalidade em termos do percentual de óbitos em relação aos casos confirmados – com ênfase nas desigualdades de cada raça/cor. O que fizemos foi analisar o percentual de pessoas com óbitos e casos confirmados em cada grupo de cor/raça no estado do Rio Grande do Sul.

Dados acumulados até 20/03/2021

A letalidade aparente da população do RS que teve Covid-19 e faleceu está hoje em 2,1% (de cada 100 que confirmam a doença, cerca de 2 morrem). Só que existe uma desigualdade racial – ligada às desigualdades sociais e econômicas -que é visível quando analisamos as mortes por raça/cor.

Enquanto a taxa de letalidade dos amarelos (orientais, chineses, japoneses) é de 0,4% e dos brancos é 1,58%, outros grupos populacionais, historicamente discriminados, possuem letalidade mais elevada: os negros (pretos e pardos) tem letalidade de 1,78% e os indígenas tem 1,81% (Figura 1).

Isto significa que um paciente negro (preto ou pardo) com Covid-19 em relação a um paciente branco tem risco de morte 13% maior; um indígena tem risco 15% maior.

Figura 1 – Letalidade aparente por raça/cor acumulada até 20 de março de 2021

Como se pode ver nos gráficos, infelizmente a ausência de informação no registro de óbito resulta em uma grande subnotifição de raça/cor, que é evidente no elevado percentual de letalidade no grupo com o quesito de cor ou raça de “Não informados”.

Ao analisar os dados por ano (Figura 2), pode-se ver que a letalidade no estado (Total Geral) aumenta em 2021 em relação à 2020: era 2,04% (de cada 100, pouco mais de 2 morriam) e passa a ser 2,27%, um crescimento relativo de 11,2%.

O grupo de raça/cor com aumento mais elevado foi o “NÃO INFORMADO”: a letalidade era 3,35% e passou para 7,10% (um crescimento relativo de 112%).

Esse aumento excessivo do grupo “Não Informado”, que indica subnotificação como já dissemos, pode estar relacionado à aparente queda da letalidade em 2021 nos demais grupos. Possivelmente, o aumento da letalidade em 2021 e o colapso no serviço de saúde pública no estado tem dificultado a anotação do quesito cor/raça nos registros de óbitos. A exceção é o grupo dos indígenas, que teve aumento de 1,81% para 1,86%, e dos amarelos (0,41 para 0,45).

Figura 2 – Letalidade aparente por raça/cor, segundo o ano de confirmação e óbito até 20 de março de 2021

Dados para download

ícone

base_SES_RS_2021_03_20 9.62 MB 6 downloads

Base de dados utilizada para o cálculo da letatalidade por raça/cor. Mais detalhes…
ícone

Letalidade_cor_raca_2020_2021_RS_2021_03_20 47.76 KB 6 downloads

Cálculo da letalidade aparente – que indica a mortalidade em termos do percentual…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.